13 novembro, 2012

ESTAMOS perdidos, confusos e manipulados!!! Portugal acorda.


contra a corrupção merkel troika

A nossa luta deveria ser contra a corrupção!!!
As greves, deveriam ser contra a corrupção.
O ódio deveria ser contra os corruptos.
As manifestações deveriam ser para acabar com a corrupção.
A revolta e indignação deveria ser contra os que nos saqueiam, há décadas.
Mas o povo distrai-se facilmente... 
Deixa-se conduzir pelos infiltrados, que querem fazer crer que acabar com a troika ou com a Merkel resolverá todos os problemas dos portugueses. 
ACORDEM... CARAMBA ... FOQUEM-SE, CONCENTREM-SE. 
Deixemos-nos de carneiradas... os políticos de todos os quadrantes, querem distrair o povo do real problema -  A CORRUPÇÃO DELES. Querem que o povo deixe de reparar na vergonha que eles fazem ao país e irão continuar a fazer - arruínam as finanças, esbanjam os nossos impostos, abusam do poder e compram a justiça.

Ouçam Medina Carreira, Paulo Morais, Marinho Pinto, José Gomes Ferreira, Caiado Guerreiro, a crise é PROVOCADA PELA CORRUPÇÃO... 
Esqueçam a Merkel e a Troika, esses estão em Portugal a convite, para emprestar dinheiro aos corruptos que já não possuem dinheiro para pagar as contas e os juros aos amigos da banca.
Quem os chamou? Quem nos obrigou a pedir dinheiro emprestado? 
FORAM ANOS E ANOS DE CORRUPÇÃO LIVRE E IMPUNE, QUE OS PORTUGUESES TEIMAM EM DEIXAR CONTINUAR. 

Será assim tão difícil concentrarem-se para proteger o vosso país? 
austeridade pobreza impostos
Temos que  mostrar que sabemos a verdade, que já a conhecemos, que a abominamos e estamos decididos a acabar com ela... Só assim é que conseguiremos obter respeito por parte dos desavergonhados que fazem de nós otários - os políticos. 
Como querem que eles tenham medo de roubar, de enganar, de mentir, de manipular? Se os portugueses se distraem e esquecem tudo que eles fazem? 
Como querem que eles respeitem os vossos impostos e os vossos direitos se vocês os esquecem facilmente? Basta acenar com fotografias da Merkel nua, ou em bikini, ou vestida de Hitler, e todos esquecemos os nossos direitos e os nossos impostos??? 
  • A CULPA É DA MERKEL QUE GERIU CRIMINOSAMENTE OS IMPOSTOS DOS PORTUGUESES
  • A CULPA É DA MERKEL QUE INVENTOU O BPN
  • A CULPA É DA MERKEL QUE ACEITOU OS CONTRATOS RUINOSOS DAS PPP
  • A CULPA É DA MERKEL QUE "DOOU" O EMPRÉSTIMO DA TROIKA À BANCA
  • A CULPA É DA MERKEL QUE ELEGE CORRUPTOS E CRIMINOSOS PARA GOVERNAR PORTUGAL
  • A CULPA É DA MERKEL QUE EMPRESTOU DINHEIRO PARA OS CORRUPTOS TAPAREM OS BURACOS DA CORRUPÇÃO E MÁ GESTÃO
  • A CULPA É DA MERKEL QUE DÁ ORDENS CLARAS AO GOVERNO PARA NÃO CORTAR NOS LUXOS E CORTAR NOS POBRES
E sim já sei que vão dizer que os alemães não são nenhuns santinhos, cobram juros, são maus e ricos... e então? Eu disse o contrário? Eles cobram juros porque a corrupção nos levou a cair nas mãos deles. Eles estão ricos porque não permitem corruptos a roubar os impostos, nos seus países.
Não são nenhuns santinhos... ainda bem para eles, sabem defender-se ao contrário dos portugueses... que por todo lado são apregoados como os santinhos (OTÁRIOS) que aguentam tudo.
Pois aguentam... e vão ter que aguentar o ano de 2013 com muito mais miséria,  mais fome, mais mortes de idosos, mais desemprego porque com a visita estratégica da Merkel, todos se esqueceram de se opor ao OE de 2013. Já todos se esqueceram da tragédia que vai ser o 2013, com os salários a descer e as empresas a falir em massa.
E não se esqueçam que os países da Europa, que não admitem corrupção e estão a salvo, prevenidos, já deram inicio ao encerramento das fronteiras. Por isso nem a emigração será alternativa.
Talvez aí se lembrem da frase que circula na internet.
"Há-de chegar o dia que os pobres não terão mais nada para comer, para além dos ricos" E talvez ai se lembrem do Sócrates, do Passos Coelho, do Relvas, do Vítor Constâncio, do Paulo Campos, do Paulo Portas, do Cavaco... etc etc etc etc etc etc etc etc... e esqueçam a Merkel...

Paulo Morais... alerta, má gestão e corrupção, afundam Portugal
"Bode expiatório
A fúria que muitos sentem relativamente à chanceler alemã Angela Merkel é compreensível. Mas não foi Angela Merkel a responsável pelo estado a que chegámos, pela crise em que nos mergulharam, pelo enorme endividamento das famílias ou pelos esquemas de corrupção que exauriram as contas públicas.
Foi Cavaco Silva, e não Merkel, que enquanto primeiro-ministro permitiu o desbaratar de fundos europeus em obras faraónicas e inúteis, desde piscinas e pavilhões desportivos sem utentes, ao desnecessário Centro Cultural de Belém. 
Foi o seu ministro Ferreira do Amaral que hipotecou o estado no negócio da Ponte Vasco da Gama.
Foi António Guterres, e não Merkel, que decidiu esbanjar centenas de milhões de euros na construção de dez estádios de futebol. Foi também no seu tempo que se construiu o Parque das Nações, o negócio imobiliário mais ruinoso para o estado em toda a história de Portugal. 
Foi Durão Barroso e o seu ministro da defesa Paulo Portas, que ocorreu o caso de corrupção na compra de submarinos a uma empresa alemã. E enquanto no país de Merkel os corruptores estão presos, por cá nada acontece.
Mas o descalabro maior ainda estava para chegar. 
Os mandatos de José Sócrates ficarão para a história como aqueles em que os socialistas entregaram os principais negócios de estado ao grande capital. Concederam-se privilégios sem fim à EDP e aos seus parceiros das energias renováveis; celebraram-se os mais ruinosos contratos de parceria público-privada, com todos os lucros garantidos aos concessionários, correndo o estado todos os riscos. 
O seu ministro Teixeira dos Santos nacionalizou e assumiu todos os prejuízos do BPN.
Finalmente, chegou Passos Coelho, que prometeu não aumentar impostos nem tocar nos subsídios, mas quando assumiu o poder, fez exactamente o contrário. 
Também não é Merkel a culpada dessa incoerência, nem tão pouco é responsável pelos disparates de Vítor Gaspar, que não pára de subir taxas de imposto. A colecta diminui, a dívida pública cresce, a economia soçobra.
A raiva face aos dirigentes políticos deve ser dirigida a outros que não à chanceler alemã. Aliás, os que fazem de Angela Merkel o bode expiatório dos nossos problemas estão implicitamente a amnistiar os verdadeiros culpados. fonte

Ontem no programa Olhos nos olhos, o Dr Medina Carreira e disse e com razão.
As manifestações que se fizeram contra Merkel, deviam estar canalizadas para a porcaria de governos que ASSASSINOU O PAÍS e para os actuais que, para esconderem o desastre, insistem em medidas erradas e vergonhosas.Ou seja, continuam a roubar ao pobre para dar ao rico.
Medina Carreira também lança o mesmo alerta, portugueses acordem 
"A Merkel não pode dar pão a uma casa que não o sabe distribuir !!
O cenário sobre o futuro do Estado Social não é positivo, mas Medina Carreira diz que é bem realista e comprova-o com dados. Na TVI24, no programa «Olhos nos Olhos», explicou que o crescimento das despesas sociais em relação ao crescimento económico e à cobrança de impostos tem-se tornado insustentável. Tanto que põe em causa o próprio estado social. fonte
«Quem desgraçou o país não foi a Alemanha. Foi o Governo anterior», defendeu Medina Carreira.
«O que me espanta é a ideia dela de que o que se está a fazer está bem quando está mal», argumentou, ainda. fonte
Video de José Gomes Ferreira sobre a revolta contra a Troika.

- Educação: "Governo corta o triplo do que a troika mandou. "
- SNS: "A ‘troika’ mandou cortar 550 milhões e o Governo cortou mais 650 milhões e este ano vai cortar mais”, sublinhou.
- Baixar TSU foi iniciativa do Governo, não da troika, diz chefe de missão do FMI." fonte
Portugal reduziu em mais de 5% dos funcionários públicos entre dezembro de 2011 e setembro de 2012. Superando, assim, em mais do dobro a meta anual imposta pelo memorando da troika.
O governo é que não sabe fazer mais nada, senão cortar aos mais pobres. Não sabem mais, coitados... São novos, inexperientes, incompetentes e cobardes.
Que se lixe a Troika? Ou que se lixe a corrupção que semeia austeridade, para sempre?
Todos deveríamos saber que a Troika não está por detrás de tanta austeridade nem tão pouco foi ela que arruinou o país. A Troika já afirmou que as medidas da TSU não foram exigência sua, mas do governo. A Troika mandou cortar nas PPP, nas fundações, na ADSE, nas offshores, nos benefícios fiscais, nas associações, nas despesas do governo, nos salários de luxo escondidos , nos boys... etc etc.
O governo já há muito que deveria ter começado a cortar nas gorduras e insiste em não o fazer, fintando a Troika... ofendendo os sacrifícios do povo. E fingindo que gorduras é o SNS, a CGA, o ensino, etc
Antes de escorraçar a Troika temos que escorraçar quem nos levou até ela, quem continua a engana-la, a ela e a nós.

Mais alguns artigos sobre o tema. 
A verdade da troika
Troika manda fechar fundações 
Troika ao serviço da corrupção e incompetência 
troika proíbe mas eles continuam
troika empresta governo distribui mal
UE culpada da má gestão portuguesa

Basta de desviar a atenção
Esqueçam as chemtrails
Esqueçam os iluminati
Esqueçam o Obama
Esqueçam os Extra terrestres
Esqueçam a Merkel e a troika
Concentrem-se nos nossos iluminati, nos nossos Obama, nos nossos ET- os nossos governos e aspirantes.
Concentrem-se no nosso problema - os políticos.
Depois de acabarmos com os corruptos e os nossos problemas internos, aí sim trataremos da saúde aos chemtrails, aos ET, aos Merkels, aos Obamas, etc etc ... até lá mostrem que somos capazes de resolver pequenos problemas e acabar com a nossa fome e miséria.


24 comentários :

  1. Este um dos posts mais certos que li aqui!
    Mas a corrupção é filha da impunidade.
    É necessário criminalizar o crime político e tornar rápido e conclusivo respectivamente, a sua instrução e julgamento. Tal como nos USA!
    Por isto, vale a pena ir para a rua gritar. Não contra a Merkle.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo apoio, falta fazer chegar esta ideia a muitos milhões de portugueses... e aí é que está a dificuldade em combater os corruptos.
      Eles possuem mil formas de se auto promover e defender, o povo apenas possui a internet tendo que confiar nos que ajudam a divulgar, que são poucos.
      Como tal milhões de portugueses continuarão a achar que a culpa da crise, é de tanta coisa, menos dos políticos corruptos.

      Eliminar
  2. Mais uma vez, Governo falha metas do défice para este ano de 2012, devido à derrapagem da execução orçamental de Outubro.

    Espera-nos brevemente mais medidas de austeridade anunciadas pelo Ministro das Finanças Vítor Gaspar.

    Caminhamos para a situação da Grécia.

    Estamos lixados Zita.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos lixados e o mais lixado é que sabemos que existem milhões de portugueses a ajudar a que sejamos lixados. Portugueses que votam neles, que os defendem, que não os derrubam.

      Eliminar
  3. O nosso mundo é controlado pelos grande bancos a alta finança. Eles é que são o nosso governo. Os partidos políticos, ditos de direita, estão comprometidos com eles.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo absolutamente nesse artigo, porque se houvesse honestidade, integridade, essas coisas não poderiam acontecer, assim a via mais certa para saìr deste beco sem saúda é de começar a varrer frente a nossa porta, e acabar com os gajo já, porque são eles o primeiro obstáculo.

      Mas para que essa analise seja completa e exaustiva, tem que se acrescentar mais esse artigo de Paulo Morais, onde diz mais alguma coisa.

      "Juras e Juros" http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/opiniao/paulo-morais/juras-e-juros

      Vê-se claramente na analise de Paulo Morais que esse plano de austeridade imposto pela troika e aceitado de cócoras pelo o governo é exatamente de tipo PPP's, o seja um negocio da China como diria o professor Henrique Medina Carreira.

      Leia só :

      ""Ainda no tempo de Sócrates, e para alimentar as suas megalomanias, o estado financiava-se a taxas usurárias de seis e sete por cento. A banca nacional e internacional beneficiava desse mecanismo perverso que consistia em os bancos se financiarem junto do Banco Central Europeu (BCE) a um ou dois por cento para depois emprestarem ao estado português a seis.

      Foi este sistema que levou as finanças à bancarrota e obrigou à intervenção externa, com assinatura do acordo com a troika, composta pelo BCE, FMI e União Europeia.
      ...
      Para cúmulo, o empréstimo da troika foi celebrado com juros elevados e condições inaceitáveis. Na componente do empréstimo contratada com o FMI, este impôs até que o mesmo fosse indexado às cotações do euro, mas também do dólar, iene e libra, cuja valorização face ao euro era previsível. Como consequência, por via da flutuação cambial, Portugal terá de pagar mais dois mil milhões de euros de capital.

      A chegada de Passos Coelho ao poder não rompeu com esse paradigma. Nem por sombras. O governo optou por nem sequer renegociar os empréstimos agiotas anteriormente contratados; e continua a negociar nova dívida a juros incomportáveis."""

      PAULO MORAIS

      Todos os economistas sérios e independentes ideologicamente, sabem e dizem que esta organização económico-financeira e monetária, assim como as medidas de austeridade cujo são mais que comprovadas que produzem o efeito inverso ao desejado, não passam de uma piada de carnaval, ou piore, são a maior burla de toda a historia da humanidade.

      Casos do BPN por ai fora jà hà muitos, organizados em quadrilha pelo os grandes nomes e os grandes institutos das finanças internacionais, cujo não é dado ao conhecimento da opinião publica europeia pelo a imprensa.


      Veja :

      - 9000 biliões de dólar desaparecem dos cofres da FED (Banco Federa Americano), apos inquérito do congresso ninguém sabe nada, e nem sequer foi posto em causas responsabilidades.

      - Gigantesca Burla de 15 000 biliões, envolvendo bancos americanos, ingleses e institutos financeiros, mais grandes nomes das finanças americanos tal como Greenspan, absolutamente arrepiante.

      - Relatório do congresso americano sobre a crise chegou a conclusão que não erra sistemático, mas de burlas e vigarice em larga escala por um numero determinado de pessoas ligadas as finanças.

      Tenho as provas todas de forma tremenda, só as entrego a quem me as pedir.

      Eliminar
    2. Não percebi, tem as provas de quê? Dos crimes que denuncia?
      Ficou pouco claro.

      Eliminar
  4. Fernando Madrinha - Jornal Expresso de 1/9/2007:

    [...] "Não obstante, os bancos continuarão a engordar escandalosamente porque, afinal, todo o país, pessoas e empresas, trabalham para eles. [...] os poderes do Estado cedem cada vez mais espaço a poderes ocultos ou, em qualquer caso, não sujeitos ao escrutínio eleitoral. E dizem-nos que o poder do dinheiro concentrado nas mãos de uns poucos é cada vez mais absoluto e opressor. A ponto de os próprios partidos políticos e os governos que deles emergem se tornarem suspeitos de agir, não em obediência ao interesse comum, mas a soldo de quem lhes paga as campanhas eleitorais." [...]

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É URGENTE QUE TODOS OS PORTUGUESES ENTENDAM, A CRISE É PROVOCADA PELA GANANCIA DA BANCA QUE EXIGE MAIS E MAIS DINHEIRO AO POVO.LEIAM E DIVULGUEM.A CRISE NÃO TERÁ FIM... ENQUANTO O GOVERNO O PERMITIR E ENQUANTO A BANCA E OS POLÍTICOS GANHAREM MILHÕES COM ISTO. SÃO MUITOS MILHÕES TRANSFERIDOS DIRECTAMENTE DOS NOSSOS IMPOSTOS PARA A BANCA, COM A DESCULPA DE PAGAR JUROS DE EMPRÉSTIMOS ABUSIVOS,O GOVERNO TEM O DIREITO E O DEVER DE POR UM FIM A ESTE ABUSO DESCARADO.
      Resumo do video de Victoria Grant...(Citação do video)

      Acesse ao Artigo completo: http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/05/ate-as-criancas-ja-descobriram-como.html#ixzz2CBomcmz5

      Eliminar
  5. O problema da corrupção em Portugal é o problema da eficacia tecnica e competencia da magistratura portuguesa,não é um problema da lei.A justiça portuguesa,a sua mentalidade arcaica e modo de funcionamento é a principal causa do afundar da situação,os corruptos ficam impunes,atentados contra direitos fundamentais,inquisitorial,serodia e fora do tempo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A inércia da justiça não tem a ver com a eficácia ou a falta dela. A inercia da justiça é mais uma das peças do jogo que propositadamente se mantêm inerte para que eles possam prosseguir na impunidade.
      Eles não são arcaicos, eles apenas fingem que são.
      Eles não são lentos, apenas se fazem lentos.
      Eles tem a justiça que precisam para poderem trabalhar à vontade e a justiça terá assim a sua parte do saque garantida.

      Eliminar
    2. É um ponto de vista.Contudo penso que, embora haja de forma deliberada a intenção de a tornar ineficaz a sua mentalidade arcaica está bem presente,basta ver os seus argumentos sobre a independencia entre outros,as sentenças do Trib Eur.,etc.,uma ausencia de racionalismo e de competencia tecnica misturado com um reacionarismo serodio de ancien regime,no fundo reflete o atraso de mentalidades e a foleirada em que o País se encontra.

      Eliminar
  6. Numa primeira abordagem pode parecer que a ineficacia da justiça contra a corrupção e o seu arcaismo é uma questão interna.Só aparentemente.Visto de fora, Portugal, ao nivel institucional é um País de risco,desde logo porque as suas instituções não geram confiança.Um investidor sabe que recorrer à justiça é inglorio,caro e só dá problemas pelo que se for sujeito a algum acto corrupto ou perde ou entra no esquema,se compensar.Depois a justiça portuguesa dá uma pessima imagem com as condenações que leva no trib. Eur. dos Dir. do Homem,está ao nivel da Romenia,Bulgaria,Hungria e Grecia sendo dado como exemplo a não seguir.Montando o puzle é facil perceber porque está o País falido,vai andar de ajustamento em ajustamento,cada vez mais miseria, até um dia ser posto fora do euro como disse jacques Sapir num recente debate:o problema de Portugal e Grecia para além de um problema economico e financeiro é essencialmente um problema de estado.

    ResponderEliminar
  7. Infelizmente estamos lixados. Estamos nas mãos dos bancos e da alta finança. Só quem não percebe isto, é cego. O nosso Estado, as nossas empresas, os nossos partidos políticos (lixo) trabalham e têm negócios com os bancos.

    Temos que lutar e resistir. Não é fácil.

    ResponderEliminar
  8. http://www.youtube.com/watch?feature=endscreen&v=IgHyXlbahkU&NR=1

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não se consegue ver o video

      Eliminar
    2. É apenas uma música de Sérgio Godinho.

      Eliminar
  9. Parabéns à Zita pela informação contida nos tópicos.

    Equacionemos a situação com base na informação disponibilizada pela autora do blog e pelos comentadores:

    - Portugal está em iminente bancarrota;

    - Em 2013 são altamente prováveis eleições legislativas antecipadas (devido à demissão ou destituição do governo) e a necessidade de um segundo resgate financeiro internacional;

    - A taxa de desemprego vai disparar (a taxa de desemprego real deverá situar-se nos 25%. Uma agência de rating avança mesmo com 39% para 2013);

    - A indústria e o comércio estão moribundos devido à fortíssima contracção do consumo interno, dificuldades das PME´s em aceder ao crédito, queda das exportações e acentuada perda de poder de compra;

    - As receitas do turismo irão também decair por força da acção da crise nas economias europeias;

    - À instabilidade usual dos preços do crude, eventualmente, poderá acrescentar-se em 2013 o efeito de uma escalada da tensão em relação ao Irão e ainda as incertezas quanto ao desfecho da situação política na Síria; Um "choque petrolífero" em 2013 seria a estocada final...

    - A UE está refém das eleições alemãs (Setembro 2013), e por tal, continuará a adiar as decisões contribuindo para o agravamento da situação grega e portuguesa;

    - A justiça tem revelado a sua ineficácia em lidar com a corrupção e o enriquecimento ilícito. Os processos mediáticos que envolvem políticos têm invariavelmente defraudado as expectativas de uma justiça em tempo útil, eficaz e transparente;

    - O essencial do problema da justiça, a meu ver, não reside nas leis. Trata-se de um poder que não é supervisionado por mais ninguém. Ora, numa democracia efectiva devem existir entidades e processos de verificação mútua e de equilíbrio de poderes (checks and balances). Quem controla os juízes?

    - A crise que vivemos não é exclusivo nacional. Os PIIGS pela dimensão das suas economias, pela gestão perdulária de fundos comunitários, pela excessiva exposição das respectivas bancas aos "activos tóxicos", pela incapacidade das suas lideranças políticas em lidar a tempo e eficazmente com a crise do "sub-prime" nos EUA (2008), pela ausência de regulação eficaz por parte dos respectivos bancos centrais, foram as primeiras vítimas (na UE) da primeira grande crise do globalismo desordenado (na expressão feliz do Prof. Adriano Moreira);

    - Vivemos a pior crise deste ordoliberalismo (expressão sintética de Jorge Bateira, vide http://ladroesdebicicletas.blogspot.pt/ de 6 de Novembro). A Europa vive o seu período de declínio conforme enunciei em posts anteriores neste blog.

    - E nós? O que pode o cidadão anónimo fazer perante o gigantismo das dificuldades referidas?

    Julgo que a única dimensão em que poderemos ter algum efeito prático é a nível nacional. Com o poder do voto devemos impedir que os partidos do costume possam alcançar uma solução do tipo Bloco Central (PSD+PS). Devemos evitar uma solução PSD+CDS, por razões óbvias.
    Entendo que existe "massa crítica" fora da política. Esta é a hora de as pessoas competentes e independentes se afirmarem e demonstrarem que são uma opção válida e que têm ideias para políticas alternativas que quebrem este ciclo vicioso e aparentemente infindável do austeritarismo.
    Formem-se listas de cidadãos independentes, dotadas de um programa político exequível e regenerador das vontades e do país. No poder local tal possibilidade é já uma realidade, minoritária mas efectiva. É o momento de avançar para o próximo patamar - as eleições legislativas. Tomando como exemplo a Islândia, os cidadãos poderão exercer a sua quota parte na gestão da res publica.

    Cumps.,
    Falso Vate

    ResponderEliminar
  10. ERA O ESTADO PORTUGUÊS; AGORA, É... Ao ESTADO-A-QUISTO-CHEGOU

    _____ A saga do banqueiro manholas:

    http://www.blogger.com/blogger.g?blogID=4814466809747844497#editor/target=post;postID=1862626225266011294

    ResponderEliminar
  11. https://fbcdn-sphotos-h-a.akamaihd.net/hphotos-ak-prn1/522025_471597192913700_477643733_n.jpg

    ResponderEliminar
  12. Os partidos à esquerda do PS, já deixaram de "comer criancinhas".Mudar as regras, DAR PRIORIDADE À ESQUERDA,unida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os partidos da esquerda que conseguem chegar ao poder, mesmo local também têm dado exemplos de corrupção. Basta pesquisar neste blog PCP ... ou outros.
      O que garante a seriedade deste escumalha, seria uma legislação e justiça adequada. Sem isso qualquer um que chegue ao poder e dinheiro, perde a honestidade e a lealdade.

      Eliminar
  13. Tudo muito bem, mas a ideia de que se lixe a troika e a Merkel no meu entender é uma ideia abstracta. Não se trata de correr com a pessoa Merkel mas com o sistema que ela representa. Um capitalismo selvagem, composto por agiotas e senhores que representam poderosos grupos económicos, os famosos mercados.
    Quanto ao resto enquanto durar a impunidade para quem gere mal a "coisa" publica, não vamos a lado nenhum. Aí sim, sem duvida que os Portugueses tem muita culpa.

    ResponderEliminar