05 julho, 2015

Durão Barroso com pensão vitalicia de 11 mil por mês, e bom tacho para o filho

Durão Barroso de 58 anos, com pensão vitalícia de 132 mil euros por ano, 11 mil por mês ao que soma o subsídio de reintegração durante três anos. Uma espécie de subsidio de desemprego de luxo, porque está difícil arranjar emprego para esta gente, eles precisam de muito apoio. Apesar de ele afirmar que convites para trabalhar, não lhe faltam... mas não há pressa, o povo aguenta sustentar mais um.
No entanto todos devem questionar o abuso, se ele recebe a reforma de 11 mil por mês, mais um salário de 25 mil euros por mês, de origem inexplicável, porque precisa ele do subsidio de reintegração, se este serve para não deixar sem rendimentos os representantes de cargos públicos, cessantes? Ao que parece rendimentos não lhe faltam... que leis são estas?
Um desempregado normal, recebe um misero subsidio sem qualquer outro rendimento, e com os empregos precários actuais, já nem isso recebem... mas estes senhores que fazem as leis, usam e abusam delas, para parasitar o contribuinte.

04 julho, 2015

Grécia, vítima da gula dos bancos e das desigualdades dentro da UE

O sistema financeiro para sobreviver precisa de exportar dívida para os povos, servindo-se do Estado e das classes políticas para impor dois tipos de modelos – a desvalorização interna (austeridade) e a da moeda. Existem alternativas mas, somente saídas da vontade coletiva dos povos, sem taras nacionalistas ou autoritárias.

Sumário
1 - O domínio através da dívida, o verdadeiro problema
2 - Duas falsas alternativas do neoliberalismo
3 – Por onde passa a alternativa?
4 – Sair do euro e/ou da UE como e com que vantagens?
5 – As preocupações do BCE, da UE e do FMI
5.1– Objetivo 1 - A estabilidade e a rendabilidade dos mercados financeiros
5.2– Objetivo 2 - Conter os europeus na austeridade, na ignorância e… no medo
5.3 – Objetivo 3 – Conter as ameaças geoestratégicas

1 - O domínio através da dívida, o verdadeiro problema
Desenvolvemos recentemente algumas considerações sobre o crescimento e as desigualdades[1]. Vejamos agora como o crédito e a subsequente acumulação de dívida têm sido instrumentos essenciais para “alavancar” esse crescimento, gerando estratégias empresariais e pessoais de endividamento, colocando o mundo em estado de servidão face aos donos da dívida, o sistema financeiro. Esses donos, são bancos, seguradoras, fundos de pensões e outros - com relevo para os “simpáticos” fundos abutre - e toda uma diversificada panóplia de serviços e funções parasitárias – analistas financeiros, dealers, consultores, etc; sem esquecer os reguladores, o FED, o BCE e a rede de bancos centrais europeus, onde se enquadra o “nosso” Bdp cujo nome nos faz lembrar os pouco recomendáveis, Constâncio e Carlos Costa. Todo essa maquinaria procura manter oleada a máquina da dívida, do seu demencial crescimento, em concertação com os seus funcionários das classes políticas a quem cabe garantir a estúpida apatia vigente na multidão de seres humanos perante a captura da vida de cada um, diretamente ou através do “seu” estado, na espiral da dívida.
O gráfico seguinte fornece um quadro do aumento do peso da dívida total – pública, das empresas financeiras ou não financeiras e das pessoas - que, em última análise sobrecarrega os humanos. Em 14 anos passou dos 246% do PIB mundial para os 286% e os seus $ 199*1012 representam cerca de $ 28000 por ser humano ou, de outro modo, o correspondente a perto de três anos de trabalho de cada pessoa. Se se preferir, aquela capitação corresponde a quatro anos de remunerações brutas de um trabalhador português com o salário mínimo. Trágico e assustador!

02 julho, 2015

Militares recusam golpe de estado alegando que em democracia se depõem governos pelo voto e não ao tiro. O povo que cumpra o seu dever.

General Loureiro dos Santos desafia civis a cumprir o dever de votar e a proteger o país da corrupção. 


NESTE VIDEO O GENERAL LOUREIRO DOS SANTOS FOI DESAFIADO POR MANIFESTANTES PARA INTERVIR E DEPOR O GOVERNO PARA SALVAR O PAÍS DA CORRUPÇÃO. OS PORTUGUESES TÊM MUITO ESTE ESTRANHO DEFEITO. TENTAM CULPAR SEMPRE OS OUTROS DOS ERROS QUE ELES COMETEM,  E EXIGEM AOS OUTROS QUE LHES RESOLVAM OS PROBLEMAS QUE ELES CRIAM. "Então nós elegemos corruptos e ladrões, porque quase ninguém votou contra eles, e agora ohh sr Guarda, facha´vor de ir lá dar um tiro nos gajos..." ???
O general Loureiro dos Santos responde e passa uma mensagem de civismo e cidadania.
Os militares estão a cumprir o seu dever cívico e militar, ao respeitar as escolhas da maioria do povo, e os eleitores porque não cumprem o seu dever cívico? Se querem mudar o país e rejeitar partidos corruptos, porque é que continuam a votar sempre nos mesmo? Ou a nem sequer votar, quando podem usar o voto contra os que não querem no poder?
Deixam eleger os mesmos de sempre. Os portugueses sabem que as eleições são legitimadas apenas pelos votos válidos e expressos, nem que sejam apenas 10%, são esses 10% dos votos válidos e expressos que fazem o total de 100% para distribuir deputados, todo o resto, brancos, nulos e abstenção, é reduzido a zero, não possui qualquer interesse, valor ou peso para a decisão final, e também não se preocupem em inventar valores sentimentais para cada voto branco, nulo ou abstenção, porque os políticos corruptos, estão-se a marimbar para o que vocês pensam que dizem quando desperdiçam votos, os corruptos só querem saber dos votos válidos, e o importante é que o povo que odeia corruptos, não vote válido...
Por isso não votar, votar nulo e branco é um desperdício de justiça. É perder a oportunidade de contribuir para eliminar os partidos corruptos do poder.
Votar não é apenas uma arma para eleger os menos maus, é também uma arma para rejeitar e punir os piores. Nunca se esqueçam disso..... 

O general prossegue... Os portugueses não sabem usar as armas que a democracia lhe concede, ou porque não lhes apetece (abstenção), ou porque analisam mal os partidos(voto em corruptos)... o voto contra serve para eliminar os piores partidos, os que mais lesaram o país e mais casos de corrupção têm em investigação ou condenação. E o voto a favor serve para começarmos a seleccionar os melhores, é uma espécie de selecção natural como na teoria de Darwin, o evolucionismo... à medida que mostramos o que queremos e quais são para nós os melhores, eles começarão a esforçar-se para ser os melhores, para satisfazer as nossas exigências e vontades. As campanhas e os governos passarão a disputar passarão a ser uma luta para agradar ao povo pois eles perceberão que o povo já vota e sabe distinguir os bons dos maus ou os menos maus dos piores. Deixará de ser uma luta entre eles, para ver quais os que mentem melhor e enganam mais. Se o povo souber escolher, como afirma o General, os corruptos temerão o poder do povo que sabe escolher e usa o voto.

OS MILITARES EXISTEM PARA DEFENDER A SOBERANIA, A DEMOCRACIA E A VONTADE DA MAIORIA DOS CIDADÃOS QUE SE PREOCUPAM EM EXPRESSAR A SUA VONTADE. Abster-se não é uma vontade... Milhares de abstencionistas não vão ás urnas por falta de vontade e não por uma vontade, outros não vão porque preferem a praia e isso não é uma vontade de não votar, mas sim de ir à praia, outros não vão ás urnas porque estão doentes, acamados, de férias, e isso também não é uma vontade, é um condicionamento... por isso a abstenção não pode ser considerada, porque não é uma vontade, pois é motivada por centenas de causas diferentes e muitas vezes alheias à vontade do eleitor.
É O POVO QUE ESCOLHE QUEM ESTÁ NO GOVERNO, E OS MILITARES TÊM QUE RESPEITAR ISSO... O POVO NÃO QUER MUDAR... POR ISSO FICA EM CASA, VAI PARA A PRAIA, ANULA VOTOS OU VOTA EM BRANCO, NO DIA DE DECIDIR? EM VEZ DE VOTAR CONTRA OS QUE QUER REJEITAR? CONTRA OS CORRUPTOS?
E QUEM É QUE TEM CULPA DESSAS ATITUDES? DESSAS OPÇÕES?
Tudo isso são escolhas do povo em democracia, ninguém impede os eleitores de irem ás urnas punir e votar contra os que não querem no poder, não são os militares que devem mudar isso à força, mas sim os cidadãos que tem que EVOLUIR E DEIXAR DE ANDAR SÓ NAS REDES SOCIAIS A RECLAMAR, OU NA RUA A GRITAR E PASSAR A IR ÁS URNAS VOTAR CONTRA ELES... AÍ SIM VEREMOS SE A VONTADE DO POVO NÃO É ESCUTADA... QUANDO O POVO VOTAR, PASSARÁ A SER OUVIDO, TEMIDO E RESPEITADO. UM POVO QUE NÃO VOTA, NÃO METE MEDO A CORRUPTOS.
É NAS URNAS ONDE MAIS LHE DÓI, NÃO NA RUA, NEM NAS MANIFESTAÇÕES NEM NAS REDES SOCIAIS..

NO VIDEO MARINHO PINTO TAMBÉM SE MOSTRA INDIGNADO COM A INCOERÊNCIA DOS PORTUGUESES QUE ELEGEM CONDENADO, ARGUIDOS, SUSPEITOS, ACUSADOS, ETC E DEPOIS QUEIXAM-SE???
Nós temos os jornalistas que temos, os magistrados que temos, os políticos que temos porque somos o que somos....
Tal como a comunicação social é o retrato do público português, também a politica é o retrato do eleitor. Não é por rirmos dos corruptos, que os educamos ou extinguimos, é sim pela nossa exigência de verdade e seriedade. ARTIGO COMPLETO: 

29 junho, 2015

Relatório «privado e confidencial» sobre PPPs da saúde, esconde «encargos líquidos» de 12 419 milhões de euros em 30 anos.


O Estado e o BES – alguns exemplos
Os negócios dos Espírito Santo com o Estado têm talvez a sua expressão mais gritante na intermediação do negócio dos submarinos, que rendeu 30 milhões de euros ao Grupo, entretanto repartidos pelos membros do Conselho Superior, entre outros. Mas este é apenas o caso mais conhecido.
A revista Exame escrevia, no final de 2011, o seguinte acerca das Parcerias Público-Privadas: “cinco grupos e agrupamentos de empresas conseguiram ficar com cerca de 80% dos encargos líquidos totais do Estado nestes cerca de 36 contratos”. A repartição é a seguinte:

Captura de ecrã 2015-03-12, às 17.05.47

A números da altura, cabiam ao BES/GES receitas de 4737 milhões de euros, 1225 milhões já pagos à data (3512 milhões em falta), distribuídos pelos seguintes contratos:

Concessões Rodoviárias:
Ascendi Beiras Litoral e Alta (173 km)

19 junho, 2015

Sócrates para alguns é um mártir, mas para outros não passa do manipulador de sempre empenhado em travar a justiça e a verdade

O QUE ESTÁ POR TRÁS DO PSEUDO ACTO HERÓICO DE SÓCRATES DE REJEITAR A PULSEIRA?
Mais uma vez as técnicas de ilusionismo de Sócrates tentam iludir os incautos. As pessoas lúcidas percebem isto como sendo um insulto à inteligência e uma ofensa à justiça... os outros, louvam o mártir.
Sócrates quis fazer da recusa da pulseira electrónica e da submissão ás grades, um acto heróico, digno e corajoso do recluso que opta por pregar mais um prego na sua cruz de mártir em nome da dignidade?
Um mártir que só assim se pode apresentar perante os que ainda gostam de se deixar enganar.
Na realidade o que se passou é bem mais indigno do que digno, mais cobarde do que corajoso, mais medo que mártir. Ele apenas quer manipular a justiça para travar a justiça... terá medo de quê?

Tanto Sócrates como a sua defesa sabem que, segundo a lei, se ele estiver atrás das grades como tem sucedido, a justiça portuguesa terá apenas até Novembro para formalizar a acusação, ou ele sairá da prisão sem acusação ainda formalizada, o que ele usará para reforçar o seu papel de vitima/ herói, um espectáculo dramático que ele muito ambiciona oferecer aos seus fanáticos seguidores. Assim graças ao fanatismo dos fãs, somado à teatralidade do ídolo, iremos ter um Sócrates a alegar que não existe acusação, que é tudo uma cabal, etc etc ... apesar de todos os lúcidos e defensores da verdade e da pátria saberem que apesar de não haver formalização da acusação, existe uma acusação, e ele sabe bem qual é, assim como o país todo.
Se Sócrates tivesse aceitado a saída com pulseira electrónica, o prazo para formalizar a acusação, dilatava-se. 

Ele sabe que isso joga a seu favor, pois ele melhor que ninguém, conhece as limitações dos meios humanos e técnicos da justiça, não fosse ele um dos responsáveis por isso. Sócrates aposta assim em criar uma limitação à justiça, com menos tempo, poderão ser cometidos mais erros, porque basta uma virgula fora do sitio, para que um processo se afunde e invalide.
Ele não quer justiça, ele quer que a justiça falhe? Que a justiça se perca no meio da burocracia e da carência de meios. Ele sabe que o processo torna-se mais complexo de dia para dia, dado que quase todas as semanas se somam novos actores e novos enredos ao caso Marquês.
Paradoxalmente a justiça tem noção que a carência de meios humanos e técnicos, são uma vantagem para os corruptos, mas dependem dos governos corruptos, para poderem alterar isso.

Travar a verdade e a justiça tem sido a postura da defesa de Sócrates. E qualquer pessoa informada sabe disso, pois é público que uma das batalhas da defesa de Sócrates, tem sido impedir que se possam usar os registos bancários como prova. Ora uma pessoa inocente, corajosa e digna que quer justiça e verdade, e que se diz mártir da justiça, não esconde registos bancários, antes os exibe para provar a sua inocência e a perseguição da justiça.
Para os que se dizem inocentes e perseguidos pela justiça, as provas, como os registos bancários, seriam uma prova da sua inocência, porquê trava-las? 

---Recurso da defesa de Sócrates não contesta os factos, apenas alega que as provas sobre o rasto do dinheiro na Suíça não poderão ser usadas em tribunal. E aponta o dedo ao juiz Carlos Alexandre.
---19 fev - Advogado apanhado em escutas, a mandar destruir documentos de Sócrates. O advogado Gonçalo Trindade, arguido no processo 'Marquês' que está em liberdade mas proibido de sair do País, foi intercetado nas escutas telefónicas a providenciar a destruição de documentos que poderiam ser comprometedores. Em causa estarão provas das trocas de dinheiro entre José Sócrates e Carlos Santos Silva.

---- Maria José Morgado explica a falta de meios da justiça:  “O bater das asas de uma borboleta no tribunal pode provocar um atraso de 15 anos num processo." "Tenho de manifestar as necessidades, fundamentá-las e quase implorar [que nos dêem meios]. Tenho uma autonomia com mão estendida. Evidentemente tenho que fazer muito com pouco.
--- Novo presidente do Sindicado acusa Pinto Monteiro de impedir investigações a poderosos. António Ventinhas afirma ainda que os procuradores que tinham processos sensíveis em mãos acabavam por ter a carreira prejudicada.

NESTE VIDEO PAULO MORAIS EXPLICA QUE ESTRANHAMENTE, SÓCRATES EM VEZ DE SE DEFENDER, ATACA A JUSTIÇA

17 junho, 2015

Estado paga 600 milhões por serviço de segurança que não funciona. A amizade acima de todos?

O Estado está a pagar por uma rede de comunicações do Ministério da Administração Interna um total de 600 milhões de euros, cinco vezes mais do que poderia ter gasto se tivesse optado por outro modelo técnico e financeiro.
MAS O MAIS GRAVE É QUE O SISTEMA DE URGÊNCIAS, NÃO FUNCIONA EM CASOS DE EMERGÊNCIA? Como conta o video...
A empresa a quem se adjudicou o contrato, tinha tido como consultor e administrador o Ministro, que no ano seguinte adjudicou a obra, no governo de Sócrates. E os beneficiados deste negócio, é a malta do BPN, como se explica no segundo video.



Segurança sem cobertura de rede
Com o intuito de abandonar as redes convencionais (banda baixa, média e alta) utilizadas, foi implementado o Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP).
Em funcionamento desde Janeiro de 2010, este sistema foi concebido para responder adequadamente aos desafios colocados a forças como a Autoridade Nacional de Protecção Civil, GNR, PSP e Bombeiros Voluntários na sua actuação diária ou em cenários de emergência como catástrofes, acidentes, incêndios de grandes proporções ou acções conjuntas. Mas a verdade é que não tem funcionado correctamente, nem tão pouco tem impressionado as Forças de Segurança e Socorro Estatais que o adoptaram.

15 junho, 2015

Filho de ex ministro maçon, PS, suspeito e preso por favorecer maçons. João Alberto Correia ex-director geral do MAI


Um caso sério de falta de vergonha... um rol de ilegalidades que envergonham não só quem as
cometeu mas também o povo que as permite, pois ao longo de décadas o eleitorado português, insiste em desperdiçar os votos ou em votar nos partidos com o maior cadastro da história de Portugal. Se os 60% de votos desperdiçados na abstenção nulos e brancos, fossem usados para lutar contra a corrupção, seriam uma força avassaladora que expulsaria os corruptos do poder. Se o povo soubesse usar o voto e a democracia. O voto serviria para punir e mostrar aos partidos que albergam criminosos, que somos contra eles, pois sabemos quem eles são e não os queremos mais no poder. Mas os portugueses deixaram o país chegar a este ponto, porque não utilizam o voto para modelar a politica e os políticos e para moderar o abuso. E depois claro o abuso, o saque e a corrupção crescem de ano para ano, de geração em geração, porque eles sabem que o povo não os pune

Um rol infindável de descaramento. Pai e filho, maçons do PS, abusavam do poder para fazer favores por dinheiro. Com o poder de decidir quais os edifícios do MAI, que precisavam de obras, e quem as faria, suspeita-se que terá assim, beneficiado empresários maçons, em 55 ajustes directos, inclusive mudou procedimentos para facilitar o desfalque. O artigo pode deixa-lo indisposto mas não se deixe intimidar, prossiga e não se deixe iludir pelas palavras mansas e eufemismos, como por exemplo, onde se lê contrapartidas, deve ler-se luvas. 

ACUSADO.... Uma forma de alimentar as clientelas parasitas do estado, a seita da maçonaria precisa viver sem esforço, está assim habituada?

12 junho, 2015

A despesa total do estado português cresce ininterruptamente desde há muitos anos.


Tragédia de Portugal, estava à vista, mas ninguém a quis travar? 



Socialistas afirmam: "Fomos nós, com Sócrates, que preparámos terreno para cortes"
Um grupo de militantes do PS respondeu ao apelo dos notáveis, garantindo que foi o seu partido, nos anos de governação de José Sócrates, que “conduziu Portugal ao desastre” e assumindo que deixar voltar os mesmos ao poder seria cometer um “crime contra a Nação”, indica o jornal i.
Os históricos 'rosas' António Almeida Santos, Jorge Sampaio, Manuel Alegre e José Vera Jardim fizeram, na semana passada, um apelo para que a situação que se vive no PS seja “clarificada”, pedindo aos socialistas que “não se enganem no adversário”.
Em resposta à declaração dos notáveis, um grupo de militantes do partido escreveu um texto em que culpa os anos de governação de José Sócrates por terem preparado “o terreno para os cortes salariais, para as privatizações feitas sem critério e para o descrédito das instituições”.
“Fomos nós, socialistas, que o fizemos e quanto mais rapidamente o compreendermos melhor será para o PS e para Portugal”, afirmam Henrique Neto, Ventura Leite, Rómulo Machado e António Gomes Marques, no documento a que o jornal i teve acesso.
No mesmo texto, os militantes dizem ainda que é imperioso impedir que “os mesmos que conduziram Portugal para o desastre” voltem ao poder, sob pena de se cometer um “crime contra a Nação e um ultraje aos princípios e valores do Partido Socialista”.

A despesa total do estado português cresce ininterruptamente desde há muitos anos. O gráfico seguinte mostra essa evolução segmentada por área (em milhões de euros). Inicia-se em 1995 não especialmente por ter sido o ano em que António Guterres foi eleito e teve início o “ciclo PS” sob o qual ainda hoje vivemos (a tendência vem de antes disso) mas porque a partir desse ano as categorias contabilísticas foram padronizadas. É de notar que apenas em 2003 a despesa diminuiu. Não creio que o facto de estar no governo (particularmente nas finanças) quem estava seja mera coincidência. Mas não faço disso grande importância; no ano seguinte cresceu outra vez.



Além do evidente crescimento, outro facto salta à vista: Existem três áreas onde o grosso da despesa do estado incide. O gráfico abaixo, relativo a 2009, permite uma melhor leitura desse facto.