26 janeiro, 2013

Casado único titular, cansado de impostos e truques.

Casado, único titular...

    "Quer dizer então que os Excelentíssimos pretendem diluir metade dos meus subsídios para eu não sentir com tanta violência o aumento dos impostos que se destinam, entre outras finalidades meritórias, a financiar
  • a Fundação Mário Soares, 
  • o INATEL e os pacholas que o Vítor Ramalho lá meteu, 
  • o Carnaval da Madeira, 
  • a árvore de Natal interactiva do Costa e do Leonel, 
  • a instalação do gajo dos dióspiros que bateu com a cabeça numa figueira em Guimarães, 
  • as senhas de presença do Jorge Sampaio, 
  • os custos de manutenção do Galambódromo de Beja, 
  • a sobreposição de cursos inúteis nas Universidades e Institutos Superiores públicos que infestam o país, 
  • os trezentos e não sei quantos municípios absolutamente necessários ao desenvolvimento harmonioso do território, 
  • os tachos dos boys no aparelho da Segurança Social, na Saúde e no IEFP que o Bilhim afirma que não existem, 
  • o AUDI A5 do Zorrinho, 
  • o BMW do Pedro Vespa Soares, 
  • os negócios do Duarte Lima pagos pelo Estado, 
  • o título honorífico de campeões do mundo das PPP financiadas pelo BES com o dinheiro que o Lula sacou do Brasil, 
  • a nacionalização do BPN e as férias do dias Loureiro em Cabo Verde, 
  • a tinta para o cabelo do Borges, 
  • os concertos do Carreira, do Abrunhosa e do Quim Barreiros no dia da elevação de Cabeço de Vide a parvónia, 
  • o relvado sintético do campo de jogos de Fronteira, 
  • os milhões dos pareceres que permitem ao Júdice andar a armar-se em parvo, 
  • a reforma da Esteves quando ainda tinha idade para concorrer a financiamentos como Jovem Agricultora, 
  • os F16 para uns tipos porreiros fazerem de conta que são o Tom Cruise e perderem um teco-teco que desapareceu misteriosamente algures sobre Vilar Formoso, 
  • a cidade das selecções, 
  • os jardins interiores e os mármores da Parque Escolar, 
  • o Magalhães sem teclas que o Toino vai vender na esquina da Rua do Loureiro, 
  • os 100 mil euros para o torneio de Golfe comemorativo do centenário da República, 
  • as caricaturas do António no Metro? 
Pois muito bem. Agradeço a preocupação e comunico que vou tomar medidas adicionais à prevista diluição. No início de Janeiro, segue carta para a minha entidade patronal informando que sou casado e único titular dos meus rendimentos. A Adélia dirá o mesmo à entidade patronal dela.
O efeito imeditato é a retenção na fonte baixar durante o ano de 2013. Depois, em 2014, acertaremos contas e o Estado receberá a totalidade do imposto devido pelo ano de 2013. Se cá estivermos. Mas, até lá, o dinheiro fica deste lado. E eles que vão diluir e reter prá casa do Carvalho mais velho. Sim, esse: o Manuel Carvalho que mora aqui na casa ao lado."
por Rui Rocha

Sem comentários :

Enviar um comentário