01 agosto, 2011

Até um leigo geria melhor o dinheiro do estado. 45 milhões de euros para abortos!

Abortos luxo Madeira
Nos Açores não há médicos dispostos a fazer abortos. Por isso mandam as senhoras de avião para o continente para abortarem na Clínica dos Arcos (Privada).
O governo paga transportes para o casal, estadia por dois ou três dias e a intervenção cirúrgica, que nas clínicas privadas é feita com anestesia geral.
No entanto pessoas que precisam de fazer qualquer outro tipo de intervenção cirúrgica, grave e muitas vezes vital, aguentam o desespero de ter que esperar meses!!!!!
Mas não é apenas nas ilhas que se envia para o privado, também em Portugal continental praticam este tipo de despesismo.
No serviço nacional de saúde, 75% dos médicos são objectores de consciência, o que faz com que não haja médicos suficientes, mas não se compreende como é que no privado há!!!??? Será que os objectores ficaram todos no estado e os outros foram para o privado? Ou é apenas um negócio?

A lei do aborto permite abortos, grátis, sem limite por mulher, o que faz com que haja mulheres que utilizam o aborto como anticoncepcional. Ou seja não tomam cuidados alguns, não respeitando o SNS nem respeitando as polémicas em torno do aborto.
A partir do 2º ou 3º aborto deveria ser pago. Digo eu... 
O aborto, pago pelo estado, deveria reger-se por normas que levem as pessoas a ser cautelosas e a evitar o aborto, nunca facilita-lo ao ponto de haver mulheres a usa-lo como "contraceptivo".

Em 2010, a Clínica dos Arcos fez 5861 abortos, dos quais 4383 foram encaminhados pelo SNS. O Estado suportou os custos e pagou cerca de 2,2 milhões de euros. Em 2011, e até Abril, a clínica já efectuou 2196 abortos, mas não precisou o número de mulheres provenientes dos hospitais públicos.
"O Governo regional dos Açores gastou quase 400 mil euros com a deslocação para Lisboa de mulheres que querem fazer abortos legais. Nas nove ilhas do arquipélago, apenas dois médicos não são objectores de consciência, o que obriga a maioria a viajar para a capital para interromper a gravidez. "fonte

Estado gastou 45 milhões de euros, em abortos, desde que a lei entrou em vigor.
Cada interrupção voluntária da gravidez custa 700 euros, em média. Em 2011 foram gastos 11,5 milhões de euros.
Desde que a lei entrou em vigor, em meados de 2007, a interrupção voluntária da gravidez (IVG) custou aos cofres do Estado quase 45 milhões de euros.
É a primeira vez que o governo dá a conhecer dados sobre os custos do aborto e a tendência aponta para gastos na ordem dos 12 milhões de euros por ano. Só nos primeiros dois anos – 2007 e 2008 – os valores foram inferiores.
Os gastos do Estado com a interrupção voluntária da gravidez têm sido um dos argumentos dos defensores do “não” à despenalização, mas os números apresentados pela Federação pela Vida são muito superiores aos do governo. Um estudo deste movimento apontava, em Fevereiro, para gastos, directos e indirectos, na ordem dos 100 milhões de euros.
O aborto voltou à agenda política pela mão do CDS, que quer avançar em breve com um projecto de lei que acabe com a isenção das taxas moderadoras para as mulheres que recorram aos serviços públicos para IVG. O tema não é pacífico dentro da coligação, já que o PSD só admite alterar a legislação para os casos reincidentes, que são uma minoria, como o i noticiou ontem. De acordo com os últimos dados da Direcção-Geral da Saúde, mais de 75% das mulheres que interromperam a gravidez em 2011 fizeram-no pela primeira vez, o que faz com que as diferenças entre os dois partidos não sejam uma nuance.
Já o PS contesta qualquer mudança nas isenções e, salvaguardando que o projecto de lei ainda não é conhecido, acusa o CDS de estar a preparar-se para limitar “o acesso a esta prática”.
O deputado António Serrano avisa que os portugueses estão “massacrados com taxas moderadoras e não faz sentido alterar o que foi uma opção dos portugueses”.
A intenção do CDS é retirar a IVG do estatuto de “excepção e privilégio”, explicou anteontem ao i a deputada Teresa Caeiro. No fundo, os centristas querem que as mulheres que fazem abortos deixem de ser beneficiadas com as isenções que se aplicam às mulheres que querem levar a gravidez até ao fim.

6 comentários :

  1. Este problema parece-me mais um caso de puro despesismo a que tão estamos habituados. Contudo convém esclarecer vários pontos:
    -Os abortos a que se refere são Voluntários ou por razões médicas? Quase a totalidade de abortos voluntários da gravidez têm de decorrer nas primeiras 12 semanas e neste período esta interrupção pode e faz-se habitualmente em ambulatório(não necessita de internamento). Os abortos por indicação médica em estadios mais avançados de gravidez são feitos em internamento como um parto induzido, não necessitando de recursos humanos e físicos altamente especializados. E não compreendo ai a necessidade de recorrerem ao continente e ainda por mais a um serviço privado. Pode suceder que os preços praticados por essa clinica sejam inferiores aos praticados pelos hospitais públicos e logo torna-se mais barato ao hospital que encaminha e mais caro ao SNS.
    -Os profissionais objectores de consciência só o podem ser se para isso os cuidados ao utente sejam assegurados, se não houver mais nenhum profissional disponivel, este terá de realizar o procedimento.
    - Com os números que apresenta relativamente aos custos do estado e ao número de abortos efectuados, posso lhe adiantar que a dita clinica, se fizer anestesia geral e tiver um internamento de dois dias fica com mais de 100% de prejuízo. De certo que não devem fazer anestesia geral e de certo que a maior parte destes abortos são feitos em ambulatório e que por isso devem ser abortos voluntários.

    Espero não ter sido mal interpretado, só achei pertinente clarificar alguns pontos, acho que este blogue tem todo o valor e é brilhante o modo como o autor coloca estes problemas a nú!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá caro Vitor R., realmente tem razão em se queixar da falta de dados do artigo. O link que direccionava para a noticia original por mim comentada, estava errado. O que descontextualizava o meu comentário.
      Na verdade trata-se de IVG. Como pode constatar pelo artigo anexo do Jornal Sol o tratamento inclui alojamento no hotel. Talvez por se tratar de um aborto que apesar de ser fácil deve requerer que a paciente permaneça sob vigilância nos dias subsequentes, e descartar possíveis problemas da responsabilidade da clínica. Não sei, desconheço as causas para a despesa com os hotéis, assim como em Portugal se desconhecem muitas outras causas de despesismo sem justificação aparente.
      Como pode ver ao consultar o artigo está lá especificado mais alguns detalhes.

      Quanto à incoerência do despesismo deixo-lhe aqui mais 2 exemplos que talvez para si tenham também outra solução, mas que para o governo é assim mesmo... O governo tem razões que a própria razão desconhece. Chama-se incompetência e favores.

      ESTADO DESPERDIÇA PLASMA GRATUITO E COMPRA-O A 70 MILHÕES.
      http://apodrecetuga.blogspot.com/2011/08/70-milhoes-para-o-lixo.html

      IPO TEM AS MÁQUINAS PARADAS E PAGA A PARTICULARES PARA FAZER O TRABALHO DELAS.
      http://apodrecetuga.blogspot.com/2011/07/mais-uns-milhoes-para-o-lixo-no-reino.html

      Eliminar
  2. Eu também sou objector de consciência em relação a ter de pagar por esta autêntica palhaçada! Posso ser dispensado do pagamento?!...

    ResponderEliminar
  3. ABORTO feito por médicos.. vcs por acaso sabem como se faz uma borto legal no nosso país?? pois passo a citar.. experiência própria e recente (2012) e tenho conhecimento de outras .. tens direito algumas consultas e algumas explicações e depois é te dado um medicamento pelo medico, o qual, tu mesma introduzes os medicamentos na vagina é és tu mesma que procedes ao processo do aborto em tua própria casa.. é só esperar deitada umas boas horas e já esta... nem ficas internada... cirurgia??? eu fiz em casa.. porque é ela não fez a mesma coisa.. os medicamentos é que provocam o aborto... não entendo para que a cirurgia... Acho que foi só para ficar bonito no jornal...

    ResponderEliminar
  4. Devo acrescentar que, pelo SNS ou seja por todos os nossos impostos, é pago todo e qualquer aborto a qualquer mulher. Nada de novo até aqui mas, sob fonte segura (dito presencialmente por um médico ginecologista) devo acrescentar que: quando digo qualquer mulher digo QUALQUER. Mesmo se tratando de uma mulher de nacionalidade estrangeira, sem qualquer vínculo contratual laboral ou outros, vêm propositadamente a Portugal para fazer aborto! E paga TUGA!! Dito por ele, o médico, habitualmente deambulam de uma lado para outro por entre os corredores hospitalares mulheres de origem muçulmana(!!!?) que se deslocam propositadamente ao país para realizar o aborto e em hospitais públicos!!! Pode parecer estranho mas uma mulher grávida têm acesso a todos os cuidados de saúde graças às convenções internacionais. E estando grávidas têm acesso aos serviços de saúde de forma gratuita!!! Quem paga?!?! Nós claro. Se ainda duvidarem basta atestar para o caso dos emigrantes ilegais que atracam em Lampedusa (Itália) em que as mulheres africanas a bordo vêm todas grávidas e não é um acto meramente casuístico!… Assim não podem ser extraditadas!!!

    ResponderEliminar
  5. UM POVO QUE NÃO VOTA NEM SABE USAR O VOTO JAMAIS SERÁ REPRESENTADO, TEMIDO OU SEQUER RESPEITADO E JAMAIS SABOREARÁ AS VANTAGENS DA DEMOCRACIA...
    Em Portugal vence sempre a abstenção e a ignorância e os corruptos.
    O povo não sabe que o voto não serve apenas para votar a favor dos que mais se apoiam, serve também para votar contra os que mais roubam e mentem.
    O critério decisivo da democracia é a possibilidade de votar contra os partidos que há 40 anos destroem o país
    Karl Popper, sobre democracia, responsabilidade e liberdade.
    (…)
    Inicialmente, em Atenas, a democracia foi uma tentativa de não deixar chegar ao poder déspotas, ditadores, tiranos. Esse aspecto é essencial. Não se tratava, pois, de poder popular, mas de controlo popular. O critério decisivo da democracia é – e já era assim em Atenas – a possibilidade de votar contra pessoas, e não a possibilidade de votar a favor de pessoas.
    Foi o que se fez em Atenas com o ostracismo. (…)
    Desde o início que o problema da democracia foi o de encontrar uma via que não permitisse a
    ninguém tornar-se demasiado poderoso. E esse continua a ser o problema da democracia. (…)

    ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/09/o-criterio-decisivo-da-democracia-e.html#ixzz3qcV7Aoi8

    ResponderEliminar