14 junho, 2011

Ainda a missa vai no adro. Já eles gozam reformas.

marques mendes reformado
Aos 50 anos de idade e com 20 anos de descontos como Deputado, Marques Mendes acaba de requerer a Pensao a que tem direito, no valor mensal vitalício de 2.905 euros mensais . Contudo, um trabalhador normal tem de trabalhar até aos 65 anos e ter uma carreira contributiva completa durante 40 anos para obter uma reforma de 80% da remuneraçao média da sua carreira contributiva.
Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebeliao, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas...'

5 comentários :

  1. http://youtu.be/pb8sZR-bI6o

    ResponderEliminar
  2. O meu comentário ?? Pobres portugueses que trbalham anos e anos e nao teem direito a nada e andam por ai alguns a dar-nos palavreadobe reformam- se quando querem e com boa reforma comparado com os míseros € dos restantes reformados deste Pais Triste, e teem que esperar ate aos 65 anos. Deichem-se de hipocrisia e mentiras.......o Pobo começa a ficar fartobdeste estado de coisas

    ResponderEliminar
  3. Reformados ao estilo principesco do nosso Mário Soares... quem não gostaria?
    Motoristas, seguranças, amas, empregadas para todo o serviço, até para os acompanhar à praia, e tudo isto somado a várias e acumuladas reformas e subsídios...
    Para terminar em grande, ainda tem a fundação por onde recebe centenas de milhares de euros do estado.
    É este o país pobre onde todos os ex políticos, todos os políticos, todos os aspirantes a políticos, e todos os amigos dos que nomeei teem garantido um futuro e um presente Monárquico.
    O povo ...apenas...e cada vez mais... escravo.

    ResponderEliminar
  4. Recordo o espectáculo – triste - de 3 antigos Presidentes da República – Eanes, Soares e Sampaio – se deslocarem a um programa de televisão, muito preocupados, advertindo os portugueses de que o país não suportava mais encargos, além dos que já tinha.

    Recordo, creio que foi o Eanes, quem referiu que Portugal enfrentava o valor de 2 milhões de euros por hora, pela sua dívida e juros.
    Disseram ainda, que tínhamos de travar e cortar no nosso modus vivendi.

    Pensei: “É agora que eles vão dar o exemplo e dizer que prescindem – não do alto vencimento – mas, pelo menos, do polícia à porta de sua casa, da secretária, do motorista e da viatura pagos pelos nossos impostos…”

    Mais palavras para quê?

    Lembro, também, o Cristiano Ronaldo que, ganhando um milhão de euros por mês, aquando da catástrofe de 28 de Fevereiro de 2010, não contribuiu nem com um cêntimo para ajudar os seus conterrâneos, desalojados e feridos.

    Porém, todos tem a desvergonha de gritar para os media: “Eu tenho muito orgulho em ser português!”.

    De facto, preocupantemente, existem no mesmo espaço geográfico duas realidades distintas e a que alguns jeitosos apelam, conforme lhes dá jeito: Portugal e Portugueses…!

    Portugal é o conceito pelo qual, uma minoria vive à grande: um pr. da república, ministros, deputados, tropas e tachos derivados do poder.
    Portugueses, são os idiotas que trabalham para manter estes… meninos, a darem-lhes ordens.

    Se o que está em causa é justificar privilégios – indirectamente, claro - fala-se em Portugal.
    Se é para pedir sacrifícios, fala-se em portugueses.

    Parece e é, que Portugal e os Portugueses são adversários…!!!
    Mas porquê, qual a racionalidade lógica, pela qual tem de existir um território independente com 90.000Km2, no extremo oeste da Europa?

    Acham aceitável, condenar o nosso presente e o futuro dos nossos filhos em nome de uma verdadeira irracionalidade económica?
    Porque houve, em tempos, um príncipe que se zangou com o avô e com a mãe e resolveu dizer: “quem manda aqui sou eu”!

    E, 900 anos depois, a minha vida está tramada porque tenho a obrigação de fazer vingar, como estado soberano, um território periférico, pobre e pequeno - fruto da afirmação juvenil de um príncipe medieval, que não sabia ler nem escrever - e para mais, ao que dizem, governado por corruptos?

    Para o pr da república, assessores, ministros, assessores, deputados, partidos, tropas, manterem os empregos simpáticos e calçarem belas luvas?

    Para mim, chega !!!

    A partir de hoje só respeito uma bandeira e um hino: a azul com estrelinhas amarelas e a 9ª de Beethoven…

    Acabem com a bandeira que, actualmente, só serve para justificar tachos que por cá há mas, por favor, respeitem sempre, a memória da razão pela qual muitos morreram e outros mais ficaram estropiados.

    Viva a Europa Federada!
    Fim aos nacionalismos bacocos e tachos que alimentam…

    ResponderEliminar
  5. Só os votos válidos em partidos entram nas contagens por isso o que penaliza um partido, não é a abstenção ou votos brancos/nulos, é votar noutro partido
    Dado que só votos em partidos entram nas contagens, o que penaliza um partido, não é a abstenção ou votos brancos/nulos, é votar noutro partido - porque se não votarmos, não estamos a negar o voto a ninguém. Estamos apenas a deixar que as decisões se concentrem num conjunto mais restrito do eleitorado, uma minoria - que inclui sempre as clientelas dos partidos e os clubistas acríticos.
    Temos também de esquecer o hábito da idolatria onde os maiores partidos são instituições que muitos acreditam que se devem preservar ao longo do tempo, independentemente do seu desempenho: com as regras actuais, temos sim de mostrar aos partidos que são descartáveis e têm de se esforçar para obter o apoio do eleitorado, caso contrário serão descartados.

    Num sistema que impõe o monopólio político dos partidos, é essencial que ocorra a renovação do espectro partidário para que a democracia se mantenha minimamente "fresca".
    A oportunidade de mostrar algum poder do eleitor, é não abdicar nunca do voto válido, o único que transmite uma mensagem positiva ou/e negativa.
    Convém compreender que, quanto mais fraca é a influência/vigilância do eleitorado sobre os deputados e governantes, mais forte é a influência de outras "forças" . Nunca há vazios de poder. O escrutínio dos portugueses foi sendo neutralizado devido ao aumento constante da abstenção, ao que temos que somar os votos brancos e nulos, é uma falha muito grave dos eleitores, na vigilância dos partidos que culmina no aumento da corrupção. Como os partidos não temem a critica nem a censura da maioria dos eleitores, porque esses não usam o voto válido, são os grupos de interesse que estão representados no parlamento, não os eleitores.

    ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/09/so-votos-em-partidos-entram-nas.html#ixzz3qcTBMVKl

    ResponderEliminar