17 setembro, 2013

Parlamento ou Câmara dos horrores? Local onde se destrói a vida de milhões de portugueses.


A deslealdade dos deputados, é a mais descarada ofensa à democracia e que ridiculariza e revela a farsa das eleições, para onde somos encaminhados enganosamente.
Onde deveriam estar os eleitos pelo povo para representar o povo, estão os eleitos dos poderosos grupos que dominam Portugal, a representar esses mesmos grupos.

Paulo Morais explica... Quem representa o povo? 


"No local onde deviam estar os eleitos do povo estão deputados que acumulam a sua função com a de administrador, director, consultor ou até advogado nas empresas privadas com grandes negócios com o Estado.
Os negócios controlam hoje totalmente a vida política. A promiscuidade entre agentes políticos e grupos económicos é obscena. O tráfico de influências generalizou-se e o símbolo maior desta degenerescência é mesmo o Parlamento.
São várias dezenas os deputados que acumulam a sua função parlamentar com a de administrador, director, consultor ou até advogado nas empresas privadas que desenvolvem grandes negócios com o Estado.

Deputados como Miguel Frasquilho representam o sector financeiro, em particular do grupo Espírito Santo. Pedro Pinto personifica os interesses da EDP, José Manuel Canavarro os do Montepio Geral, Couto dos Santos está com o “lobby” das empresas de construção, Matos Correia representa na Assembleia o escritório de advogados de Rui Pena e respectivos interesses na área da Defesa.
Os exemplos sucedem-se.
O sonho de um Parlamento eleito pelo povo e para o povo esfumou-se.
A câmara dos deputados devia chamar-se Câmara dos Horrores."
A Câmara dos horrores
  1. Deputados ignorantes
  2. Deputados egocêntricos 
  3. Deputados com excesso de trabalho, extra
  4. Deputados são pessoas de palavra.
  5. Deputados representam o interesse dos deputados
Os maiores responsáveis pela crise, são os poupados à austeridade? 


Um convite aos corruptos de Portugal... por Paulo Morais.



O resgate de Portugal, é apenas um resgate da banca, que lesa os contribuintes e escraviza.




10 comentários :

  1. Olhem aqui um gajo muito chateado com os coleguinhas:

    http://www.youtube.com/watch?v=dLf0wfMFOaw&

    ResponderEliminar
  2. Façamos o Teste da Verdade aos candidatos que dizem que falam a verdade, activando a auditoria financeira ao Estado através do Princípio de Auditoria de Cidadão à Dívida, permitindo assim desmascarar todo político que diz que "estamos em crise", estamos sim numa guerra com armas invisíveis cujo poder político governativo governa com o programa do invasor, FMI, contra Portugal, contra o seu próprio povo.
    Perante esta governação que é a morte lenta, quais são as reivindicações que deseja defender como cidadão/cidadã?
    Eu defendo suspender, exigir uma auditoria às dívidas e contas públicas, todas aquelas enquadradas na legitimidade são pagas, todas aquelas enquadradas na ilegitimidade são anuladas e responsabiliza-se todo aqueles que as contraiu.
    Se reflectir, o facto de os governantes e do poder político oporem-se à ideia dos cidadãos ousarem realizar uma auditoria de cidadão à dívida pública revela claramente que a verdadeira transparência é o pior pesadelo para eles, em virtude de eles quererem esconder os actos ilícitos que colapsam o Estado.
    http://www.peticaopublica.com/?pi=P2013N38162
    chamo a atenção que não necessita de ser aprovado por nenhum orgão do Estado

    ResponderEliminar
  3. voten na minha lista todos na cadeia ja

    ResponderEliminar
  4. Concordo. Grande parte da nossa dívida pode ser considerada jurídicamente "dívida odiosa", só com esses cálculos verdadeiros a dívida real seria mais exequível, depois deveríamos exigir o pagamento do ouro e dívida que os Alemães têm connosco desde a 1a guerra mundial, devíamos tentar congelar ou penhorar/apoderar do dinheiro entretanto bárbarmente roubado ao Estado, prender todos os traidores e condená-los a trabalhos forçados... Enfim, há tanto a fazer, mas primeiro o povo tem de acordar...

    ResponderEliminar
  5. "Comecemos pela 1ª mentira da direita sobre o empréstimo da "troika" para pagar pensões e salários. Segundo o Ministério das Finanças, em 2011, as receitas dos impostos e contribuições foram superiores à soma das despesas com Pessoal das Administrações Públicas mais despesas com pensões e outras prestações (inclui saúde), em +4.229,6 milhões €; em 2012 esse excedente subiu para +4.454,1 milhões €. E não consideramos todas das Administrações Públicas. Ainda existem "Outras receitas" que, em 2012, foram mais 9.606,2 milhões €. Afirmar, como fazem muitos comentadores, que o Estado foi obrigado a pedir o empréstimo à "troika" porque não tinha dinheiro para pagar salários e pensões é ou ignorância ou a intenção de mentir descaradamente para enganar a opinião pública, pois os impostos e contribuições pagas todos os anos pelos portugueses são mais que suficientes para pagar aquelas despesas." - Eugénio Rosa

    "Se não tivéssemos dinheiro agora para fazer face às questões relevantes para o Povo Português, também não é com o acordo da Troika que o teríamos, já que dos 78 mil milhões de euros a que o mesmo se reporta, 12 mil milhões são para meter directamente na banca, 34 mil milhões para pagar juros - os juros exorbitantes, especulativos e usurários que a banca estrangeira, em particular a alemã, nos foi impondo - e 30 mil para avales e outras garantias do Estado a instituições do sector financeiro. Ou seja, nada destinado ao pagamento de salários, pensões ou subsídios ou a matar a fome a quem dela sofre.

    A verdade é que, sem esta "ajuda" da Troika, o País continua a produzir - ainda que bastante menos do que podia e devia - e os trabalhadores continuam a pagar todos os meses os seus impostos e contribuições. Todos os meses são produzidos cerca de 15 mil milhões de euros de riqueza (média mensal do nosso PIB) pelo que é uma falácia dizer que o País já não teria dinheiro para pagar salários no próximo mês. Pois só não teria se continuasse a pagar os tais juros especulativos, a meter dinheiro na banca (só no BPN já lá vão mais de 5 mil milhões), nas parcerias público-privadas (que representam mais de 50 mil milhões de dívida), etc., etc.

    Se a isto se somar que, como todos sabemos, em Portugal só paga impostos quem trabalha, que, por exemplo, a banca tem pago cerca de 1/4 dos impostos pagos pela generalidade das empresas enquanto a sua dívida ao exterior é a mais elevada de todas e que a evasão e fraude fiscais são calculadas, por defeito, pela própria Troika, em cerca de 7,5 mil milhões de euros, creio que fica à vista que consequências negativas para o Povo Português decorrerão é dele aceitar cumprir as imposições da Troika e pagar uma dívida que não contraiu..." - Garcia Pereira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é preciso ser mais exigente com "esquerda/direita". Quem assinou e pediu o emprestimo foi um governo "esquerda". Quem governou durante oito anos antes desse emprestimo foi um governo de "esquerda", não foi o Salazar,ou acham que foi o culpado?

      Eliminar
    2. Ex.mo Sr. António Cristovão como me parece que ficou incomodado pelos textos dos “homens de esquerda”, que acima divulguei, tomei a liberdade de aqui deixar algo mais à “direita" e ,certamente, mais do seu agrado.

      No que toca a Salazar, cada um é livre de rezar aos santos do pau oco que bem entende...

      Disponha sempre.


      SERVOS DA DÍVIDA

      “O desígnio maior das políticas do governo é o pagamento de juros. Os governantes reduzem assim cidadãos e empresas à condição de escravos ao serviço de agiotas. A intervenção externa, a que estamos condenados desde 2011, já teve por primeiro objectivo garantir que o estado português disporia de recursos para pagar os juros usurários a que se tinha comprometido ao longo dos anos, em particular nos últimos meses da era Socrátes. OS SUCESSIVOS EMPRÉSTIMOS DA TROIKA NÃO VIERAM RESGATAR O ESTADO PORTUGUÊS MAS SIM OS BANCOS A QUEM ESTE DEVIA DINHEIRO. Com o resgate da banca veio o sequestro do estado português. A maior das despesas públicas é agora o pagamento de serviço da dívida, que orça em cerca de oito mil milhões de euros anuais. Mais do que à educação, à saúde ou à segurança social, os impostos dos portugueses destinam-se ao pagamento de dívidas mal contratualizadas ao longo dos anos. Gastar mais em juros do que em qualquer área social é irracional. Seria o equivalente, em termos de economia doméstica, a uma família despender mais em perfumes do que em alimentação.

      Para sustentar um orçamento monstruoso e enviesado, o governo endurece a carga fiscal, agrava o IVA na restauração, aumenta o IRS a quem ganha mil euros, baixa as pensões e as reformas. A quebra do poder de compra reflete-se na diminuição do consumo e consequente redução de riqueza do país. Fecham empresas, aumenta o desemprego. O modelo de gestão das finanças públicas destrói a economia. Cidadãos e empresas ficam assim sujeitos ao empobrecimento e reduzidos à condição de servidores do orçamento de estado. ATÉ AS VERBAS DA SEGURANÇA SOCIAL SÃO, DE FORMA PERVERSA, DESVIADAS PARA TÍTULOS DA DÍVIDA PÚBLICA. (Nota : Ver a Portaria 216/A/2013 foi publicada em 2 de Julho, no mesmo dia em que V. Gaspar se demitiu do Ministério das Finanças. É assinada tanto por ele como por Mota Soares, que na altura também considerava demitir-se. O referido diploma ordena ao Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social (IGFCSS) que proceda à substituição dos activos em outros estados da OCDE por dívida pública portuguesa até ao limite de 90% da carteira de activos do Fundo. Ou seja, o dinheiro pertencente aos trabalhadores, acumulado naquele Fundo para servir a Segurança Social, será lançado à voragem do financiamento da impagável dívida pública portuguesa.). Ao obrigar os pensionistas à condição de credores do estado, o governo inviabiliza qualquer renegociação de dívida. Pois doravante a redução de juros ou o alargamento da maturidade dos empréstimos virá prejudicar fortemente as reformas e pensões.

      Voltamos ao sistema feudal. Assim como na Idade Média rural os portugueses eram servos da gleba, hoje, em época de predomínio financeiro, estamos condenados à condição de meros servos da dívida.” - Paulo Morais em 17/09/2013

      Eliminar
  6. TODA A GENTE TEM CONHECIMENTO DO ESTADO EM QUE O PAIS ESTÁ E QUAIS OS RESPONSAVEIS, MUITO SE FALA MUITO SE DIZ, O PRESIDENTE NÃO ACTUA, OS TRIBUNAIS TAMBEM NÃO, A CORRUPÇÃO AUMENTA.

    DEIXEMO-NOS DE TRETAS E PASSEMOS AOS ACTOS.

    ResponderEliminar

  7. Ao censor deste blog:

    Hoje escrevi aqui pela última vez. Alivio assim o imenso trabalho que o censor de serviço deste blog deve ter.

    Podem não gostar, mas NÃO VOTAR, é uma estupidez que os actuais donos do sistema agradecem.

    Com políticos actuando como "snipers" mediáticos, eleitores estúpidos e blogs promovendo ditaduras mal disfarçadas, este país vai ter, no mínimo, mais dez anos de recuo.

    Zita: De si levo as melhores recordações. Lamento a contaminação do seus associados no blog!

    Até um dia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A contaminação limpa-se... A luta tem que começar, temos que por os cidadãos a votar contra os que criticam

      Eliminar