08 julho, 2014

Se o Mundial fosse decidido por indicadores económicos e sociais, Portugal ganhava em quê?

E se o Mundial de Futebol fosse decidido não pelos golos mas sim por indicadores económicos e sociais? O Wall Street Journal respondeu ao desafio e listou os campeões demográficos, os geográficos e os demais.
  1. Mais populoso: EUA (318 milhões de habitantes)
  2. Mais Starbucks per capita: EUA (3,65 cafés por cada 100.000 habitantes)
  3. Mais McDonalds per capita: EUA (4,48 restaurantes por cada 100.000 habitantes)
  4. Mais florestas: Japão (67% do território nacional)
  5. Mais chuva: Costa Rica (2,926 milímetros por ano)
  6. Mais rural: Nigéria (83,7 do território)
  7. Mais urbano: Bélgica (98 da população vive em zonas urbanas)
  8. Mais elevado: Argentina (6,960 metros – a altura do Monte Aconcágua)
  9. Mais mortes no trânsito: Irão (34,1 mortes por cada 100.000 habitantes)
  10. Mais homicídios: Honduras (90,4 por cada 100.000 habitantes)
  11. Menos homicídios: Japão (0,3 por cada 100.000 habitantes)
  12. Mais desemprego: Bósnia (44,3%)
  13. Menos desemprego: Suíça (2,9%)
  14. Maior riqueza per capita: EUA (53.101 dólares)
  15. Menor riqueza per capita: Costa do Marfim (1.818 dólares)
  16. Maior investimento na educação: Gana (8,1% do PIB)
  17. Mais prémios Nobel per capita: Suíça (3,1 por milhão de habitantes)
  18. Mais obeso: EUA (33% da população)
  19. Mais alcoólico: Rússia (15,1 litros por pessoa por ano)
  20. Mais fumador: Grécia (2795 cigarros por adulto por ano)
  21. Mais católico: Portugal (92% da população)
A Suiça seria a grande e merecida vencedora do mundial!
Nós somos um país de crentes, estamos à espera do Messias que nos vai salvar do FMI, da Troika, do BPN, etc etc por isso não mexemos uma palha. E como estamos também à espera do castigo divino, não sentimos remorsos por eleger os mesmos corruptos há 40 anos, porque um dia o Messias aparecerá a meio de um qualquer mandato, e os castigará. E nós, continuaremos como bons cristãos, a dar a outra face e a oferecer os nossos filhos em sacrifício.

Mas não ficamos por aqui, graças também à nossa capacidade de acreditar em contos do vigário, também acreditamos em partidos corruptos. Queremos mais BPN´s, mais BES, mais pedidos de resgate, mais dividas...

Porque será que os países mais fanáticos por futebol e religiões são os mais corrompidos e pobres? Será coincidência?
Brasil, Argentina, Portugal, Espanha, etc... já para nem falar nos países cegos e fanáticos por religiões tipo os muçulmanos, que esses vivem atolados na corrupção e entretidos em conflitos armados.
Será que as pessoas que acreditam em tudo, incluindo em religiões, também acreditam em políticos, nas suas promessas e nas suas juras de inocência e boas intenções?
Será que é porque as pessoas sentem necessidade de pertencer e acreditar em grupos, para não terem que pensar, decidir ou agir por si? Porque assim alguém agirá por eles? Todos precisam de pertencer a um clube, a uma religião, a um partido, a seitas, a rebanhos?
Será porque preferem seguir as ideias as tendências e os ideais de alguém, do que ter o trabalho de pensar por elas e criar o seu próprio caminho?
Sem um povo atento, interessado, cívico, informado, capaz de julgar, criticar e procurar a verdade... os políticos e corruptos fazem o que querem do país e dos impostos, na maior da tranquilidade confiantes que o povo continua incapaz de fazer um julgamento critico e ajustado.
A impunidade promove o crime.

Curioso que.... A este propósito encontrei estudos que podem explicar o estado caótico, de Portugal
-"Ateus são mais inteligentes do que religiosos?" fonte
-"Neurocientista afirma que a religiosidade poderia ser tratada como doença mental" fonteNoticia em inglês.
Os países menos corruptos do mundo são os menos crentes e mais informados? Na Dinamarca as igrejas estão às moscas. Video
Deixo-os, para terminar, com estes dados sobre a educação em Portugal, que ajuda a perceber mais alguns fenómenos, aparentemente sem explicação.
A justiça social na Suiça
A verdadeira democracia na Suécia
Um SNS mais eficaz na Inglaterra


14 comentários :

  1. Bendito seja o Senhor. Sofremos com algo que se aproxima de uma esquizofrenia divinal.

    ResponderEliminar
  2. Zita

    é sempre com muito agrado que leio os seus post, verifico as fontes, reflicto sobre eles e muitas vezes os partilho. Este não.
    Sou crente, mas isso não me impede nem de ser crítico nem de fazer o que posso para combater o actual estado da nação. Combater, é mesmo essa a palavra. Por vezes. no desespero, disparamos para todo o lado, contra o inocente, contra quem está do nosso lado. Os inocentes são incomparavelmente mais do que os culpados. A religião, qualquer uma, se não for levada ao extremo (como diz um dos estudos que cita) será sempre uma ajuda para o bem comum, nunca o contrário. Para não me alongar mais termino com o seguinte: Buda, Jesus, Maomé, só para enumerar os mais conhecidos, eram todos rebeldes; se vivessem hoje, certamente não usariam fato nem gravata.

    Apesar disto, parabéns pelo excelente trabalho. Continue por favor!
    um fã















    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não se pretende generalizar, é óbvio que existem pessoas religiosas e lutadoras, o que se pretende dizer é que por vezes o facto de se ser crente, nos leva a acreditar também em quem não devemos, como o caso dos politicos, e a esperar que a justiça divina se faça, por si. Esta é apenas uma ideia genérica, minha, os países mais religiosos são realmente os mais caóticos, a explicação é apenas uma teoria minha sem fundamento, tipo piada-

      Eliminar
    2. Caro anónimo a Religião não é o problema, assim como os Governos não o são. Se bem me lembro na Bíblia existe uma frase em que Jesus Cristo diz que o templo está em cada um de nós. Para mim essa é a forma mais próxima de Deus que eu quero estar, sem corrupção nem manipulação por um bando de criminosos que povoam todas as religiões.

      Eu não conheço maior país no Planeta que não seja o Vaticano, também não conheço outra religião que tenha cometido até à data tantas atrocidades contra a humanidade (passado e presente). Se disser que são dos maiores accionistas de uma marca que fabrica armas para matar milhões, estou a falar do menor dos males que têm feito até agora.

      Por isto posso afirmar de consciência tranquila que um código de conduta é muito importante para o bem estar geral, mas, também posso afirmar que quem segue uma religião cegamente sem questionar, sem por em causa, é obviamente menos inteligente.

      E mais uma vez digo não é a religião, é a cegueira dos que a apoiam incondicionalmente sem questionar, como cegos. E não há maior cego do que aquele que não quer ver.

      Cpts

      Eliminar
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
  3. Atenção que há muita gente que se considera católica sem o ser. E olhe que ser religioso tem a vantagem de se seguir uma moral...e se realmente fôssemos religiosos e seguíssemos essa moral, não havia corrupção a destruir este país.
    Tem a certeza que somos católicos? Eu acho que não.

    E olhe que ser católico não é o mesmo que ser cristão. Se pesquisar sobre teorias da conspiração, verá que o catolicismo é uma versão deturpada do cristianismo colada ao paganismo como tentativa de unificar o império romano e assim controlá-lo melhor.

    Mas o que eu acho é que as pessoas já não nem cristãs, nem católicas, já não são é outra coisa senão HEDONISTAS!... Fazem apenas o que querem, o que lhes apetece o que lhes sabe melhor, sem ligarem a mais nada, sem empatia, sem consciência, sem ligar a consequências, nem nada. E por isso o estado em que estamos. Ser religioso tem a faculdade de ajudar a distinguir o CERTO do ERRADO. Se o fizéssemos, não estávamos com a corda no pescoço. Nem era preciso punir ninguém, apenas corrigir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema é que ser católico ou cristão não impede ninguém de fazer o mal. Acho que já todos sabemos disso e temos provas disso. As pessoas não precisam de ser religiosas para distinguir o bem do mal, e fazer o bem contra o mal. E também não é por se ser ateu que se faz o mal- Há pessoas integras e com moral que fazem o bem porque querem porque gostam e porque é assim que se sentem bem.
      O problema é que também os "bons" cristãos ou católicos ou seja lá qual for o estilo a que pertencem mas que se obrigam a ser bons e a dar a outra face, para alcançarem o paraíso, têm largas desvantagens contra os maus,e aos que destroem os bons, porque a esses nada os trava, nem a religião nem a consciência.

      Eliminar
    2. Ó Zita, mas de onde acha que vem a moral que distingue o bom do mau? De onde acha que as pessoas aprendiam a não matar, não roubar, não mentir, etc., etc.? Antes dos 10 mandamentos, ninguém queria saber...e hoje não querem porque deixaram o cristianismo e passaram a ser hedonismo. E claro que um cristão tem de ter consciência...hoje as pessoas não têm consciência, fazem tudo o que é falcatrua e asneira, e acham-se cristãs e/ou católicas!

      Eliminar
    3. Para mim os conceitos de bem e de mal vêm da minha capacidade de julgamento e de justiça, da minha moral e ética. Vem de dentro, não de fora.

      Eliminar
    4. Ó Zita, mas se cada um for a ter os seus, ninguém se entende! É por isso que é preciso um modelo comum. Dantes, as pessoas tinham-no. Agora, querem fazer de conta que não interessa.

      Eliminar
    5. Isso é uma ilusão, os católicos ou religiosos ou seja lá o que for em que acreditam. sempre foram tão criminosos cruéis e injustos como os que o não são. Quando as pessoas não prestam, não é uma religião que as cura. Apenas as obrigava a esconder a maldade.
      Basta ver nos USA os psicopatas e os casos aberrantes de crimes, que são cometidos por padres e fanáticos pela religião.
      A religião ou a crença é apenas uma carapaça para proteger as acções dos maus, em muitos casos, veja-se o caso dos muçulmanos, todas as religiões servem para legitimar toda a maldade.
      Escravizar mulheres, violar crianças, matar inocentes, obrigar as mulheres a viver como seres inferiores e sem direitos, etc etc etc

      Eliminar
    6. Zita, fanáticos e corruptos dentro da religião há infelizmente em todos lados. Deturpam tudo quanto tem que ser deturpado. O que lhe escrevi no outro post? O catolicismo não é mais do que uma deturpação do cristianismo. E o próprio Jesus Cristo chegou a falar contra os chefes religiosos que se haviam corrompido. Por isso não diga que a culpa é da religião, é daqueles que a deturpam. Se se torna deturpada, por alguma razão é...

      Eliminar
    7. Caro Anónimo

      Nós seres humanos não precisamos de nenhum modelo comum para seguir porque já temos um. Esse modelo já faz parte dos extras com que viemos equipados de nascença.
      Se reparar no seu quotidiano quando alguém se aleija de alguma forma (atropelamento, queda, etc...), tome nota da sua reacção e das reacções que os outros seres humanos têm. Este comportamento é nato. Não é um código de conduta inato.

      Toda a vida existiram hermafroditas, homossexuais, pedófilos, menos um braço, 6 dedos, e muito mais que tendemos a descriminar. Então passa a existir o Bem e o Mal (Deus e Diabo), quando na realidade nos recusamos a aceitar o Mundo como ele é no todo, sem preconceitos de nada sabermos sobre nó próprios e sobre o mundo que nos rodeia. Este preconceito nada mais é que a nossa ignorância que nos impede de compreender para lidar com o assunto, e se não sabemos como lidar com o assunto temos Medo, se a nossa comunidade não tem uma solução para nós, um de nós vai fazer de tudo (bem e mal), para se livrar o mais possível desse medo. A religião nasce precisamente da esperança que nós temos de apaziguar os nossos medos. Se alguém for mais esperto aproveita-se, e torna-se uma divindade.

      Cpts

      Eliminar
    8. Só espero que também não caia na ilusão de pensar que os seres humanos são deuses, como já há gente a dizer...

      Eliminar