24 fevereiro, 2013

Renegociação das PPP, um sucesso... para os donos de Portugal.


EXISTEM FAMÍLIAS QUE TODOS OS ANOS, RECEBEM UMA PARTE DO ORÇAMENTO DE ESTADO - AS MÁFIAS DAS PPP
No século XIX, Portugal, estava nas mãos dos proprietários da terra e dos Banqueiros credores da Coroa. Acumulavam títulos políticos, títulos de nobreza e rendas do Estado, com as concessões.
Em pleno século XXI, Portugal está nas mãos dos proprietários de PPP’s e dos Banqueiros credores do Estado. Acumulam títulos políticos, títulos universitários e rendas do Estado, com as concessões.

Nota: para quem quiser confirmar os encargos previstos no OE 2013, no link em baixo (pág. 56, Quadro II.3.5.)  - Quadro II.3.5. Previsão dos encargos plurianuais com as PPP
Citação de parte desse relatório:
"Os encargos líquidos estimados atualizados à data da elaboração do Orçamento do Estado de 2012 para os contratos de PPP rodoviárias, apontavam para um valor estimado de 9.218 M€, resultante dum total estimado de 19.992 M€ de encargos brutos atualizados e 10.774 M€ dos proveitos previstos correspondentes.
A esta data, e considerando o efeito da redução expectável nos encargos brutos, no valor mínimo de 250 M€ no ano de 2013, (...)"
Ou seja, num abrir e fechar de olhos, se negociaram as PPP de modo a distribuir, por um punhado de esfomeados, 9.218 M€ dos nossos impostos... 
Num abrir e fechar de olhos se negociaram novamente as PPP, para distribuir mais 600 milhões, pelas concessionárias, que clamavam por mais e mais... 
De um dia para o outro, concessões rodoviárias, que custavam nicles ao tesouro público, passaram a custar 600 milhões. Quem saiu beneficiado? Uma empresa do universo Mota-Engil, essa entidade omnipresente.
De um momento para o outro, o governo do eng. Sócrates e do dr. Paulo Campos mudou a lei para beneficiar objectivamente uma construtora em total prejuízo do nosso dinheiro público. 
Como explica Marques Mendes neste vídeo... 



Foi fácil, claro, entre os verdadeiros lesados, ninguém soube, ninguém foi consultado e mudaram a lei para agilizar a coisa, e aí está... 600 milhões para somar ás offshores dos lordes. 
Entretanto o escândalo expôs o abuso. Como se relata neste artigo... 
O governo é pressionado pela Troika, a acabar com a roubalheira descarada, e todos ficamos esperançados que, os cortes nas rendas das concessionárias, iriam finalmente, ser justos e favoráveis ao interesse nacional.
Mas o governo, mais uma vez não mostrou ser eficaz, justo ou corajoso, conseguiu apenas reduzir aos chefões, uns míseros 250 milhões!!!!!
Estamos ou não estamos impressionados??? É ou não é mais uma situação ao estilo das nossas adoradas fundações? Cómica?  A troika obriga... , o governo finge que corta nas fundações nas PPP, nos boys, mas apenas finge, no entanto quando se trata de cortar aos cidadãos, aí não finge, corta a doer, e até corta mais do que o exigido pela troika. 
Mas ainda não ficamos por aqui... não se iludam, os 250 milhões que eles esperam cortar... sairão do lombo dos portugueses. Através de muitos malabarismos. conseguem mais uma vez lesar o estado e os contribuintes.
Pois as concessionárias apenas contribuirão para a meta dos 250 milhões, com 4%, e em contrapartida, a manutenção e limpeza das estradas dos senhores lordes, passam a ser pagas e realizadas pelo estado, ou seja não cortaram, e talvez ainda fiquem a ganhar, pois não se sabe quanto custarão esses serviços que passam a ser pagos por todos nós.
Além disso a maior fatia para chegar aos 250 milhões, ou seja 40%, resulta de um aumento de receitas com portagens com a introdução de 15 novos pontos de cobrança em dez lanços de ex-Scut e outras concessões... mas há mais... Queira continuar a descobrir o que eles tramaram na famosa e tão esperada renegociação das PPP, o artigo completo, aqui.

Já o fiscalista Caiado Guerreiro, neste video, estranha que as PPP sejam apenas renegociadas no fim do ano. E o mais vergonhoso é que quem vai negociar o novo contrato, são os mesmos que traíram os portugueses e beneficiaram as concessionárias nos contratos anteriores, fazendo contratos ruinosos para o estado português. Bravo!!!
E sugere ... Se o governo quisesse realmente renegociar as PPP sem lesar de novo o estado, bastava copiar os contratos de países civilizados e íntegros que há anos utilizam as PPP. Se o governo quisesse mostrar honestidade nas suas práticas, não recorria a escritórios de advogados portugueses que já estiveram envolvidos das negociações ruinosas anteriores.
Caiado Guerreiro afirma que as PPP ou foram negociadas por alguém deficiente ou criminoso.

Antigo ministro da Agricultura advertiu que "não é aceitável que um Estado democrático tenha cláusulas secretas", vincando que "não pode haver cláusulas secretas em contratos do Estado".
António Barreto denunciou a existência de "cláusulas secretas" nos contratos das Parcerias Público Privadas (PPP).
"Eu sei há muito tempo, por acaso, há quatro anos que sei que há cláusulas secretas nas PPP".
António Barreto limitou-se a dizer que o actual Governo, "já que as criticou em tempos, a primeira coisa que devia fazer era tornar todas as cláusulas transparentes". fonte

DIGAM LÁ QUE NÃO DÁ GOSTO VIVER GOVERNADO POR ESCUMALHA???? Principalmente quando ainda é o povo roubado e enganado que lhes dá o poder, o dinheiro e a liberdade para continuarem.
A cobardia do governo, em todo o seu esplendor
- Educação: "Governo corta o triplo do que a troika mandou. "
- SNS: "A ‘troika’ mandou cortar 550 milhões e o Governo cortou mais 650 milhões e este ano vai cortar mais”, sublinhou.
- Baixar TSU foi iniciativa do Governo, não da troika, diz chefe de missão do FMI." fonte
- Portugal reduziu em mais de 5% dos funcionários públicos entre dezembro de 2011 e setembro de 2012. Superando, assim, em mais do dobro a meta anual imposta pelo memorando da troika.

7 comentários :

  1. "Três notícias dos jornais desta semana. Primeira - "Dois terços da pensão de 170 mil euros mensais [de Jardim Gonçalves] advêm de uma renda vitalícia, constituída pelo banqueiro. Estado não pode tocar- -lhe". Resumindo, o fundador e líder do BCP não paga impostos sobre grande parte da sua reforma. Segunda - "IRS devolve taxa sobre pensões. Cavaco, por exemplo, receberá 11 mil euros". Traduzindo: entre o que é retido na fonte este ano e terá de ser ajustado na próxima declaração de IRS, Cavaco pagará agora 30 mil euros, mas receberá depois 11 mil. Terceira - "Doação [para o forcado que ficou inválido] alcança 115 mil euros. Finanças ficaram com mais de 26 mil". Explicando: a homenagem que foi feita no Campo Pequeno para arranjar uma cadeira de rodas elétrica a um forcado que ficou tetraplégico teve mão pesada do fisco: 11 500 euros em imposto de selo; 15 mil euros dos 13% de IVA. Isto não é populismo. É mesmo injustiça fiscal." [DN] - Filomena Martins

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eles denominam de populismo à denúncia
      Eles denominam de anti democrático aos povo que se manifesta deseperado e não deixa o relvas discursar inutilidades.
      Eles chamam à fuga ao fisco dos ricos, perdão fiscal, ás fugas ao fisco dos pobres, chamam crime.
      Eles chamam democracia ao regime que nos rege.
      Eles chamam segredo de justiça à ocultação dos crimes contra Portugal.
      Eles chamam ministros aos mais incompetentes e desonestos portugueses
      Eles chamam de justiça a um ministério inteiro inerte, inútil para o povo e viciado
      Eles chamam de cidadãos aos escravos que exploram para pagar os seus luxos e regabofes
      Eles chamam de eleitores aos que vão até ás urnas elege-los e trair a pátria e os portugueses
      Eles chamam o que quiserem a quem querem e exigem que todos acreditem que isto é democracia. Mas isto é apenas um jogo de meninos mimados, jogado com as regras deles, onde eles saem sempre a ganhar.

      Eliminar
    2. E ao que parece, nós chegávamos a pagar aos privados 53 vezes mais do que o preço real?? Privados cobravam 160.000 euros por manutenção de estrada possível por 3.000
      Manutenção de estradas significavam 160.000 euros/ano por quilómetro enquanto que a Estradas de Portugal fazia o mesmo trabalho por 3.000 euros.
      O secretário de Estado dos Transportes admitiu que a manutenção de estradas da parceria público-privada do Baixo Tejo estava contratualizada a 160.000 euros/ano por quilómetro e que a Estradas de Portugal faz o mesmo trabalho por 3.000 euros.
      Segundo Sérgio Monteiro, o caso do Baixo Tejo foi o "mais caro" que encontrou na renegociação das parcerias público-privadas, que permitiu transferir custos de manutenção de vias dos privados para a empresa pública Estradas de Portugal.
      "Quando transferimos o custo de manutenção para o nosso lado, fazemo-lo tendo em conta a informação que a Estradas de Portugal tem disponível", acrescentou o secretário de Estado dos Transportes, assegurando que os trabalhos de manutenção em causa eram rigorosamente os mesmos.
      ... quanto a grandes reparações, também havia uma situação "inaceitável". "As grandes reparações estavam previstas para intervalos entre oito e dez anos cada uma. Ora, a Estradas de Portugal, a informação que tem com base em dados estatísticos de gestão de mais de 10.000 quilómetros de rede [de estradas], levam a concluir que as grandes reparações não precisam de ser feitas com intervalos inferiores a 18 anos", disse, acrescentando: "o que isto é significa é que nós, por cada intervalo de 18 anos pagávamos duas grandes reparações, em vez de uma só reparação".
      Sérgio Monteiro disse, ainda, que, perante este quadro, o Governo não podia deixar os custos de manutenção de estradas das parcerias público-privadas do lado dos privados.
      "O que os partidos da oposição queriam era que deixássemos ficar este custo dentro dos contratos. Nós recusámo-nos a fazer isso, com base na informação estatística que existe nas Estradas de Portugal e que já existia à data [em que foram celebrados os contratos]", afirmou.
      Segundo o governante, "quem tomou as decisões anteriores tem de responder por elas". CM

      Eliminar
  2. O destino "paradisíaco" dos impostos pagos pelos portugueses:

    (Valores em Milhões de Euro)

    27,5% - Juros e Outros Encargos (8630,1)

    27,1% - Saúde (8507,4)

    21,5% - Educação (6753,5)

    19,9% - Tranferências para a SS(6231,5)

    17,2% - BPN (5386)

    2,8% - PPPs (884 , ano 2014 será 1600)

    0,7% - Cultura (214,6...pobre País!!!)


    Juros + BPN + PPPs
    = 27,5 + 17,2 + 2,8 = 47,1%
    = 8630,1 + 5386 + 884 = 14900.1


    Esta é a despesa inútil e parasitária, que enriquece alguns com o dinheiro dos contribuintes, para quem os impostos sobem, agravando as suas condições de vida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado por esta colaboração preciosa. Onde obteve as fontes para chegar aqui?

      Eliminar


  3. E depois !!!, desta lenga lenga, o que é que esperam fazer?????? Roubados, todos nós sabemos e sentimos todos os dias, e continuamos caladinhos e bem comportados como carneiros a caminho do matadouro,o que eu gostava de saber é como vamos acabar com estes chulos do povo e quais as acções a empreender. quais??? aí é que os amigos deveriam dar mais ideias e movimentar mais o pessoal para acções mais activas e menos bla,bla.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu denuncio , divulgo contribuo para que as pessoas saibam o que eles tramam, informo. compilo ... faço o que posso, e espero que o srº faça o mesmo e faça o que pode.
      Se todos fizermos o que pudermos e o que sabemos, as coisas funcionam... mas não adianta chegar aqui e criticar, aqueles que já fazem muito.

      Eliminar