09 setembro, 2013

Marinho Pinto apelou ao povo para punir os corruptos, mas o povo não ajudou.

(Actualmente (Abril/2014)  Marinho Pinto, percebeu que o povo é incapaz de se unir para uma  punir os que faliram Portugal. Por isso desistiu de obter o apoio popular por esta via e optou por se candidatar ao Parlamento Europeu)



Marinho Pinto apelou ao povo para punir os corruptos, mas o povo não colaborou a 100%. E mesmo com 42% de abstenção nada estremeceu no cenário da politica, claro que ele e todos perceberam que a abstenção é inócua. Não tem consequências nem sequer o poder de os abalar ou envergonhar, que era a intenção. 

SEJAMOS RIGOROSO E EXIGENTES, COM OS POLÍTICOS PEDE MARINHO PINTO
Na actual falsa democracia que nos impõem, o voto em branco, a abstenção, o voto nulo ou o válido, possuem o mesmo valor... não mudam nada...
No entanto, Marinho Pinto não sendo contra a democracia nem contra o voto, apela neste video a que se faça greve ao voto e à democracia apenas na data especifica que respeita o video, e com o intuito de punir e abalar o regime podre que nos rouba. Uma greve ao voto para punir e alertar os corruptos. Uma espécie de aviso do povo. Pedia ao povo que fizesse estremecer a paz, dos que, já tranquilamente e legitimamente, nos roubam.
Marinho Pinto sugere assim a abstenção como punição não como forma de eleger, ou evitar eleger partidos.

Neste video Manuel Monteiro, diz que os portugueses fazem “parte de um circo que de anos a anos participa nas eleições”, justificando que “quem manda em Portugal não é o povo” e que o regime democrático em que alegadamente vivemos “é (apenas) um simulacro de democracia”.
"Nunca tivemos verdadeiramente sistema feudal em Portugal. Mas hoje temos feudalismo, temos um regime de corporações não assumido mas verdadeiramente detentor do poder político.
Quem manda em Portugal não é o povo. O povo faz parte de um circo que de anos a anos participa nas eleições para vaticinar ou corroborar escolhas previamente feitas pelos grupos corporativos que realmente mandam”. Na opinião de Manuel Monteiro, o “peso” destes grupos é tal que “condicionam as lideranças políticas a admitir excepções aos sacrifícios que são impostos à maioria dos cidadãos”.

A juntar a isto, refere, “os dirigentes partidários” começaram a ser “escolhidos na óptica do treinador, para trazer resultados imediatos” e quando tal não acontece, “é-se substituído”. Opondo-se a esta ‘lógica’(...)
“Eles”, prossegue, “querem ter o dinheiro dos outros que não são políticos e portanto vendem-se” e “deslumbraram-se” mas “com isso perdeu-se a independência”, por isso, “Tenho muitas dúvidas de que a maioria da classe dirigente seja independente”.
fonte 



- Manuel Monteiro explica a farsa da democracia
O poder do voto. Voto em branco e nulo, sem poder?
Eleições autárquicas – questões para incomodar mandarins.
Insistir no erro, cegueira ou burrice?
Votar é um direito ou um dever.
Democracia de fachada



50 comentários :

  1. Não voto á mais desde 2001, e nunca mais votarei nestes FILHAS DAS PUTAS da assembleia dos ladrões de nas camaras ......... NUNCA MAIS !!!!!

    Estou no Brasil como refugiado económico, e quero que se FODAM TODOS OS PALHAÇOS ... DO PRESIDENTE AO VEREADOR, PASSANDO PELOS DEPUTADOS ...... IDE TODOS PARA O CARALHOS SEUS FILHAS DAS PUTAS ...... NUNCA MAIS VOTO !!!!

    Ramiro Lopes Andrade

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que tem que haver moderação, quando os comentadores não são moderados. Há maneiras mais correctas e aceitáveis de expressar o que pensa.
      Não percebo qual a necessidade de se expressar desta forma.
      Por isso sinto me na liberdade de apagar/moderar os comentários, já que há pessoas que comentam apenas para "sujar" o ambiente e não para participar ou contribuir em nada.

      Eliminar
    2. mas será que ha nomes mais apropriados para as pessoas em questao?

      Eliminar
    3. Não encontra nada na lei eleitoral anterior a 2005 que diga que o voto branco tinha qualquer valor. Tenho certeza absoluta que não houve alteração nenhuma e que o voto branco sempre foi tratado da mesma forma.

      Sou abstencionista crónico e acho que para não perdermos a credibilidade temos que ser cautelosos com as afirmações.

      Eliminar
    4. Para que o mal triunfe, basta que os bons não façam nada”
      Enquanto as pessoas não usarem o voto para mudar o panorama politico, eles continuarão a ganhar, porque os que votam são sempre e somente os apoiantes dos partidos corruptos, e os eleitores não perceberam que a abstenção apenas ajuda a manter os corruptos no poder. A abstenção não retira qualquer poder ou legitimidade aos eleitos, é apenas uma ilusão das pessoas muito bem aproveitada pelos partidos que tomaram conta do país, sem ninguém que lhes faça frente ou justiça. Está na hora de pegarmos o touro pelos cornos e ter coragem de votar contra eles e em alguém sem cadastro.
      Se não começarmos nunca mais isto termina este ciclo vicioso

      Eliminar
    5. A LUTA COM SANGUE E REVOLTA SÃO DESNECESSÁRIAS nas democracias modernas e com eleitores activos E CÍVICOS. O VOTO está nas nossas mãos, votemos contra a corrupção, o voto não serve apenas para votar a favor de politicas mas também para votar contra, mesmo que não possua um partido que queira escolher, votemos contra os que não quer que sejam escolhidos. Basta de nulos brancos e abstenção, usem o voto para salvar o país da corrupção. NÃO DESPERDICEM MAIS VOTOS, usem o voto para punir os piores nas urnas, basta de impunidade

      Eliminar
  2. Eu sou um dos que não vota, nem votará, enquanto se mantiver toda esta panóplia de gente estúpida e ignorante a querer governar-me. Não são somente os políticos.
    Fico por aqui.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para que o mal triunfe, basta que os bons não façam nada”Enquanto as pessoas não usarem o voto para mudar o panorama politico, eles continuarão a ganhar, porque os que votam são sempre e somente os apoiantes dos partidos corruptos, e os eleitores não perceberam que a abstenção apenas ajuda a manter os corruptos no poder. A abstenção não retira qualquer poder ou legitimidade aos eleitos, é apenas uma ilusão das pessoas muito bem aproveitada pelos partidos que tomaram conta do país, sem ninguém que lhes faça frente ou justiça. Está na hora de pegarmos o touro pelos cornos e ter coragem de votar contra eles e em alguém sem cadastro.
      Se não começarmos nunca mais isto termina este ciclo vicioso

      Eliminar
    2. É PRECISAMENTE AO CONTRÁRIO Em Portugal andamos a raciocinar ao contrário e por isso a democracia não funciona.
      Não são os corruptos que vão deixar de ser corruptos por opção, é o nosso voto contra os corruptos que os obrigará a ser honestos. Os eleitores ainda não perceberam o erro de afirmar que só votam quando os políticos deixarem de ser corruptos, porque é precisamente por não votarmos, por os deixarmos impunes, que eles se tornam corruptos e que os corruptos sentem apetência por ingressar na carreira politica. É imprescindível, urgente e VITAL nesta equação democrática, o exercício do poder do povo que através do voto pode fazer justiça, punir, educar, travar e eliminar os abusos, e só assim equilibrar e moderar o poder dos políticos.
      Pensem... Seria eficaz se uma pessoa responsável por moldar comportamentos, (educar um filho delinquente, pacificar um cão agressivo, travar um ladrão reincidente, punir um politico corrupto,) decidisse que só iria agir quando o problema estivesse resolvido? Não tem lógica pois não? Mas é isso que os eleitores portugueses pensam e fazem em relação ás eleições.
      O filho é mal educado, delinquente, negligente, e até rouba, mas os pais fazem birra e dizem que só o vão educar quando ele deixar de ser assim, enquanto for assim não o educam?
      Outro erro é afirmar que se recusam a votar alegando que os candidatos são corruptos e os que não o são, depressa se tornarão. A constatação está correcta mas o que importa é identificar a causa desse fenómeno. A resposta descobre-se quando se conhecem os países onde afinal não é bem assim. Onde os políticos não são corruptos e nem o poder os corrompe. Um jornalista português, questionou deputados suecos, para perceber porque é que eles não exercem duplas funções como é hábito em Portugal, onde os deputados que representam o interesse público ao mesmo tempo trabalham e defendem empresas privadas, esta é uma das maiores causas de corrupção em Portugal, no entanto a lei sueca é igual à nossa. A resposta do deputado foi simples, ele respondeu que nunca teríamos tempo nem nos passaria pela cabeça tal promiscuidade.
      Como vêem não é a lei só por si, que trava a corrupção... mas sim um povo que sabe punir os maus políticos e desta forma criar uma classe politica com ética e moral.
      A conclusão é óbvia, em Portugal não sabemos usar a democracia nem o voto.
      Só quando o povo votar e souber votar, para punir os piores políticos e eleger os melhores ou menos maus, aí sim eles passarão a temer o poder de justiça do povo. O políticos começarão a perceber que o eleitor já sabe discernir, julgar e usar o voto, e serão forçados a ser honestos e competentes, tementes do poder do povo. E os próprios partidos serão finalmente impelidos a não aceitar maus políticos e corruptos, no seu partido.
      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/05/partidos-portugueses-que-propoem.html#ixzz3bl08KDje

      Eliminar
    3. A LUTA COM SANGUE E REVOLTA SÃO DESNECESSÁRIAS nas democracias modernas e com eleitores activos E CÍVICOS. O VOTO está nas nossas mãos, votemos contra a corrupção, o voto não serve apenas para votar a favor de politicas mas também para votar contra, mesmo que não possua um partido que queira escolher, votemos contra os que não quer que sejam escolhidos. Basta de nulos brancos e abstenção, usem o voto para salvar o país da corrupção. NÃO DESPERDICEM MAIS VOTOS, usem o voto para punir os piores nas urnas, basta de impunidade

      Eliminar
  3. Questão:

    Nas mesas de voto, após a identificação do nosso n.º de eleitor dão-nos o boletim de voto, se por acaso rasgar e não colocar na caixa o que poderá acontecer???

    Haverá com certeza uma discrepância entre os eleitores votantes e boletins e será que colocará em causa essa mesa de voto???

    CURIOSIDADES a sugerir

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 2º Validade e conversão em mandatos dos votos brancos, nulos e abstenção

      Clique nas imagens para ampliar
      Sempre que se aproxima um acto eleitoral, aparece uma série de informações erradas que desincentivam o exercício da cidadania e afastam cada vez mais o povo das decisões politicas. Eis as leis que regem as eleições:
      **Validade do voto
      Um voto em branco verifica-se quando o boletim não for objecto de qualquer tipo de marca feita pelo eleitor, nos termos do artigo 98º, n.º 1 da Lei eleitoral da Assembleia da República – Lei 14/79, (este critério é aplicável a qualquer sufrágio, incluindo as europeias).
      Seja num acto eleitoral ou num referendo, uma declaração de vontade tem que ser praticada e esta só é possível através do assinalar de um xis num dos quadrados constantes no boletim de voto. Logo, nos termos do artigo 16º da referida Lei 14/79, o voto em branco – no qual nenhuma declaração de vontade é expressa – não é válido para efeitos de determinação do número de candidatos eleitos, pois não tem influência no apuramento do número de votos e na respectiva conversão em mandatos.

      Por sua vez, as alienas a), b) e c) do nº 2 do artigo 98º da lei 14/79 determinam o que é um voto nulo. Este acontece quando se fazem mais do que uma marca, uma marca num candidato, partido ou coligação que tenha desistido ou ainda quando se verificam rasuras, desenhos ou palavras no boletim de voto. São automaticamente desconsiderados.

      **Conversão em mandatos
      Mesmo na eventualidade de o número de votos em branco e nulos serem maioritários, uma vez que estes não são votos expressos, não representam uma vontade considerada por lei, a eleição é legitimada e validada apenas pelos votos expressos e só estes é que contam para efeitos do apuramento de resultados. (a abstenção também não conta, apenas os votos válidos)
      Por outras palavras, se apenas 49% dos portugueses votarem válido – relembro que nas ultimas presidenciais somente votou 46,52% da população – apenas estes votos contarão e o calculo da sua distribuição será equivalente a 100%. No caso das legislativas a totalidade dos 230 lugares do Parlamento será sempre distribuída de acordo com os votos válidos que cada partido obteve, sem qualquer consideração objectiva ou subjectiva, pelos votos brancos, nulos ou abstenção.
      Nas eleições legislativas apenas são contados os votos válidos nas listas de candidatas. Por isso, abster-se de escolher uma lista não produz nenhum efeito que impeça a legitimação de mandatos. Apenas nos referendos, como em muitas assembleias, a lei refere e exige que mais de metade dos eleitores votem, para que o resultado seja vinculativo.

      **Abstenção nem é considerada na lei eleitoral, já que está definido que só os votos válidos contam

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/05/partidos-portugueses-que-propoem.html#ixzz3f7g1aOtA

      Eliminar
  4. Eu acho que uma revolução pacífica seria ir votar mas em branco.
    Também não serve para nada, mas o significado é muito maior.
    Quem não vai votar, aceita qualquer regime.
    Assim se diria que queremos ter a nossa opinião e contribuição, mas não com estes canalhas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para que o mal triunfe, basta que os bons não façam nada”
      Enquanto as pessoas não usarem o voto para mudar o panorama politico, eles continuarão a ganhar, porque os que votam são sempre e somente os apoiantes dos partidos corruptos, e os eleitores não perceberam que a abstenção apenas ajuda a manter os corruptos no poder. A abstenção não retira qualquer poder ou legitimidade aos eleitos, é apenas uma ilusão das pessoas muito bem aproveitada pelos partidos que tomaram conta do país, sem ninguém que lhes faça frente ou justiça. Está na hora de pegarmos o touro pelos cornos e ter coragem de votar contra eles e em alguém sem cadastro.
      Se não começarmos nunca mais isto termina este ciclo vicioso
      Voto Branco, nulo ou abstenção não significam nada para os políticos só para os inocentes que andam iludidos e desviados do seu caminho.

      Eliminar
  5. Compreendo os dilemas expostos nas opiniões anteriores mas... a abstenção ou votar em branco, na prática, nada alteram.

    Os cargos serão ocupados através da distribuição dos votos pelo método de Hondt.

    Ou seja, os "Poderes Que Mandam" continuaram a mandar!

    Cumps.,
    Falso Vate

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Peço desculpa pelo erro no tempo verbal.

      Onde se lê: "...os "Poderes Que Mandam" continuaram a mandar!" deve ler-se "...os "Poderes Que Mandam" continuarão a mandar!".

      Cumps.,
      Falso Vate

      Eliminar
    2. entao... a opção é matar todos os politicos... nao vejo outra solução sinceramente...

      Eliminar

  6. Votar sim, mas em qualquer partido diferente dos que agora lá estão.

    Correr com esta escumalha toda.

    Mostrar que o Povo tem, de facto, o P(h)oder !!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É essa a nossa teoria.

      Eliminar
    2. dá na mesma... sao politicos na mesma...

      Eliminar
    3. Para que o mal triunfe, basta que os bons não façam nada”
      Enquanto as pessoas não usarem o voto para mudar o panorama politico, eles continuarão a ganhar, porque os que votam são sempre e somente os apoiantes dos partidos corruptos, e os eleitores não perceberam que a abstenção apenas ajuda a manter os corruptos no poder. A abstenção não retira qualquer poder ou legitimidade aos eleitos, é apenas uma ilusão das pessoas muito bem aproveitada pelos partidos que tomaram conta do país, sem ninguém que lhes faça frente ou justiça. Está na hora de pegarmos o touro pelos cornos e ter coragem de votar contra eles e em alguém sem cadastro.
      Se não começarmos nunca mais isto termina este ciclo vicioso
      Voto Branco, nulo ou abstenção não significam nada para os políticos só para os inocentes que andam iludidos e desviados do seu caminho.

      Eliminar
  7. Queria dar os parabéns à equipa deste blog, nos ultimos tempos tenho seguido este blog e isto sim é serviço publico!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelas suas palavras altruístas de apoio.

      Eliminar
    2. No entanto devo esclarecer que a equipa do blog, sou eu apenas... Por isso mais uma vez obrigada pelo duplo elogio.

      Eliminar
  8. Se o voto e' a arma do povo, porque não usa-la? Não votar e' o tiro certo, embora alguns caciques políticos travestizados de teóricos digam que nao votar e' anti democrático. Ou que temos o dever de votar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Simplesmente porque eles inventaram os boys... E ainda há entre este povo gente de olhos fechados, Veremos até quando. parabéns pelo blog.

      Eliminar
    2. Para que o mal triunfe, basta que os bons não façam nada”
      Enquanto as pessoas não usarem o voto para mudar o panorama politico, eles continuarão a ganhar, porque os que votam são sempre e somente os apoiantes dos partidos corruptos, e os eleitores não perceberam que a abstenção apenas ajuda a manter os corruptos no poder. A abstenção não retira qualquer poder ou legitimidade aos eleitos, é apenas uma ilusão das pessoas muito bem aproveitada pelos partidos que tomaram conta do país, sem ninguém que lhes faça frente ou justiça. Está na hora de pegarmos o touro pelos cornos e ter coragem de votar contra eles e em alguém sem cadastro.
      Se não começarmos nunca mais isto termina este ciclo vicioso
      Voto Branco, nulo ou abstenção não significam nada para os políticos só para os inocentes que andam iludidos e desviados do seu caminho.

      Eliminar
  9. O problema da greve ao voto é que em Portugal os eleitores pensam nos partidos como se tratassem de clubes de futebol, não interessa quem está a candidatar-se desde que ganhe o partido. Essa mentalidade levou-nos á desgraça e enquanto pessoas com Paulo Morais e outros da nossa praça não se candidatarem para tentar mudar as coisas estamos sempre entregues á mesma corja que nos tem roubado o presente e o futuro dos nossos filhos. A opção de votar em partidos com menor expressão na AR também não me alicia, pois pelo que vejo todos os que lá estão apenas defendem os seus interesses. Por isso no nosso caso pede-se a todos aqueles que metem o dedo na ferida que avancem com uma candidatura que passe das palavras aos actos, pois por muito patrióticos que sejam necessitamos de abalar o sistema e para isso o poder da palavra é insuficiente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. só votam os amigos dos corruptos e os amigos de Portugal andam a dormir

      Eliminar
  10. Acho que o Dr. marinho Pinto tem toda a razão e partilho da mesma ideia.

    Porém temo que tal acto só surtira efeito se for massal e ai e que esta o problema. Como é sobejamente conhecido, grande parte dos cidadãos ocupa-se muito mais com futebol, telenovelas e outros produtos de qualidade duvidosa e por isso tem medo de arriscar em terrenos que não conhece ou nunca quis conhecer , ou seja, tem medo de tomar decisões importantes para as suas vidas.

    Ainda pensei que as novas gerações fossem diferentes pois interagem com muito mais facilidade com as novas tecnologias de comunicação mas parece não passar disso, sem o mínimo de luta pelos seus direitos,infelizmente!!

    Depois não se queixem.......

    ResponderEliminar
  11. Zita, o meu apoio a este blog estou do lado dos mais sacrificados que é o grande POVO não voto nem nunca votarei enquanto houver esta farsa de ditadura de eleições é obrigatorio mudar este sistema

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em Portugal andamos a raciocinar ao contrário e por isso a democracia não funciona.
      Não são os corruptos que vão deixar de ser corruptos por opção, é o nosso voto contra os corruptos que os obrigará a ser honestos. Os eleitores ainda não perceberam o erro de afirmar que só votam quando os políticos deixarem de ser corruptos, porque é precisamente por não votarmos, por os deixarmos impunes, que eles se tornam corruptos e que os corruptos sentem apetência por ingressar na carreira politica. É imprescindível, urgente e VITAL nesta equação democrática, o exercício do poder do povo que através do voto pode fazer justiça, punir, educar, travar e eliminar os abusos, e só assim equilibrar e moderar o poder dos políticos.
      Pensem... Seria eficaz se uma pessoa responsável por moldar comportamentos, (educar um filho delinquente, pacificar um cão agressivo, travar um ladrão reincidente, punir um politico corrupto,) decidisse que só iria agir quando o problema estivesse resolvido? Não tem lógica pois não? Mas é isso que os eleitores portugueses pensam e fazem em relação ás eleições.
      O filho é mal educado, delinquente, negligente, e até rouba, mas os pais fazem birra e dizem que só o vão educar quando ele deixar de ser assim, enquanto for assim não o educam?
      Outro erro é afirmar que se recusam a votar alegando que os candidatos são corruptos e os que não o são, depressa se tornarão. A constatação está correcta mas o que importa é identificar a causa desse fenómeno. A resposta descobre-se quando se conhecem os países onde afinal não é bem assim. Onde os políticos não são corruptos e nem o poder os corrompe. Um jornalista português, questionou deputados suecos, para perceber porque é que eles não exercem duplas funções como é hábito em Portugal, onde os deputados que representam o interesse público ao mesmo tempo trabalham e defendem empresas privadas, esta é uma das maiores causas de corrupção em Portugal, no entanto a lei sueca é igual à nossa. A resposta do deputado foi simples, ele respondeu que nunca teríamos tempo nem nos passaria pela cabeça tal promiscuidade.
      Como vêem não é a lei só por si, que trava a corrupção... mas sim um povo que sabe punir os maus políticos e desta forma criar uma classe politica com ética e moral.
      A conclusão é óbvia, em Portugal não sabemos usar a democracia nem o voto.
      Só quando o povo votar e souber votar, para punir os piores políticos e eleger os melhores ou menos maus, aí sim eles passarão a temer o poder de justiça do povo. O políticos começarão a perceber que o eleitor já sabe discernir, julgar e usar o voto, e serão forçados a ser honestos e competentes, tementes do poder do povo. E os próprios partidos serão finalmente impelidos a não aceitar maus políticos e corruptos, no seu partido.
      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/05/partidos-portugueses-que-propoem.html#ixzz3bl08KDje

      Eliminar
  12. Boas, depois de estar muito atento a toda esta actividade politica chegou a hora de dizer chega, Não Voto Mais! mas gostaria de acrescenrtar umas palavrinhas sobre o que é a cabeça do povo, pois digo isto porque pelo que vejo a cabeça do povo é como um martelo de assento ou quer dizer nasceu apenas para estar sempre na mesma posição a levar porrada, não acorda, está sempre virado para o mesmo lado é caso para dizer que é mesmo estúpido, mesmo vendo as noticias, todos os dias aparecem ladrôes,a justiça não vale nada, os politicos que nos governam á 30 anos são uns enganadores, muitos deles corruptos e mentirosos e o zé povinho não é capaz de dizer chega NÃO VOTO MAIS!

    ResponderEliminar
  13. O poder de voto é imenso mas de nada vale quando não há por onde escolher de A a Z, venha o diabo e escolha.
    Se houve-se que se fazer uma greve seria para pagar impostos, isto sim é que era uma revolução.
    Quando o poder politico percebe-se que o povo não estava disposto a pagar a roubalheira que vai por ai de certeza que isto entrava nos eixos (desabafo de um contribuinte).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. qualquer voto é melhor que deixar o ps ou psd cds ganhar de novo, votem contra eles porra

      Eliminar
    2. Um povo que não vota não pune os corruptos e eles cada vez mais perdem o medo e a vergonha, abusam e abusam
      60% dos portugueses desperdiçam o voto, em brancos nulos e abstenção, a única arma que poderiam usar contra os corruptos... claro que eles jamais serão eliminados da politica , enquanto o povo não acordar e não souber usar o voto...

      Os grupos de contestação pagos pelos corruptos, estão cada vez mais activos a manipular o eleitor para se manter longe das urnas. dizem:- "NÃO VOTES, NÃO VOTAR É REVOLUÇÃO" E O POVO ACREDITA...
      Se eles lhe disserem atira-te ao rio que isso é revolução, eles também vão.
      Infelizmente o povo ainda não percebeu que são os próprios corruptos que se disfarçam de revoltados para neutralizar os eleitores indignados.

      Eliminar
  14. O ciclo vicioso: 1 damos o voto, 2 quem fica com esse poder troca-o por dinheiro a troco de obedecer aos interesses. 3 Logo, qualquer eleito será corruptivel (ou até ameaçável mafiosamente, mesmo que não seja corrupto) . 5 Logo eleições não são solução. 6 Logo não há solução porque também não queremos um golpe de força e um ditador no poder.
    Solução: o ponto 3 pode ser quebrado. Se o deputado só poder votar o que o partido vota e o os militantes votam numa plataforma electrónica. Desde os anos 90 tem havido várias experiências e já há modelos feitos. Em Itália temos o 5 estrelas. Só votam o que os aderentes votaram. Se votaram a favor da abolição de privilégios de políticos, os deputados são obrigados a espelhar esse voto. Se votam pelo fim de rendas às PPP, é isso que é feito. Partidos de internet existem no Norte da Europa, na Austrália, na Espanha, Galiza e Itália. Falta Portugal. Quando existirem em Portugal, recomeço a votar com uma cruz.
    Quem colabora na criação deste novo Partido?
    Que tal uma nova área (de esperança) neste blog ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredita que os nossos politicos corruptos e gananciosos vão permitir legitimar alguém ou alguma coisa que lhes retire dinheiro e poder?
      É sabido que em outros países as coisas funcionam. O povo é atento, informado, activo, cívico... Aqui o povo continua desligado, desatento... egocêntrico e os políticos tiraram proveito disso para conquistar e contruir o império impenetrável que construíram.
      Eu alinho em qualquer solução que os conseguisse travar. Falta é saber como trazer mais adeptos.

      Em contrapartida, os nórdicos são os mais assíduos.
      Cidadãos entre os 16 e os 74 anos que nunca acederam à Internet,
      - Na Suécia 5%
      - na Holanda (7%),
      - No Luxemburgo (8%)
      - Na Finlândia (9%)
      - Em Portugal (41%) Fonte

      Se ficou surpreendido ainda ficará mais quando se aperceber que os países mais devastados pela corrupção são também os
      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/08/a-internet-em-portugal-e-um-meio-pouco.html#ixzz2fuCEsLlb

      Eliminar
  15. desculpem de discordar ,mas penso que a abstenção (não ir ás urnas) não é a atitude mais correcta , apesar de saber que abstenção e voto nulo é igual ou melor valem o mesmo dá a opurtunidade de esta cambada de mentirosos de dizer que as pessoas apenas não se interessão , contrariamente se as pessoas vão as urnas e votam em branco demonstra un acto de descedivel no os politicos , porque o nome do eleitor é descarregado das listas de voto, desde já agradeço os vossos comentários

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para começar não se pode fazer greve à democracia, porque essa em Portugal está suspensa indefinidamente.
      Em segundo lugar desde o 25 Abril que temos assistido a um aumento brutal da abstenção. Há países na união europeia onde a mesma é superior a 50%, e quais são os resultados práticos? Onde andam eles?
      A abstenção vale zero! ZERO! Quem se abstém à espera que algo mude, está a iludir-se. Isso é exatamente o que eles querem.
      Para haver mudança é preciso agir.
      Se querem protestar votem em branco para iniciar a tal revolução pacifica.
      O que me preocupa mais nestes discursos populistas de Marinho Pinto, é a ideia que não há nada a fazer, que nada está nas nossas mãos.
      HÁ SIM PORRA! Revoltem-se! Não se constroem países baixando os braços como este senhor sugere. Todas as liberdades que conquistamos, ao longo da história, foram pela força.... nada foi gratuito. O que seria de nós se os nossos avós tivessem baixado os braços.
      Temos de ser um povo orgulhoso e exigente tal como ele disse... e não um bando de deprimidos revoltados como ele sugere.
      A lei não é a bíblia, o voto em branco é aquilo que o povo convencionar que é, e a lei é aquilo que a maioria exigir.

      Eliminar
  16. Zita, aqui só temiam se fosse como em Singapura, mas teria que haver uma lista (ENORME) desde o 25 de Abril de 1974 até agora, sendo essa lista ENORME haverá sempre mais munições, quer para eles quer para os beneficiados directos e indirectos já agora.

    ResponderEliminar
  17. Se: NÃO VOTAR VOTAR, VOTAR CONTRA PARTIDOS É PERPETUAR O REGIME/ SISTEMA CORRUPTO QUE TEMOS... Qual é o regime que propõem?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como disse acima e no artigo, fazer uma revolução uma manifestação que faça estremecer os corruptos... as manifestações são demonstrações da vontade popular e do descontentamento e podem ser feitas de várias formas. Uma delas e segundo Marinho Pinto seria o boicote/ greve ao voto... mas claro o povo jamais será capaz de se unir e organizar.

      Eliminar
    2. :) não se conseguem organizar para votar em consciência e quer que se organizem para não votar? Compreendo a questão de não votar da forma como a coloca: uma só vez num protesto único e generalizado! Como sistema não concordo pois, como se viu pela taxa de abstenção de ontem, são os que não votam que acabam por dar o poder aos mesmos do costume. Se todos votássemos tenho a certeza que os resultados eram muito diferentes. Mas lá está... teria de ser um voto informado e em consciência. Ainda vou procurar as audiências do big brother de ontem que, aposto, andarão muito próximo dos números da abstenção :)

      Eliminar
    3. Para que o mal triunfe, basta que os bons não façam nada”
      Enquanto as pessoas não usarem o voto para mudar o panorama politico, eles continuarão a ganhar, porque os que votam são sempre e somente os apoiantes dos partidos corruptos, e os eleitores não perceberam que a abstenção apenas ajuda a manter os corruptos no poder. A abstenção não retira qualquer poder ou legitimidade aos eleitos, é apenas uma ilusão das pessoas muito bem aproveitada pelos partidos que tomaram conta do país, sem ninguém que lhes faça frente ou justiça. Está na hora de pegarmos o touro pelos cornos e ter coragem de votar contra eles e em alguém sem cadastro.
      Se não começarmos nunca mais isto termina este ciclo vicioso
      Voto Branco, nulo ou abstenção não significam nada para os políticos só para os inocentes que andam iludidos e desviados do seu caminho.

      Eliminar
  18. eu cá sou do partido dos que não votam...cada voto vale 3 euros para os chulos e corruptos que se aproveitam do povo portugues

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. não vota eles roubam muito mais que 3 euros, ou votamos contra eles ou isto nunca mais sai da cepa torta.

      Eliminar
  19. Desculpe cada voto dá ao partido 14.40 Euros, a subvenção aos partidos nas eleições fica em 70 milhões de Euros que saem diretamente dos nossos bolsos. O não votar é a única maneira de descapitalizar os partidos e obriga-los a refletir na força do povo, Porque a abstenção não lhes dá nada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eles não descapitalizam porque roubam muitos milhões, a única forma é votar em força contra eles, pela primeira vez eles vão ter um povo que lhes faz frente e não os deixa ganhar com 2% , JÁ BASTA

      Eliminar
  20. Vai resultar. Mas pf não coloque o nome de Marinho Pinho neste filme, vai estragar tudo. Desta vez não vai haver capitães de Abril, O POVO é que mais ordena(rá)

    ResponderEliminar