08 março, 2015

Ex governantes aumentam rendimentos em 3000%, após saírem do governo?

salários dos politicos milionários
Veja como Jorge Coelho, Dias Loureiro e outros multiplicaram os seus ordenados.
O jornalista António Sérgio Azenha é autor do livro "Como os Políticos Enriquecem em Portugal".
Os ministros e secretários de Estado em Portugal ganham menos de 6.000 euros mensais. Mas depois de saírem do Governo, muitos passam para empresas tuteladas pelo Estado onde os salários duplicam, triplicam, quadruplicam...
Essa transferência milionária dos políticos para a esfera empresarial é legal face a um quadro legislativo permissivo. Mas será eticamente correcta? A passagem pelo Governo, em demasiados casos, não será apenas um trampolim para a riqueza? "Como os Políticos Enriquecem em Portugal" dá-nos a conhecer uma amostra representativa.
Desde 1995, os rendimentos da classe podem ser consultados no Tribunal Constitucional, e há casos em que os aumentos rondaram os 3.000% - o que equivale a, por exemplo, ganhar cerca de 22.000 € anuais antes de entrar no Governo e perto de 700.000 € anuais depois de sair.
Num trabalho de enorme rigor, António Sérgio Azenha dá-nos a conhecer o percurso de 15 casos emblemáticos. Com todos os factos, números, percursos profissionais - que afinal parecem ser apenas um, tal a perturbante semelhança entre eles. Eis um resumo da situação:
salário milionário
tachos e boys
boys e tachos

corrrupção milionário

corrupção
corrupção
trafico influencias corrupção

O melhor emprego neste país é ser ex-governante. 
Como por um passe de mágica, acrescentar esse item ao curriculum faz disparar o valor profissional do energúmeno, sem razões objectivas que o expliquem. Aliás, a lógica apontaria para que se passasse precisamente o contrário, já que, praticamente na sua totalidade, esses sujeitos não se notabilizaram propriamente pela competência. Por que acontece isto então? Deixo-o à imaginação dos leitores...
"Quanto à competência, cada um fará a avaliação que entender da maioria dos ministros que tivemos. Incluindo os casos referidos. E note-se que na maioria dos casos o currículo anterior à entrada num governo não chegaria sequer para ocupar um lugar de quadro intermédio nas empresas que acabam por dirigir.
A verdade é esta: em cargos governativos os ministros criam redes de contactos. Muitas delas alimentadas pelas decisões que tomaram e que lhes garantiram a simpatia de futuros empregadores. Fosse o contrário e dificilmente franqueariam as portas dos maiores grupos económicos.
O dinheiro que perdemos agora não será pago a quem nos rouba em reformas ou mordomias do Estado. Será pago com salários milionários em grupos empresariais privados para quem vende a nossa democracia em troca de carreiras interessantes. Os nomes destas pessoas interessam. Mas interessa mais saber o que torna isto possível." fonte

MAIS EX POLÍTICOS MILIONÁRIOS
  1. Pina Moura uma ascensão vergonhosa à vista de todos
  2. Ferreira do Amaral não esconde de ninguém a sua ponte para o dinheiro fácil
  3. Mota Engil/ Jorge Coelho a promiscuidade em todo o seu esplendor
  4. Deputados favorecem empresas privadas em milhões
  5. Video, corrupto é uma profissão de sucesso?
  6. Ex governantes com tachos de ouro na EDP. Os Geniais que faliram Portugal?
  7. 117 deputados dos 230, servem interesses no sector privado
  8. Porque são os ex governantes importantes nas empresas?
  9. Os salários estrondosos dos que arruínam Portugal.
  10. As empresas do PSI20 e os ex governantes poderosos
  11. O tráfico de influências não é segredo, nem crime
  12. Gráfico animado que mostra os boys influentes, e respectivos tachos
  13. Armando Vara nada o deteve
  14. Mário Soares o politico que sabe como parasitar o dinheiro do estado.
  15. Politico nunca fica pobre?
  16. Ser politico é passar a ser gestor TOP? 
  17. A gloria de ser corrupto
  18. Ser ex politico é passar a ter tachos sem fim
  19. Ser ex politico é dominar 62 cargos?
  20. Ganham melhor que nos EUA?
SER POLITICO TEM QUE TRAZER MUITAS VANTAGENS, E NÃO SÃO O SALÁRIO.
Os valores das imagens, em texto:
Top 15, indicando o cargo e a remuneração associada (quando conhecida) antes de passar pelo governo (AG) e depois de lá ter saído (DG).
-Pina Moura 1994 AG: cargo desconhecido. 21.814,00 E.2006 DG: deputado à AR, presidente do CA da Iberdrola Portugal, vogal do CA da Galp Energia. 697.338,00E (3.200 %).
-Jorge Coelho 1994 AG: economista, director da Carris. 41,233,00 E.2009 DG: vice-presidente e presidente da comissão-executiva da Mota-Engil. 702.758,00 E (1.700 %).
-Armando Vara 1994 AG: funcionário da CGD. 59.486,00 E (em conjunto com a mulher).2010 DG: administrador do BCP. 822.193,00 E (1.400 %).
-Dias Loureiro 1994 AG: (1o. ano como governante - Min. Administração Interna - por inexistência de dados anteriores). 65.010,00 E.2001 DG: administrador da SLN e administrador da Ericsson Espanha. 861.366,00 (1.325 %).
-Faria de Oliveira 1994 AG: (1o. ano como governante - Min. Comércio e Turismo - por inexistência de dados anteriores). 65.010,00 E.2007 DG: presidente da comissão-executiva da CGD em Espanha. 700.874,00 E (1.080 %).
-Fernando Gomes 1997 AG: presidente da Câmara Municipal do Porto. 47.901,00 E.2009 DG: administrador executivo da Galp Energia. 515.000,00 E (1.075 %).
-António Vitorino 1994 AG: assistente universitário e advogado. 36.089,00 E.2005 DG: deputado à AR e advogado. 383.153,00 E (1.060 %).
-Luís Parreirão 1996 AG: chefe de gabinete do Secretário de Estado da Administração Pública. 52.212,00 E.2009 DG: vogal do CA da Mota-Engil. 463.434,00 E (890 %).
-José Penedos 1994 AG: administrador da Hidrorumo. 112.947,00 E,2009 DG: presidente da REN e vogal do CA da Rede Eléctrica de Espanha. 728.635,00 E (645 %). 
-Mira Amaral 1994 AG: deputado à AR. 64.968,00 E.2001 DG: administrador do BPI. 414.294,00 E (640 %). 
-Castro Guerra 1995 AG: presidente do CD do CIEP. 43.658,00 E.2010 DG: presidente da Cimpor. 210.828,00 E (485 %)
-António Mexia 2003 AG: vice-presidente do CA e presidente da comissão executiva da Galp Energia. 680.360,00 E.2009 DG: presidente do CA execut. da EDP. 3.103.448,00 E (455 %).
-Ferreira do Amaral 1994 AG: deputado à AR. 64.968,00 E.2009 DG: administrador da Semapa. 278.258,00 E (430 %).
-Filipe Baptista 2004 AG: inspector-geral do Ambiente. 74.254,00 E.2010 DG: vogal da Administração da ANACOM. 192.282,00 E (260 %)
-Ascenso Simões 2004 AG: deputado à AR. 70.285,00 E.2010 DG: vogal do CA da ERSE. 122.102,00 E (175 %).(segundo dados publicados no Expresso Online em 13.out.11)

2 comentários :

  1. Depois de fazer jeitinhos a certos lobbys...
    .
    Eu não sou a favor da 'Democracia Directa' porque o cidadão comum, embora goste de acompanhar 'situações várias', no entanto, no seu dia a dia possui muitos afazeres... e... também gosta de ter o seu tempo livre...; explicando melhor, na minha opinião, o cidadão comum deve delegar aos políticos certas competências (vulgo 'Democracia Representativa')... todavia, no entanto, sem que isso signifique passar um cheque em branco aos políticos!
    .
    Explicando melhor:
    - os lobbys poderão negociar normalmente com os governos... só que... depois... a coisa terá que passar pelo 'crivo' do contribuinte: o Direito ao Veto de quem paga (vulgo contribuinte) - ver blog 'Fim-da-Cidadania-Infantil' (Democracia Semi-Directa).

    ResponderEliminar
  2. eles nao tem vergonha e quem se explode é o povo, pois bem! Tudo uma cambada de gatunos...
    Acorda Povo!!!!

    ResponderEliminar