02 janeiro, 2017

Confissões de um médico. O caos oculto. Estamos proibidos de dizer aos doentes que os medicamentos estão esgotados


  Acordem pais, filhos, avós...  portugueses... o país não muda sem o vosso voto massivo contra os partidos mais corruptos que se apossaram do país e que nada deixam mudar.
Quando os nossos filhos, pais ou amigos morrem talvez nunca cheguemos a saber a verdadeira causa... porque os médicos não podem dizer a verdade, não podem dizer que faltou um medicamento, um equipamento, uma vacina... porque os corruptos desviam os teus impostos à 40 anos e tu continuas a votar neles ou a deixar que os que votam neles, os elejam sem a tua oposição, porque ficas em casa a deixa-los ganhar.
Num país onde mais de 60% do povo não vota e nem quer saber dos reais problemas do país, nem de quem são os partidos mais corruptos, o resultado só pode ser este e vai continuar a piorar. Temos um eleitorado incapaz de ir ás urnas escorraçar do poder, os partidos mais corruptos de Portugal.

O DESABAFO DO MÉDICO, QUE SE TORNOU VIRAL
"Estou desmotivado… mais! Estou revoltado!
1. Tenho 38 anos, sou Médico há 15 anos. Possuo uma especialidade em Anestesiologia, uma subespecialidade em Medicina Intensiva e a competência em Emergência Médica. Gosto do que faço!

2. Recebo menos de metade de quando acabei a especialidade há 8 anos. É um facto. Para receber o meu ordenado base limpo tenho de acrescentar em média 100 horas extras por mês. Trabalho assim 65 horas por semana a uma média de 9 euros por hora. É um facto.

3. Este ano estive de serviço no dia de Natal, o ano passado fiz o 31 de Dezembro. É um facto. Nesse dia de Natal fui insultado pelo familiar de um doente que não concordou com o horário da visita do meu serviço. É um facto. Tenho um filho com 5 anos e não tenho dinheiro para pagar o infantário a um segundo que não tenho. É um facto.

4. Pertenço à minoria de Portugueses que paga impostos, e como sou considerado rico o meu filho paga mais na creche que muitos outros… pelo mesmo serviço, porque não come mais, nem come antes. É um facto.

5. Todos os dias tenho de tomar decisões clínicas que determinam a vida e a morte de pessoas ao meu cuidado. É um facto. Hemorragias aneurismáticas, como as do mediático caso do David, são apenas um exemplo das situações que eu e os meus colegas temos de tratar o melhor que sabemos e podemos. É um facto.

6. Mesmo sendo médico limito-me a comentar profissionalmente situações que são da minha área de diferenciação. A Medicina é tão vasta que se comentar situações ou acontecimentos de outras áreas sei que vai sair asneira. É um facto.

7. Vivo num País em que quem comenta o penalti e o fora de jogo acha que sabe o suficiente para ditar o certo e o errado naquilo que faço todos os dias. Em que aqueles técnicos de ideias gerais, a quem chamamos jornalistas, e os seus amigos comentadores profissionais, se sentem à vontade para “cagar lérias” sobre aquilo que desconhecem e não têm capacidade técnica para apreciar. É um facto. Por mais de 9 euros à hora… Julgo eu, porque nunca me mostraram o recibo de vencimento!

8. Trabalho num serviço de saúde onde tenho de improvisar a toda a hora porque o fármaco x e y “não há” (Ups… estamos proibidos de dizer que não há!). É um facto. Onde temos vários ventiladores de 30 mil euros avariados (um deles há mais de 1 ano!) porque “ninguém” pagou a manutenção. É um facto. Eu levo o meu carro à revisão todos os anos e pago. É um facto.

9. No dia em que o que me pagarem para ir trabalhar não for o suficiente para a despesa da gasolina e do estacionamento ( como concerta acontece com algumas equipas de prevenção específicas do SNS), não o farei. É um facto. Isso não retira qualquer valor ao juramento de Hipócrates, nem a Lei obriga (ainda!) ao trabalho escravo. É um facto.

10. Se eu estiver doente e precisar de assistência prestada pelos meus colegas no SNS tenho de pagar taxa moderadora, ao contrário de muitos outros… É um facto. E se andar de comboio, como não sou trabalhador da CP também pago. É um facto.

11. Eu e os meus colegas trabalhamos mais doentes que muitos doentes que são vistos no serviço de urgência. É um facto. Vivo numa região em que qualquer dor de dentes, grão no olho ou escaldão da praia vai para a urgência do hospital numa ambulância de emergência médica. Muitas vezes com a família no carro imediatamente atrás da ambulância. E sem pagar um tostão. É um facto.

12. No hospital em que trabalho existem mais de 100 camas de agudos ocupadas com as chamadas “altas problemáticas”. Situação que se arrasta há vários anos e legislaturas e cuja resolução (política) escapa aos mais dotados. É um facto.

13. Vivo numa região em que se gastam muitos milhões em fogo de artifício e marinas abandonadas, sem existir contudo dinheiro para um monitor e um ventilador de transporte para a sala de emergência de um hospital dito central e centro de trauma certificado. É um facto.

14. A descoberta das vacinas constitui um dos maiores avanços da Medicina do século XX e a implementação de um plano de vacinação global para a população é um marco histórico de qualquer civilização, contribuindo para a redução da mortalidade infantil e aumento da esperança de vida. É um facto. Vivo num país que já não consegue garantir uma cobertura vacinal completa e atempada às sua crianças. Um retrocesso de gerações… um sistema podre e decadente. Não vejo os noticiários abrirem com esta notícia. É um facto. O meu filho não fez a vacina da difteria, tétano e tosse convulsa aos 5 anos. Não há… Talvez para o ano. É um facto.

15. E por tudo isto estou revoltado… É um facto.

Ricardo Duarte. Cédula da Ordem dos Médicos 41436"
Este artigo ocupa o 6º lugar do Top 15: Os mais vistos do site da VISÃO em 2016

MAIS ARTIGOS SOBRE O CAOS DO SNS QUE A MAIORIA DOS PORTUGUESES DESCONHECE
  1. Cirurgiões fantasmas? 
  2. O país onde um motorista ganha mais que um médico. Os boys e girls com salários dourados...
  3. Médico Espanhol denuncia o esquema sujo das listas de espera no SNS
  4. Médicos preferem o privado, paga mais?
  5. Médico de Alberto João Jardim, em esquemas?
  6. Pico de mortes, jornal "The Guardian", denuncia misérias de Portugal.
  7. Médicos sem fronteiras... No salário!
  8. Os cortes do SNS em nome da corrupção pagam-se com sangue, dor e a vida
  9. Morrer de cancro por não ter dinheiro para se tratar?
  10. Cortar nas reformas e no SNS, genial?
  11. Cortar nas camas dos doentes
  12. Milhões de material do IPO ainda em caixotes.
  13. Abortos de luxo.
  14. Péssima gestão de stocks.
  15. Tachos.
  16. Ordenados de luxo e festas.
  17. Veja neste video a péssima gestão.
  18. Mudar de marca, um serviço público? 
  19. Hospitais fantasma.... tenham medo!
  20. O retrato do SNS do tempo de Sócrates, para avivar memórias.
  21. Médica do Brasil denuncia o sistema de Saúde do Brasil
  22. Vergonhosas fraudes no SNS - Médico trabalhou apenas 24 horas, em 30 dias??
  23. Mudar de marca, um serviço público? 
  24. "Uma funcionária do Hospital de S. João trabalhou 101 dias nos últimos 7 anos.
  25. REGRAS NOS LARES, CENTROS DE DIA, CUIDADOS CONTINUADOS, QUE BENEFICIAM OS NEGÓCIOS PRIVADOS

20 comentários :

  1. A Zita voltou depois de um ano de pausa! Bem vinda de volta, faz muita falta :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não voltei... apenas vim partilhar um artigo irresistível. Eu própria fui vitima de uma grave infecção na Garganta que só poderia ser curada eficazmente com um medicamento à base de penicilina e que estava esgotado há mais de um ano em Portugal. Por essa razão sofri dores terríveis, perdi peso sem poder ingerir sólidos, e passei por um tratamento prolongado e difícil mas ineficaz.
      Finalmente no Hospital privado da Luz, é que me foi explicado que eu precisava de um determinado medicamento mas que estava esgotado em Portugal....
      Finalmente fui a Espanha onde me foi administrada por via intra venosa a tal famigerada penicilina e em 3 dias fiquei curada. Em Espanha quando viram o estado da minha garganta até me queriam internar. Só não o fizeram porque tinha voo marcado para voltar no mesmo dia.
      Também vi uma amiga minha morrer de cancro aos 36 anos e ficava sempre indignada com as frases feitas dos médicos: "temos o melhor tratamento que há no mundo" E diziam isto como se fosse a verdade, " a verdade" que os superiores lhes dizem para dizer.
      Já nessa altura se falava em tratamentos do cancro mais avançados em todo o mundo que em Portugal não havia, mas quem sabia usar a internet conhecia-os. Entre eles o famoso tratamento da Alemanha com células denditricas ou a radioterapia que agora se usa no champalimaud ou a crioterapia... etc etc.
      Mas infelizmente as pessoas têm que acreditar nos médicos e os médicos têm que respeitar ordens superiores.
      Eu poderia ter morrido com o agravamento do meu estado de saúde e apenas soube que estava a sofrer tanto porque uma médica decidiu infringir as ordens superiores e dizer-me porque razão eu não estava a ser tratada, apenas enganada e entretida.
      Mas obrigada pelo seu apoio... contudo não penso voltar, tenho vários blogs a copiarem o meu e a ganharem dinheiro com as minhas pesquisas e compilações.... que eu fazia sem ganhar nada, e para além disso, olhando para o resultado das eleições dá para perceber que em Portugal a informação é vã e não muda o fanatismo e a ignorancia politica.

      Eliminar
    2. Olá Zita.

      Não desperdices o teu TEMPO com isso de "divulgar informação" porque a MANADA DE ESCRAVOS BOÇAIS não deixará de o ser por mais informação a que tenham acesso!

      Só posso recomendar que voltes a escrever (de preferência no wordpress!) se for para te ajudar a libertar pressão.

      Se nunca mais trocarmos um pensamento por esta via espero que tenhas um bom resto de vida.

      bjhs

      VOZA0DB

      (Só para rir! Aquela treta do "prove que não é um robô" (ao que chegamos!) deu-me uma imagem de um sinal de hospital para identificar! Ironia do caraças=!)

      Eliminar
    3. Obrigado pelo apoio, mas eu tenho a cena do prove que é um robot, desactivada... está activada?

      Eliminar
    4. O voto branco e nulo, tem poder?
      As mentiras são muitas, são estratégias sujas para manter as vitimas longe do tribunal onde os seus carrascos estão a ser julgados, e poderiam ser condenados: as urnas.
      "É de respeitar a posição de quem prefere não optar, mas o voto branco não funciona para quem quer tomar posição na luta social e política.
      Uma impressionante cadeia de emails anónimos tem divulgado uma mentira.
      Um apelo ao voto branco "contra estes políticos" garantia que, "se a maioria da votação for de votos em branco, são obrigados a anular as eleições e fazer novas, mas com outras pessoas diferentes nas listas".

      Tanto circulou a mentira, que a Comissão Nacional de Eleições teve de lançar um esclarecimento sobre a lei: "Os votos em branco e os votos nulos não têm influência no apuramento dos resultados - será sempre eleito, à primeira ou segunda volta, o candidato que tiver mais de metade dos votos expressos, qualquer que seja o número de votos brancos ou nulos." A abstenção nem é digna de referencia pois todos sabem que a esta tem diversas causas, e portanto não pode ser uniformizada. Não se pode apurar que o abstencionista quer isto ou aquilo, porque na realidade o abstencionista apenas não quis ou não pode votar, porquê? Apenas se pode especular.

      Os votos brancos e nulos já atingiram percentagens importantes. Somados, em eleições presidenciais anteriores, chegaram a 2% a 3%, ultrapassando mesmo alguns candidatos. Cabe perguntar: quem o recorda? Quem se incomodou? Quem vibrou e quem tremeu? Os votos brancos e nulos são uma má opção de protesto, desde logo porque podem não ser protesto nenhum. São apenas uma expressão vazia, onde cabe o apelo autoritário, a hesitação radical (que não se decide a tempo), a desilusão do momento. É de respeitar quem prefere não optar, mas o voto branco não funciona para quem quer tomar posição na luta social e política. Jorge Costa, Jornalista
      NOTA OFICIOSA DA COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES

      A polémica sobre o assunto é grande, e dispendiosa, mas já devíamos ter percebido que se somos contra este regime, contra os partidos que o mantêm, PS/PSD/CDS, contra os que há mais de 35 anos corrompem a democracia, temos que usar o voto válido contra eles.

      A polémica gira em volta do valor da abstenção, do voto em branco ou nulo. Entre os factos e as opiniões, reina a confusão.
      A legislação não é fácil de encontrar, mas existe e não deixa dúvidas, não existe um número de votos mínimos para que estes se convertam em mandatos. Quer Votem 90% ou 10% dos eleitores, a eleição prossegue, elegendo aquele que tiver mais votos válidos e os votos válidos, são assumidos como 100% e é desses 100% que partem as contas para dividir os deputados. Tudo o resto, brancos, nulos e abstenção, desaparecem da equação. (veja em baixo o video que explica as contas do método de Hondt, de forma muito fácil)

      Artigo 152.º
      Representação política
      1. A lei não pode estabelecer limites à conversão dos votos em mandatos por exigência de uma percentagem de votos nacional mínima.
      2. Os Deputados representam todo o país e não os círculos por que são eleitos.


      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/11/o-poder-do-voto-voto-em-branco-e-nulo.html#ixzz4VNivWKNk

      Eliminar
    5. A abstenção afinal obtém um resultado contrário, ao que pretendem os abstencionistas


      Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
      Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão ou porem o Marinho Pinto como cabeça de lista, por exemplo. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam.
      A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote. Também é por vossa culpa que os extremistas estão a ganhar terreno, e pela mesma razão. É fácil pôr os fanáticos a votar. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas dos partidos, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem de acordo com o que acham ser a melhor solução, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.

      Quando opta por não votar pode estar a atingir o resultado contrário daquilo em que acredita.
      Esclareça-se e compreenda porque é importante votar em consciência contra os partidos corruptos.
      Faça uma escolha, opte por votar com quem mais se identifica, e quem menos o lesou, o poder é seu! Use-o para ajudar todos nós.


      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/10/percebam-que-abstencao-afinal-obtem-um.html#ixzz4VBUjKlk4

      Eliminar
    6. TEMOS OS POLITICOS QUE MERECEMOS SOMOS NÓS QUE OS MOLDAMOS
      UM POVO QUE NÃO VOTA NEM SABE USAR O VOTO JAMAIS SERÁ REPRESENTADO, TEMIDO OU SEQUER RESPEITADO E JAMAIS SABOREARÁ AS VANTAGENS DA DEMOCRACIA...
      Em Portugal vence sempre a abstenção e a ignorância e os corruptos.
      O povo não sabe que o voto não serve apenas para votar a favor dos que mais se apoiam, serve também para votar contra os que mais roubam e mentem.
      O critério decisivo da democracia é a possibilidade de votar contra os partidos que há 40 anos destroem o país
      Karl Popper, sobre democracia, responsabilidade e liberdade.
      (…)
      Inicialmente, em Atenas, a democracia foi uma tentativa de não deixar chegar ao poder déspotas, ditadores, tiranos. Esse aspecto é essencial. Não se tratava, pois, de poder popular, mas de controlo popular. O critério decisivo da democracia é – e já era assim em Atenas – a possibilidade de votar contra pessoas, e não a possibilidade de votar a favor de pessoas.
      Foi o que se fez em Atenas com o ostracismo. (…)
      Desde o início que o problema da democracia foi o de encontrar uma via que não permitisse a
      ninguém tornar-se demasiado poderoso. E esse continua a ser o problema da democracia. (…)

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/09/o-criterio-decisivo-da-democracia-e.html#ixzz3qcV7Aoi8

      Eliminar
    7. Já falei disto, porque é assunto que me irrita particularmente.
      Leio há poucos dias que o número de pais que decidem não vacinar os filhos tem estado sempre a aumentar. Há algum facto científico que explique isso? Não há. Então porquê?
      1º porque a cultura científica da maioria da população, em pleno séc XXI, é uma desgraça.
      2º porque o aumento do nível social e educacional da nossa população, coisa boa, levou também a algo paradoxal: há mais pessoas com a "mania que sabem", frequentemente arrogantes. O que chamo a ignorância esclarecida. Ainda há uns dias uma Sra me dizia abespinhada que tinha um curso superior, lia muito, sabia bem que a vacina podia provocar autismo, e ela é que mandava no destino do seu filho (!!!). Claro que a conversa azedou logo bastante.
      3º porque algumas pessoas ligadas às "medicinas alternativas", ( nunca percebi o que isto quer dizer ), têm, de modo criminoso, repito criminoso, propagado a ideia dos malefícios das vacinas. Muitas vezes com um falso argumento: olhe que entre os próprios médicos existem muitas polémicas. Claro que é falso. Qualquer médico que esteja contra as vacinas ganhou o Curso num brinde da Farinha Amparo.
      Mas, como sempre, esta história triste tem antecedentes, tristes.
      Em 1998, o médico Andrew Wakefield publica no Lancet artigo que alerta para riscos desta vacina. O Lancet, conceituadíssima revista medica, aceita este estudo muito duvidoso. Grande impacto em jornais e revistas de todo o mundo. Nos anos seguintes todos os estudos mostram que isso era falso e que tinha havido falsificação de dados. O Lancet, em 2004, assume o erro da publicação. Em 2008 descobre-se que wakefield estava ligado ao pedido de patente de uma nova vacina. Em 2010 Wakefield é proibido de exercer medicina Reino Unido. Eu digo que deveria ter sido preso. Entretanto os mesmos media que tinham vendido muito a falar dos malefícios da vacina, ficam calados. E, principalmente nos EUA e RU, está na moda pais não autorizarem esta vacina e um surto recente de sarampo, crianças com pneumonias graves, casos de surdez, encefalites e mortes. Não há pachorra para tanta burrice.
      Já agora, esta sim polémica. Sempre defendi que algumas vacinas das crianças sejam legalmente obrigatórias. Como são em alguns países da Europa. A liberdade individual não é um valor sagrado. Principalmente quando envolve menores e põe em risco terceiros. Tem faltado coragem. Por ex, basta que 5% das crianças não se vacinem contra o sarampo para que possa existir um surto desta doença.

      Eliminar
  2. Lamento ter de escrever isto mas esta mentira não passará impune!

    Não existe falta de dinheiro no SNS e o equipamento de anestesia topo de gama ao lado do médico é a prova...

    Aliás em Portugal ao contrário de outros paises todos os hospitais tem equipamentos destes por imposição dos médicos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Sempre quis ser médica. Até há quinze dias, depois da pior experiência de urgência da minha vida, em que acabei o turno e liguei ao meu irmão para lhe comunicar que queria deixar a profissão e ser sócia dele na agricultura.

      Vi-me a ter de lidar, ao mesmo tempo, com três situações urgentes, a necessitarem de cuidados intermédios/intensivos, mas sem vagas para internamento. Houve um doente que tive que colocar na reanimação, enquanto se tentava encontrar pelo menos uma cama monitorizada. E, claro, com doentes a chegarem e a necessitarem desta sala de reanimação e nós a improvisarmos! Expomo-nos, como profissionais. E, se houver algum problema, a culpa é sempre nossa, porque, no fundo, aceitamos trabalhar nestas condições.

      O meu horário de consulta é das oito às dez e meia da manhã. Mas já desisti de chegar a horas, porque nunca, mas nunca, consigo começar a ver um doente antes das oito e meia. E não é porque os doentes venham atrasados. É porque o processo de admissão é lentíssimo, à conta do sistema informático. Há doentes que só ficam registados uma hora depois de terem chegado à admissão. Nessa altura, já não tenho sala disponível para consulta. Tento, então, arranjar outro gabinete. Quando não consigo outros espaços para atender os doentes, a consulta fica sem efeito e é preciso remarcar. No fim, para o doente, de quem é a culpa? Do médico.

      Estamos presos ao programa de efetivação, que não parece ter forma de ser melhorado, que em média demora 15 minutos a efetuar o registo. A empresa que fez o programa do serviço de urgência faliu, logo não há como pedir-lhes uma atualização do mesmo.

      A sensação que tenho é a de que querem acabar com o Serviço Nacional de Saúde, tal é a maneira como estão a tornar tudo insuportável. Para os profissionais, mas também para os doentes."

      C. médica do SNS há 15 anos

      ................

      "No meu hospital, que é uma unidade central, chegamos a ter mais de 200 doentes internados e durante a noite deixamos de ter radiografias. Precisamos delas para perceber se o estado de um doente se agravou, para nos prepararmos para o entubar, por exemplo. Quando é muito necessário, temos de pedir que venha um técnico de outro hospital. O que pode demorar uma hora, pelo menos. Nunca vivemos nada assim!

      No outro dia, durante uma visita do ministro da Saúde a um hospital, fez-se uma dança de doentes. Os que estavam capazes de andar, foram postos no refeitório, a almoçar. Os que estavam em maca – há sempre doentes internados em maca – foram ocupar os quartos que ficaram temporariamente vazios. Isto aconteceu só enquanto o ministro e os jornalistas por lá andaram. Terminada a visita, voltou tudo aos seus lugares.

      L. médico do SNS há 25 anos

      ......

      "A minha maior angústia é lidar com a falta de vagas para internar os doentes. Várias vezes por semana, temos doentes acumulados em macas, à espera que saia alguém do internamento. Agora, com a gripe, tem sido péssimo. De cada vez que é preciso internar um doente, temos de fazer vários telefonemas, a pedir vagas – os doentes da Medicina Interna, por exemplo, estão espalhados pelo hospital todo. Os centros de saúde deixaram de ter internamento, numa política que ninguém entende, e acabamos por ter no hospital pessoas que não precisariam de cuidados tão especializados, só porque as famílias não têm condições de levar os familiares para casa.

      No meu serviço, há pessoas internadas desde novembro.

      E claro, há o problema transversal dos computadores. Na enfermaria, é uma competição para chegarmos cedo e reservarmos um computador. Se nos levantamos para ir ver um doente, quando voltamos já está outra pessoa no computador e ficamos impossibilitados de fazer lá o registo.

      Também é muito difícil lidar com as carências económicas. Ainda hoje apanhei um doente diabético, hipertenso, com necessidade de fazer cinco fármacos, essenciais. Há quase um mês que está à espera da reforma para os comprar. Durante este tempo, só tem feito a insulina porque esta é gratuita. Está quase cego. Tem 60 anos!"

      C. médica do SNS há 12 anos

      Eliminar
    2. http://visao.sapo.pt/actualidade/sociedade/2017-01-22-Desabafos-da-vida-de-um-medico

      Eliminar
  3. Este médico entrou para a universidade com 14 anos?..

    ResponderEliminar
  4. Olá, Sr.ª Zita Paiva.

    Fico contente por saber que este blogue foi "reavivado".

    Mas, relativamente ao que é dito nas entrelinhas (imagens) desta colocação, tenho a fazer um sério aviso...

    Que é que: uma boa parte dos movimentos e partidos que se dizem contra o poder estabelecido são armadilhas montadas pelo próprio poder estabelecido, para controlar quem está insatisfeito com o status quo.

    Nomeadamente, o dito "Bloco de Esquerda" (cuja máscara de "esquerda" já foi entretanto mudada para uma "social-democrata") tem todos os indícios de ter ligações à Maçonaria (http://blackfernando.blogs.sapo.pt/o-movimento-podemos-e-uma-criacao-da-78127) - pois, é um forte apoiante dos falsos movimentos que surgiram das manifestações controladas dos "Indignados" (http://web.archive.org/web/20110620165828/http://www.danielestulin.com/2011/06/17/martin-varsavsky-la-conexion-15-m-con-la-fundacion-rockefeller) e de partidos de farsa como o grego Syriza, que mantém bases da OTAN em seu território (http://blackfernando.blogs.sapo.pt/um-colapso-mais-suave-e-sob-maximas-77501). E, quem fala em BE, fala no seu partido-satélite "livre" (http://blackfernando.blogs.sapo.pt/livrai-nos-deste-mal-77765).

    Leiam, por exemplo, a conhecida obra "Mil Novecentos e Oitenta e Quatro", escrita há 70 anos pelo agente do MI6, Eric Blair, para saber o quão antiga é esta táctica. E, oiçam por exemplo as entrevistas feitas pela imprensa controlada à líder do falso movimento "APRE", em Portugal, a dizer que os novos líderes que se insurgem contra a ordem estabelecida, como o Donald Trump, são maus etc.

    Se é tentar alternativas ao poder estabelecido que querem, avancem com mesmo muito cuidado. Pois, o terreno político está cheio de armadilhas montadas pelo próprio poder estabelecido e há legiões de maçons, agentes das secretas e afins prontos a infiltrar (e tentar sabotar) qualquer movimento legítimo que surja (oiçam, por exemplo, como as pessoas pertencentes a um protomovimento que havia, de contestação por parte dos empresários das "diversões", se queixavam de supostos empresários que se queriam juntar ao mesmo e que ninguém conhecia de lado nenhum - e vejam o que fizeram alguns dos dirigentes que imediatamente se juntaram ao partido político fundado pelo Marinho Pinto).

    E, isto é o que eu digo a quem concorda com e tem esperança no sistema de democracia representativa que temos - e queira usar o mesmo.

    A quem ache que este país de panhonhas e cobardes não tem salvação, o que tenho a dizer, é que abandonem o país enquanto podem. Pois, as coisas estão prestes a ficar muito piores do que já estão. (http://web.archive.org/web/20131105185520/http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?f=24&t=10579 + http://www.forumdefesa.com/forum/index.php?topic=10579.0)

    ResponderEliminar
  5. Olá outra vez, Sr.ª Zita Paiva.

    Li entretanto o seu primeiro comentário a esta colocação - e venho desejar-lhe muito as melhoras.

    (Então foi por isso é que este blogue esteve tanto tempo inactivo...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo apoio, a doença que relatei já foi há mais de um ano e meio, apenas a relatei porque se enquadra no artigo... e o blogue não foi reactivado. Como referi deixei de actualizar o blogue porque no dia das eleições os tugas provaram que continuam na ignorancia profunda sobre a democracia, e nada adianta a minha luta, pelo menos não merecem o meu sacrificio.
      Quanto a votar estou cansada de explicar, o importante com o voto neste caso do caos de Portugal, não é votar num partido mas sim votar contra os mais corruptos que são os que há décadas se sentam na AR a destruir Portugal, só assim o povo mostra aos corruptos que tem o poder de os desmascarar e punir nas urnas, nem que votem no kim barreiros, o importante é mostrar que votam e já nao votam nos mais corruptos será assim tão dificil perceber como funciona a democracia?

      Eliminar
    2. Os politicos são corruptos pq o povo não sabe votar... Em Portugal andamos a raciocinar ao contrário e por isso a democracia não funciona.
      Não são os corruptos que vão deixar de ser corruptos por opção, é o nosso voto contra os corruptos que os expulsará do poder . Que lhes mostrará que somos contra os desonestos. Os eleitores ainda não perceberam o erro de afirmar que só votam quando os políticos deixarem de ser corruptos, porque é precisamente por não votarmos, por os deixarmos impunes, que eles se tornam corruptos e que os chicos espertos, sentem apetência por ingressar na carreira politica. Dizer que só votamos quando a corrupção acabar ou a democracia funcionar bem, é o mesmo que um doente dizer que só chama o médico quando a doença se curar, ou o mesmo que alguém que está a ser assaltado dizer que só chama a policia se os ladrões pararem de roubar. Não faz sentido mas é isto que os eleitores portugueses fazem.
      É imprescindível, urgente e VITAL nesta equação democrática, o exercício do poder do povo através do voto percebendo que este, não serve apenas para eleger. Se não encontra um partido perfeito que o motive a sair da cadeira no dia de votar, certamente que existe um partido contra o qual deseja usar o voto para fazer justiça, para o punir, censurar, julgar, educar, travar e eliminar os abusos e abusadores do poder, e só assim ter mão firme nos políticos. O voto contra é como um cartão vermelho que mostras ao infractor se continuas a abdicar de mostrar o cartão vermelho, estás à espera que o jogo corra bem?

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/05/partidos-portugueses-que-propoem.html#ixzz3nd3BaIjy

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/11/o-poder-do-voto-voto-em-branco-e-nulo.html#ixzz4WI5E19UP

      Eliminar
  6. Olá, outra vez.

    Sim. O primeiro comentário que eu aqui fiz, escrevi-o antes de ter lido o seu primeiro comentário à colocação. E, depois de ler o último, percebi então que este blogue não tinha sido afinal "reactivado".

    Compreendo bem a sua frustração. Pois, para além de ter eu repetidamente passado pelo mesmo, quando era jovem e activista (e visto outros companheiros meus de luta também passarem pelo mesmo), tenho sabido também de outras pessoas na blogosfera que passam por isto (e, ainda estou para saber o que terá acontecido para que o blogue do meu amigo, Dr. Octopus - http://octopedia.blogspot.pt/ - esteja também inactivo há vários meses)...

    Eu, pessoalmente, já só faço o que faço (de também fazer pesquisas e denunciar coisas na Internet) para que possa ter a minha consciência tranquila, de que fiz o que podia, enquanto cá estive. Pois, há já quase 15 anos que não me considero mais um optimista em relação ao meu país - e só voltei à "luta", depois de vários anos, porque passou a ser para mim indiferente qual o resultado final das minhas acções. (Ao menos, posso morrer orgulhoso do que fiz!)

    Mas, sim. Concordo em parte com o que diz, de ao menos não votarem as pessoas nos que são confirmadamente corruptos. E, tenho até um exemplo na minha família de alguém que, após ter passado toda a sua vida activa a votar num partido do sistema, finalmente abriu os olhos para a corrupção e, na falta de algum candidato que lhe agradasse, acabou por votar no "Tino" nestas últimas presidenciais...

    Realmente, eu reparei na coincidência com as eleições presidenciais, entre este blogue passar de muito activo a completamente inactivo. E, a minha primeira suspeita, foi exactamente de que esta alteração tivesse sido o resultado de frustração da parte de alguém que tanto lutava contra a corrupção, para depois ver um resultado tão triste como o que foi - em que o candidato que mais (e tanto) a denunciava teve tão poucos votos...

    Eu, aliás, por já saber o quão ignorante é o povo português, em particular, vi logo que, sendo preciso estar-se bem informado (ao invés de passar o dia inteiro a ver lixo televisivo, como a TVI) para votar em Paulo de Morais, obviamente que este candidato tinha muito poucas hipóteses de alcançar um resultado significativo (http://blackfernando.blogs.sapo.pt/o-meu-quase-candidato-88474) E, ainda estou para saber o que tem ele agora a dizer sobre, se não fosse um optimista ou achasse que havia esperança neste país, já tinha emigrado... (Eu, pessoalmente, só não o faço porque não posso. E, o que digo a quem me é querido, é que o faça, ou que fique lá fora, onde está.)

    ResponderEliminar
  7. O médico em questão pelas contas que ele faz ganha 2300€ por mês(9€ por hora, 65h por semana) e diz que não tem dinheiro para pagar um infantário? Deixei de ler logo aí...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ele disse que não tinha dinheiro para pagar 2...

      Eliminar
    2. ele disse que não tem dinheiro para pagar 2

      Eliminar