03 fevereiro, 2012

Mais vitimas da austeridade irracionalmente criminosa de Passos Coelho.

SNS Passos Coelho destroi
Poupar nos remédios é gastar mais em cuidados... São estas as palavras do médico que tem atendido as mais recentes vitimas que padecem de uma nova doença grave. Sintomática da nova era que se anuncia, esta doença alastra-se em Portugal causando cada vez mais vitimas: é a pobreza.  
Sem dinheiro para pagarem os remédios, os doentes são obrigados a escolher entre saciar a fome ou cuidar da saúde. A mais emergente impõe-se e a saúde é descurada.
Mais uma vez a prova de que o governo não tem a noção de que as medidas de austeridade que tomou, são exageradas, perigosas e abusivas para uma classe onde já não havia espaço para mais sacrifícios, uma classe que já vivia à beira da ruptura, e à qual o governo fez o favor de dar o ultimo golpe. 
Agora adoece-se e morre-se por falta de dinheiro. 
Passos Coelho avisou... Custe o que custar vai respeitar a Troika, nem que mate ou desrespeite os portugueses.

Os médicos detectam uma nova doença em Portugal... Doentes que adoecem por não terem dinheiro para medicamentos.
"O número de doentes que chegam às urgências com problemas cardíacos porque não têm dinheiro para comprar os medicamentos está a crescer.
O alerta é feito por especialistas que admitem que a crise está a ter um impacto grave na saúde, sobretudo dos mais idosos, que estão a abandonar os tratamentos por falta de capacidade económica."
«Todas as semanas faço pelo menos um internamento de um doente que viu o seu problema de saúde agravado porque não podia comprar os medicamentos», diz ao SOL o director do serviço de cardiologia do Hospital Amadora-Sintra. «Cada vez é mais frequente e está a tornar-se um problema social terrível».
Vítor Gil explica que muitos doentes que sofreram um enfarte têm outros problemas de saúde (como hipertensão, diabetes ou colesterol elevado) e são grandes consumidores de remédios. Mas as dificuldades económicas levam-nos a sair das farmácias apenas com parte do tratamento: «Tomam uma grande quantidade de medicamentos e mesmo os genéricos no mercado são caros para as reformas que recebem».
Poupar nos remédios é gastar mais em cuidados!!
«Os problemas têm aumentado imenso», reconhece, lembrando que, às graves consequências para a saúde pública, juntam-se o crescimento dos gastos do Serviço Nacional de Saúde. «Poupa-se nos medicamentos, mas, como aumentam os cuidados de saúde, a factura acaba por ser mais pesada para o erário público», defende o especialista. 
 sol

"Hospitais do Norte limitam remédios. Médicos denunciam terapias mais baratas e menos eficazes contra o cancro." CM
Dinheiro para luxos na assembleia e para empresas amigas haverá sempre... ? Mas ainda têm o descaramento de gozar com a miséria alheia??   Pois o Secretário de estado adjunto acha as misérias dos utentes do SNS cómicas!!

4 comentários :

  1. Ermelinda Vizinho (Lina)04 outubro, 2012 18:18

    todas as palavras são poucas para expressar a aflição! S.O.S.
    ACORDEM!...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo... é mesmo S.O.S. é uma emergência acordem portugueses vamos trava-los.

      Eliminar
    2. BASTAVA O POVO SABER COMO SE VOTA CONTRA OS PARTIDOS CORRUPTOS E PORTUGAL SERIA LIMPO DA CORRUPÇÃO. VOTEM EM PARTIDOS SEM ASSENTO PARLAMENTAR SÓ ISSO TEM VALOR E PUNE OS PARTIDOS CORRUPTOS. Nos paises menos corruptos do mundo a democracia funciona porque as pessoas sabem votar e usam o voto, 90% votam... aqui só temos eleitores ignorantes por isso quem não funciona são os eleitores e não a democracia.
      A abstenção afinal obtém um resultado contrário, ao que pretendem os abstencionistas
      Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
      Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão mentirem para agradar. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam. Vocês não exercem o vosso dever de votar contra quem faz mal ao país. O vosso de dever e direito de punir os que lesam o país nas urnas.
      A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote.. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas, julgar e punir os partidos que há 40 anos destroem o teu país, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem contra os que mentiram, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.
      MAIS ARTIGOS SOBRE CIDADANIA E EDUCAÇÃO CIVICA, NESTE LINK, APRENDA A VIVER EM DEMOCRACIA SE QUER QUE ELA FUNCIONE::.. INFORME-SE VEJA ESTE LINK http://apodrecetuga.blogspot.pt/2015/10/percebam-que-abstencao-afinal-obtem-um.html#.WM_ogfmLTIU

      Eliminar
  2. A Pátria-Mãe p'ra mim madrasta,
    empurrou-me p'rà emigração,
    e maldita seja a Governação,
    que Portugal p'rà miséria arrasta.

    Os Jesuítas foram expulsos de Portugal,
    pelo Marquez de Pombal,mas a Raínha Pia,
    fê-los regressar e o Povo clamava e dizia:
    -Mal por mal,antes o Marquez de Pombal.

    E eu filho da Plebe explorada,
    emigrante na Holanda Liberal,
    embora com vontade contrariada,
    digo:-Antes a Holanda que Portugal.

    ResponderEliminar