03 maio, 2015

Por onde andam os milhões empresta(dados) pelo BES? Paulo Morais revela os nomes dos "devedores"




QUEM ANDA A GOZAR O NOSSO DINHEIRO DESAPARECIDO DO BES?
Grande parte dos três mil milhões de euros do buraco do BES ficaram na esfera do presidente angolano Eduardo dos Santos.
Começam a ser revelados os nomes de pessoas próximas ao regime angolano que beneficiaram-se de empréstimos daquela instituição financeira e que depois não assumiram os seus compromissos, NÃO PAGAM, LEVANDO A QUE O ESTADO TENHA INJECTADO NO BANCO 5 MIL MILHÕES DE EUROS, PARA SALVAR O BANCO.
PAULO MORAIS assegura que só a irmã do Presidente angolano Marta dos Santos, recebeu 800 milhões de dólares, mas a quem o banco perdeu o rasto. O PRESIDENTE DO BES GARANTE QUE NÃO SABE ONDE ANDA O DINHEIRO, PAULO MORAIS OFERECE-SE PARA LHE DAR OS NOMES E OS DESTINOS.

De acordo com o site da Rádio Renascença, de Portugal, o antigo presidente do BES Angola Rui Guerra disse ontem, 10, aos  deputados da comissão parlamentar da Assembleia da República que investiga o caso BES, que o banco não foi capaz de identificar os beneficiários de muitos dos empréstimos concedidos pela instituição.
Entretanto, Paulo Morais, vice-presidente da Associação Transparência e Integridade, contesta os argumentos de Rui Guerra e acrescenta que tem documentos capazes de provar quem são os beneficiários.
Segundo Morais, “nessa lista de empréstimos estava, à cabeça, Marta dos Santos, irmã do presidente José Eduardo dos Santos, que teve um crédito de 800 milhões de dólares, para desenvolver em Talatona um projecto imobiliário, curiosamente em parceria com o empresário português José Guilherme, que deu 14 milhões a Ricardo Salgado.”
O vice-presidente da Associação Transparência e Integridade vai mais longe e diz que “só no Comité Central do MPLA houve um conjunto de personalidades, como Roberto de Almeida, Maria Mambo Café e Ferreira Pinto, entre outros, que receberam 10 milhões de dólares para desenvolver os projectos que bem entendessem, sem terem de prestar quaisquer garantias ao banco”.
Em declarações à Rádio Renascença, de Portugal, Paulo Morais revelou que muitos dos investimentos que a elite angolana fez em Portugal, era dinheiro dos depositantes do BES e não de Angola.

O BES disponibilizava fundos aos angolanos para adquirir em Portugal propriedades em Portugal. “Os próprios filhos de José Eduardo dos Santos têm uma propriedade em Aveiras de Cima, que adquiriram com crédito do BES, mas isto multiplicou-se por todo o país”, garantiu o vice-presidente da Associação Transparência e Integridade, que disse ter documentos que provam as suas afirmações.

Veja ainda esta lista de vídeos sobre os crimes e os envolvidos nos maiores escandalos da banca em Portugal. Basta clicar no link 
paulo morais corrupção besBPN e BES... QUEM OS SAQUEOU
QUEM OFERECEU O SAQUE AOS PORTUGUESES
QUEM FECHOU OS OLHOS AO SAQUE
QUEM CONTINUA LIVRE E NO PODER
QUEM CONTINUA LIVRE E RICO, COM O NOSSO DINHEIRO

Braga, a fábrica de milionários.Melhor que tráfico de droga?


BPN, quem está rico com o teu dinheiro? Quem foi ao pote do BPN? Quanto roubaram?

 
BES intermediário dos milhões que vinham da UE. Para onde foram?
Cavaco Silva:"sou muito rigoroso"? SLN o BPN, e as mentiras.

 50 milhões para Dias Loureiro e o amigo traficante de armas.

BES. Salgado limpa 1,5 mil milhões, dias antes de sair do BES!?A lata!

Paulo Portas acusa Vítor Constâncio de incompetente! Banco de Portugal e a fraude.

Alguém acredita que o BES faliu, se fazia lavagem de dinheiro, que só dá lucro?

Caso BPN foi um sucesso, BES queria repetir a façanha.

Oliveira e Costa já tinha "cadastro". Conheça o seu percurso obscuro.

Ministra das Finanças o BPN e a "Girl" do PS

Banco de Portugal, desmascarado, fracassou nos crimes no BPN?

Amigos do BPN que financiaram Cavaco até ao poleiro.

BES: Porque a troika quer salvar bancos e sacrificar o povo.

Pagamos protecção policial ao domicilio, dos que nos roubam?

Desde 2002 auditoria revelava crimes no BPN, BdP enganou o país

BES apresenta relatório de contas ou de crimes?

 BES, o banco do regime corrupto jamais pode estar falido.

 Oliveira Costa não tem dinheiro para pagar multas do BPN? Escondeu-o

Sócrates ou é alucinado ou corrupto, e protector da máfia BPN.

OE de 2015 tem 400 milhões para o BES. Impunidade de Salgado.







01 maio, 2015

Listas de vídeos sobre escândalos de corrupção em Portugal

Em baixo organizei as listas de reprodução do youtube, com os vídeos que desmascaram a corrupção em Portugal, assim como alguns video sobre cidadania e informações relevantes para o eleitor.
Poderíamos estar dias a ler e a ver vídeos, e mesmo assim apenas conseguiríamos tomar conhecimento de uma ínfima parte do que se passa no país, da gravidade e do descaramento da corrupção, da devastação do erário público, do abuso, dos enxames de boys e girls... mas ficam aqui alguns exemplos, porque nunca é tarde para começarmos a conhecer a verdade.
Para não sofrer um ataque cardíaco, é aconselhável ver no máximo, 3 videos por dia. Principalmente os das PPP, os do BPN, dos submarinos e do Sócrates.
Clique no link para ser encaminhado para os videos sobre o tema do link. 

Henrique Neto na luta por um país e um povo melhor
Henrique Neto alerta os portugueses para o papel da sociedade civil, que deveria lutar pelo país mas que está praticamente inerte. Veja alguns vídeos deste cidadão que sempre criticou Sócrates e as suas politicas, defendendo sempre o interesse nacional, acima do interesse do Partido ou dos seus militantes. Henrique Neto, ex do PS, afirma que "Sócrates está no topo da pirâmide, dos que dão cabo disto" http://goo.gl/8ecr0l
"Sócrates representava uma bomba relógio para a qualidade da democracia portuguesa." http://goo.gl/NbtZdK
Henrique Neto acha que os eleitores portugueses exercem a cidadania como se a politica fosse "clubismo", agarram-se a um partido para a vida, de forma acrítica, façam eles os erros que fizerem, os fieis elegem sempre o "seu" partido.




Países sem crise e sem corrupção
Nesta lista reúnem-se videos que retratam a forma como se vive nos países menos corruptos do mundo. São um exemplo para todos nós percebermos o que deveria ser a democracia e como ela pode funcionar bem, em beneficio do povo. É por esta democracia que devemos lutar. São países com eleitores activos, críticos e informados que punem os maus políticos nas urnas, não apenas nas redes sociais, com insultos e palhaçadas.
Há pessoas que acreditam que a corrupção é inevitável e que o defeito é da democracia, nestes videos percebemos que o defeito é do eleitor, não da democracia nem dos politicos. Se o povo tem o poder de os punir e eliminar da politica e não o faz, como querem que a democracia funcione e a corrupção não compense?
Veja esta compilação de vídeos, para perceber como poderia ser Portugal, se os portugueses fossem menos tolerantes com os corruptos. Existem países com muito pouca corrupção, quase sem desemprego, onde as pessoas detestam receber subsídios e referendo os impostos, que pagam com agrado. Parece incrível mas é a verdade. Veja o video da Dinamarca. São Países onde os políticos são honestos, patriotas e se preocupam com o bem comum. Andam de transportes públicos e não possuem luxos nem tiques típicos de ditadores da corte, frustrados.

14 

Gestão danosa ou criminosa?
Esta lista reúne vídeos que expõem o despesismo e o abuso do dinheiro público, com obras inúteis e contratos ruinosos. Os políticos portugueses são impunes e imunes podem roubar e abusar. Não podem ser responsabilizados pelos seus actos de gestão criminosa ou danosa, pois podem sempre refugiar-se na desculpa de que foi erro ou incompetência. E ao abrigo desta impunidade, muitas saques grosseiros se fazem ao país, sem consequência para o criminoso e com graves consequências para as vitimas. Os portugueses permitem todo este regabofe, já que continuam a não ir ás urnas fazer uma limpeza à classe politica, votando contra os criminosos identificados que nos desgovernam e desgovernaram.

29 abril, 2015

A verdade nua e crua sobre a evasão fiscal dos amigos ricos e a perseguição dos outros

Neste video, Paulo Morais e Marinho explicam que os paraísos fiscais servem quase sempre para esconder dinheiro sujo e dinheiro roubado a estados, por isso deviam ser proibidos. Marinho Pinto acusa ainda de traição, Barroso e Junckers. Afirma mesmo que eles só se mantêm no poder porque estão dispostos a trair.



Neste outro video Paulo Morais expõe os maiores crimes fiscais impostos de forma injusta. A protecção dos ricos e a exploração dos pobres. A máquina fiscal ao serviço dos ricos, contra o cidadão.



"Mais de 2000 funcionários do fisco ao serviço da cobrança das portagens
Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos considera que as portagens impede direccionar recursos para tarefas de inspecção." Publico
"Ao mesmo tempo que a máquina fiscal trabalha a todo o gás para cobrar coimas de taxas de portagem de concessionárias de auto-estradas, os tribunais fiscais enchem-se de processos de impugnação judicial, praticamente o único meio de defesa dos contribuintes quando são confrontados com a cobrança coerciva por parte das Finanças nestas situações." Público

Também Ana Gomes desmascara a hipocrisia dos governos que nunca se preocuparam em travar os evasores fiscais apesar de se saber, como confirma Paulo Morais no video, que a maior parte do dinheiro dos paraísos fiscais é dinheiro sujo e dinheiro roubado aos estados, pela corrupção.

«Robins dos Bosques ao contrário
O Governo prossegue o assalto fiscal às classes médias, enquanto perdoa grandes evasores fiscais. Agora finge ter ficado surpreendido com os 'SwissLeaks'. Mas nunca agiu contra evasores fiscais no Liechtenstein e na Suíça.
Comecei a pedi-lo ainda ao Governo Sócrates. 
Em 2011 solicitei a publicação da lista de portugueses com contas no Liechtenstein, que, em 2008, fora anunciado ter sido requerida às autoridades alemãs. Nunca tive reacção, embora o ministro Teixeira dos Santos me tivesse dito que a recebera.
Também nunca consegui resposta de Vítor Gaspar, que interpelei por carta em Junho de 2011. Já em 2014 escrevi a esta ministra das Finanças, questionando-a também sobre a 'lista Lagarde' - a do HSBC que está a ser revelada pelos 'SwissLeaks' e que as autoridades francesas enviaram a outros governos em 2010. A ministra não pode alegar que não sabia: quando veio ao Parlamento Europeu em Dezembro de 2014 frisei-lhe que continuava à espera de respostas sobre as listas da Suíça e do Liechtenstein.
Por isso, é preciso topete para a Autoridade Tributária (AT) só agora pedir a lista do HSBC. Como responde o Governo por este "atraso", que só aproveita à prescrição dos crimes fiscais e à impunidade dos criminosos? Que fez o Governo com a lista do Liechtenstein? E recebeu ou não antes a lista da Suíça? Se sim, o que fez dela? Se não, porque não a pediu antes?

27 abril, 2015

RERT: Roubar Esconder e Regularizar Tranquilamente. Sócrates cria lei para branquear dinheiro sujo

corrupção fuga impostos
RERT III, SEGREDOS DE UM PERDÃO

Taxar, lavar e voltar a dar: foi este o resultado do terceiro Regime Excecional de Regularização Tributária (RERT), a forma que permitiu ao Estado recuperar cerca de 259 milhões de euros em contas escondidas fora do País. O susto provocado pelo Monte Branco fez com que fortunas depositadas no estrangeiro fizessem escala em Portugal para serem taxadas a 7,5 por cento e voltassem a sair, "lavadinhas" e tudo.
"O perdão fiscal do RERT III foi das coisas mais inauditas a que assisti", resume Carlos Pimenta, do Observatório de Economia e Gestão de Fraude da Faculdade de Economia do Porto. "É verdade que esses capitais foram taxados, mas que medidas foram tomadas para impedir que saíssem novamente, pela via legal e ilegal? No fundo, taxaram-se e lavaram-se fortunas que continuarão no exterior. Caso sejam detetadas, pagam menos do que o cidadão comum paga no IRS", explica Carlos Pimenta.
Trata-se, pois, "de uma verdadeira despenalização criminal. Quem coloca a fortuna lá fora continuará a fazê-lo porque compensa mesmo sendo apanhado.
É uma espécie de risco do negócio". Os custos, esses, são elevados do ponto de vista económico e criminal, mas "é sabido que, para os juristas, estas fraudes são sempre resolúveis", ironiza o catedrático de Economia.VISÃO


Sócrates cria facilidade para branquear dinheiro sujo

Quem beneficia com as amnistias fiscais aos capitais fugidos do país?
A imagem em cima, é suficientemente explícita.
O RERT - nas suas três versões de 2005 e 2010 (Governo José Sócrates) e 2011 (Governo Pedro Passos Coelho, ver artigo 166º) - constitui um regime especial para pessoas singulares que tenham irregular ou fraudulentamente posto valores mobiliários fora do país e que ainda não tenham processos a correr contra si. Inclui depósitos, certificados de depósito, valores mobiliários e outros instrumentos financeiros, incluindo apólices de seguro do ramo 'vida' ligados a fundos de investimento e operações de capitalização do ramo 'vida'. Ao autodenunciar-se, o contribuinte livra-se de todos os procedimentos criminais e do risco de o Estado ficar com metade dos capitais.
Para isso, têm apenas de pagar. E a taxa é a mesma para pequenos e grandes. No RERT I e II, era de 5% sobre esses valores. A partir de Abril de 2010, passou a ser obrigatório o repatriamento desses capitais. Mas, já no RERT III, assinado pelo actual secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, advogado vindo do escritório Garrigues Associados, a taxa subiu para 7,5%, mas foi afastada a obrigatoriedade do repatriamento. Os capitais escusavam de voltar ao país! Era como um visto Gold, mas ao contrário.

25 abril, 2015

Porsche de diretor da RTP gastava 3 mil euros de combustível. O regabofe e despesismo

corrupção despesismo
Novo presidente da RTP vai ganhar 10 mil euros
O novo presidente do conselho de administração da RTP, Gonçalo Reis, vai ganhar 10 mil euros por mês, um valor superior ao do seu antecessor no cargo, Alberto da Ponte.
Gonçalo Reis irá assim auferir uma remuneração mensal de 10 mil euros e Nuno Artur Silva, 7390,29 euros, sem despesas de representação.
O anterior presidente da RTP, Alberto da Ponte, abdicou deste regime, obtendo em 2013, de acordo com o último relatório e contas disponível no site da televisão pública, uma remuneração bruta anual após deduções de 91987,39 euros, ou seja, 7665,6 euros por mês.
Na altura, a administração da RTP contava ainda com dois vogais, que auferiram uma remuneração anual de 73590 euros, o que significa um ordenado mensal de 6132,50 euros.

Ao que temos que somar os 500 euros por senhas de presença? 
Os elementos do Conselho Geral Independente (CGI) da RTP que recebem senhas de presença já ganharam 30 mil euros (7500 euros cada), valor que corresponde às 15 reuniões efetuadas até agora (5.02.2015 ) CM.

PAGAMOS OS BOYS QUE ENTRAM E OS QUE SAEM TAMBÉM
A RTP gastou no ano passado 13 milhões de euros em rescisões por mútuo acordo.
O número de trabalhadores da empresa no final de 2014 era de 1.689, menos 129 que em 2013 (1.818). Recorde-se que em 2014 a RTP deixou de receber a indemnização compensatória, passando a viver somente da taxa para a contribuição audiovisual (CAV) e das receitas comerciais.
Alguns dos rostos famosos que ganhavam em 2011, ordenados milionários na RTP, como são os casos de Fátima Campos Ferreira (10 mil euros mensais), Catarina Furtado (30 mil euros), Fernando Mendes (20 mil euros), José Carlos Malato (20 mil euros), Maria Elisa (7 mil euros), Jorge Gabriel (18 mil euros), Sónia Araújo (14 mil euros), João Baião (15 mil euros), Tânia Ribas de Oliveira (10 mil euros) ou Sílvia Alberto (15 mil euros), entre outros.

23 abril, 2015

Os casos suspeitos de que Sócrates conseguiu escapar. Quem lhe garantia o escape?

José Sócrates escapou, entre outros, aos seguintes casos e processos:

1*- A. Sovenco, empresa de distribuição de combustíveis na Amadora, em que foi sócio com Armando Vara, Fátima Felgueiras e Virgílio de Sousa. Só gente fina... e sem cadastro
2*- B. Progitap, quando trabalhou nesta empresa dos irmãos Geraldes Pinto, na angariação de clientes (câmaras municipais );.
3*- C. Resin, empresa que ganhou várias concessões de recolha e tratamento de resíduos urbanos, alegadamente mediante as ligações a José Sócrates e Fátima Felgueiras;
4*- D. Cova da Beira, de aquisição de um terreno polémico para um aterro sanitário, e projecto e selecção de construtoras pelo seu grande amigo António José Morais, a Conegil do seu amigo Santos Silva ganhou o concurso; negócios de 13 milhões com estranhos contornos, mas o processo ficou a meio.
5*- E. Siresp, do seu amigo Horácio Luís de Carvalho (HLC), num contrato polémico, renegociado pelo seu governo, de 485 milhões de euros (e que alegadamente deveria ter custado um quinto desse valor) para o sistema de comunicações das forças de segurança. E é ainda um sistema que não funciona.

21 abril, 2015

Salgado, apesar de ser considerado internacionalmente o pior gestor do mundo, em Portugal continua a ser rei, no meio da podre política nacional.

Num escândalo desta dimensão, que gerou um dano à sociedade de milhares de milhões, porque não há ainda contas congeladas nem património confiscado? E porque não há ainda ninguém preso?
Neste video Paulo Morais explica que Ricardo Salgado saiu de todo este caos, tão ou mais rico que antes e livrou-se dos problemas graves que tinha.
Como é possível que mafiosos desta envergadura, diligentes e experientes, sejam interrogados, a maior parte das vezes, por deputados ingénuos sem formação na área da investigação, da finança ou da economia? Como é que estes mafiosos não haveriam de escapar sempre impunes?
Evidentemente que ninguém  possui meios ou capacidade para aceder à documentação que prova qual é o património dele e para quem o transferiu?
"Ricardo Salgado não tem nenhum bem imobiliário em seu nome. A mulher, também não. A SIC sabe que nos registos da Autoridade Tributária e Aduaneira nada consta em nome do antigo homem forte do Grupo Espírito Santo." 
sic



"Ricardo Salgado foi ao Parlamento depor no âmbito do inquérito ao BES.
Foi recebido como um rei, discursou com sobranceria, desprezou os deputados e nada esclareceu. Que trunfos tem Salgado para poder agir com tanta arrogância?
Na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), Salgado só falou do que quis.
Até porque ninguém lhe colocou questões verdadeiramente incómodas.
Ficaram por fazer as perguntas que permitiriam clarificar como foi possível desaparecer tanto dinheiro do BES e quem foram os atores na política e na Administração cúmplices no processo.
Ficamos sem saber como foi possível o BES transferir para Angola três mil milhões, na maior operação de fuga de capitais, mesmo debaixo do nariz do Banco de Portugal;
quem no governo autorizou o abate ilegal de sobreiros que viabilizou o negócio imobiliário da ‘Vargem Fresca’;
quem foram os portugueses subornados na compra de submarinos intermediada pela ESCOM.
Tão-pouco se esclareceu qual a intervenção do ex-ministro Miguel Relvas na privatização da EDP e qual a sua ligação ao BES;
que papel teve o BES nas parcerias público-privadas, tão ruinosas para o Estado.
Ou, até, a troco de quê o BES financiou os estudos de Durão Barroso em Georgetown.
E, finalmente, nem uma pista sobre onde está o dinheiro proveniente de tanto negócio obscuro.
Ao fim de horas de inquirição, nenhuma destas questões foi esclarecida.
As perguntas pareciam escolhidas pelo inquirido. Perante uma CPI submissa, Salgado fez o seu espectáculo. Sentado no topo da mesa, em vez de confrontado, de frente para os inquiridores, como se faz em qualquer parlamento decente do mundo. Assumiu ar professoral e usou os deputados como figurantes das suas manobras para influenciar a opinião pública.

19 abril, 2015

As rendas das PPP favorecem também os partidos, por isso permanecerão intocáveis

A fabulosa carreira de Sérgio Monteiro, gestor, e Sérgio Monteiro, secretário de Estado.
Sérgio Monteiro, campeão das PPP´s ruinosas para o Estado enquanto gestor, é o mesmo Sérgio Monteiro que renegociou para o Estado essas mesmas PPP.



Atentemos, a este propósito, no relatório do Tribunal de Contas sobre o TGV. Aí ficámos a saber o que nunca soubemos nas duas auditorias solicitadas pela ministra Maria Luís Albuquerque.
Um contrato Swap, assinado por Sérgio Monteiro enquanto representante à altura de um consórcio privado, gerou perdas de 152 milhões de euros. Pior. Que esse mesmo contrato, foi resgatado pelo Estado, que assumiu assim todos os prejuízos decorrentes dessa operação financeira engendrada por Sérgio Monteiro no privado. Quem é que assinou, pelo Estado, essa operação? Isso mesmo. Maria Luís Albuquerque e Sérgio Monteiro.
Esta dança das cadeiras, verdadeiro toma lá dá cá, coloca em perspetiva a ingenuidade das preocupações da Olívia patroa e da Olívia costureira. Mas aqui, nesta história, somos todos nós que pagamos as decisões de Sérgio Monteiro, secretário de Estado, a propósito das engenharias financeiras de Sérgio Monteiro, gestor.