“Não tenho culpa de ter nascido em Portugal, e exijo uma pátria que me mereça”







"Cavaco Silva, presidente da República desta vacaria indígena, em visita oficial ao Açores, saiu-se a certa altura com esta pérola vacum:
"Ontem eu reparava no sorriso das vacas, estavam satisfeitíssimas olhando o pasto que começava a ficar verdejante"!
Este homem, que se deixou rodear, no governo, pelo que viria a ser a maior corja de gatunos que Portugal politicamente produziu; este homem, inculto e ignorante, cuja cabeça é comparada metaforicamente ao sexo dos anjos; este político manhoso que sentiu necessidade de afirmar publicamente que tem de nascer duas vezes quem seja mais honesto que ele; este "cagarola" que foi humilhado por João Jardim e ficou calado;
este homem que, desgraçadamente, foi eleito presidente da República de Portugal, no momento em que a miséria e a fome grassam pelo país, em que o desemprego se torna incontrolável, em que os pobres são miseravelmente espoliados a cada dia que passa, este homem, dizia, não tem mais nada para nos mostrar senão o fascínio pelo "sorriso das vacas", satisfeitíssimas olhando o pasto que começava a ficar verdejante"! ARTIGO COMPLETO: http://goo.gl/v2D4MC

-- MAS HÁ MAIS DISCURSOS BRILHANTES NA REPÚBLICA, ESTE É COLOSSAL... http://goo.gl/XKNAJX
--MAIS UM VIDEO QUE EXPÕE AS CAPACIDADES DISCURSIVAS DO PRESIDENTE EXEMPLAR ... http://goo.gl/DooXZH


Um momento de reflexão... 
“Não tenho culpa de ter nascido em Portugal, e exijo uma pátria que me mereça” - Almada
Negreiros

“Esta é a ditosa pátria minha amada. NÃO. Nem é ditosa, porque o não merece. Nem minha amada, porque é só madrasta. Nem pátria minha, porque eu não mereço a pouca sorte de ter nascido nela.” - Jorge de Sena

QUE VERGONHA, RAPAZES! - Alexandre O'Neill
Que vergonha, rapazes! Nós práqui
caídos na cerveja ou no uísque,
a enrolar a conversa no "diz que"
e a desnalgar a fêmea ("Vist'? Viii!")
Que miséria, meus filhos! Tão sem geito
é esta videirunha à portuguesa,
que às vezes me soergo no meu leito
e vejo entrar quarta invasão francesa.
Desejo recalcado, com certeza...
mas logo desço à rua, encontro o Roque
("O Roque abre-lhe a porta, nunca toque!")
e desabafo:
-Ó Roque, com franqueza:
você nunca quis ver outros países?
- Bem queria, sr. O'Neill! E ... as varizes?




Sem comentários:

Publicar um comentário