04 junho, 2014

Portugal é o país que tem a maior diferença entre salários da função pública e do sector privado, fora as outras regalias

Afinal que igualdade finge proteger o Tribunal de Contas?
O que se expõe em baixo são factos, agradece-se coerência nos comentários, eu não tenho culpa de os factos, o serem.
SERVIÇO PÚBLICO: São todos iguais mas há uns mais iguais do que outros.
O Tribunal Constitucional, depois de ter gasto «muito dinheiro a comprar livros de economia por causa dos pedidos de fiscalização relacionados com a crise», e de ter ouvido atentamente os seus 16 assessores (três para o presidente, dois para o vice-presidente e um assessor por cada um dos outros 11 juízes), declarou inconstitucionais os «cortes entre 2,5% e 12% nos vencimentos da função pública a partir dos 675 euros brutos, de 5% nos subsídios de doença, de 6% no subsídio de desemprego e ainda cortes nas pensões de sobrevivência».

Concentremo-nos nos vencimentos dos funcionários públicos cujos cortes os juízes em causa própria consideraram inconstitucionais por ofenderem o «princípio da igualdade». Igualdade? Qual igualdade?
Em primeiro lugar, a desigualdade salarial entre os sectores público e privado em Portugal é a mais elevada na UE, como se pode confirmar no gráfico seguinte extraído do occasional paper da Comissão Europeia «Government wages and labour market outcomes» (pg 16) publicado o mês passado, sobre o qual o jornalismo de causas guardou o mais recatado silêncio.

Diferença entre o salário no público e no privado, em percentagem. 
privado versus função pública

Funcionários Públicos ganham melhor porque possuem maior grau académico? - A lengalenga que justifica essa desigualdade com base na suposta muito melhor qualificação e grau académico dos funcionários públicos é uma lenda que perdeu a validade há anos – actualmente dos 1,1 milhões de licenciados na população activa em 2013 (Pordata) haverá menos de 20% na função pública.
A lenda fica definitivamente arrumada com a conclusão do paper citado: além do prémio salarial que a função pública dá ao pessoal menos qualificado na maioria dos países, Portugal é um dos países que também oferece prémios aos que possuem níveis de ensino elevado. «where also workers with high education level receive a premium from working in the public sector». (pg 18 e 19)
Em segundo lugar, apesar dos cortes salariais dos últimos anos terem afectado mais acentuadamente a função pública (gráfico do lado esquerdo), o certo é que os custos laborais unitários na função pública recuperaram o nível de 2008 ao contrário do sector privado que caiu cerca de 7% (gráfico do lado direito), segundo a Eleventh review do FMI.



Além disso, a grande redução (cerca de 14%) deu-se nos sectores de bens transaccionáveis da economia muito mais do que nos sectores de bens não transaccionáveis protegidos da concorrência internacional, como se confirma no gráfico seguinte, que ao mostrar a evolução comparativa dos custos laborais desfaz igualmente outro mito – o mito da colossal perda salarial em Portugal, na verdade claramente inferior à da Espanha e Irlanda.



Em conclusão, o TC confirmou o seu papel de garante dos direitos adquiridos e de perpetuador de desigualdades iníquas baseadas no «princípio da igualdade». Fonte

Num país onde os poucos que dizem a verdade são considerados loucos e insultados, que se poderá esperar da politica, num país assim? Mentirosos?
Acho que já todos sabemos a resposta, e muitos sentem-na na pele, e no estômago. No entanto é sempre difícil analisar verdades, quando elas afectam o maior clube, a maior "empresa" empregadora de Portugal, o estado. Ai de quem se atreva a denunciar as regalias que são só deles. São uma classe muito unida em defesa do seu interesse exclusivo. São perto de 600 mil que se erguem em defesa de um estatuto, quem ousa enfrentar este batalhão? Atacam tudo e todos. Mesmo que seja um simples citar de factos, eles negam, insultam... e enervam-se imenso. 
A verdade não se constrói em torno das maiorias, a FP pode ser uma maioria da força laboral, mas não pode ter o poder de mudar a verdade. 
Todos concordamos que se deve cortar em muitos outros focos de despesismo e injustiça, tais como as PPP, os resgates da banca, as rendas da EDP, as mordomias de certas elites, a corrupção, etc etc... mas não é por isso ser um facto, que temos que esquecer outros focos de despesismo e injustiça.

Medina Carreira afirmou, que se o Tribunal Constitucional desaparecesse, Portugal ficava bem melhor. E a afirmação que pode ser uma verdade, nem é questionada, cai que nem uma bomba e o clube FP, cai em força, em cima de Medina. As verdades caem sempre muito mal neste país. Medina Carreira é que é burro, ignorante e etc. Os que o criticam é que são donos de uma sabedoria imensa, que defendem e promovem as desigualdades entre o público e o privado, mesmo sem saberem... mesmo pagando caro por isso, porque pura e simplesmente desconhecem os factos.
Enquanto o povo continuar enganado, ajudará a que o interesse do país continue a ser um brinquedo nas mãos da imprensa aos serviço dos partidos, vitima de guerras que não são nossas. Eles, políticos, brincam com o futuro de todos nós, nas suas guerras pelo poder. Escondem factos e manipulam a verdade, porque o importante é ver quem mente melhor e ganha os nossos votos. Não importa salvaguardar ou melhorar o país, mesmo em situação frágil, continua a brincar-se com milhares de milhões de impostos.
Atenção, este artigo não pretende afirmar que Passos Coelho está a ser justo, pois é óbvio que deveriam ser feitos cortes em outros sectores, como as PPP, as rendas, as gorduras do estado, etc, mas não é isso que está a ser discutido neste artigo.
É também óbvio que os salários em Portugal são uma vergonhosa esmola, mas também não é isso que se está a questionar aqui.
Aqui pretende-se apenas expor a estranha incoerência do TC. 
(Se quiserem ler sobre as estranhas incoerências do Passos Coelho, utilizem o motor de busca do blog, ali em cima à direita, e pesquisem.)
O assunto é outro. 
Acrescento também que não se pretende apelar à nivelação salarial por baixo, opina-se apenas sobre se existe ou não algo para nivelar. Se alguém consegue nivelar por cima, força, tem o meu apoio.
E não, isto não é por os privados contra o público, é por os portugueses a lutar pela igualdade. As desigualdades é que colocam uns contra os outros, porque (in)felizmente não são todos cegos.
E ninguém quer atacar os FP. Apenas reflectir e opinar. Não negando o óbvio.

Se não foi em defesa da igualdade que o TC chumbou esta medida, então qual será o interesse obscuro que se oculta neste chumbo? Servir quem?
Mais alguns factos e opiniões, sobre o público e privado. (2011)
O meu ponto de partida é simples: desde que estalou a crise, em 2008, os grandes sacrificados têm sido os trabalhadores do sector privado. Não se trata de virar uns contra outros, trata-se de reconhecer a verdade. Basta olhar para o número de desempregados, que saltou de 425 mil para perto de 700 mil. A quase totalidade destes 275 mil novos desempregados trabalhava no sector privado. Haverá alguns antigos professores contratados e ex-tarefeiros da administração pública, mas que representam uma quota ínfima deste total.
Estes números podiam ser ainda piores se muitos trabalhadores do sector privado não tivessem optado (ou sido obrigados a optar) pela passagem antecipada à reforma: entre 2008 e 2010 a idade média de passagem à reforma no regime geral da Segurança Social diminui de 63,1 para 62,5 anos (apesar de uma reforma que penalizou as reformas antecipadas). No mesmo período a idade média de passagem à reforma dos trabalhadores da administração pública subiu de 59,7 para 60,1 anos (números da Pordata).
Em tempos de crise o ajuste mais violento é sempre o que é feito via desemprego – e estes números não deixam grandes dúvidas sobre onde tem caído o maior peso da aflição nacional.
Não costuma discutir-se que o emprego no Estado é mais seguro e que proporciona melhores condições no acesso à reforma (os funcionários públicos reformam-se mais cedo e com pensões mais altas – apenas 10% do total dos pensionistas recebe mais de 1000 euros por mês, mas essa percentagem sobe para quase 50% entre os reformados do Estado, números da Pordata). Nestes domínios a sua vantagem é evidente. fonte

Ainda compensa trabalhar para o Estado?
Na função pública não há despedimentos?
Quem trabalha para o Estado pode reformar-se mais cedo?
Os funcionários públicos têm mais férias?
O sistema de saúde é melhor?
Neste artigo encontre as respostas a estas questões.

Porque a questão central não é "por que razão o governo cortou direitos aos funcionários públicos?". Nada disso. A pergunta certa é outra, a saber: "por que razão os funcionários públicos acumularam durante décadas estes privilégios?". Essa é que é a questão. Aliás, é por isso que a equivalência entre V. Exa. e trabalhador privado só peca por tardia.
Por que razão o cálculo da pensão da sua CGA era mais generoso do que o cálculo da pensão do regime geral? Porquê? Esta discrepância logo à partida é que é razão para indignação, meu caro amigo. Por que razão trabalha V. Exa. menos 5 horas semanais do que os trabalhadores dos sectores privados? Pior: além de trabalhar menos horas, ainda tem direito a mais dias de férias. Porquê? Que razões podem justificar estes privilégios injustificáveis? Que aritmética laboral pode justificar esta diferença entre V. Exa. e a restante população? Que equidade pode existir aqui? E, já agora, a falta de equidade vai continuar a marcar a ADSE. Mesmo com o aumento da sua contribuição, aposto que a ADSE continuará a ser deficitária, ou seja, V. Exa. continuará a usufruir de um seguro de saúde pago pelo dinheiro de todos. Cá fora, as pessoas pagam os seus seguros de saúde na totalidade, mas o meu caro amigo teve durante décadas um seguro de saúde financiado pelos impostos de toda a gente. E, apesar das mexidas, o dito seguro continua de pé. Porquê? fonte




75 comentários :

  1. e não, é mentira, coitados dos FP...são uns miseráveis, querem todos sair da função publica para serem escravizados no privado! coitados deles...eles trabalham 7 horas no duro e apenas tem um pouquinho mais de férias e de umas pouquíssimas regalias .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. e há imensos FP públicos a pedirem os mesmos direitos que os privados, inclusive estão a pedir que querem o SNS porque detestam andar em clinicas e hospitais privados da ADSE, e preferem estar à espera de consultas durante anos.

      Eliminar
    2. O voto branco e nulo, tem poder?
      As mentiras são muitas, são estratégias sujas para manter as vitimas longe do tribunal onde os seus carrascos estão a ser julgados, e poderiam ser condenados: as urnas.
      "É de respeitar a posição de quem prefere não optar, mas o voto branco não funciona para quem quer tomar posição na luta social e política.
      Uma impressionante cadeia de emails anónimos tem divulgado uma mentira.
      Um apelo ao voto branco "contra estes políticos" garantia que, "se a maioria da votação for de votos em branco, são obrigados a anular as eleições e fazer novas, mas com outras pessoas diferentes nas listas".

      Tanto circulou a mentira, que a Comissão Nacional de Eleições teve de lançar um esclarecimento sobre a lei: "Os votos em branco e os votos nulos não têm influência no apuramento dos resultados - será sempre eleito, à primeira ou segunda volta, o candidato que tiver mais de metade dos votos expressos, qualquer que seja o número de votos brancos ou nulos." A abstenção nem é digna de referencia pois todos sabem que a esta tem diversas causas, e portanto não pode ser uniformizada. Não se pode apurar que o abstencionista quer isto ou aquilo, porque na realidade o abstencionista apenas não quis ou não pode votar, porquê? Apenas se pode especular.

      Os votos brancos e nulos já atingiram percentagens importantes. Somados, em eleições presidenciais anteriores, chegaram a 2% a 3%, ultrapassando mesmo alguns candidatos. Cabe perguntar: quem o recorda? Quem se incomodou? Quem vibrou e quem tremeu? Os votos brancos e nulos são uma má opção de protesto, desde logo porque podem não ser protesto nenhum. São apenas uma expressão vazia, onde cabe o apelo autoritário, a hesitação radical (que não se decide a tempo), a desilusão do momento. É de respeitar quem prefere não optar, mas o voto branco não funciona para quem quer tomar posição na luta social e política. Jorge Costa, Jornalista

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/11/o-poder-do-voto-voto-em-branco-e-nulo.html#ixzz4YE29VO6z

      Eliminar
    3. TEMOS OS POLITICOS QUE MERECEMOS SOMOS NÓS QUE OS MOLDAMOS
      UM POVO QUE NÃO VOTA NEM SABE USAR O VOTO JAMAIS SERÁ REPRESENTADO, TEMIDO OU SEQUER RESPEITADO E JAMAIS SABOREARÁ AS VANTAGENS DA DEMOCRACIA...
      Em Portugal vence sempre a abstenção e a ignorância e os corruptos.
      O povo não sabe que o voto não serve apenas para votar a favor dos que mais se apoiam, serve também para votar contra os que mais roubam e mentem.
      O critério decisivo da democracia é a possibilidade de votar contra os partidos que há 40 anos destroem o país
      Karl Popper, sobre democracia, responsabilidade e liberdade.
      (…)
      Inicialmente, em Atenas, a democracia foi uma tentativa de não deixar chegar ao poder déspotas, ditadores, tiranos. Esse aspecto é essencial. Não se tratava, pois, de poder popular, mas de controlo popular. O critério decisivo da democracia é – e já era assim em Atenas – a possibilidade de votar contra pessoas, e não a possibilidade de votar a favor de pessoas.
      Foi o que se fez em Atenas com o ostracismo. (…)
      Desde o início que o problema da democracia foi o de encontrar uma via que não permitisse a
      ninguém tornar-se demasiado poderoso. E esse continua a ser o problema da democracia. (…)

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/09/o-criterio-decisivo-da-democracia-e.html#ixzz3qcV7Aoi8

      Eliminar
  2. Tb há funcionários públicos a pedir para declarar apenas o salario mínimo, tal como os grandes patrões, amealhando dinheiro de uma economia paralela. Há muitos funcionários públicos que gostava de trabalhar em empresas privadas que mamam à custa do Estado.... Por ultimo há muitos funcionários públicos que gostavam de separar a contabilidade dos seus salários da dos políticos, boys, gestores, chefias e afins... pq em média, os salários públicos ganham muito... mas a média de duas pessoas em que uma come um frango inteiro, é de meio frango para cada uma... tugas reles, burros e invejosos... enfim. Ass: Funcionário Público

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tugas reles burros que acham que uns tem que ter mais férias que os outros, mais reformas, mais direitos etc, eu defendo a igualdade e o srº? Atenção, este artigo não pretende afirmar que Passos Coelho está a ser justo, pois é óbvio que deveriam ser feitos cortes em outros sectores, como as PPP, as rendas, as gorduras do estado, etc, mas não é isso que está a ser discutido neste artigo.
      É também óbvio que os salários em Portugal são uma vergonhosa esmola, mas também não é isso que se está a questionar aqui.
      Aqui pretende-se apenas expor a estranha incoerência do TC.
      (Se quiserem ler sobre as estranhas incoerências do Passos Coelho, utilizem o motor de busca do blog, ali em cima à direita, e pesquisem.)
      O assunto é outro.
      Acrescento que também que não se apela à nivelação salarial por baixo, opina-se apenas sobre se existe ou não algo para nivelar. Se alguém consegue nivelar por cima, força, tem o meu apoio.
      E não isto não é por os privados contra o público, é por os portugueses a lutar pela igualdade. As desigualdades é que colocam uns contra os outros, porque infelizmente não são todos cegos.

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2014/06/tribunal-de-contas-afinal-onde-esta.html#ixzz33gj7TCS7

      Eliminar
    2. Não sei qual o objetivo deste artigo. Presumo saber. Mas seja ele qual for, mesmo que muito bem intencionado, ele apenas faz uma coisa...O JOGO DO PODER. Coloca dois famintos a lutarem um contra o outro pelo mesmo pedaço de pão , criando a intriga, a inveja, pretendendo dizer q a fome de um é maior que a do outro e com isto, que o que tem menos fome devia estar quieto e calado, e esquece que a grande desigualdade está entre aqueles que têm fome e os que se banqueteiam em farta mesa. Pois...mas não é disso q estamos a falar, não é verdade? é de que a minha fome é maior que a tua. Falar disso não interessa, presumo eu, ao autor do testo e a quem promoveu e divulgou e dito estudo. ( F.P )
      Ps: não é Funcionário Público...é Filho da Puta

      Eliminar
  3. Um blog dedicado à exposição da corrupção de milhões... e vêm para aqui descascar por causa de cortes chumbados pelo TC em salários de pessoas que ganham pouco mais de 600 euros... tristeza...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. não isso é demagogia sua, leia o artigo em vez de tirar conclusões tristes. O espírito de seita? Onde é que viu dizer que era a favor de cortar nos pobres FP que ganham 600 euros? Inventou para comover quem?
      Não sabem ler não comentam. agradece-se.
      Eu defendo a igualdade e o sr?

      Porque a questão central não é "por que razão o governo cortou direitos aos funcionários públicos?". Nada disso. A pergunta certa é outra, a saber: "por que razão os funcionários públicos acumularam durante décadas estes privilégios?". Essa é que é a questão. Aliás, é por isso que a equivalência entre V. Exa. e trabalhador privado só peca por tardia.
      Por que razão o cálculo da pensão da sua CGA era mais generoso do que o cálculo da pensão do regime geral? Porquê? Esta discrepância logo à partida é que é razão para indignação, meu caro amigo. Por que razão trabalha V. Exa. menos 5 horas semanais do que os trabalhadores dos sectores privados? Pior: além de trabalhar menos horas, ainda tem direito a mais dias de férias. Porquê? Que razões podem justificar estes privilégios injustificáveis? Que aritmética laboral pode justificar esta diferença entre V. Exa. e a restante população? Que equidade pode existir aqui? E, já agora, a falta de equidade vai continuar a marcar a ADSE. Mesmo com o aumento da sua contribuição, aposto que a ADSE continuará a ser deficitária, ou seja, V. Exa. continuará a usufruir de um seguro de saúde pago pelo dinheiro de todos. Cá fora, as pessoas pagam os seus seguros de saúde na totalidade, mas o meu caro amigo teve durante décadas um seguro de saúde financiado pelos impostos de toda a gente. E, apesar das mexidas, o dito seguro continua de pé. Porquê? fonte


      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2014/06/tribunal-de-contas-afinal-onde-esta.html#ixzz33gjYHSVI

      Eliminar
    2. Quanto aos milhões, pode comentar o que diz este senhor?
      Milhões há em todo o lado.
      Era bom se se pudesse ter uma conversa séria sobre este assunto sem o espirito de seita protector, a ofuscar as coisas. Mas enfim em Portugal não é fácil. É logo insultos, é logo porque está do lado do governo, é logo a atacar e nem sequer sabem quem atacam...

      1#A despesa oficial da ADSE é de 560 milhões, dos quais 221,5 milhões vêm do Estado, o que representa um deficit de 337,8 milhões de euros.
      Isso significa que, que para este subsistema de saúde ser sustentável, cada funcionário público teria de ter um salário bruto mensal de 7.262 euros durante 14 meses, revela o presidente do conselho de administração do Hospital de São João, António Ferreira, com base no relatório de actividades da ADSE de 2011.
      2#O Partido Socialista quer acabar com a ADSE, subsistema que considera injusto. "Beneficia um milhão e trezentos mil portugueses, e faz com que o acesso à saúde não seja igual para todos", afirma o secretário nacional do PS na edição de hoje do"Jornal de Notícias"

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2013/01/para-adse-ser-sustentavel-cada.html#ixzz33gpE1fPR

      Eliminar
  4. Ainda compensa trabalhar para o Estado? Depende, se for político, um boy, um gestor, ou um tacho sim... caso contrário... 10 anos sem progressões e a diminuir salários indiscriminadamente....

    Na função pública não há despedimentos? Sim, por justa causa, tal como no privado. Também há despromoções de chefias, diminuição de vereadores, deputados, autarcas, etc... nada disso tem a ver com cortes de salários.

    Quem trabalha para o Estado pode reformar-se mais cedo? Não... é igual ao privado.

    Os funcionários públicos têm mais férias? Não, tb não tem menos... há empresas que dão mais férias e outras que dão menos... outras que dão prémios de mérito.

    O sistema de saúde é melhor? Sim... em relação a empresas reles. Boas empresas fornecem seguros de saúde sem quaisquer descontos de vencimento

    Vamos continuar a comparar alhos com bogalhos, quando o que está em questão é a corrupção de milhões, esse é que é o problema de Portugal. O resto é inveja de migalhas...

    Pena este blogue ter enveredado por um espírito tão simplista... dividir para reinar... Parabéns ao Governo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. POis caso não tenha reparado o artigo tem várias opiniões de várias pessoas, jornalistas e etc, mas claro todos são invejosos. Depois tem links para artigos que dizem o contrário, mas claro nem todos sabem ler mas gostam de opinar e acusar. É mesmo o espírito de seita. O que interessa é defender o que é meu. A igualdade é um valor que deveria ser prezado e não jogado por interesses. Eu sou a favor da igualdade, se os privados estão beneficiados que se coloquem os públicos no mesmo patamar, onde é que me viu dizer o contrário. Sabe que citar documentos, não é opinar?

      Eliminar
    2. Atenção, este artigo não pretende afirmar que Passos Coelho está a ser justo, pois é óbvio que deveriam ser feitos cortes em outros sectores, como as PPP, as rendas, as gorduras do estado, etc, mas não é isso que está a ser discutido neste artigo.
      É também óbvio que os salários em Portugal são uma vergonhosa esmola, mas também não é isso que se está a questionar aqui.
      Aqui pretende-se apenas expor a estranha incoerência do TC.
      (Se quiserem ler sobre as estranhas incoerências do Passos Coelho, utilizem o motor de busca do blog, ali em cima à direita, e pesquisem.)
      O assunto é outro.
      Acrescento que também que não se apela à nivelação salarial por baixo, opina-se apenas sobre se existe ou não algo para nivelar. Se alguém consegue nivelar por cima, força, tem o meu apoio.
      E não isto não é por os privados contra o público, é por os portugueses a lutar pela igualdade. As desigualdades é que colocam uns contra os outros, porque infelizmente não são todos cegos.


      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2014/06/tribunal-de-contas-afinal-onde-esta.html#ixzz33guxDzsa

      Eliminar
    3. A Zita meteu o dedo na ferida.

      É demais evidente que qualquer FP acha que já perdeu muito nos ultimos anos, mas a questão é que mesmo tendo perdido muito ainda possuem muitas regalias que na maior parte das empresas privadas não existem.

      Podem alegar que no privado se recebe por fora, é verdade, muitas vezes por imposição do patrão.

      Podem alegar que só as empresas reles possuem maus sistemas de saúde, em relação a isso só pergunto ao anónimo acima se já trabalhou no privado, porque provavelmente conta-se pelos dedos de uma mão as empresas em portugal que oferecem seguros de saúde aos funcionários, só se forem altos cargos.

      Em relação a despedimentos por justa causa no estado devem ser apenas por vingança, porque basta ver a inércia e antipatia com que certos FP nos brindam. Se estivessem a atender clientes e a trabalhar daquela forma numa qualquer empresa privada não duravam 2 meses.

      Não me vou estender mais, mas digo desde já que é preciso ter uma granda lata para vir dizer que são uns coitadinhos e que antes é que era bom. Por alguma razão à uns anos atrás queria tudo entrar para o estado, mas só com cunhas, bastava estar lá o pai ou o tio e era certinho.

      Ninguém gosta de perder os seus direitos, mas ao menos admitam que têm mais regalias na FP que os outros, ou pelo menos remetam-se ao silêncio.

      Daniel

      Eliminar
    4. POis é que nem admitem, o gráfico mostra algo inegável, Portugal é o país onde o fosso de desigualdade entre FP e privados é maior, mas isso para eles passa ao lado, o que importa é bater em todos que tentem mostrar a desigualdade. Só isso mostra a falta de seriedade e isenção que este país tem.

      Eliminar
    5. Amigo, na minha profissão, trabalho quase exclusivamente para Autarquias e ao longo deste 10 anos de trabalho, nunca conheci NENHUM funcionário publico que queira sair (desde o Jardineiro ao Engenheiro)....já trabalhei para Autarquias que tinham 10 Engenheiros Civis (quando na verdade precisavam de 2) e ainda assim, todos os projectos eram feitos em gabinetes privados. Não está aqui em causa TODOS os FP, mas tem de reconhecer que sempre que entra um presidente novo, lá vem mais 10 ou 20 FP para a Autarquia - os amigos , família, etc) meu irmão é funcionário publico, trabalha à 8 anos, ganha mais do que eu, tem mais férias, tem ADSE (mete aparelho nos dentes por questões de estética...) os filhos e a mulher dele idem..nb: eu tenho mais habilitações académicas do que ele e NUNCA FUI AUMENTADO (a não ser nos impostos e SS)...meu caro, o Blog não divide e conquista, os Governos que temos tido é que para ganharem eleições, deram privilégios e não direitos aos FP, pois sabem que só com os votos deles, ganham as eleições...mas claro que os FP nunca conseguiram ver pois nunca tiveram um patrão, nuca trabalharam 8 horas (trabalhar não é ter emprego...) e grande parte deles já não tem trabalho, chama-se informatização, desertificação, redução da população ou pura e simplesmente desaparecimento da função ou cargo exercido.... mais tarde ou mais cedo vai ter de ser, 1/3 dos FP irão para a rua, depois falaremos como é trabalhar em boas empresas privadas com bons seguros, ...pimenta no c# dos outros para mim é refresco...em breve falaremos desse mundo ideal de que fala:) PORTUGAL ESTÁ FALIDO AMIGO! VOTAS-TE? ENTÃO PACTUAS-TE!

      Eliminar
    6. FAÇA ASSIM, DESPEÇA-SE E VÁ PROCURAR ESSAS EMPRESAS TÃO BOAS...FORÇA! AGORA SE ME DIZ ASSIM, A GENTE PENSAVA QUE ERA SEMPRE A AMEALHAR E DEMOS PASSOS MAIS LARGOS DO QUE A PERNA E AGORA VAMOS AO CHARCO...AÍ EU ENTENDO, MAS AQUELA GENTE QUE TRABALHAVA À 20 ANOS NA EMPRESA X QUE SE MANDOU PARA A CHINA? QUE SE LIXEM NÃO É....

      Eliminar
    7. Completamente de acordo. Em nome dessa pretensa igualdade deve o Governo comportar-se com os seus funcionários como se comporta o Belmiro com os seus? É verdade...nesta sua saga contra a corrupção a Zita perdeu o norte e desatou a disparar contra tudo e contra todos. Esqueceu, ou desviou-se, ou deixou de saber qual é , de fato, o cerne da questão. Eu sei qual é... a Zita que descubra.

      Eliminar
  5. Os FP deste pais têm de perceber que as regalias que possuem têm de acabar, não podem andar os outros (privados) a pagar mais impostos para eles as manterem.
    Se a empresa A ou B dá carro, seguros, viagens, etc, aos empregados é problema deles, mas no caso dos Fp já não é assim, pois são pagos com os impostos de todos nós, daqueles que não sabem o que é trabalhar 7h, ter ADSE, e outras coisas que nem vale a pena enumerar.
    Se fosse FP também me custava, mas preferia estar calado a reclamar de barriga cheia.
    Venham para o privado e aprendem o que é fazer horas de graça, ter pequenos aumentos de 5 em 5 anos e se não for mais tempo como é o meu caso, estar sempre com receio que a empresa feche por não receber de clientes, muitos deles estado, etc.

    Daniel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema é que a grande maioria nunca trabalhou no privado e depois tem essas ideias irreais de que à empresas espectaculares onde se ganha muito bem,,,as empresas, quando não tem trabalho, metem falência e pronto...o estado não é assim...vão ficando! Odeio os partidos e sobretudo o Passos que prometeu mundos e fundos (como mandam os manuais) mas reconheço que nesta matéria eles tem razão, como é que carago se despede um FP cuja função se tornou obsoleta ou inexistente?

      Eliminar
  6. Desconfio que os FP que fazem comentários não leram o texto supra....vão ler, depois falamos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas acha que esta gente lê? Ou se informa? Ou quer saber da verdade? Ou quer ouvir sequer o que os outros dizem ou informam?
      O tuga foi treinado desde cedo a defender o que é seu, mas depois fala mal dos corruptos, que são corruptos porque fazem precisamente isso.
      Cada um, portugues ou politico, defende cegamente o seu partido a sua seita, a sua classe, o seu clube, acima da verdade e da justiça, precisamente o que os políticos corruptos fazem. Como é que este país há-de ter conserto?

      Eliminar
  7. Muito bem Zita; pela objetividade e coragem. É isso tudo; construiram uma democracia controlada por elites - castas - academico-partidárias em seu próprio benefício, subjugando o resto da população, com a cumplicidade ativa da UE. Uma UE que fomenta ativamente a desigualdade e tudo e todos pretende controlar suprimindo até as liberdades básicas, sempre sob os mais variados pretextos, todos eles assustadores. Não tenho dúvidas; este não é o caminho. A liberdade é o grande desígnio do Homem, tudo o resto é secundário.

    ResponderEliminar
  8. A ADSE tem direito a todos os hospitais privados e clínicas de luxo,fazem exames num dia, é só luxos.
    Eu se quiser um dentista no SNS tenho que o pagar do meu bolso ou esperar 2 anos por uma consulta. Se quiser oculista tenho que pagar do meu bolso, se quiser especialidades caras no SNS pago e não bufo e ainda tenho que pagar o dinheiro que falta na ADSE. As pessoas gostam de negar, por isso é que este país é o que é, porque são egoístas e cada um defende o que é seu.
    Só esta injustiça do SNS deveria escandalizar toda a gente, porque jamais deveria ser permitido uns terem que sofrer mais que outros, ou uns terem mais direito a viver que outros. Esperei quase um ano por uma cirurgia em risco de ficar paralisado, porque não posso ir ás clínicas onde vai a ADSE? Que gente esta que só se preocupam com o que é seu.
    O meu filho teve que usar óculos e fazer uma correcção e tive que pagar tudo do meu bolso, porque tinha que esperar até esquecer. O governo tem é que colocar toda a gente na ADSE.

    ResponderEliminar
  9. ..." Não sabem ler não comentam. agradece-se. " ...

    Que forma estranha de exaltar a democracia !

    Aconselho-lhe vivamente a leitura de " Fundação " , obra ficcionada de Isaac Asimov, e tal fique a perceber que a violência ( mesmo a verbal ) é o último recurso dos incompetentes !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não leram o artigo qual é a lógica de comentar o artigo? O srº não percebeu o que escrevi, eles nem sequer leram. Que eu saiba, recomendar que não se comente o que não se sabe nem se conhece é totalmente legitimo. Por isso o seu comentário não faz sentido. acho que percebe isso. Ou então não leu o livro nem sabe o que é democracia.

      Eliminar
    2. Engraçada a sua resposta. Cada vez que alguém contra-argumenta consigo, a resposta é invariavelmente a mesma !

      A senhora NÃO RECOMENDOU, a senhora disse e passo a citar «Inventou para comover quem?Não sabem ler não comentam.»

      Contorcionismo é uma habilidade circense, portanto, antes de jogar com as palavras pense um pouco ...Costuma dizer-se que " todo o burro come palha, a questão é saber dar-lha ".
      Pela sua resposta também percebi que do Asimov só ouviu falar agora, já quanto à democracia, volto a repetir o que lhe disse há dias atrás .
      Onde andava nos dias 22/23/24 de Abril de 1974, é que lições de democracia não dá quem quer, só quem pode e sobretudo quem sabe, o que não é manifestadamente o seu caso !

      Eliminar
    3. Não sei qual é o seu problema mas tb não me interessa, porque uma pessoa que levanta um guerra que não existe, e insiste que ela existe, precisa de atenção e não de lógica.

      Como é óbvio e repito, se não querem ler o artigo , não o comentem, onde é que está o seu problema? Para vir para aqui com esse chorrinho de acusações despropositadas e desproporcionadas, parece que eu disse para matarem os inocentes... enfim... acha que há paciencia para tudo? Mas não há, fale de coisas sérias acuse de coisas sérias ou então não invente problemas onde não existem

      Aliás há os que não leem e comentam sem saber o que estão a comentar, há outros que comentam mas porque se lembram de inventar um novo tema, imaginário. Ora portanto a Zita é uma ditadora... claro, bora debater esse tema? É que vejam bem a lata dela, acha que só quem lê o artigo é que pode comentar o artigo.
      Esta deve ser daquelas que acham que só os que sabem do que se trata é que tem direito a falar sobre o que se trata, mas que raio de ditadora.

      Eliminar
    4. Quanto à violência verbal, era outro tema a ser debatido, é relativa. Uns são mais sensíveis que outros, portanto o que para si pode ser violência para outros é ser pragmático e para outros é ser prático e para mim é falta de tempo. Porque tenho que responder a comentários de pessoas que não lêem e fingem que leram e outras que querem vir para aqui mostrar a sua sapiência, deslocada do assunto, apenas para exibir. Este artigo não é sobre mim nem sobre si, nem sobre as suas metafisicas anti violencia, é sobre a opinião de algumas pessoas sobre o tema em debate

      Eliminar
  10. HÁ MUITAS INJUSTIÇÃS EM RELAÇÃO AO SECTOR PÚBLICO VS PRIVADO, E SIM... TUDO ISSO DEVE SER CORRIGIDO. ADSE, HORARIOS, DIREITOS E DEVERES... MAS PARA OS DOIS LADOS!!!! NÃO TEM NADA A VER COM CORTAR SALÁRIOS INDISCRIMINADAMENTE A QUEM É COMPETENTE. OS FUNCIONARIOS PUBLICOS NÃO SÃO AS VELHAS A FAZER ATENDIMENTO NAS SECÇÕES DAS FINANÇAS! SÃO MÉDICOS, JUÍZES, POLÍCIAS, PROFESSORES, INVESTIGADORES.... INVEJOSOS RELES, QUEREM IGUALDADE MAS PARA FUGIR AOS IMPOSTOS SÃO OS PRIMEIROS, É COM ESSA MENTALIDADE PEQUENINA E MINUSCULA QUE ESTE PAÍS TEM A ESCUMALHA QUE MERECE A GOVERNAR.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora nem mais corrigir para os dois lados.. assim se consegue a igualdade

      Eliminar
  11. "Não sabem ler não comentam. agradece-se..."

    Então veja bem os gráficos que aí colocou... inclua a economia paralela, inclua as deduções de despesas do privado, que podem excluir do salario a prestação ALD do seu BMW, dos cheques creche, das refeições e despesas de representação... porque é que acha que somos um país de PME?? Micro-empresas, sociedades unipessoais? Já se interrogou? Com este sistema fiscal mais vale ser patrão, desenrascador e trabalhar sozinho, do que ser trabalhador de uma empresa maior. Por isso é que estes gráficos não refletem realidade nenhuma. Refletem é a demagogia de quem solta uma raiva contra os alvos do costume, do chavão que se ouve no café.... e os políticos governam-se.... enfim, é triste!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não entendo onde pretende chegar com este comentário, mas acertou em cheio no perfil dos nossos patrões, sim, é com esse tipo de gente com que temos de lidar, esses que se queixam que a empresa está mal, que não podem dar aumentos aos empregados e que todos têm de contribuir com horas extraordinárias não pagas e dar o litro pela empresa. No fim do ano para não apresentarem lucros é vê-los a comprar BMW's, e o empregado fica a ver aquilo impotente, porque se reclama corre o risco de ir para o desemprego.
      Acha justo? Querem vir para o lado de cá, estão á vontade, mas para ser sincero não conheço nenhum FP que o tenha feito, claro que não quero dizer com isto que não aconteça.
      Se por causa da decisão do TC aumentarem mais os impostos vai ser desastroso para a economia, e os mais afectados por isso será mais uma vez o sector privado com mais falências.
      Se o país estivesse bem nem estávamos a ter esta discussão, mas a realidade é outra, e como se faz no sector privado, quando a empresa está mal tem de se cortar em algum lado, e se o patrão dos FP é que está à rasca que corte nos seus empregados.

      Daniel

      Eliminar
    2. E os funcionários públicos não têm nada que ir para o "lado de cá". Quer que um polícia vá fazer segurança privada!!? Têm é que defender a carreira que apostaram e investiram. Da mesma maneira que quem trabalha no sector privado tem q se fazer valer pelos seus direitos. Não pensem que a v/ vida melhora quanto pior vive um funcionário público. Apenas aumentam os boys e a contratação externa que não está regulada por um quadro de vencimentos... Abram os olhos! Apesar da diminuição de trabalhadores da função pública, cortes nos subsídios e sálarios a despesa pública aumentou!!!!!! Pareceres, Adjudicações e contratações externas disparam... e boys admitidos nem se fala. Acordem para a vida!

      Eliminar
    3. Acordem para a vida!!! Esse é o mal dos portugueses em geral.
      Você e FP, mas diga-me, alguma vez trabalhou no privado, é que tirando grandes empresas onde os sindicatos estão sempre metidos quase ninguém faz greve. Até podia fazer, bastava ser sindicalizado, mas depois como era, no dia seguinte à greve já era olhado de lado pelo patrão.
      Será que não entendem que as diferenças em termos de estabilidade profissional entre um sector e outro são brutais, que enquanto os FP têm chefes e directores no sector privado na maior parte das vezes lidamos directamente com o patrão, aquele que nos paga e que tá-se lixando que o nosso filho esteja doente, que uma mãe tenha direito ás horas de amamentação por exemplo. Se formos exigir coisas eles até podem ceder, mas na primeira hipótese levamos com uns patins e vamos para o desemprego, acha que alguém vai arriscar?
      Agora digo eu: ACORDEM PARA A VIDA.
      Por experiência própria garanto-lhe que preferia ganhar um bocado menos mas saber que tinha algo garantido para a vida, e não estar sempre preocupado não apenas com o meu trabalho mas também em saber se a empresa aguenta até ao final do ano, pois com a idade sei bem que se ficar desempregado vai ser complicado arranjar outra coisa.

      Daniel

      Eliminar
  12. Parabens Zita pelo artigo.
    Sempre ouvi dizer que futebol, religião e política não se discute e os comentarios que mandam farpas sem ler o artigo e a demostracao clara que assim e. Para muita gente infelizmente discute-se estes assuntos como se discute futebol ou religiao, depende da trincheira a que se pertence, o que interessa e o meu e os outros que se lixem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois... Mas acha que esta gente lê? Ou se informa? Ou quer saber da verdade? Ou quer ouvir sequer o que os outros dizem ou informam?
      O tuga foi treinado desde cedo a defender o que é seu, mas depois fala mal dos corruptos, que são corruptos porque fazem precisamente isso.
      Cada um, português ou politico, defende cegamente o seu partido a sua seita, a sua classe, o seu clube, o seu interesse , acima da verdade e da justiça, precisamente o que os políticos corruptos fazem. Como é que este país há-de ter conserto? Se até para os nossos parceiros de infortúnio (povo) somos sacanas?

      Eliminar
  13. É verdade... mas é pena é que o artigo também só se dirija a uma trincheira... ficamos à espera de um artigo sobre o sector privado, evasão fiscal, economia paralela, benefícios fiscais, tecido empresarial que parasita sobre o Estado, etc...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais uma vez a misturarem alhos com bugalhos, este post centra-se nas diferenças entre os EMPREGADOS do sector publico e do sector privado, não confundam com os esquemas que as EMPRESAS e os PATRÕES arranjam para encherem mais os bolsos, porque isso não se reflete na qualidade de vida dos seus empregados.

      Daniel

      Eliminar
    2. concordo... numa altura em que o Governo atacou os empregados do sector privado e público, aumentando a precariadade, só não fez mais pq o TC não deixou... e como não deixou fazer tudo aos funcionários públicos, o culpado aqui não é o Governo nem esse bando de corruptos, mas sim o TC.... Então vamos por todos iguais, tudo precário, vamos ver quem em Portugal...

      Eliminar
    3. é sempre este o argumento se faço um artigo sobre o coelho, tenho que fazer sobre o socrates, se faço sobre o público tenho que fazer sobre o privado, se faço sobre as crianças tenho que fazer sobre os velhos, enfim... esta gente pensa que toda a gente tem o mesmo espirito, de defesa da sua seita e ataque da seita alheia. Este blog divulga e compila informação, não tem que andar a apagar guerras que não existem para pessoas como eu que não tem seitas, nem partidos, nem classes, apenas a justiça e a verdade.
      De qualquer forma tem aí muitos artigos sobre a evasão fiscal e até tem artigos contraditórios, porque aqui reflecte-se sobre os temas, aqui não se impõe nada a ninguém.
      Porque o que falta neste país é reflexão critica do povo, que cada vez mais se mostra incapaz de pensar pela verdade só se preocupa em defender o que é seu. O bem comum, a verdade, o país, a justiça??? Isso é coisa que nunca se defende e se desconhece por estas bandas

      Eliminar
  14. Cangalheiro... se olhar para a coluna na direita vai ficar estupefacto com o inumero de artigos sobre o tema a que se refere... espero ter contribuido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois... obrigada por haver gente com olhos e com capacidade de olhar para as coisas, é que realmente é cansativo, mas quando aparece alguém assim , é como um copo de água num deserto.

      Eliminar
  15. E há muitos problemas na função pública... e a troika foi a primeira a chamar a atenção para isso. Excesso de chefias, empresas públicas, gestores pagos a ouro, excesso de autarcas, excesso de mordomias, reformas com 3 mandatos, etc... O governo reduziu alguma dessas coisas? Trezentas e tal camaras municipais em cada década geram milhares de políticos reformados... isso sim é insustentável. Esses são os problemas do sector público e as tais gorduras do Estado. A conversa deste post vai procurar cocó de periquito num monte de esterco de elefante.... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem toda a razão no que diz, o mal não são os FP, esses são apenas os que estão no fundo da tabela no sector publico que dá mama a muita gente que em muitos casos ocupa cargos para o qual nem sequer possui qualificações.
      Acha que alguém, seja ele do privado ou do publico gosta de perder regalias ou ordenado?
      Mas também não vejo como em outros paises as pessoas a sair para a rua a protestar por muito menos, encostam-se todos no sofá a ver esta palhaçada deprimente que é a politica em portugal.
      Agora que existe diferenças entre o sector privado e o publico toda a gente já sabe, nos ultimos anos ouviu-se casos de regalias que são de bradar aos céus e é evidente que os media têm muita culpa disso, pois fomentaram a revolta da população ao publicarem noticias de casos escandalosos, na CP, no Metro, etc.
      Se acha injusto que os FP sejam os bodes expiatórios então eu pergunto, caso os impostos aumentem mais, e o consumo desça será que as empresas que já lutam por se manterem no mercado, não aguentem e fechem, será que os desempregados que daí resultam têm a culpa? São eles aqueles que trabalharam 10h por dia sem receberem mais um cêntimo, aqueles que têm de esperar horas por uma urgência ou anos por uma consulta por termos um SNS vergonhoso e não terem dinheiro para um seguro de saude têm a culpa?
      Não podemos apenas olhar para o nosso umbigo, o mundo não gira á nossa volta.

      Daniel

      Eliminar
    2. "Aqui pretende-se apenas expor a estranha incoerência do TC" e ja agora do Tribunal de contas , e o que esta escrito no post., signica que estes dois tribunais tem andado adormecidos, ou nao, no atropelo aos direitos do privado e protecao dos trabalhadores do privado e no controlo da despesa publica, mas que demostram outra postura quando se referem ao FP, grupo que estao inseridos, . Se fossem coerentes e se aplicasse o tal famoso "princípio da igualdade " substituido agora pelo "principio da razoabilidade" desde sempre, nao existiria esta desconfianca. No fundo quer dizer que que tem sido fomentadores da desigualdade e cooperantes com ela e que nao tem moral em utilizar esse principio como argumento. O mesmo com o tribunal de contas que tem sido conivente, Banco de Portugal etc , se protegessem todos de acordo com o tal principio de igualdade hoje nao faria sentido em falar em "Então vamos por todos iguais, tudo precário" .

      Eliminar
    3. Oh cangalheiro está tudo aí denunciado pelo blog fora, basta ler, não se informam e depois não sabem

      Eliminar
    4. Daniel claro que o caso das chefias é um escandalo e tb está denunciado em mais que 10 artigos no blog. Mas há que perceber uma coisa, as chefias mesmo sendo uma roubalheira e uma injustiça, não resolve o problema da desigualdade. Não se deixem desviar do assunto. Isso é outro problema.
      Além do mais o problema da FP é que são muitos milhares e esses milhares fazem toda a diferença.
      O que está em causa não é se os chefes estão bem ou mal, mas sim como se explica que o TC chumbe algo alegando que o faz pela igualdade, qd os dados dizem que Portugal é afinal o mais desigual::::
      Mas este que é o tema do artigo ninguém fala dele sequer... porque nem leram assim que veem que fala de FP e TC, começam logo a bombardear em todas as direcções sem querer saber mais nada.

      Eliminar
  16. O TC não tem nada que aprovar o alargamento dos cortes até ao patamar dos 600 euros quando antes autorizou cortes acima dos 1500 euros. É disso que se trata. Antes de não haver dinheiro para salários cortem-se nas outras coisas que já referi. Ninguém se iluda, que com cortes ou sem cortes na função pública o descalabro das contas públicas não vai diminuir. A autora do blog devia expor o numero de funcionários públicos por habitante em relação á media europeia, e os gastos com a função pública. Para verem que isto é um não problema, não descurando que devem ser corrigidas algumas injustiças. Mas não cortes indiscriminados mantendo-se as injustiças para uma parte que usufrui delas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O TEMA DO ARTIGO É ; como se explica que o TC chumbe algo alegando que o faz pela igualdade, qd os dados dizem que Portugal é afinal o mais desigual::::
      Mas este que é o tema do artigo ninguém fala dele sequer... porque nem leram assim que veem que fala de FP e TC, começam logo a bombardear em todas as direcções sem querer saber mais nada.

      Eliminar
  17. Nos 21 países da OCDE, recorda o suplemento de economia do Diário de Notícias, a percentagem de empregados nas administração pública representa 15% da população ativa, um valor bastante superior aos 11,1% registados em Portugal no final de 2011. De lá para cá a discrepância ainda será maior, principalmente com a diminuição do número de docentes e o ritmo crescente de reformas antecipadas na função pública.

    Nos últimos sete anos, a forte restrição de novas contratações - primeiro através da regra de apenas contratar um funcionário por cada dois que abandonavam o seu posto, alargada depois para cinco por um – fez com que o Estado perdesse mais de 50 mil funcionários. Indiferente a uma diminuição do peso do trabalho no Estado sem paralelo na Europa, o Governo continua a garantir que os cortes na função pública constituirão a principal fatia do corte de 4000 milhões de euros na despesa.

    Mas não é só no número de funcionários públicos que Portugal fica longe das medidas internacionais, os encargos financeiros do Estado com a função pública também são inferiores ao de todos os indicadores internacionais.

    Tendo em consideração as despesas inscritas no Orçamento de Estado de 2012, o peso salarial das administrações públicas consumiu 10,4% da riqueza produzida em Portugal. Este valor não só fica abaixo da média da zona euro, 10,7%, como é muito inferior ao registado nos restantes países intervencionados: Espanha (11,6%), Irlanda (11,9%), Grécia (12,1%). A dissonância é ainda maior quando nos lembramos que a França reserva 13,2% da sua riqueza para pagar salários no Estado, um número que sobe para 18% na Dinamarca.

    ResponderEliminar
  18. ... " pessoas como eu que não tem seitas, nem partidos, nem classes, apenas a justiça e a verdade. " ...

    Pois . . .


    ResponderEliminar
  19. zita parabéns pelo seu artigo, concordo plenamente consigo. Portugal é o país Europeu com mais funcionários públicos, incluo também os que não estão catalogados como tal, mas mamam do erário público, temos um mega monstro, não produzem para o que consomem, por isso os impostos não param de aumentar e esgotam o setor produtivo de um país,é necessário moralizar urgentemente estes vampiros, estão dispostos a chumparem-nos os ossos para manterem os privilégios adquiridos.

    ResponderEliminar
  20. Pois eu acho que o problema não é a quantidade mas a qualidade. Os funcionários públicos até podiam ganhar mais do que todos se fossem realmente melhores, provando isso nos concursos públicos. Na teoria, qualquer um pode ser funcionário público, mas na prática os concursos são todos fraudulentos e só cunhas funcionam.
    Vejam que até o socialista COSTA na CMLisboa vem contratar licenciados em TEOLOGIA, sem que se perceba o que vai fazer um teólogo numa câmara. Será para dar missas... maçonicas ???? Está tudo aqui no DR - http://dre.pt/pdf2sdip/2014/06/109000000/1505815058.pdf

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou relatar esta história que se passou comigo e com mais 74 colegas.
      Nos anos 90 entraram 75 tarefeiros para o SIVA (serviço de administração do IVA) cuja função era separar, abrir e tratar o correio com as declarações do IVA.
      Por incompetência dos funcionários superiores deixaram que os 75 tarefeiros ultrapassassem o prazo legal para serem despedidos sem direitos. Perante o problema e atendendo que o nosso trabalho era imprescindível, decidiram abrir um concurso com 75 VAGAS PARA NOS COLOCAREM NOS QUADROS EVITANDO ASSIM o pagamento de tantas e avultadas indemnizações assim como a infracção dos direitos que tínhamos adquirido.
      Fizemos os testes, com questões ao nível do 9º ano (os tarefeiros incluíam estudantes universitárias, mães, esposas, maridos etc.)
      Qual não foi o nosso espanto quando um belo dia, ao chegarmos ao trabalho, no edifício do Campo Pequeno, tínhamos 3 ou 4 seguranças a barrarem a passagem (usávamos cartões de identificação especiais) e a informar que estávamos despedidos.
      O choque foi grande, muito grande, principalmente porque nos tinham garantido que íamos ser colocados pois tínhamos direito ao lugar.
      MAS O SISTEMA DE CUNHAS FALOU MAIS ALTO, FOI TÃO PODEROSO QUE PRONTAMENTE VIMOS 74 PESSOAS ESTRANHAS, NOS NOSSOS LOCAIS DE TRABALHO.
      INCRÍVEL NÃO É? AS CUNHAS CONSEGUIRAM SOBREPOR-SE A UMA MEDIDA QUE SERVIA PARA CUMPRIR UMA LEI E EVITAR PAGAR A RESPECTIVA MULTA.
      Fomos para tribunal e ao fim de 2 anos recebemos cada 1 de nós alguns milhares de euros. (contos naquela altura) FORAM 74 indemnizados, pois um de nós tinha cunha e foi o único que entrou para os quadros. Cada um recebeu perto de 5.600 euros.

      Mais tarde, entramos no edifício, para recolher alguns objectos pessoais do local de trabalho, e conhecemos os "geniais" novos colegas, alguns deles nem tinham capacidade para tirar a 4ª classe, mas conseguiram sobrepor-se, nas notas do tal teste, a colegas nossos que foram para a rua e eram estudantes universitários geniais... foi hilariante ver o poder das cunhas a funcionar em massa.. e vergando tudo e todos ao seu poder.

      QUEM FICOU A PERDER? MAIS UMA VEZ OS COFRES DO ESTADO e do povo, QUE TIVERAM QUE PAGAR MAIS DE 80 MIL CONTOS DE INDEMNIZAÇÃO.
      E ALGUÉM FOI ACUSADO DE NEGLIGÊNCIA OU DE MÁ GESTÃO? Pois... Num quadro onde a lei foi infringida consecutivamente, ninguém saiu punido para além do povo e dos cidadãos despedidos.
      - Infringiram a lei ao ter trabalhadores em condições ilegais.
      - Foram incompetentes ao permitir que a situação chegasse a esse ponto de ilegalidade.
      - Infringiram a lei democrática abrindo concursos para 75 pessoas sem estar aberto ao público em geral.


      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2011/06/cunha-ultrapassa-qualquer-barreira-ate.html#ixzz33rT9lt3M

      Eliminar
    2. O Zita, por amor de quem quiser, isso nem parece seu.! então isso é que são as grandes desigualdades entre função pública e privada? e culpa a função privada por isso. Isso é corrupção sim mas não é essa que fomenta as ditas desigualdades. Vc quer-me dizer com isso que na função privada não há cunhas? que o patrão não admite ao seu serviço o filho, o primo, o sobrinho dele próprio, do amigo, do político que o suborna, mesmo sendo muito menos qualificado que centenas de candidatos que ficaram de fora? e quer-me dizer também que os melhores lugares na empresa vão para os mais qualificados e não para os filhos, primos, sobrinhos dele próprio, patrão, dos dos amigos, correligionários e familiares dos políticos que os subornam? Ah não? não é isso que quer dizer? ENTÃO QUE RAIO DE SENTIDO FAZ ESSE POSTE QUE ACABOU DE ESCREVER ACIMA. Zita...faça um reset.
      (F.P.)
      Ps... Não é Funcionário Público, não. É Filho da Puta mesmo.

      Eliminar
    3. Portanto os dados tem que ser omitidos, porque senão podemos correr o risco de ter alguém a lutar pela igualdade?? desculpe discordar , a informação é um direito de todos, o que cada um faz com ela, não é um problema meu, eu divulgo para promover a justiça e a igualdade se há pessoas mesquinhas que vem para aqui chamar nomes e inventar problemas, isso apenas demonstra que realmente faz falta os dados.Se as pessoas forem inteligentes e justas, utilizam a informação de forma inteligente e justa, se forem matarruanos demagogos e mal educados, usam a informação para fazer guerras, insultar, e tudo o mais que o sr diz, quem tem que fazer reset são as pessoas que acham que todos se devem calar, sobre temas que tem que ser discutidos.

      Eliminar
  21. Este povinho é pobre em tudo! Na economia, na mente e nos valores. Este atigo é prova disso mesmo... o maior problema deste país é a corrupção e esta existe tanto no privado como no público...quando alguém pública um artigo desta natureza está a entrar no jogo "dividir para reinar" utilizado por políticos corruptos para influenciar as mentes mais fracas. Parabéns ao autor pela escrita medíocre, para mentes medíocres.
    Se este governo quisesse mesmo fazer justiça social tinha muito por onde CORTAR...exemplos: acabar com a ADSE, acabar com as parcerias público-privadas desastrosas para o contribuinte, por um teto máximo nas reformas, acabar com as subvenções dos políticos etc etc etc.
    Ágora quem acha que cortar nos ordenados seja no público ou privado é legal e contribui para a justiça social o lugar dessas pessoas é na CADEIA ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A desigualdade e a mentira tb é corrupção. Divulgar este artigo é divulgar informação. Se as pessoas se dividem é mau sinal... é sinal que algo as divide e não sou eu, mas os factos que alguém divulgou. Se não há desigualdade ninguém se divide, não vejo os funcionários PÚBLICOS A EXIGIREM OS MESMO DIREITOS QUE OS PRIVADOS, PORQUE SERÁ??
      Enfim querem obrigar as pessoas a viver na ignorancia e na injustiça e desigualdade, quando os que estão melhores são os que exigem silencio?? ISSO É CORRUPÇÃO. Portanto os dados tem que ser omitidos, porque senão podemos correr o risco de ter alguém a lutar pela igualdade?? desculpe discordar , a informação é um direito de todos, o que cada um faz com ela, não é um problema meu, eu divulgo para promover a justiça e a igualdade se há pessoas mesquinhas que vem para aqui chamar nomes e inventar problemas, isso apenas demonstra que realmente faz falta os dados.Se as pessoas forem inteligentes e justas, utilizam a informação de forma inteligente e justa, se forem matarruanos demagogos e mal educados, usam a informação para fazer guerras, insultar, e tudo o mais que o sr diz, quem tem que fazer reset são as pessoas que acham que todos se devem calar, sobre temas que tem que ser discutidos.

      Eliminar
    2. Quanto aos outros cortes que refere, estão todos igualmente sugeridos e denunciados no blog, agora umas coisas não impedem as outras... a mediocridade não pode é continuar a fingir que o silencio serve para evitar guerras, o que evita guerras é a justiça.

      Eliminar
    3. Corrupto é quem ganha muito acima daquilo que produz, um incapaz a ganhar muito, destabiliza a nação.Até uma mente mediocre consegue ver que se abatermos um individuo destes, o pais ganha.
      Eles continem a perpetuar o votos, porque estão bem, pode ser que a pop comece a abrir os olhos.

      E faça umaguerra subtil , se palavras nao mudam ideias corruptas e ignóbeis do fundo do umbigo, mudam os atos.

      Eliminar
    4. Filhso da P do funcioanriosrios publicos, chulos.Aqueles, que se econdem atras de titulos, inspetor do fisco, para manterem um ordenado injustificável.

      Eliminar
  22. concluindo portugas de 1ª e portugas de 2ª,porque se se mexesse nos fp tambem tinham que mexer nos deles.PURA HIPOCRISIA,FAZ SÓ OUTROS A MIM NÃO

    ResponderEliminar
  23. A lei fundamental, isto é, a Constituição da República Portuguesa, não é mais que um conjunto de banalidades para permitir as mais diversas interpretações de acordo com as conveniências do momento. Basta ver a quantidade de casos em que os próprios Constitucionalistas divergem. O Tribunal Constitucional sendo de cariz político sujeita-se a, qualquer que seja a sua decisão, a não ser levado a sério. O TC deveria ser integrado no Supremo Tribunal de Justiça onde aí já existem juízes a sério quanto mais não seja por forma a tentar garantir uma maior isenção face ao poder político.

    Quanto aos salários do público e do privado há aí muita demagogia. Conheço muita gente que no privado recebe "por baixo da mesa", logo essa parte não entra na estatistica e não paga impostos. No publico entra tudo. Nos cargos de topo, o privado paga melhor fora as alcavalas como carro de serviço, telemóvel pago, cartão de credito, etc. Basta ver os salários na banca, na EDP, na Galp, PT e noutras empresas do PSI-20. A instrução no publico é bem superior. Basta ver que no publico há certa concentração de medicos, enfermeiros, professores, magistrados, etc.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. POis então os dados estatísticos estão todos errados, e cada um diz a sua verdade.
      Vem um diz que na FP está tudo distorcido por causa dos boys da TAP, CP, e etc, depois vem outro diz que afinal no privado há muitos tops a ganhar bem...
      Portanto o melhor é colocar tudo igual, férias, reformas, evolução , tudo como na Função pública, afinal somos todos irmãos, ou não?

      Eliminar
    2. Tá quieto , isso nao querem. OS que servem o povo, nao querem igualdade com o povo.

      Alguma coisa está mal.

      Ja deveria ter havido uma guerra ha muito tempo, todos os portugueses devem fazer uma GUERRA a essa escumalha de burros e chico espertos que contribuem para afundar o pais, façam subtilmente!

      Têm um vizinho do fisco? ;) força, ele certamente levanta-se tarde e ganha bem, nao tenham pena dele,...vamos entao ver qual é a sensaçao de insegurança, se sabe bem.


      _______________________________________________
      ===================================

      Façam passar essa ideia pelas redes sociais,isto ano pode continuar, estao a rebentar com o pais em prol de intereses privados que sao meia duzia.

      Eliminar
  24. Bom dia a todos
    Li o estudo com atenção e pergunto-me, afinal o que está mal?
    Os funcionários públicos têm ordenados muito elevados? (sinceramente não me parece)
    Temos demasiados funcionários públicos? (os gráficos dizem que não, estamos a baixo da média europeia.)
    Tem maior proteção face ao desemprego? (sim até agora tiveram, embora esteja a mudar; mas pergunto é mau existir uma rede?)
    Têm imensas regalias para além do vencimento? que regalias? (não me parece que tenham prémios de desempenho com atribuição de cartões de débito, carros e outras mordomias. Também pergunto, ter assistência na saúde é uma mordomia?)
    No fundo o que está mal?
    Gostava de ver nesse estudo um comparativo, dentro de cada sector, público e privado, nas diferenças existentes em termos de salário entre cargos dirigentes e não dirigentes. Com certeza que iríamos encontrar aí a resposta para perceber o que está mal. No fundo muitos trabalhadores do privado são mal pagos porque existe um desfasamento escandaloso entre vencimentos de cargos dirigentes e os restantes funcionários.
    Pergunto, ficará tudo muito melhor se colocarmos os funcionários públicos, inclusive licenciados, a receber 300 euros por mês, como está a acontecer no setor privado?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ################Sr. funcionario publico , perceba uma coisa.#########

      Com a crise, os salarios do privado adaptam-e para nao ir tudo á falencia, e voçes tem que se adaptar tambem.

      Ja sabe o que vai acontecer se teimarem em nao se adaptarem, ou é dificil perceber??? MMMM?????


      Isto é a lei do neo-liberalismo capitalista, e da transnacionalizaçao do capitalismo, quem se adapta sobrevive, quem mete a cabeça debaixo da areia, e temia remar contra a maré, morre pelo traseiro.

      A culpa? De quem nao geriu o pais convenientemente, e nao se acautelou. Nao tem desculpa de nao perceber de capitalismo internacional e de globalização.

      Eliminar
  25. OS dados mostram uma coisa simples que qualquer economista conseguirá intepretar.

    OS salarios do público sao muito mais altos que do privado,

    isto significa que o publico nao está de acordo com a real situaçao económica do pais, resumindo em palavras simples:

    OS CIDADOS NAO PODEM ANDAR A SUSTENTAR PARASITAS QUE SE ACOMODARAM NO SEU NINHO IMPRODUTIVO.

    Com o pais em crise, manter esta situação é muito contraproducente, em caso extremo , levará o pais á falência total ou a problemas muito graves, que terao a ver com a propria independência do pais, resultante da perda de independencia económica.

    Uma situaçao de injustiça já é grave, pois os agentes económicos actuam sobretudo psicológicamente, já nem falo em salários indexados á realidade do que produzem.Pagar muito a quem nao produz muito para o pais, é um erro que vai sair muito caro.Nãoestou a dizer q a culpa é do trabalhadores serem calões, eles só se aproveitam deste sistema feudalista, que ja sabemos que em pleno sec xxi ja nao funciona.

    Portugal vai acabar mal.

    Portugal não tem futuro.

    Grandes desigualdades salarias / para o rendimento que produzem.publico/privado

    Falta de oportunidades.

    Funçao publica fechou a torneira e protege quem lá está, ja nao conseguindo estabilizar o mercado.Nao se renovam nem renovam os recusso humanos, é bom para as massas incompetentes que acham que adquiriram um título, com os graves efeitos negativos que isto vai gerar.

    A desmotivaçao no país atinge níveis alarmantes, se numa organizaçao isto fosse assim, seria dificil produzir alguma coisa.

    A teoria do laisser faire laisser passer , é uma teoria destrutiva, a teoria do tu nao queres ser escravo mais alguem quererá, começa a ter os dias contados, pois o nível de educaçao da poulaçao vai aumentando.

    Efim, rumo á destruição do pais.

    Portugal está condenado. Basta ver os numeros.Vejam o que está acontecer á propria população do pais. Exôdo ! E este é nefasto, exódo da massa inteligente e dos especialistas.A pirãmide das faixas etárias está completamente destabilizada, e asim vai o feudo!

    E DEPOIS NAO DIGAM QUE NAO FORAM AVISADOS.

    O pais ja nao é mais governado, vai-se tapando buracos aqui e ali. para quando o dia do fim? Qualquer tentativa de mudar alguma coisa nao tem os efeitos pretendidos e isso so prova que está tudo fora de controlo. Não fosse a uniao europeia e a coisa ja tinha rebentado.irónicamnte aqueles que exploraram nao tem interesse em que a mama e o dominio acabe.

    Alguns paises tornaram portugal no pais de fornecimento de mao de obra escrava , têm interesse nisso, é esse o plano dos Bildrberg, no entanto, temam, quando desitirem dessa ideia, vao ver o que sobra do pais. Não vai sobrar pedra sobre pedra.Portugal volta a ser um pais do terceiro mundo, com meia duzia de ricos e os outros todos escravos.O simbolo da piramide. tem exactamente a ver com isso. As castas.

    Urge acabar com esta palhaçada.A democracia não pode funcionar assim, pois nao funciona, é uma tirania encapuzada.

    ResponderEliminar
  26. A troika viu e tentou corrigir a pouca vergonha da diferença do privado para o público, só num país terceiro-mundista. Quanto aos jornalistas não terem dito nada, não sei porquê tanta admiração. Toda a gente sabe a cambada de chulecos (não todos) que essa gente é., basta ouvi-los falar para ver as competências deles. Só não entendo o silêncio dos bons jornalistas.

    ResponderEliminar
  27. Eu não sou "Anónimo". Há funcionários públicos a pedir para declarar apenas o salario mínimo, tal como os grandes patrões, amealhando dinheiro de uma economia paralela. Há muitos funcionários públicos que gostavam de trabalhar em empresas privadas que mamam à custa do Estado milhões de euros por ano. Há muitos funcionários públicos que gostavam de separar a contabilidade dos seus salários da dos políticos, DEPUTADOS, SECRETARIOS DE ESTADO, ADJUNTOS de tudo e mais alguma coisa, ACESSORES da puta que os pariu, BOYS, GESTORES, CHEFIAS e já chega, porque em MEDIA, os funcionarios públicos ganham mais, mas a média de duas pessoas em que uma come um frango inteiro, é de meio frango para cada uma. Os funcionarios públicos NÂO são funcionários POLITICOS e essas estatisticas reles, de gente burra só serve para esconder o sol com uma peneira. PS: Para sua informação, a ADSE que o senhor tanto apregoa, só para que saiba, custa a cada funcionário público, o DOBRO do que custaria qualquer seguro de saúde privado. Se a ADSE tem prejuízo é porque é roubada por POLITICOS curruptos tal como a segurança social. O meu amigo/a antes de mandar postas de pescada para a lareira deveria primeiro certificar-se de que a lareira está acesa, senão a pescada apodrece e cheira mal.

    ResponderEliminar
  28. Gostava apenas de salientar um aspecto essencial para percebermos que a diferença salarial tem que existir... Não sou FP...
    O recrutamento exige o cumprimento de regras mais apertadas (se forem violadas é crime)... No privado entra quem o patrão quer....... Isto tem que se pagar... Supostamente este é o método mais justo, pelo menos em teoria!
    Depois o que temos que ver é até onde vão as diferenças! Estas tem que ter aderência ao desempenho da função! Onus! penosidade! etc..

    ResponderEliminar
  29. Parabéns à Zita por este artigo, pois este é o tipo de artigo que apesar de denunciar as enormes injustiças existentes neste país entre o sector público e o privado, vai suscitar a reacção corporativa potencial de algumas das centenas de milhares de funcionários públicos, que até são capazes de condenar a injustiça e a corrupção quando se trata dos políticos, mas que tentam fazer de conta que ela não existe quando se trata de si mesmos.
    A reacção corporativa das classes profissionais é uma das razões para as injustiças se perpetuarem em Portugal, pois apenas defendem os seus interesses e não os do país, ou seja, os interesses de todos os portugueses.

    Um dos argumentos que os sindicatos e as corporações invocam para manter estas injustiças são o que chamam de "direitos adquiridos" e como tal não podem ser retirados.
    Na realidade estes direitos são privilégios adquiridos durante décadas para beneficiar uma minoria em prejuízo de todos os outros portugueses. É criada uma divisão entre portugueses de 1ª e de 2ª, entre os que têm direito a privilégios e os que não têm.
    Eu tenho uma teoria para explicar a razão deste estado de coisas e que passo a enunciar. Quando os políticos chegam ao poder, seja o poder central ou regional, o principal objectivo é roubar o máximo possível. Uma parte do roubo é feita legalmente criando leis que atribuem salários, subsídios, complementos e toda uma série de mordomias a si mesmos. Outra parte é feita ilegalmente através da corrupção entre políticos e empresas, com o pagamento de luvas para este últimos conseguirem contratos públicos, atribuição de cargos públicos aos familiares e amigos ao atropelo das leis, através de cunhas, etc.
    Para que este roubo (legal ou ilegal) seja mais discreto convém que aqueles que estão mais próximos da "acção", ou seja, os funcionários públicos, "fechem" os olhos ao roubo e não o denunciem, e por isso também lhes sejam distribuídos alguns privilégios.
    E estes privilégios são tanto maiores quanto maior for a sua posição hierárquica, pois maior é o conhecimento do roubo (legal ou ilegal) e mais próximos estão familiarmente ou politicamente dos políticos. Assim, os chefes de secção, subdirectores, directores, têm gradativamente privilégios superiores aos funcionários públicos no fundo da pirâmide, pois têm uma importância maior para os políticos.

    ResponderEliminar
  30. Aos funcionários públicos eu pergunto:
    Existe alguma razão para existir um subsistema de saúde, a ADSE? Se o SNS é mau - e de facto é - é preciso é melhorá-lo para o bem de todos os portugueses e não criar um clube de privilegiados.
    Existe alguma razão para trabalharem 35h por semana quando no privado são 40h por semana? Se o país não produz riqueza suficiente para existirem 35h no privado também não podem existir no público.
    Existe alguma razão para terem direito a mais dias de férias? Mesma justificação anterior.
    Existe alguma razão para que o cálculo da pensão seja mais generoso do que o do regime geral? Se as pensões são baixas (e são miseráveis para muitos portugueses) têm de ser aumentadas para todos e não apenas para o mesmo clube de privilegiados.

    A Segurança Social é muito deficitária em grande parte devido ao peso das pensões do sector público e o mesmo se passa com a ADSE, portanto os funcionários públicos estão a beneficiar de privilégios que depois têm de ser pagos por todos, mas apenas uma minoria beneficia deles.
    Claro que importa separar os privilégios dos “soldados rasos” e os das chefias, pois estes últimos têm muitos mais privilégios e as médias estatísticas podem dar uma imagem errada dos dados, mas não podem negar os dados objectivos de que existe uma injustiça inaceitável entre o sector público e o privado.
    E se os funcionários públicos tiverem a honestidade de reconhecer esta injustiça então sabem que só existe um de dois caminhos possíveis: atribuir os mesmos privilégios ao sector privado ou retirá-los ao sector público.
    Eu até seria defensor da primeira opção, mas a questão fundamental é responder se é possível os funcionários no privado passarem a trabalhar 35h/semana, terem mais dias de férias, terem pensões maiores, terem ADSE, e alguns outros subsídios e benesses?
    A maioria dos patrões vai dizer que não, pois iam á falência.
    Ora bem, no sector público os patrões dos funcionários públicos, que são os políticos, disseram que sim durante décadas e levaram o país á falência. E depois todos os portugueses tiveram de pagar o resgate e foram prejudicados duas vezes: primeiro ao não receberem esses privilégios e depois ao terem de pagar os privilégios dos outros.
    Para mudar positivamente Portugal é preciso acabar com todas as injustiças e toda a corrupção, e esta injustiça entre o sector público e o privado é uma delas.

    ResponderEliminar