08 outubro, 2012

As verdades ocultadas por trás da divida e da ajuda da TROIKA.

Um artigo indispensável de Garcia Pereira... As mentiras sobre o caos de Portugal. 
PORQUE NÃO DEVEMOS ACEITAR A "AJUDA" DA TROIKA
"Se não tivéssemos dinheiro agora para fazer face às questões relevantes para o Povo Português, também não é com o acordo da Troika que o teríamos, já que dos 78 mil milhões de euros a que o mesmo se reporta, 12 mil milhões são para meter directamente na banca, 34 mil milhões para pagar juros - os juros exorbitantes, especulativos e usurários que a banca estrangeira, em particular a alemã, nos foi impondo - e 30 mil para avales e outras garantias do Estado a instituições do sector financeiro. Ou seja, nada destinado ao pagamento de salários, pensões ou subsídios ou a matar a fome a quem dela sofre.

A verdade é que, sem esta "ajuda" da Troika, o País continua a produzir - ainda que bastante menos do que podia e devia - e os trabalhadores continuam a pagar todos os meses os seus impostos e contribuições. Todos os meses são produzidos cerca de 15 mil milhões de euros de riqueza (média mensal do nosso PIB) pelo que é uma falácia dizer que o País já não teria dinheiro para pagar salários no próximo mês. Pois só não teria se continuasse a pagar os tais juros especulativos, a meter dinheiro na banca (só no BPN já lá vão mais de 5 mil milhões), nas parcerias público-privadas (que representam mais de 50 mil milhões de dívida), etc., etc.

Se a isto se somar que, como todos sabemos, em Portugal só paga impostos quem trabalha, que, por exemplo, a banca tem pago cerca de 1/4 dos impostos pagos pela generalidade das empresas enquanto a sua dívida ao exterior é a mais elevada de todas e que a evasão e fraude fiscais são calculadas, por defeito, pela própria Troika, em cerca de 7,5 mil milhões de euros, creio que fica à vista que consequências negativas para o Povo Português decorrerão é dele aceitar cumprir as imposições da Troika e pagar uma dívida que não contraiu e que era, e é, perfeitamente possível ao País seguir o caminho do não pagamento de tal dívida.

Finalmente, um plano de desenvolvimento económico assente no aproveitamento das nossas vantagens competitivas (como as nossas águas e a nossa localização geo-estratégica) permitiria criar economia e, mais do que isso, atrair investimento. Recordo que, por exemplo, o Porto de Sines - que é o único porto atlântico de águas profundas da Península Ibérica e que dispõe da mais moderna tecnologia - é contribuinte líquido positivo para o Estado Português, tem uma taxa de endividamento financeiro de 0% e vai auto-financiar-se para a sua ampliação. E a própria Lisnave, vendida a privados pelo preço simbólico de 1€ está hoje a impôr-se como uma empresa altamente rentável na área da reparação naval, onde sempre fomos dos melhores do mundo. Estes são apenas alguns exemplos mas acredito que é este o caminho!" ttp://bloggarciapereira.

Outras opiniões sobre a matéria. 
E tem sido sempre assim... 
Bancos pediram 56 mil milhões de euros a 1% de juros para emprestar ao estado (OTÁRIO?) a 6% e a 5%. 
"Banca rica, País pobre
Nunca como agora a banca portuguesa recorreu em tão larga escala ao Banco Central Europeu: os maiores bancos (portugueses) financiaram-se, em Março, (2012) com 56,3 mil milhões de euros a uma taxa de 1%. Isto até seria uma boa notícia. Mas este dinheiro não é aplicado no financiamento das empresas e das famílias – e em nada contribuiu para a criação de um posto de trabalho. A banca portuguesa prefere comprar dívida pública(igual a emprestar ao estado a 5% e 6%). É muito mais seguro. Os bilhetes do tesouro garantem uma remuneração à volta de 5%. Portugal, já sabíamos, é um País com algumas particularidades. Mais esta: os bancos enriquecem, enquanto a economia do País definha e o desemprego sobe. 
cmjornal

 

34 comentários :

  1. Bom dia Zita !

    Já que nenhum REGIME se regenera a si próprio a única solução é derrubar o REGIME.

    Uma vez derrubado o REGIME criam-se novas Leis, entre as quais o CONFISCO, que permitam julgar o próprio REGIME e seus "beneficiários".

    Portugal tem tradição nesta matéria : o Marquês de Pombal estabeleceu o CONFISCO até à 5ª geração.

    Teremos que fazer o mesmo para evitar que os dinheiros "desviados" passem para os equivalentes aos primos que são motoristas de táxi na Suiça e, bem assim, para que não "fujam" para as offshores.

    Boa semana para todos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. José Sousa, coloque aqui o link do seu movimento, assim como a sua página no facebook. Assim as pessoas não entendem ao que se refere. Nem percebem que existe uma acção concreta da sua parte.
      Coloque ainda aqui esse mesmo artigo do confisco, de que fala, se faz favor, pois creio que será mais um assunto interessante para divulgar entre os portugueses, que continuam a achar-se na obrigação de respeitar os politicos que temos. ^

      Eliminar
    2. Olá Zita !

      Nota prévia : por favor trate-me pelo meu nome (José), como eu a trato por Zita.

      Aqui estou a responder um por um.

      - PELA TUA SOBREVIVÊNCIA ADERE À DESOBEDIÊNCIA (civil)

      - José Sousa E Silva

      - a Lei do Confisco em 1850 representou um estágio na evolução onde os direitos são anulados.
      Fonte(s):
      A experiência e a antropologia cultural.

      Eliminar
    3. Quanto custa a Portugal cada ex-presidente? Mais uma lei feita à medida deles.
      Cada ex-Presidente da República custa 300 mil euros/ano.
      Povo que não vota ou vota em corruptos só pode ter ladrões e abusadores no poder. Povo que não vota não é representado nem respeitado porque não é temido.
      ex presidentes exigem e recebem é assim na democracia com povo ausente
      -têm direito a gabinete
      -secretária
      -assessor
      -carro com motorista
      -combustível para serviço pessoal
      -ajudas de custo para deslocações oficiais
      -Gabinete? Secretária e assessor? Porque existirá a lei (que eles inventaram) que permite desperdiçar recursos despropositados, para regabofe de um ex-funcionário? Não faz sentido nenhum... é um acto gratuito de exibição de poder, despesismo e incompetência de quem decide este tipo de regalias.
      De acordo com o «Diário de Notícias» desta segunda-feira, estes são direitos que a lei dá aos antigos chefes do Estado e que pesam um milhão de euros no orçamento do Palácio de Belém. Feitas as contas, Ramalho Eanes, Mário Soares e Jorge Sampaio custam, cada um, cerca de 300 mil euros aos cofres públicos.
      As fundações que eles "fabricam" para receber subsídios.
      Os cargos que eles vão desempenhando para somar rendimentos.
      As reformas, subvenções e outros subsídios que vão acumulando.
      E todos os favores que acumularam durante a sua vida politica, no habitual jogo duplo de interesses entre os privados e os públicos/ políticos de forma muito vantajosa e lucrativa para eles.
      Não esquecendo ainda os rendimentos vitalícios que oferecem a amigos e familiares e que tanto engordam a despesa do estado. Ou seja o típico tacho pago acima do mérito e do currículo, sem utilidade alguma e em total deslealdade com os cidadãos comuns.
      Mais grave ainda... se somarmos a este despesismo todos os prejuízos causados à pátria pelo papel omisso, de regulador e defensor da pátria e do povo.
      Óbvio que o desfalque, que os presidentes e ex, representam nos impostos dos portugueses, é muito superior a estes 300 mil euros/ano.
      Mário Soares o grandioso presidente!
      E Cavaco Silva?








      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/04/quanto-custa-portugal-cada-ex.html#ixzz4TZqyh9il

      Eliminar
  2. A propósito do tópico em questão convinha que não houvesse ilusões de que o empréstimo solicitado à Troika (a Santíssima trindade financeira a actuar na Europa) se destinou essencialmente a salvar a banca portuguesa. Foi um autêntico resgate da banca que se encontrava extremamente descapitalizada e vulnerável.

    Se foi suficiente? Não!
    Bastará mais uma convulsão dos ditos "mercados"(talvez ocorra uma no próximo mês)para que a nossa banca entre em colapso. Acham que a privatização da CGD é para quê? Para transferir mais encargos e "activos tóxicos" para a responsabilidade do Estado, isto é, de todos nós.

    A médio prazo, veremos a nacionalização de toda a banca e/ou a extinção de bancos não só em Portugal mas em toda a zona Euro.

    Cumps.
    Falso Vate


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois a banca estará sempre acima de qualquer interesse nacional.

      Eliminar
    2. É um bocado complexo dar previsões da extinção da banca, até porque tem que incluir isso num contexto, dum plano sócio - económico mundial, com outros interesses à mistura, nomeadamente sustentar o capitalismo da farsa que é a base de sustentação de um plano hegemónico mundial..
      No entanto, de uma forma simples, o futuro da banca é mesmo o desaparecimento, O dinheiro não vale nada, são meros papeis especulativos, já não são baseados no ouro e riqueza, os juros estão quase negativos, efim, não se justifica tantos bancos.No entanto, neste sistema capitalista, é preciso não esquecer que o que está a fazer moeda são os créditos, assim que se pede um empréstimo é fabricado dinheiro virtual noutro sítio.

      Entretanto, para bom entendedor meia palavra basta, andamos a ser vigarizados, pois emprestam aquilo aquilo que não têm e assim subjugam povos inteiros, basta acreditar na palavra e nos "conselhos " dos credores.

      Eliminar

  3. Consta que o dinheiro - 12 mil milhões de euros - para a banca, oriundo da troika para apoiar as PMEs nacionais, está a ser aplicado em fundos de investimento imobiliário no Brasil, onde recebem juros de 14%...

    Porque será que o (des)governo que nós elegemos, não impõe a cada banco a elaboração de uma página na net, com discrminação dos montantes que emprestou e a quem emprestou, originários da troika?

    Isto de ter amigos lá em cima é muito bom... para os mesmos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nesse caso o dinheiro que supostamente serviria para a banca facilitar a vida ás empresas portuguesas... nem para isso está a servir?

      Eliminar
  4. Também seria apropriado que o Banco de Portugal/FMI (qualquer um serve) revelasse os autores/titulares e quais os montantes transferidos para contas na Suíça ou para paraísos fiscais. Um pouco à semelhança da "famosa" lista grega (devia ler-se negra) que Evangelos Venizelos tentou ocultar.

    Cumps.
    Falso Vate

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso era interessante... mas eles nunca tomaram a iniciativa de fazer coisas que os exponha, por isso temos que acreditar que o segredo é a alma do negócio, deles, - a corrupção.

      Eliminar
    2. Que absurdo, sabe donde vem os fundos do FMI?

      Agora vá pedir a eles que digam onde têm as offshores, e se seguir as offshores vais bater aos fundos do FMI.

      Quando dizem, Banco Central europeu, aquilo nao pertence á Europa, mas a uma vintena de grandes famílias que lá puseram o dinheiro.

      Acaso o ouro que está no Banco de Portugal são dos portugueses? Olhe meu não é, não me dão de lá nenhum.O ouro é de quem tem o poder de o lá ir buscar.

      Nestes últimos tempos só voaram de lá 30 toneladas , para não falar naquelas das lojas do "venda o seu ouro" e que curiosamente vai todo lá para fora.

      Eliminar
  5. eu já defendi que deveríamos fazer o mesmo como os islandeses, não pagar uma conta que não foi diretamente contraída pelos cidadãos. Eu não quero que o estado me dê alguma coisa, pois ele já me dá muito se para mim não for um estorvo. A dívida contraída por Portugal vai fazer com que existam mais parasitas, comodistas e corruptos, o mesmo será dizer que não irá servir para nada, senão encher os bolsos a alguns e a quem nos empresta. Não quero nada do estado, mas pretendo que o estado não seja um estorvo para mim, o que já está a ser!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para podermos fazer o mesmo que os islandeses teriamos de ter um politico do nosso lado, ou um povo menos tolerante. Repare-se que na Islândia depuseram o governo e conseguiram um politico com moral e tomates- por cá não há disso.

      Palavras do presidente que colocou um fim ao regabofe

      Contudo ao contrário de Portugal estes senhores, julgando-se intocáveis e crendo que o estado iria assumir todas as suas asneiras, depararam-se com um governo justo e integro, que os obrigou a "pagar" pelo que fizeram.
      Vejamos nos vários pontos, em baixo, as diferenças entre a postura do governo e povo Português e do Islandês, e percebemos que a profundidade da injustiça e corrupção, em Portugal, tem uma dimensão maior que a que julgávamos.
      Pior ainda, percebemos que oferecer as dividas de um banco saqueado por políticos, a um povo inocente, não era a única opção mas sim a mais conveniente aos saqueadores.

      1- A Islândia deixou cair os seus bancos e persegue os banqueiros.
      Vê aí um modelo islandês de saída da crise?
      (Ólafur Ragnar Grímsson, Presidente da Islândia) -Talvez não tivesse havido outra opção além dessa: os bancos eram tão grandes que não havia maneira de os resgatar. Mas não interessa se havia ou não opções. A Islândia não aceita a noção de o cidadão comum ter de pagar toda a factura das loucuras dos bancos, como aconteceu com essas nacionalizações feitas noutros lugares pela porta do cavalo.


      Acesse ao Artigo completo: http://apodrecetuga.blogspot.com/2011/10/islandia-foi-saqueada-como-portugal-mas.html#ixzz28tJMaMwR

      Eliminar
    2. Tenho a certeza absoluta que o Estado não lhe dá nada.
      A função do estado não é dar, deveria ser redistribuir.

      Eu sei que dá a alguns, mas isso é outra história.

      Eliminar
  6. Bom dia,

    Ao ler este artigo, fez-me lembrar o um pouco o filme Zeitgest Moving Forward, em que retrata um pouco sobre os bancos e Goldman Sachs e a bolsa de Wall Street e até fala do Neoliberalismo.

    ResponderEliminar
  7. Mas isto é algo que já se sabia...que o dinheiro da Troika foi para cobrir a "má gestão"/corrupção...

    Só assim se entende que apesar de se continuar a espremer o povo até ao máximo limite possível, eles ainda não tomaram uma única medida séria para cortar nas regalias deles.

    Fechar 10 fundações em 700? Acham isto sério?

    Cansado até aos cabelos de politicos e parasitas. Agora já dizem que 2013 "vai ser de sacrifico para os portugueses"

    Mas não foi assim em 2012? 2011? 2010? 2009? 2008? 2007? 2006? 2005? 2004? As pessoas vivem constantemente em sacrifício! Uma coisa é certa...nunca vi um político viver em sacrificio. Vejo-os de fatinho, eu tenho de ir trabalhar de camisa da feira de Corroios e calças de ganga que dão para o ano todo. Eles vão de Audi e Motorista...eu vou de metro. Não que me faça confusão viver sem esses luxos, porque até gosto de camisa e calças de ganga e andar de transportes publicos sempre ajuda o ambiente. Mas ao menos sei que vivo com os meus recursos e não esbanjo o que é dos outros para eu viver bem.

    Isto vai ter de mudar...ai se vai...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por muita ajuda externa que peçam, por muitos que subam os impostos o dinheiro do estado n unca vai ser suficiente para alimentar os luxos dos politicos mas mais despesista ainda que esses luxos é a gestão danosa e criminosa que eles fazem do dinheiro público. Oferecem 50 mil milhões nas SCUT, oferecem lucros de empresas públicas a privados, assumem prejuízos de empresas privadas, oferecem mercados do estado lucrativos aos privados (EDP), vendem o património e depois ficam a pagar rendas, transformam as empresas públicas em ninhos de boys parasitas e incompetentes que as arruínam e afundam em prejuízos, oferecem regalias nas empresas públicas que jamais uma empresa privada e sustentável suportaria, etc etc etc

      É nestes actos de puro vandalismo e gestão criminosa que se esvai todo o esforço dos cidadãos e todo o sacrifício.

      Isto vai ter que mudar sim, mas para isso os portugueses também tem que mudar e deixar de ser tolerantes com criminosos. Tem que estar informados do que se passa e revoltar-se.
      Divulgar é urgente...

      Eliminar
    2. Gostaria de poder partilhar do vosso optimismo...

      Não vai haver grande mudança.

      Um país com oito séculos e meio de existência e esta tem sido a situação prevalecente. Um país país pobre, endividado, incapaz de prover ao seu sustento, dirigido por um elite incompetente e corrupta que se perpetua no poder, com privilégios transmitidos pelo sangue ou pelo favor.

      Basta andar na estrada para vermos o povo que somos. Predominantemente somos ignorantes, estúpidos e mal-educados (é notório no modo como boa parte conduz).

      Basta ver os políticos que sistematicamente escolhemos desde que há democracia parlamentar ou nos que acatávamos noutros formas de regime político.
      E os políticos sabem disso e contam com isso!

      A crise económica que é global e sistémica foi ampliada no nosso país pela incompetência (entre outras "virtudes") da classe política e serviu apenas para agitar um pouco as águas estagnadas deste pântano.

      Não há uma tradição de movimentos cívicos em Portugal (a Maria da Fonte foi apenas isso, um caso isolado). A legislação não facilita a intervenção política sem ser arregimentado em partidos.

      E o povo... bem, é entretê-los com telenovelas, jogos de futebol e "reality show´s" que eles nem ligam. Podem estrebuchar um pouco se o aperto for brusco ou profundo, mas basta aumentar a dose de "pão e circo" que isso passa.

      E eles, os políticos sabem disso e contam com isso!

      Eliminar
    3. O pagamento da dívida não pode ser cumprido, porque à luz da nossa economia é tarefa impossível; significa o mesmo que dizer a um trabalhador que ganha 500 euros que tem de pagar uma divida de meio milhão.

      Eliminar
    4. BASTAVA O POVO SABER COMO SE VOTA CONTRA OS PARTIDOS CORRUPTOS E PORTUGAL SERIA LIMPO DA CORRUPÇÃO. VOTEM EM PARTIDOS SEM ASSENTO PARLAMENTAR SÓ ISSO TEM VALOR E PUNE OS PARTIDOS CORRUPTOS. Nos paises menos corruptos do mundo a democracia funciona porque as pessoas sabem votar e usam o voto, 90% votam... aqui só temos eleitores ignorantes por isso quem não funciona são os eleitores e não a democracia.
      A abstenção afinal obtém um resultado contrário, ao que pretendem os abstencionistas
      Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
      Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão mentirem para agradar. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam. Vocês não exercem o vosso dever de votar contra quem faz mal ao país. O vosso de dever e direito de punir os que lesam o país nas urnas.
      A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote.. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas, julgar e punir os partidos que há 40 anos destroem o teu país, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem contra os que mentiram, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.
      MAIS ARTIGOS SOBRE CIDADANIA E EDUCAÇÃO CIVICA, NESTE LINK, APRENDA A VIVER EM DEMOCRACIA SE QUER QUE ELA FUNCIONE::.. INFORME-SE VEJA ESTE LINK
      http://apodrecetuga.blogspot.pt/2015/10/percebam-que-abstencao-afinal-obtem-um.html#.WM_ogfmLTIU

      Eliminar
  8. Amigo,

    Não é uma questão de optimismo. Mas sim de lógica. O povo é ignorante, estúpido e mal educado porque teve algum tipo de exemplo para ser assim.

    A educação é fácil de resolver com crianças, mas com adultos já é mais complicado, embora seja possível, mas tem de ser algo extremo e a sangue frio para cortar com a raíz.

    Você ainda tem de evoluir relativamente à parte política. Nós não "escolhemos políticos". As escolhas já estão feitas. Alguém me perguntou se eu queria Pedro Passos Coelho? Quem o escolheu? Não foi o povo de certeza. Quando a escolha é condicionada, não é democracia...e porque é que eu não posso votar no meu amigo Manuel, uma pessoa extremamente culta, inteligente e com coluna suficiente para não aceitar subornos? O sistema funciona de forma distorcida e neste momento não vale a pena votar...

    Não há tradição de movimentos cívicos em Portugal? Verdade...e culpa das próprias pessoas, inclusive de quem promove esses mesmos movimentos. Quantos amigos é que você já arrastou para sessões de esclarecimento e participação pública? Tem que se envolver as pessoas e transmitir entusiasmo para a mesma sentir que vale alguma coisa, que a sua opinião conta.

    O mundo presente pretende diminuir as capacidades individuais e redução da auto estima para isolar as pessoas e evitar estes movimentos cívicos! Daí as telenovelas, futebol e reality shows...não são esse o problema, porque desde que se consuma com critério é saudável, mas consomem porque não têm auto estima para andar pelo mundo. É aí que se tem de intervir e actuar...

    O facto de dizer que não tem optimismo só contribui para reduzir (ainda mais) a autoestima e entrar no ciclo vicioso que referiu...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é fácil educar... nos dias que correm ainda há quem defenda com toda a garra passos coelho e socrates. Isso é sintomático de gente sem informação ou sem formação. Não há explicação para perceber como é possível ainda defender estes personagens políticos e outros...
      Só mesmo porque desconhecem o que se faz na politica, ou por cegueira típica de seitas, cegas por uma união irracional.

      Eliminar
    2. 20% os escolheram, sem contar com os falecidos que estão nos cadernos eleitorais , e chamam isso Democracia. Mentiroso era o Salazar e não mentia tanto.

      Eliminar
  9. Resposta a Pedro

    Se educar é fácil porque é que ainda não foi feito?
    Porque é que em 850 anos ainda não atingimos o patamar dos países nórdicos? Afinal há 100 anos atrás, a Suécia, a Finlândia e a Noruega não eram muito diferentes de Portugal.
    Não se iluda como a educação em Portugal. experimente lidar, numa base diária, com os adolescentes de hoje... e verá. Da tutela passando pelo sistema educativo até seus destinatários (crianças,adolescentes e adultos) o grande objectivo é formatar e ser formatado. A propósito aconselho a ler Paul Ricoeur ou Parsons para perceber como a Educação se tornou um negócio e um meio de acomodação social.

    Eu não tenho de arrastar ninguém porque não quero e não devo forçar ninguém a ter os mesmos interesses e opções. O entusiasmo, o optimismo e a vontade não se transmitem por osmose ou capilaridade.

    O problema não é a minha auto-estima, mas a visão que a sociedade tem de si própria. E a grande maioria não tem critério nas suas escolhas porque é assim que prefere ocupar o tempo livre.

    O optimismo nada tem a ver com a minha percepção da realidade. São cerca de 850 anos de História que me assistem na minha opinião.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço-lhe a sua resposta caríssimo anónimo,

      Educar é fácil, permita-me que partilhe consigo uma das minhas frases favoritas.

      "O conhecimento é dúbio, tudo depende das premissas que utilizamos..."

      Ou seja, a educação é fácil, no entanto os conteúdos debitados é que podem não ser os mais correctos. Eu tenho plena noção que em Portugal a Educação nas escolas e das famílias é na sua maioria fraca. Como referiu e bem o grande objectivo é formatar e ser formatado, especialmente nas escolas. Contudo, escola para mim, sempre valeu mais pela componente social, aprender a sério muito sinceramente sempre o fiz sozinho...benditas bibliotecas...

      Está no seu direito de não querer "arrastar" ninguém, contudo digo-lhe que comportamento gera comportamento. Eu não sei o passado de todas as pessoas, eu sou um felizardo porque tive um pai que estimulou a minha criatividade intelectual, nunca me impôs caminhos, de modo a que eu traçasse o meu.

      Folgo que a auto estima não seja o seu problema, mas acredite que muitos consomem sem critério por terem falta da mesma...precisam de se rever em reality shows para terem picos de adrenalina na vida, para sentirem que são alguém e pertencem a algum lado. Esses sim...precisam de muita ajuda e de "educação".

      Acredite que tenho muito optimismo, pensava que este País estava cheio apenas de panhonhas e afinal ainda existem pessoas como o senhor e a Zita que têm muito espírito crítico,

      Cumprimentos,

      Eliminar
    2. """"Ou seja, a educação é fácil, no entanto os conteúdos debitados é que podem não ser os mais correctos.""""

      É aqui que reside o cerne da questão, os conteúdos estão longe de contribuir para a formação de cidadãos e de seres humanos. Carecem de educação cívica, politica, moral e ética, são ensinamentos essenciais que foram afastados das escolas e das famílias.
      Das escolas porque os próprios professores muitas vezes são eles próprios vazios de moral , ética, politica, etc.
      Em países como a Finlândia ser professor é um dos cargos mais importantes do país. E tem que existir um perfil avaliado, não é qualquer louco ou psicotico que eles colocam a formar cidadãos. Em Portugal qualquer um tem acesso e direito a exercer sobre crianças indefesas e jovens inseguros, as suas influencias pessoais, sejam boas ou más, doentias ou senis.
      Sei disso e conheço essa realidade... creio que todos a conhecemos.
      E recentemente, no pico de imigração de brasileiros e de leste, reparei em mais um dado que deveria preocupar pais e politicas - visitei alguns infantários e reparei que a maior parte das empregadas que lidavam com as crianças, eram brasileiras e de leste. Não será difícil perceber o impacto que terá na vida destas crianças, serem criadas por pessoas que mal falam português e cuja cultura não é portuguesa.
      Para mim deveria existir uma base sólida e mais cuidada quando se trata de criar uma geração e educar crianças e jovens.
      Em Portugal é o desmazelo total. Agora entendo porque já não sabem falar português e porque desaparecem do léxico comum várias formas gramaticais.
      Por exemplo, reparem que já ninguém sabe dizer "da-lhe" desapareceu... agora é tudo "dá a ela" . Apenas um exemplo.
      Para agravar este quadro os pais estão cada vez mais ausentes da vida dos filhos, precisamente porque os políticos mais uma vez subvalorizam a educação e não facilitam a vida de quem tem filhos.
      Também a forma como se ensina é castradora, desmotivadora pois não se ensina a pensar mas apenas a absorver conteúdos despejados e a memorizar.

      ENSINO NA FINLÂNDIA, MELHOR DO MUNDO
      http://apodrecetuga.blogspot.com/2011/12/professores-convidados-emigrar-por.html

      Eliminar
    3. """"Eu não tenho de arrastar ninguém porque não quero e não devo forçar ninguém a ter os mesmos interesses e opções. O entusiasmo, o optimismo e a vontade não se transmitem por osmose ou capilaridade.""""

      Pois caro anónimo não "tem de" mas não quer dizer que não deva. Como cidadãos temos que defender o que é nosso e os nossos interesses, e não vejo mal nenhum em tentar arrastar pessoas que vivem na ignorância, por exemplo, para a luz.
      Sabe quantos milhares de portugueses desconhecem 90% das noticias que divulgo aqui?
      Já visitou aldeias do interior? Já conviveu com jovens totalmente desligados da politica?
      Os políticos tem imensas formas de divulgar o que eles querem e precisam, de impingir as suas demagogias e mentiras, já nós o povo temos escassas formas de chegar ás pessoas. Daí aquela treta de afirmarem que eles os políticos são poucos e nossos sermos muitos, é uma falácia.
      Pois somos muito mas mal informados e desunidos.
      Nas aldeias do interior a única coisa que as pessoas sabem de politica é que devem votar sempre PSD; CDS; PS e de preferência no que tem melhor colocação de voz e é mais vistoso.

      Não vejo mal nenhum em tentarmos arrastar pessoas para a nossa causa - a defesa dos interesses do cidadão. Creio até ser esse um dever cívico, mostrar ás pessoas que o que passa na TV não é toda a verdade.
      Se temos essa capacidade, de colocar mais portugueses do lado da verdade e a lutar contra esta classe, não vejo porque não o fazer.

      Eliminar
    4. A educação passou a ser um negócio quando foi votada a privados, era previsível.

      A educação também passou a ser uma ferramenta para desunir o povo, há-de reparar que o sistema não deixa ninguém pensar pela sua própria cabeça, e não é por acaso.

      Olhe lá o que oferecem na escola, música, desenvolvimento lúdico, atividades de animação sócio cultural, inglês, navegar na net; encher chouriço.

      O que estão a pedir para as escolas, psicólogos.

      Eliminar
  10. Boa noite a todos!
    Gostava de dar os parabéns pela coragem de manter e apresentar artigos com assuntos tão sensíveis e verdadeiros! Não Deve de ser fácil!
    Alegra.me que ainda haja gente que saiba é exponha a verdade!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado... tenta-se procurar a verdade no meio de tantas mentiras, não é fácil mas algumas vão emergindo. E ao mesmo tempo tenta mostrar-se ás pessoas que existem várias versões de muitas das noticias apresentadas nos mass media e que portanto se deve ter um espirito critico e selectivo.

      Eliminar
    2. Muitas versões mesmo! Contra informação etc! Notícias críticas são apresentadas de forma confusa ou complexa ou vaga! Isto quando são apresentadas claro!
      O q vai imergindo é só ponta do icebergue o resto nem consigo imaginar!
      Continue o bom serviço/trabalho a informar, discutir e lutar contra o q é injusto errado e falso!
      Não se deixe desmoralizar por críticas destrutivas e aprenda / retire ilações das Construtivas!

      Eliminar
  11. É verdade que a crise é uma crise financeira em que são os dinheiros públicos que a estão a pagar! E sim e um negócio tão simples como pedir dinheiro a 1% ou menos e emprestar a 6 ou mais! Quanto mais alto são feitos os negócios mais simples eles são! Embora pense que o grande problema de Pt seja uma justiça que n funciona (ou funciona bem demais)!
    Lanco um desafio se me derem uma lista de 10 políticos ou ex políticos que tenham sido presos e culpados por crimes relacionados com política (corrupção e afins) depois do 25 de abril! Ofereço um almoço ou jantar! Perdão por comentar anónimo mas isto está cheio de bufos vingativos! Mas faço questão de arranjar uma forma de pagar o jantar ou almoço!

    ResponderEliminar
  12. BASTAVA O POVO SABER COMO SE VOTA CONTRA OS PARTIDOS CORRUPTOS E PORTUGAL SERIA LIMPO DA CORRUPÇÃO. VOTEM EM PARTIDOS SEM ASSENTO PARLAMENTAR SÓ ISSO TEM VALOR E PUNE OS PARTIDOS CORRUPTOS. Nos paises menos corruptos do mundo a democracia funciona porque as pessoas sabem votar e usam o voto, 90% votam... aqui só temos eleitores ignorantes por isso quem não funciona são os eleitores e não a democracia.
    A abstenção afinal obtém um resultado contrário, ao que pretendem os abstencionistas
    Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
    Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão mentirem para agradar. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam. Vocês não exercem o vosso dever de votar contra quem faz mal ao país. O vosso de dever e direito de punir os que lesam o país nas urnas.
    A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote.. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas, julgar e punir os partidos que há 40 anos destroem o teu país, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem contra os que mentiram, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.
    MAIS ARTIGOS SOBRE CIDADANIA E EDUCAÇÃO CIVICA, NESTE LINK, APRENDA A VIVER EM DEMOCRACIA SE QUER QUE ELA FUNCIONE::.. INFORME-SE VEJA ESTE LINK
    http://apodrecetuga.blogspot.pt/2015/10/percebam-que-abstencao-afinal-obtem-um.html#.WM_ogfmLTIU

    ResponderEliminar