23 agosto, 2011

França começou também a luta contra a crise.

França medidas austeridade
Já se fez aqui referência, às medidas da Itália face à crise que arrecadará milhões, subindo os impostos apenas aos mais ricos do país - aos políticos e à banca. aqui
Agora assistimos ás medidas de austeridade de mais um país onde igualmente se pautam pela mesma justiça social, fazendo recair sobre os mais ricos as maiores exigências no contributo para desagravar a crise, a França. (Citação em baixo)
Temos pena, muita pena,  que em Portugal o nosso governo esteja longe de mostrar sensibilidade para este tipo de justiça social.                                                                                  
Os nossos políticos  não mostraram também, possuir o discernimento necessário para entender que aumentar os transportes, a electricidade e subtrair subsídios indiscriminadamente, vai apenas prejudicar, e muito, os pobres. E aos ricos não fará qualquer diferença no seu orçamento.
Não se preocupam em sobrecarregar famílias que já se encontravam à beira do abismo, para as quais, este será o golpe final para caírem no abismo? 
E que essas famílias, remediadas, pobres e médias, mas em maior número, são as que sustentam o comércio e o consumo? E que sem o seu consumo também se agrava a crise?
Não perceberam que o comércio em Portugal está em agonia, devido aos apoios/isenções e falta de fiscalização que permitem aos chineses?
Arruinaram  a agricultura, as pescas, fechou-se fábricas atrás de fábricas pois os chineses fornecem tudo... e agora rematamos com o sector comercial que se esvai em esforços vãos a remar contra a maré... em concorrencia desleal com os chineses, e sem um governo perspicaz que perceba que urge mudar-se algo.
Talvez se o governo interpretasse as noticias deveria interrogar-se porque razão os chineses proliferam com as exportações a dispararem e Portugal vê os seus comércios e industrias a falir...

Retomando a noticia das medidas em França, foi de destacar a nobreza dos milionários desse país. 
Os 16 maiores milionários voluntáriamente ofereceram-se para ajudar o combate à crise. Preocupados com a pátria, atitude que não se vê em Portugal nem por parte dos que governam a pátria nem por parte dos que arrecadaram milhões ás custas dela.
Extractos da noticia: "Milionários franceses,  pediram ao Governo para lhes impor um imposto especial de modo a ajudarem a pôr fim à crise. Segundo os signatários, é por estarem conscientes de que beneficiaram do atual modelo francês e do contexto europeu que pretendem "contribuir para o preservar"."Num momento em que as finanças públicas e as perspectivas de agravamento da dívida do Estado está a ameaçar o futuro da França e da Europa, num momento em que o governo pede a todos um esforço de solidariedade, consideramos necessário contribuir para o mesmo", acrescentaram. O anúncio do pedido feito pelos milionários franceses acontece um dia antes de o governo francês apresentar as medidas destinadas a reduzir o défice, vai anunciar um imposto especial entre 1% e 2% para os contribuintes cuja rendimentos fiscais superarem um milhão de euros. O Governo estima que cerca de 30 mil pessoas sejam afetadas por esta medida, que fará o cofres do Estado arrecadar um montante suplementar de 300 milhões de euros.fonte 
Em Portugal começa por se atrofiar os pobres até ao limite.

2 comentários :

  1. Um comentário apenas, mesmo que tardio:

    Recomendo, a quem quiser, que leia o livro
    "A Guerra dos Impérios" de François Lenglet
    (bertrand editora), quem tiver três ou mais neurónios depressa perceberá a "negra caca" que espera Portugal,em particular, e o resto do mundo no geral! (os mais bem informados talvez consigam fazer o "connect the dots" com alguns nomes referidos no livro)
    Os chineses são a nova ameaça!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo contributo... tardio nunca é, pois o que divulgo é intemporal, o importante é alertar os portugueses para o tipo de seres que em Portugal se dedicam à politica, desde há 3 décadas.
      E o que o sr transmite também é intemporal.

      Eliminar