27 setembro, 2011

POLITICA SERVE DE TRAMPOLIM PARA SUCESSO E IMPUNIDADE.


políticos cadastro publico privado
HÁ DÉCADAS, OS MESMOS DE SEMPRE.
Veja quantos funcionários se 
A melhor profissão de Portugal? Politico!!! Sem dúvida.
Os ministros após abandonarem os cargos, arranjam facilmente empregos/tachos, alguns até em áreas que tutelaram durante o período de governação.
E de facto são vários os ex-governantes que ocuparam ou ocupam altos cargos de empresas, tanto no sector público como no privado. 
Os currículos de ministros e secretários de Estado mostram que o Governo é um trampolim para uma carreira de sucesso.

Pires de Lima perde 750 mil euros por ano no Governo.  2013
O ex-presidente executivo da Unicer ganhou mais de 826 mil euros em 2012, sendo que actualmente como ministro da Economia, António Pires de Lima, vai perder, pelo menos, 750 mil euros por ano, face aos rendimentos que apresentou no ano passado. Receberá cerca de 5 mil euros por mês. fonte

Após ler a lista escabrosa que se segue e caso queira continuar esta viagem alucinante pelo reino dos tachos, incompetências e até crimes, siga este link e ainda este.

De políticos a gestores.
1- Manuel Pinho ainda a recuperar da sua demissão, recebeu uma chamada do empresário Joe Berardo, se Pinho quisesse teria emprego na Fundação.
Em Junho de 2010, Pinho viria a assumir a presidência de uma fundação, mas não a Berardo: a Arpad Szènes-Vieira da Silva.
Pinho, que chegou a ser apelidado de "ministro das Renováveis", começou em 2010 a dar aulas na School of International and Public Affairs (SIPA) da Universidade Columbia, uma instituição que recebeu da EDP (empresa aliada do Governo na defesa das energias renováveis) cerca de 3 milhões de euros. 

2 - Quem também encontrou emprego numa fundação, foi Maria de Lurdes Rodrigues (arguida por favorecer amigos com dinheiros públicos) - ex-ministra da Educação - que é desde 1 de Maio presidente da FLAD.

3 - O ex-ministro das Obras Públicas, Mário Lino, tornou-se presidente do Conselho Fiscal das companhias de seguros do grupo Caixa Geral de Depósitos. Lino é engenheiro civil, não tendo currículo na banca.

4 - O ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, António Mexia, terminou o mandato em 2005 e, no ano seguinte, foi escolhido para presidir a EDP. Antes de passar pelo governo, Mexia já contava com currículo na área, tendo ocupado cargos como CEO da Galp (durante quatro anos).

5 - O ministro da Economia de Durão Barroso, Carlos Tavares, volta a um cargo público 1 ano após o mandato: em 2005 tornou-se presidente da CMVM (Comissão de Mercado de Valores Imobiliários). Carlos Tavares - que estudou na mesma faculdade que o ministro Fernando Teixeira dos Santos e com quem manterá boas relações - foi nomeado já durante o Executivo de José Sócrates.

Da pasta das Finanças para cargos na banca são vários os exemplos:

6 - Luís Campos e Cunha, para o Banif em 2006,

7 - Guilherme d'Oliveira Martins, para o BPN Efisa em 2003,

8 - Miguel Cadilhe, para o BPA em 1990,

9 - Miguel Beleza, para o Banco de Portugal em 1991).

10 - Ferreira do Amaral negociou, enquanto ministro das Obras Públicas, a concessão da Ponte Vasco da Gama com a Lusoponte e, dez anos após sair do cargo (2005), tornou-se presidente da empresa. Foi também Ministro do Comércio e Turismo Governos, liderados por Aníbal Cavaco Silva) de 1990 a 1995. Foi ele o artíficie das auto-estradas portuguesas. Ficou conhecido pelo Ministro das Obras Públicas que entregou todas as pontes a jusante de Vila Franca de Xira à Lusoponte. Agora é Presidente da Lusoponte, com quem se tem de renegociar o contrato.

11 - Joaquim Pina Moura - cinco anos após tutelar a pasta da Economia - foi nomeado para presidir a empresa espanhola da área da energia, Iberdrola. O caso gerou críticas na opinião pública.
Em 2003, um ano depois de sair do governo, ainda só recebia 172 mil euros por ano. Mas, em 2006, já como presidente da Iberdrola (depois de ter a pasta da economia, onde tomou decisões fundamentais para as empresas de energia), os seus rendimentos anuais eram de 700 mil euros por ano. Em doze anos aumentaram 2956%.

12 - Jorge Coelho na Mota-Engil como CEO, sete anos após ter sido ministro do Equipamento Social. (O ministério que tratava dos negócios com as construtoras.)
Em 2009, já recebia 710 mil euros por ano, à frente da Mota-Engil. Jorge Coelho‘deu’ à Mota-Engil maiores negócios das SCUT e posteriormente tornou-se presidente executivo da Mota-Engil.
Renegociou contratos ruinosos para o estado, que estranhamente foram aceites pelo estado .No negócio de 2010 que passou de custos zero para prejuízos para o Estado de 1,42 mil milhões Euros por exigências (aceites) da Mota Engil.
"A não haver uma justificação muito clara e muito objectiva, eu diria que estamos perante um caso de polícia", avisou Marques Mendes. E as pessoas podem ser levadas a pensar que se está perante um caso de “promiscuidade ou de negociata pelo meio”.
Levantaram-se ainda suspeitas de haver " Num total de seis milhões de euros a quatro decisores políticos, que directa ou indirectamente estiveram relacionados com o concurso daquela SCUT."
Um percurso longo e acompanhado de perto pelos media, e compilado aqui, se quiser mais detalhes. Em 14 anos, o seu rendimento aumentou 1604%.

13 - FERNANDO GOMES, mais um comissário político do PS, recebeu em 2008, como administrador da GALP, mais de 4 milhões de euros de remunerações. Acresce a isto um PPR de 90.000 euros anuais

14 - CAVACO SILVA de Primeiro Ministro para o Banco de Portugal. MAS HÁ MUITO MAIS ...ASSISTA, AQUI AO PERCURSO DO PRESIDENTE DE UMA NAÇÃO FALIDA.

15 - José Silva Lopes fez parte dos 4 primeiros governos pós 25 de Abril sendo mesmo Ministro das Finanças e do Plano, do III governo. Em 1969 integra o Conselho de Administração da CGD, dirigindo simultaneamente o Gabinete de Estudos e Planeamento do Ministério das Finanças, até 1974. Em 1975 inicia novo percurso EM empresas públicas, Governador do BP, consultor do banco Lisboa e Açores e presidiu ao Conselho de Administração do Montepio Geral. É actualmente, aos 77 anos, vogal do Conselho de Administração da EDP Renováveis e deputado em Ourém.

16 - Fernando Nogueira Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro Cavaco Silva, dos Assuntos Parlamentares, da Presidência, da Justiça e da Defesa.
Entre 2006 e 2008 presidiu ao Conselho de Administração do Banco Milleniumbcp Angola. Desde 2008 é secretário-geral da Fundação Milleniumbcp.

17 - Oliveira e Costa de Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais de Cavaco Silva saiu do Governo, em 1991, foi representar Portugal no Banco Europeu de Investimentos. De novo em Portugal, em 1994, regressou ao sector privado, assumindo a presidência do Conselho de Administração do Finibanco. Em 1998 tornava-se presidente do Banco Português de Negócios, com investimento em diversos sectores de actividade, como a indústria dos cimentos e dos polímeros. Em 2008 seria detido por suspeitas de burla, fraude fiscal e branqueamento de capitais, no âmbito das alegadas irregularidades que levaram ao colapso e à estatização do BPN. Lista infinita onde deixou rasto.

18 - Rui Manchete exerceu funções governativas como ministro dos Assuntos Sociais do VI Governo Provisório (1975-1976), de ministro da Justiça e da Defesa Nacional e vice-primeiro-ministro do IX Governo Constitucional (1983-1985). Foi administrador do Banco de Portugal e Presidente do Conselho Superior do BPN; Presidente do Conselho Executivo da FLAD.
É consultor jurídico na firma de advogados PLMJ & Associados, em Lisboa.

19 - No governo de António Guterres, Armando Vara, foi secretário de Estado da Administração Interna, depois a secretário de Estado adjunto do ministro da Administração Interna.
Após a segunda vitória de Guterres, ficou com os pelouros da juventude, toxicodependência e comunicação social. Alegria efémera, porquanto, não tinha terminado o ano, teve de se demitir devido a alegadas irregularidades cometidas pela Fundação para a Prevenção e Segurança, que fundara em 1999.
Em 2004, antes de ter qualquer licenciatura, obteve um diploma de Pós-Graduação em Gestão Empresarial no ISCTE.
Mais tarde obteve o diploma de licenciatura no Curso de Relações Internacionais na Universidade Independente, (universidade que faz de políticos, doutores) três dias antes da sua nomeação para a Administração da Caixa Geral de Depósitos, cargo que deixou de exercer para assumir a vice-presidência do Banco Comercial Português.
De administrativo a administrador na CGD.
"Armando Vara foi promovido na Caixa Geral de Depósitos um mês e meio depois de ter saído dos quadros do banco público para assumir a vice-presidência do Banco Comercial Português."fonte
(Foi promovido no banco público ao escalão máximo de vencimento, o nível 18, o que terá reflexos muito benéficos para efeitos de reforma)
Vara recorreu ao director-geral do GEPI (Gabinete de Estudos e Planeamento de Instalações do Ministério da Administração Interna) e a engenheiros que dele dependiam para projectar a moradia que construiu perto de Montemor-o-Novo.
Em Outubro de 2009, Armando Vara foi constituído arguido no âmbito da operação Face Oculta, que
envolveu altos quadros de empresas com suspeitas dos crimes de corrupção, tráfico de influência, associação criminosa e falsificação de documentos, incluindo o administrador do BCP, Armando Vara. Seguiu-se, em Novembro do mesmo ano, a suspensão do seu mandato de vice-presidente do Millennium BCP.
Renunciou ao cargo e recebeu 260 mil euros de indemnização. Ainda assim, Vara recebeu 882.192 euros em 2010, ano em que não exerceu funções por ter estado suspenso devido ao facto de ter sido constituído arguido no processo Face Oculta.
Em Setembro de 2010 foi contratado como Presidente do Conselho de Administração da Camargo Corrêa África, tendo assim a seu cargo as actividades da empresa brasileira em Moçambique e Angola.
Em Fevereiro de 2011, o Ministério Público acusou Armando Vara de três crimes de tráfico de influência, no Face Oculta, que envolve mais 35 arguidos. Em 16 anos, os seus rendimentos aumentaram 1282%.

20 - Paulo Teixeira Pinto integrou o XII Governo Constitucional, primeiro como subsecretário, até 1992, depois secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, até 1995, acumulando essas funções com as de porta-voz do mesmo Governo.
Em 1995 retoma a sua vida profissional, como assessor jurídico do Banco Comercial Português. Posteriormente seria designado director-geral e secretário-geral do Conselho de Administração do BCP, ao qual presidirá, entre 2005 e 2007. Após 3 anos de serviço, saiu com 10 milhões de indemnização !!! e mais 35.000 EUR x 15 meses, vitalícios.
Foi ainda membro do Conselho Geral do Grupo Lena e consultor jurídico na Abreu Advogados.

21 - António Vitorino foi Vice-Primeiro-Ministro e Ministro da Defesa no XIII Governo Constitucional, mais tarde ingressou como Vice-Presidente da PT Internacional e posteriormente Presidente da Assembleia Geral do Santander Totta - (e ainda como comentador RTP)
Foi também presidente da Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva (2007-2009)

22 - Celeste Cardona: - Ocupou o cargo de Ministra da Justiça no XV Governo Constitucional e posterirmente teve cargo garantido na administração como Vogal do CA da CGD

23 - José Silveira Godinho: Antigo ministro da Administração interna de Cavaco Silva e Secretário de Estado das Finanças passou a Administrador do BES. Mais tarde ingressa no Banco de Portugal com um salário acumulado com pensão. Salário que ascende os 19,500 euros mensais e pensão de 139.550 euros anuais.

24 - João de Deus Pinheiro Foi secretário de Estado da Educação e Administração Escolar do VIII Governo, sucessivamente, ministro da Educação (1985), da Educação e Cultura e dos Negócios Estrangeiros, ao longo dos X, XI e XII Governos, respectivamente.
No âmbito empresarial integrou o Conselho de Administração da Galp Energia (2000-2005), da Lusotur (desde 2000), da Lusomundo(2003-2005) e do Grupo Panatlântica (desde 2007). Foi membro do Conselho Superior da Fundação Ilídio Pinho (2001-2007), administrador da Fundação Robert Schumann (2005-2009), presidente da Assembleia-Geral da World Monument Fund (desde 2005) e do Conselho Nacional da Indústria do Golfe (desde 2003).

25 - Elias da Costa: Foi Secretário de Estado das Finanças, tendo sido responsável por todo o processo de Privatização em Portugal entre Janeiro de 1990 e 1993, executando 48 operações no mercado de capitais relativas à privatização de 38 empresas de capital público (Banca, Seguros, Cimentos, Rodovia, Comunicação Social)
Foi também Secretário de Estado da Construção e Habitação.
Incorporou o BSNP em 1998, onde exerceu funções de Responsável pela Área de Wholesale do Grupo Totta.
Presidente do Conselho de Administração da Transgás, entre Dezembro de 1993 e Março de 1998
Administrador do Banco Santander Totta (era secretário de Estado das Finanças na altura das principais privatizações bancárias)
Actualmente responsável pela Área de Empresas do Banco Santander Totta.
26 - Dias Loureiro - Ministro dos governos Cavaquistas. Assuntos Parlamentares entre1987 e 1991, Administração Interna entre1991 e 1995.
Quando saiu do governo foi chamado a exercer funções na Plêiade, empresa de José Roquette, depois vendida à Sociedade Lusa de Negócios. SLN.
Foi administrador da SLN, proprietária do Banco Português de Negócios (BPN). Foi nomeado membro do Conselho de Estado, em 2006, pedindo para sair em Maio de 2009, na sequência do seu alegado envolvimento em negócios ilegais da SLN em Porto Rico e Marrocos
De acordo com a edição de 8 de junho de 2009, escapou à penhora, depois de os investigadores terem analisado detalhadamente o seu património. As conclusões desta análise mostraram que os imóveis estão registados em nome de familiares ou pertencem a empresas sediadas em paraísos fiscais. Além disso, as contas bancárias que o antigo braço direito de Oliveira Costa no BPN tem em seu nome possuam saldos médios que não ultrapassam os cinco mil euros. Muito prevenido.
Encontra-se actualmente, muito confortavelmente a viver em Cabo Verde. O resto da história.

27 - Percurso de Daniel Sanches. Magistrado do Ministério Público desde 1973, director adjunto da PJ entre 84 e 88. Passou ainda pela direcção do SEF entre 88 e 94, director do Serviço de Informações de Segurança. Em 2000 larga todos os cargos na administração pública para se tornar consultor e administrador de empresas no grupo Sociedade Lusa de Negócios (SLN), ao qual, a 23 de Fevereiro de 2003 - na qualidade de ministro da Administração Interna do Governo Santana Lopes e três dias depois de perder as eleições legislativas -, adjudica um contrato de 538,2 milhões de euros.
No grupo SLN foi administrador da Pleiade, presidente da Vsegur e secretário da assembleia geral do BPN.
Na altura em que Daniel Sanches adjudicou o SIRESP por 538,2 milhões à SLN, Dias Loureiro era administrador não executivo do grupo. A sua filha é presidente de uma das empresas do grupo, a Datacomp, que também faz parte do consórcio vencedor deste contrato milionário. Ambos foram constituídos arguidos no processo judicial arquivado em Março. fonte

28 - Mendes Ribeiro foi adjunto do ministro da Saúde entre 2001 e 2002 tendo a seu cargo a empresarialização dos hospitais. Foi presidente da Unidade de Missão Hospitais SA. Foi gestor no GPS, controverso, pois nesses anos, a empresa GPS que é do BPN fez grandes aquisições através de empréstimos concedidos pelo próprio banco, como a (IMI) e o British Hospital. E a preços muito superiores aos de mercado: "Duas ou três vezes o seu valor real" RUINOSO e ESTRANHO. A outra unidade do British, nas Torres de Lisboa, era participada quase na totalidade pelo GPS (92%) - Mendes Ribeiro acabou por sair do grupo em ruptura com Oliveira Costa, mas deixando-o numa situação ruinosa.
Actualmente foi este o homem escolhido pelo ministro da Saúde que tem como objectivo estudar os cortes no SNS.
Vai fazer alterações ao modelo de financiamento dos hospitais, designadamente através de mecanismos que "sejam incentivadores de geração de receita própria"
Quem irá ele entalar e quem irá ele favorecer? A saúde pública ou a privada.

29 - Valente de Oliveira, o social-democrata, é vogal da administração da Mota-Engil, onde entrou depois de protagonizar aquele que ficou conhecido como o caso ‘Grande Porto’. Esta SCUT, com 72,3 km e 537 milhões de investimento, acabou nas mãos da Mota-Engil, depois da Ferrovial ter ganho o concurso decidido por Ferro Rodrigues e ter sido desclassificada por questões processuais. No final, o Estado desembolsou 100 milhões de euros adicionais. A Mota tem tradição em contratar ex-ministros das Obras Públicas.
Jorge Coelho esteve com Valente de Oliveira no Governo e está com ele na Mota-Engil. Entretanto surgem indícios de luvas de 6 milhões para concessão da SCUT do Porto. Jorge Coelho, Luís Parreirão e Valente de Oliveira, responsáveis das Obras Públicas à época, estão hoje na empresa que beneficiou das concessões. A Mota-engil
Valente de Oliveira esteve em 1985, no Governo, com Cavaco Silva como PM, para ocupar o cargo de ministro do Planeamento e Administração do Território. Em abril de 2002, regressou ao Governo, desta feita liderado por Durão Barroso, para desempenhar o cargo de ministro das Obras Públicas e Transportes.

30 - Rui Pedro Soares foi na JS que conheceu Paulo Penedos, o advogado que acabou por ser seu assessor jurídico na PT. E com quem manteve as conversas telefónicas, alvo de escutas e que motivaram todo o mediatismo e o envolvimento no processo "face oculta"
Foram "apanhados", a falar sobre a compra da TVI pela PT, para servir o propósito de controlar a comunicação social. Sócrates garantiu sempre, nunca ter sabido da intenção da PT de adquirir a TVI, mas as escutas mostram o contrário.
Segundo o "Sol", é também na JS que conhece Marcos Perestrello (hoje secretário de Estado), que o leva para o grupo de apoio a José Sócrates. Trabalha no "site" da candidatura de Sócrates a secretário-geral do PS.
A sua ascensão acaba por se assemelhar à de Armando Vara, outro socialista de quem se fala no processo Face Oculta, e que passou de administrativo a administrador da CGD e, mais tarde, do BCP. Ambos estavam na empresa e, graças aos contactos partidários, "consolidaram" a sua posição.
De facto, em dois anos, Rui Pedro foi promovido inúmeras vezes. De "consultor do conselho de administração" passou a "administrador executivo da PT Compras", em 2005, depois, a "presidente do conselho de administração da PT Imobiliária", em 2006 e, por fim, a membro executivo do conselho de administração da empresa.
Recebe várias criticas entre elas a de Paulo Portas que criticou o facto de Rui Pedro Soares estar a "ganhar entre um e dois milhões de euros na PT, num lugar em que representava o Estado e sem ter currículo que justificasse esse salário."
Carlos Barbosa, antigo presidente da PT Meios, afirmou que Rui Pedro Soares teve uma “ascensão meteórica” na PT, algo que “não era normal” na empresa, sobretudo tratando-se de alguém sem “um passado de gestão” e sem “experiência profissional”.
 Ana Gomes, eurodeputada socialista, define-o assim:
'Eu não sei quem é esse tal Rui Pedro Soares, o boy sem Curriculum Vitae que aos 32 anos foi alçado a administrador-executivo da PT pelo Estado, a ganhar escandalosamente mais num ano do que o meu marido ganhou em toda a vida, ao longo de 40 anos como servidor do Estado nos mais altos escalões. Atrasado mental é de certeza(...)
Rui Pedro Soares, que renunciou à administração da PT, em Fevereiro de 2010 após a divulgação das escutas, recebeu de remuneração 1,212 milhões de euros, sendo 648,7 milhões de indemnização, mais  104,2 mil euros como remuneração fixa e 459,4 mil euros como prémio anual, referente ao exercício de 2009.
Foi também considerado o corruptor passivo porque tentou obter vantagens para um terceiro através do contrato com Figo. O terceiro é José Sócrates, que pelos vistos sabia de tudo. Rui Pedro Soares é constituido arguido. As provas que incriminam José Sócrates são consideradas nulas e são destruídas.
Ainda por apurar, fica o seu parentesco com a família Mário Soares.

Caso queira continuar esta viagem alucinante pelo reino dos tachos, marcados por incompetências e até crimes, siga este link mais este.




6 comentários :

  1. Paabéns pelo blog e concentração de informação importante. Quanto ao que me parece ser um apelo à abstenção, é uma ideia perigosa e contra-producente. Não votar é a melhor maneira de perpetuar o estado das coisas e entregar tudo de bandeja aos interesses do costume. É exactamente pelo VOTO que se pode alterar as coisas, votando em forças políticas que representam novas maneiras de pensar e estar na política (o PAN, por exemplo). Hoje em dia, não votar é uma vergonha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. TEMOS OS POLITICOS QUE MERECEMOS SOMOS NÓS QUE OS MOLDAMOS
      UM POVO QUE NÃO VOTA NEM SABE USAR O VOTO JAMAIS SERÁ REPRESENTADO, TEMIDO OU SEQUER RESPEITADO E JAMAIS SABOREARÁ AS VANTAGENS DA DEMOCRACIA...
      Em Portugal vence sempre a abstenção e a ignorância e os corruptos.
      O povo não sabe que o voto não serve apenas para votar a favor dos que mais se apoiam, serve também para votar contra os que mais roubam e mentem.
      O critério decisivo da democracia é a possibilidade de votar contra os partidos que há 40 anos destroem o país
      Karl Popper, sobre democracia, responsabilidade e liberdade.
      (…)
      Inicialmente, em Atenas, a democracia foi uma tentativa de não deixar chegar ao poder déspotas, ditadores, tiranos. Esse aspecto é essencial. Não se tratava, pois, de poder popular, mas de controlo popular. O critério decisivo da democracia é – e já era assim em Atenas – a possibilidade de votar contra pessoas, e não a possibilidade de votar a favor de pessoas.
      Foi o que se fez em Atenas com o ostracismo. (…)
      Desde o início que o problema da democracia foi o de encontrar uma via que não permitisse a
      ninguém tornar-se demasiado poderoso. E esse continua a ser o problema da democracia. (…)

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/09/o-criterio-decisivo-da-democracia-e.html#ixzz3qcV7Aoi8

      Eliminar
  2. Parece-me que neste oasis, precisamosde primeiro juntar todos estes mafiosos que nos roubam diariamente e de uma forma radical julga-los de forma arabe.

    Façam as listas, ponham os nomes e as moradas e vamos começar a encher os muros e os carros, apenas com a legenda "LADRAO",,,,,,

    As janelas, vamos distribuir panfletos nas empresas deles e principalmente vamos deixar de abastecer na GALP, vamos retirar o dinheiro da CGD.......

    Temos muito para fazer |

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande ideia... na Islândia resultou, era bom que em Portugal as pessoas tivessem coragem de fazer o mesmo.
      Aqui, neste link, as diferenças e a coragem dos islandeses, para além de vandalizarem as casas e carros dos criminosos ainda lhes atiravam com coisas nos restaurantes e na rua e chamavam-lhe nomes.
      http://apodrecetuga.blogspot.com/2011/10/islandia-foi-saqueada-como-portugal-mas.html

      Eliminar
    2. Boa noite,

      Sou o Óscar TI correntemente estou em Angola decidi mudar-me pq não quero pactuar com esses criminosos que desGovernam POORtugal.Sou seguidor atento do seu blog à mto tempo, considero-me um inconformado principalmente em relação ao BPN...
      APesar da haver muito por onde escolher no rol extenso de crimes destes indivíduos.
      Utilizo o facebook e tenho uma pagina na qual gostaria de expor os artigos aqui publicados pela Zita.
      A pagina é https://www.facebook.com/POORtugalmansos
      Gostaria de poder publicar os seus artigos na minha pagina com o seu aval e consentimento.

      Fico a aguardar uma resposta sua: oscar01rod@gmail.com

      Cump
      Óscar

      Eliminar
    3. Muito obrigado pelo elogio, e seja livre de divulgar o que quiser do blog. A minha intenção é mesmo essa e apenas essa, que todos saibam de forma acessível e resumida o porque de Portugal estar como está, para que todos saibam que isto está muito longe de ser uma democracia. Para que todos saibam os políticos que temos.

      Por isso é sempre bom que exista mais um a querer colaborar na denúncia.

      Eliminar