Subsídios de reintegraçao. Deputados são uma despesa sem fim à vista.


EM 2011 FOI RETIRADO ESTE SUBSIDIO, no entanto ainda no orçamento da AR para 2013, estava incluída a verba para este fim, como pode ver neste link.
O dito subsidio consiste em:
Quando terminam as funções, os deputados e governantes têm o direito, por Lei (deles) a um subsídio que dizem de reintegração.

Um mês de salário (3.449 euros) por cada seis meses de Assembleia ou governo. Desta maneira um deputado que o tenha sido durante um ano recebe dois salários (6.898 euros). Se o tiver sido durante 10 anos, recebe vinte salários (68.980 euros). Feitas as contas e os deputados que saíram, o Erário Público desembolsou mais de 2.500.000 euros!
Em Portugal a (in) justiça social é muito eficaz, para os que menos precisam, há sempre mais um subsidio à espera.

Mas este luxo também abrange os ex autarcas... 
Apesar desta verba se destinar a ultrapassar dificuldades no regresso à vida profissional, a Associação Nacional de Municípios deu luz verde para que possa ser paga também aos que já estão reformados.
Os serviços jurídicos da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) emitiram um parecer favorável a que ex-autarcas já reformados possam receber subsídio de reintegração. Fernando Ruas, que foi presidente da Câmara de Viseu durante 24 anos e está reformado há uma década como gestor da Segurança Social, foi um dos que admitiu ao “Jornal de Notícias” que já requereu este pagamento ao município.
 Consagrado no Estatuto dos Eleitos Locais para ajudar no regresso à actividade profissional após o exercício de cargos autárquicos, o subsídio de reintegração acabou por ser revogado em 2005, tendo na altura ficado salvaguardados os direitos adquiridos. O ex-autarca de Viseu avançou que, além do parecer da ANMP, que liderava, há outro no mesmo sentido da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDR-C).
 “Em 2005 não recebi porque continuei em funções. Recebo agora como se fosse um PPR”, acrescentou Fernando Ruas. Também os ex-autarcas de Boticas, Tarouca, Amarante e Carregal do Sal, que abandonaram o cargo nas eleições autárquicas de 29 de Setembro, confirmaram ao “JN” que já requereram ou vão requerer este subsídio. Quem exerceu funções até 2005, com seis anos de serviço, pode reclamar o subsídio, equivalente a um mês de vencimento por semestre, num máximo de onze meses. fonte
Para que não lhes falte nada, inventaram ainda o direito a subvenções vitalícias ou pensões (mesmo que não tenham 60 anos!). Estas são atribuídas aos titulares de cargos políticos com mais de 12 anos de funções. E duplicam o valor, como prenda de aniversário, aos 65 anos.
Ou ainda subsídios de desemprego, de luxo.

Entre os ilustres reformados do Parlamento, QUE vão acumulando rendimentos, cargos, etc, encontramos figuras como:
Almeida Santos.....................................4.400, euros;

Medeiros Ferreira................................2.800, euros;
Manuela Aguiar....................................2.800, euros;
Pedro Roseta........................................2.800, euros;
Helena Roseta.......................................2.800, euros;
Narana Coissoró . .................................2.800, euros;
Álvaro Barreto......................................3.500, euros;
Vieira de Castro....................................2.800, euros;
Leonor Beleza . ....................................2.200, euros;
Isabel Castro.........................................2.200, euros;
José Leitão............................................2.400, euros;
Artur Penedos......................................1.800, euros;
Bagão Félix............................................1.800, euros.

- Luís Filipe Pereira 26.890, euros / 9 anos de serviço;
- Sónia Fortuzinhos 62.000, euros / 9 anos e meio de serviço;
- Maria Santos 62.000, euros / 9 anos de serviço;

- Paulo Pedroso 48.000, euros / 7 anos e meio de serviço
- David Justino 38.000, euros / 5 anos e meio de serviço;
- Ana Benavente 62.000 , euros / 9 anos de serviço;
- M.ª Carmo Romão 62.000, euros / 9 anos de serviço;
- Luís Nobre Guedes 62.000 , euros / 9 anos e meio de serviço.
A maioria dos outros deputados que não regressaram estiveram lá somente na última legislatura, isto é, 3 anos, o suficiente para terem recebido cerca de 20.000 euros cada!

É ESTA A CLASSE POLÍTICA QUE TEM A LATA DE PEDIR SACRIFÍCIOS AOS PORTUGUESES PARA DEBELAR A CRISE!!!!!! A CLASSE DE POLÍTICOS QUE CRIA LEIS PARA GARANTIR A SUA RIQUEZA PESSOAL E CARREIRA PROFISSIONAL. Através de subsídios ou de reformas, ou de bónus, ou de salários, ou de indemnizações, ou de prémios, ou de acumulação de cargos... é a anarquia total.. e nós pactuamos e damos o nosso voto para que continue e prolifere.

3 comentários:

  1. Só os votos válidos em partidos entram nas contagens por isso o que penaliza um partido, não é a abstenção ou votos brancos/nulos, é votar noutro partido
    Dado que só votos em partidos entram nas contagens, o que penaliza um partido, não é a abstenção ou votos brancos/nulos, é votar noutro partido - porque se não votarmos, não estamos a negar o voto a ninguém. Estamos apenas a deixar que as decisões se concentrem num conjunto mais restrito do eleitorado, uma minoria - que inclui sempre as clientelas dos partidos e os clubistas acríticos.
    Temos também de esquecer o hábito da idolatria onde os maiores partidos são instituições que muitos acreditam que se devem preservar ao longo do tempo, independentemente do seu desempenho: com as regras actuais, temos sim de mostrar aos partidos que são descartáveis e têm de se esforçar para obter o apoio do eleitorado, caso contrário serão descartados.

    Num sistema que impõe o monopólio político dos partidos, é essencial que ocorra a renovação do espectro partidário para que a democracia se mantenha minimamente "fresca".
    A oportunidade de mostrar algum poder do eleitor, é não abdicar nunca do voto válido, o único que transmite uma mensagem positiva ou/e negativa.
    Convém compreender que, quanto mais fraca é a influência/vigilância do eleitorado sobre os deputados e governantes, mais forte é a influência de outras "forças" . Nunca há vazios de poder. O escrutínio dos portugueses foi sendo neutralizado devido ao aumento constante da abstenção, ao que temos que somar os votos brancos e nulos, é uma falha muito grave dos eleitores, na vigilância dos partidos que culmina no aumento da corrupção. Como os partidos não temem a critica nem a censura da maioria dos eleitores, porque esses não usam o voto válido, são os grupos de interesse que estão representados no parlamento, não os eleitores.

    ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/09/so-votos-em-partidos-entram-nas.html#ixzz3qcTBMVKl

    ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2011/06/ainda-missa-vai-no-adro.html#ixzz3qcTyWhYQ

    ResponderEliminar
  2. Só os votos válidos em partidos entram nas contagens por isso o que penaliza um partido, não é a abstenção ou votos brancos/nulos, é votar noutro partido
    Dado que só votos em partidos entram nas contagens, o que penaliza um partido, não é a abstenção ou votos brancos/nulos, é votar noutro partido - porque se não votarmos, não estamos a negar o voto a ninguém. Estamos apenas a deixar que as decisões se concentrem num conjunto mais restrito do eleitorado, uma minoria - que inclui sempre as clientelas dos partidos e os clubistas acríticos.
    Temos também de esquecer o hábito da idolatria onde os maiores partidos são instituições que muitos acreditam que se devem preservar ao longo do tempo, independentemente do seu desempenho: com as regras actuais, temos sim de mostrar aos partidos que são descartáveis e têm de se esforçar para obter o apoio do eleitorado, caso contrário serão descartados.

    Num sistema que impõe o monopólio político dos partidos, é essencial que ocorra a renovação do espectro partidário para que a democracia se mantenha minimamente "fresca".
    A oportunidade de mostrar algum poder do eleitor, é não abdicar nunca do voto válido, o único que transmite uma mensagem positiva ou/e negativa.
    Convém compreender que, quanto mais fraca é a influência/vigilância do eleitorado sobre os deputados e governantes, mais forte é a influência de outras "forças" . Nunca há vazios de poder. O escrutínio dos portugueses foi sendo neutralizado devido ao aumento constante da abstenção, ao que temos que somar os votos brancos e nulos, é uma falha muito grave dos eleitores, na vigilância dos partidos que culmina no aumento da corrupção. Como os partidos não temem a critica nem a censura da maioria dos eleitores, porque esses não usam o voto válido, são os grupos de interesse que estão representados no parlamento, não os eleitores.

    ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/09/so-votos-em-partidos-entram-nas.html#ixzz3qcTBMVKl

    ResponderEliminar
  3. BASTAVA O POVO SABER COMO SE VOTA CONTRA OS PARTIDOS CORRUPTOS E PORTUGAL SERIA LIMPO DA CORRUPÇÃO. VOTEM EM PARTIDOS SEM ASSENTO PARLAMENTAR SÓ ISSO TEM VALOR E PUNE OS PARTIDOS CORRUPTOS. Nos paises menos corruptos do mundo a democracia funciona porque as pessoas sabem votar e usam o voto, 90% votam... aqui só temos eleitores ignorantes por isso quem não funciona são os eleitores e não a democracia.
    A abstenção afinal obtém um resultado contrário, ao que pretendem os abstencionistas
    Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
    Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão mentirem para agradar. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam. Vocês não exercem o vosso dever de votar contra quem faz mal ao país. O vosso de dever e direito de punir os que lesam o país nas urnas.
    A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote.. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas, julgar e punir os partidos que há 40 anos destroem o teu país, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem contra os que mentiram, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.
    MAIS ARTIGOS SOBRE CIDADANIA E EDUCAÇÃO CIVICA, NESTE LINK, APRENDA A VIVER EM DEMOCRACIA SE QUER QUE ELA FUNCIONE::.. INFORME-SE VEJA ESTE LINK http://apodrecetuga.blogspot.pt/2015/10/percebam-que-abstencao-afinal-obtem-um.html#.WM_ogfmLTIU

    ResponderEliminar