07 abril, 2012

400 mil euros indevidos, médico de João Jardim ou presidente da Junta?

corrupção médicos ganham a dormir
O caso que se segue, retrata como em Portugal não se penaliza o crime público de forma dissuasora, as multas ficam muito aquém dos ganhos que obtiveram, e por isso o crime compensa. 
Para agravar, os médicos são abrangidos por um esquema de horas extraordinárias que promove más práticas e prejudicam os doentes e o estado.
Simplificando, quanto menos horas de serviço normal fizerem mais horas extraordinárias recebem, e assim os médicos são incentivados a não cumprir horários normais de serviço, com baixas frequentes, faltas frequentes, e atrasos quase diários. É raro o dia que os médicos dos centros de saúde, entre ao serviço à hora e saia à hora, o comum é ver os médicos que vão ao centro de saúde aparecem às 11h e passado uma hora, ou pouco mais, já estão de partida.
Torna-se rentável ser mau médico e mau funcionário, pois quantos menos doentes atenderem no horário normal, mais doentes existirão nas urgências/ horas extras. Prejudicam-se os doentes que esperam meses e meses por vagas e anos por cirurgias, e prejudica-se o estado que paga horas extras e horas normais indevidamente.

O caso que se segue é o exemplo de tudo isso, mas consegue ser ainda mais rebuscado, porque este Srº Drº meteu baixa para ser presidente da Junta, e como médico, só trabalhava à base de horas extras. (Mais rentável e como quase todos fazem)
Ortopedista Marcelino Andrade realizou “apenas 3” consultas em 7 meses e seis cirurgias em 14 meses, mas recebeu 20 mil euros em horas extraordinárias.
O Tribunal de Contas (TC) notificou-o a devolver cerca de 400 mil euros recebidos indevidamente enquanto acumulou as funções de médico no Hospital do Funchal com as de presidente da Junta de Freguesia.
1 - acumulou os cargos de forma ilegal
2 - que originou pagamentos indevidos no valor de 397.675 euros, 
3 - remunerações, acumuladas indevidamente com as auferidas na junta de freguesia. 
4 - deu apenas 3 consultas em 7 meses e 6 cirurgias em 14 meses, mas recebeu 20 mil euros em horas extraordinárias e cerca 3700 euros em prevenções.
5 - é dirigente regional do PSD
6 - durante anos médico pessoal de Alberto João Jardim, 
7 - o TC, considerou que pela autorização ilegal deveria ser exigida responsabilidade ao secretário regional dos Assuntos Sociais e Parlamentares, Rui Adriano de Freitas, membro do governo madeirense responsável pela saúde entre 1988 e 2000, e aos responsáveis do Centro Hospitalar do Funchal e Serviço Regional de Saúde.
8 - entre 14/1 e 8/7 de 1988 estava de baixa, mas a 14/1 desse ano foi precisamente o dia da tomada de posse à presidência da nova junta. Mete baixa de médico para exercer cargo público!
9 - O tribunal considerou “ilegal o pagamento das remunerações entre Julho de 1998 e Outubro de 2009, num total de 397 mil euros. 
10 - recebeu ainda abono do subsídio de insularidade (1428 euros, o tal que os continentais pagam por eles serem pobres corruptos) como autarca, entre 2002 e 2007, a que não tinha direito, no total recebeu ilíquido 143.169,78 euros.
11 - as multas que poderá pagar permitam que o saldo seja sempre muito positivo para o infractor.  
"Ou seja, afigura-se que o mesmo não esgota a sua carga horária normal, muito embora a actividade que produz no serviço de Urgência acabe por gerar o pagamento de horas extraordinárias e de prevenção", refere a Inspecção. É aliás o serviço de Urgência "aquele em que este médico verdadeiramente apresenta produtividade", ironiza a IGAS ilustrando a afirmação com o número de atendimentos realizados em 2010 por Marcelino Andrade: 1806" . Fonte

5 comentários :

  1. Os médicos são dignos representantes da cultura de escravatura financeira aplicada aos portugueses.

    Mas se houvesse interesse real em os travar era só inspeccionar o que eles declaram em IRS/IRC e os seus, óbvios, sinais exteriores de riqueza assim como, os bens em nome de suas esposas, ascendentes e descendentes... todos teriam de justificar a honesta conquista do património adquirido...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas como todos sabemos não há interesse em travar a corrupção porque é isso que os une. Todos juntos e bem unidos a saquear para ser mais eficaz e cooperativo.

      Eliminar
  2. porque razão nunca se ouve falar em greve de médicos??
    lá por serem uma profissão de respeito,e todos precisamos deles, não podem nem devem abusar de quem lhes paga o ordenado, que somos todos nás

    ResponderEliminar
  3. Tudo isto,toda esta bandalheira é fruto do liberalismo económico em que cada qual se safa como pode e claro está,da Política Liberal copiada da terra do Tio Sam mafioso e flibusteiro.E a profissão de Médico é uma profissão liberal,como a de Advogado,a de Banqueiro,a de Mercador e de Especulador da Bolsa de Valores onde está presente a imagem de Mercúrio o Deus do Comércio e dos Ladrões.E sucede que o plebeu como quer ser burguês,tenta subir na escala social nem que seja necessário atropelar o seu semelhante,imitando assim o Burguês

    ResponderEliminar