17 março, 2013

Orçamento 2013, um ultimato ao povo, conheça os traidores.

"É aflitivo continuarmos a assistir a um projeto politico que assenta num conjunto de medidas e decisões que contrariam o racional, o lógico, o percetivel, o esperável.
Entretanto tudo se vai passando com a complacência ou o conluio dos poderes mediáticos instalados.
Dá-se voz, de vez em quando, a um Medina Carreira, a um Paulo Morais ou a um Tiago Guerreiro, nos canais de menor audiência e a horas tardias.
Estamos a ser enganados e não conseguimos sair deste tremendo embuste enquanto não conseguirmos limpar este País.
Vejamos o comentário saído no jornal Sol e inserido certamente por um "homem do Norte":

'Caral**** temos um povo que santo deus ...contra aquilo que devia protestar não protesta, protesta sim contra aquilo que não deve, como por exemplo, criticam a troika, dizem não pagamos e outras asneiras.
ABRAM OS OLHOS PORRAAAAAA PROTESTEM CONTRA OS CHULOS DOS DEPUTADOS QUE TÊM UMA EMENTA DIGNA DE MARAJÀS EM QUE EXIGEM 12 MARCAS DE VINHO TINTO ALENTEJANO 12 MARCAS DE VINHO DO DOURO e 12 MARCAS DE VINHO VERDE, A CARNE DE PORCO TEM QUE SER DE PORCO PRETO MANTIDO A BOLOTAS, tudo isto desde a entrada de queijos e sobremesa, tudo por apenas 10 euros.
APETECE-me dizer; abram os olhos otários é por isso que temos impostos injustos para manter estes CHULOS DO CDS AO BE PASSANDO POR PCP,PS e PSD. Todos votam a favor...
SABIAM QUE OS SR DEPUTADOS CHULOS SE AUTO AUMENTARAM EM 80 EUROS???
POIS A GRANDE MAIORIA NÃO SABE !!!SABIAM QUE OS 80 EUROS DE AUMENTO para os chulos dos deputados FORAM VOTADOS POR UNANIMIDADE ???? APRENDAM ÓTARIOS! Já nem falo nas outras mordomias obscenas!!!!
JÁ VIRAM OS CHULOS ALDRABÕES DO PCP E DO BE PROTESTAR CONTRA ISSO? Não viram ? Nem eu, mas vejo manifestações estúpidas contra empresários, troika, pagamento das dividas e o raio que os parta, enquanto os chulos do pcp e de BE os incitam contra as medidas necessárias, enquanto isto, com a populaça distraída, vão-nos CHULANDO IMPUNEMENTE. E o povo Nescio todo contente a fazer greves e a dizer besteira como NÃO PAGAMOS , se calhar querem comer MERDHA, povinho burro que só tem o que merece e continua a dar ouvido a embusteiros CHULOS que os exploram ate ao tutano."

Posto isto leia-se o artigo de Pedro Marques Lopes
«Os deputados aprovaram o Orçamento do Estado para 2013. Aprovaram uma lei sem o mínimo de racionalidade económica, sem a mais remota possibilidade de atingir os objectivos a que se propõe e com evidentes desconformidades constitucionais. Aprovaram a obra dum pequeno grupo de aprendizes de feiticeiro que pensam que o truque é só fazer desaparecer o coelho sem que seja preciso fazer nada para que ele volte a aparecer. O problema é que aqui não há coelhos, mas sim pessoas.

Os deputados são assim responsáveis pela aprovação dum documento que, a ser implementado, arrasará o tecido económico do País, destruirá centenas de milhares de postos de trabalho sem que construa um que seja, conduzirá à fuga em massa de jovens portugueses para o estrangeiro, agravará enormemente o nosso problema de desigualdade, provocará o desaparecimento da classe média e fará com que as instituições, entre outras os tribunais e repartições de finanças, deixem de funcionar regularmente.
Sim, nessa altura vai ser precisa uma refundação. Não uma refundação do acordo com a troika, não uma refundação das funções do Estado, não uma refundação constitucional, mas muito provavelmente uma refundação do próprio país.
Não restarão senão escombros dum trabalho de quarenta anos de democracia. É bem verdade, o que se fez em Portugal desde o derrube da ditadura não foi brilhante, longe disso. Podia ter-se feito muito melhor, sem dúvida. Mas não ver os enormes avanços, esquecer as mudanças fundamentais, negar que nunca como nestas quase quatro décadas se fez tanto por tantos é cegueira. É crime. E aquilo a que estamos a assistir é a um plano para arrasar todo o trabalho desses anos.
Claro que seria preciso, seria importante, repensar as funções do Estado.
Mas como será possível ter esse debate alcançar consensos, pensar soluções, numa altura em as pessoas vão estar nas ruas a gritar que têm fome, que não têm emprego, que os seus filhos emigraram? 
Sejamos honestos: a refundação é uma conversa oca. É uma conversa de quem já percebeu que a receita em que tanto acreditou falhou, que cada vez que se percebia que a coisa não estava a resultar achava que era melhor aumentar a dose. De quem está desesperado sem nada para nos dizer ou propor.
Como será possível gente que todos os minutos prova não ser capaz de governar um país refundar o que quer que seja? 
Como querem que acreditemos que pessoas que não são capazes de explicar aos nossos credores que um país destruído não pode gerar receitas para pagar dívidas sejam capazes de fundar o que quer que seja ?
Esta é a parte que diz respeito ao Governo. Mas voltemos aos deputados, aos homens e mulheres que aprovaram esse crime lesa-pátria chamado Orçamento para 2013. Alguns, contra todas as evidências, pensarão que este é um bom orçamento. São os únicos que, apesar de estarem a contribuir para todas as desgraças que se avizinham, merecem respeito. Não se refugiam hipocritamente, como alguns, por detrás do inqualificável argumento de que ter um orçamento é melhor do que não ter nenhum. Ou, outros, que dizem até lhes custa muito aprovar mas não há alternativa. Como se a morte certa fosse alternativa, como se a loucura fosse um caminho. Também não nos tentam enganar sempre a falar do passado, como se erros passados justificassem crimes presentes.
Acreditam no que estão a fazer mas tentam proteger-se do que possa vir a acontecer.
Enganam-se.
Desta vez os portugueses não se esquecerão: a devastação social, económica e política será tão imensa que não irá existir português que não lembrará quem foram os representantes do povo que autorizaram o que vamos viver.
Os deputados a quem não podemos mesmo perdoar são os que sabem exactamente o que estão a fazer. Sabem que este orçamento vai destruir o País e sabem as consequências dos seus actos. Que dirão quando as suas convicções se materializarem, ou seja, quando o caos se instalar? Sorrirão e dirão para os seus amigos que já sabiam?
É verdade, o nosso sistema parlamentar, o nosso sistema eleitoral, não está baseado na liberdade de voto dos deputados. Mas há uma liberdade que todos temos: é a de dizer que não. E nunca foi tão importante dizer que não. Talvez arriscando a carreira, talvez correndo riscos pessoais. Mas um homem ou mulher que não está disposto a correr esses riscos, um homem ou mulher que não está disposto a sacrificar-se em função da sua consciência e do mandato que o povo lhe deu, não serve para político, não serve para representante do povo.
Estes traíram o seu mandato. Pior, traíram-se a si próprios. E logo quando mais precisávamos deles.»   http://forcemergente.blogspot.pt/2012/11/falta-de-visao.html


3 comentários :

  1. Os deputados não devem depender das direccções dos partidos.

    Devem ser eleitos, nominalmente, pelos cidadão que votarão no NOME DO CANDIDATO e não, como até aqui, no símbolo do partido.

    Qualquer cidadão pode ser candidato a deputado, e constar da lista de nomes a serem votados, desde que a sua candidatura seja apresentada por um mínimo de 3000 assinaturas apoiantes, identificadas por cartão de cidadão e nº de contribuinte e entregues, com a antecedência de 6 meses da data das eleições legislativas, à Comissão Nacional de Eleições.

    Se os cidadãos eleitos pertencerem a um qualquer partido, formarão um grupo parlamentar. Caso sejam independentes dos partidos, votarão de acordo com a sua consciência (caso raro na AR).

    ResponderEliminar
  2. gandolavilamolena.....
    cantaide

    ResponderEliminar
  3. BASTAVA O POVO SABER COMO SE VOTA CONTRA OS PARTIDOS CORRUPTOS E PORTUGAL SERIA LIMPO DA CORRUPÇÃO. VOTEM EM PARTIDOS SEM ASSENTO PARLAMENTAR SÓ ISSO TEM VALOR E PUNE OS PARTIDOS CORRUPTOS. Nos paises menos corruptos do mundo a democracia funciona porque as pessoas sabem votar e usam o voto, 90% votam... aqui só temos eleitores ignorantes por isso quem não funciona são os eleitores e não a democracia.
    A abstenção afinal obtém um resultado contrário, ao que pretendem os abstencionistas
    Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
    Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão mentirem para agradar. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam. Vocês não exercem o vosso dever de votar contra quem faz mal ao país. O vosso de dever e direito de punir os que lesam o país nas urnas.
    A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote.. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas, julgar e punir os partidos que há 40 anos destroem o teu país, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem contra os que mentiram, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.
    MAIS ARTIGOS SOBRE CIDADANIA E EDUCAÇÃO CIVICA, NESTE LINK, APRENDA A VIVER EM DEMOCRACIA SE QUER QUE ELA FUNCIONE::.. INFORME-SE VEJA ESTE LINK

    http://apodrecetuga.blogspot.pt/2015/10/percebam-que-abstencao-afinal-obtem-um.html#.WM_ogfmLTIU

    ResponderEliminar