01 setembro, 2014

O BES e a cobertura do Banco de Portugal. Não há desculpas que convençam, crime é crime.


Miguel Cadilhe desmonta a desculpa do Banco de Portugal, de que as irregularidades quando camufladas, não são possíveis de ser detectadas... Desculpa esta utilizada para justificar a cegueira da
instituição reguladora perante a gigantesca calamidade que se desenrolava no BES e se desenrolou no BPN.
Por isso é aconselhável que os portugueses comecem a pensar noutra razão para que tenha sido possível ao BES e ao BPN, levar a cabo, todas as irregularidades que conhecemos e as que desconhecemos, a desculpa da camuflagem não pega. 
Quando nos bombardeiam com mentiras descaradas será certamente porque a verdade é algo tão abominável e condenável, que vale tudo para a ocultar!
Há crime e criminosos e há rabos presos de gente muito importante de todos os partidos com poder, por isso nenhum viola o pacto de segredo que protege a classe politica, aquela onde todos conseguem o acesso aos cofres públicos e à impunidade necessária, para nos roubar!
Não é credível que não haja ninguém na oposição ou no poder que não possua conhecimentos para revelar ou exigir a verdade sobre o BES, os nomes, os esquemas, o prejuízo para o país, os culpados pelo encobrimento, as falhas das entidades reguladoras e a extrema bondade da justiça. 

Pedro Sousa Carvalho realçou uma questão moral: o que acontecerá a Ricardo Salgado, depois de ter reconhecido que no BES e no GES houve irregularidades consideradas crime?
«Em Portugal temos o presidente do Banco Espírito Santo, Ricardo Salgado, dá uma entrevista a um jornal a dizer que no banco dele, e nas empresas do grupo dele, foram cometidas irregularidades, ou seja, esconderam 1,3 mil milhões de euros, ou seja, ele está a confessar que houve um crime no banco (...) e não acontece nada?! (...) Desde 2008, que o banco está a vender produtos aos seus clientes (...) com base em contas de empresas que estão falsificadas, e não acontece nada?!», questionou o jornalista. TVI

"Não dou o benefício da dúvida ao Banco de Portugal"Em entrevista ao "Diário Económico", o economista e antigo ministro das Finanças sublinha que a supervisão tinha obrigação de ter atuado mais cedo no BES.
Depois daqueles casos do BPP e sobretudo do BPN, que conheci por dentro, tendo a estrutura de supervisão falhado como falhou ao longo de anos, qual a razão para que o BdP nunca tenha mandado fazer, que eu saiba, um inquérito interno às causas das falhas?", questiona Cadilhe
"Chocadíssimo" com o colapso do BES, Miguel Cadilhe afirma que Portugal "sofre claramente de um mal, da falta de qualidade das instituições, públicas e privadas".
(...) o economista diz que a supervisão tinha obrigação de ter atuado mais cedo no Banco Espírito Santo e, pela informação que é pública, jamais deveria ter aprovado o aumento de capital.
Miguel Cadilhe não aceita a explicação do Banco de Portugal, segundo a qual há irregularidades que, se bem camufladas, dificilmente podem detetar-se a tempo. "Não há limites orçamentais à capacidade técnica de um banco central", acusa.
"Na supervisão, na inspeção, na fiscalização, tem que se ver se a estrutura está à altura da função.
"Se o fizeram (o inquérito), não foram consequentes. Ou então o inquérito foi inconclusivo. Se mandaram uma pessoa da própria estrutura fazer o inquérito, isso não é inquérito. Devia ter sido feito por pessoas independentes e externas. O BdP alguma vez terá feito uma auditoria assim aos seus serviços, depois de se comprovar que ao longo de anos falhou várias vezes? Esta é minha dúvida...", acrescenta Cadilhe economista que chegou a assumir a presidência do BPN até à sua nacionalização. Expresso

Não deixa de ser curioso... para além da PT que se arruinou para ajudar o BES, também temos esta noticia estranha. "A Goldman Sachs emprestou 635 milhões de euros ao Banco Espírito Santo em julho, um mês antes do BES ter sido dividido em dois pelo Banco de Portugal, mas já numa altura em que não conseguia obter crédito nos mercados financeiros."

COMISSÃO DE INQUÉRITO BPN - VÍTOR CONSTÂNCIO ACUSADO E EXPOSTO, NÃO RESTAM DÚVIDAS 


UM PASSADO BEM PRESENTE, QUE NÃO DEVÍAMOS ESCONDER OU ESQUECER
NO CASO BPN CADILHE DENUNCIOU: 
- Constâncio foi incompetente na supervisão e um entrave para a melhor solução. Cadilhe fala em fraude gigantesca (2012)
- "Miguel Cadilhe sustenta na entrevista concedida ao Diário de Notícias que o que se passou no BPN "é a maior, a mais continuada e a mais ostensiva fraude na banca portuguesa".
O antigo ministro, que durante cinco meses presidiu ao banco, afirma que a opção de Sócrates pela nacionalização foi apenas política (não se preocupou com o interesse nacional mas com o interesse dos políticos). Cadilhe continua a defender o seu plano para um banco com capitais mistos como a melhor opção e a menos onerosa para o país.
Cadilhe deixa ainda críticas a Vítor Constâncio, afirmando que o papel do ex-governador do Banco de Portugal foi uma lástima. Constâncio, afirma, foi sempre um entrave para uma solução.
Para Cadilhe, o caso só chegou onde chegou porque "externamente o Banco de Portugal falhou ano após ano" e porque uma manta de silêncio cobria de um lado pessoas como Oliveira e Costa ou Dias Loureiro e do outro as hostes de Vítor Constâncio. Constâncio foi "uma lástima, um permanente entrave com aquele estilo dubitativo que se lhe conhece"
Diz que dele esperava um papel sincero e de apoio, mas que, ao contrário, Constâncio regateou a liquidez, impôs um mecanismo gota a gota, mesquinho e aflitivo e asfixiou o BPN: “alegou a emergente crise internacional e tirou-nos o tapete".
Três anos depois insiste que a salvação do BPN passava por uma solução mista com capitais públicos e privados, opção rejeitada pelo Governo Sócrates, que não concedeu apoio de liquidez e optou por uma solução mais onerosa. Tomando uma decisão que, diz Cadilhe, foi só política e nunca económica.
E Cadilhe questiona: "Teixeira dos Santos e Sócrates escolheram politicamente contra nós. Porquê? Por que não impediram certas entidades públicas de retirar grandes depósitos do BPN privado? Por que declararam que a nacionalização era grátis para os contribuintes?”. RTP

A IMPUNIDADE E AS MENTIRAS 
"A Procuradoria-Geral da República tinha talvez o dever de averiguar porque é que a instituição falhou assim tão visivelmente, tão flagrantemente, e com consequências sérias para as finanças públicas, para a credibilidade do sistema financeiro”.
“O que nós assistimos é que, internamente no Banco de Portugal, se se apurou alguma coisa, não houve consequências”, refere.
Miguel Cadilhe conclui com ironia que “Há qualquer coisa que não está bem na República de Portugal, não é?
Teixeira dos Santos e Constâncio "enganaram" portugueses ao justificar nacionalização
"O ministro das Finanças e o Governador [do BdP] enganaram o país a 2 de Novembro de 2008 quando, em conferência de imprensa, argumentaram com o risco sistémico” ao tempo da nacionalização, disse no Parlamento o presidente do BPN.
Para Miguel Cadilhe, estes dois responsáveis não podiam ter invocado o argumento de que o BPN poderia provocar o colapso do sistema financeiro português quando o banco tinha uma quota de mercado de apenas 2%. "O risco sistémico é uma das partes mais infelizes do argumentário da nacionalização", sublinhou. TVI
Criticou também a venda em saldo do BPN ao BIC principalmente com as condições do contrato que foram oferecidas. Expresso
-- Conheça alguns dos vergonhosos contornos do contrato ruinoso assinado na venda do BPN, por Maria Luís Albuquerque, ainda no governo de Sócrates. Neste link a compilação.

AS MENTIRAS DO GOVERNO PS SERVIAM PARA ENCOBRIR QUAL VERDADE?
UMA AUDITORIA DESCOBRIU EM 6 HORAS O QUE O BDP NÃO DESCOBRIU EM ANOS?  


OUTRA DAS DESCULPAS DE VÍTOR CONSTÂNCIO PARA A CEGUEIRA NO CASO BPN, FOI QUE NINGUÉM PODERIA IMAGINAR QUE OLIVEIRA E COSTA FOSSE CAPAZ DO QUE FEZ, NESTE VIDEO AS PROVAS DE QUE A ATITUDE DE OLIVEIRA E COSTA JÁ VINHA DE LONGE.



E QUANTO A RICARDO SALGADO? TAMBÉM NINGUÉM PODERIA IMAGINAR? 
UM BANCO COMO O BES, QUE ESTEVE ENVOLVIDO EM VÁRIOS ESCÂNDALOS DE CORRUPÇÃO? UM GRUPO QUE É DOS MAIORES BENEFICIÁRIOS DOS CONTRATOS CRIMINOSOS DAS PPP? UM GRUPO QUE ESTEVE ENVOLVIDO NO ESCÂNDALO DOS SUBMARINOS, DOS SOBREIROS, NO ESCÂNDALO DA PRIVATIZAÇÃO DA EDP? UM BANCO CONHECIDO PUBLICAMENTE COMO O BANCO DO SISTEMA? 
QUE MAIS DESCULPAS ESTÚPIDAS PODERÃO INVENTAR? SEREMOS UM POVO ASSIM TÃO BURRO E INDIGNO DE RESPEITO, QUE NEM MERECEMOS A VERDADE OU UMA DESCULPA COM PÉS E CABEÇA? 

O BES O BANCO DO SISTEMA, A SAGA CONTINUA
  1. As escutas do BES e do CDS (video)
  2. 20 milhões, por assessoria do BES.
  3. BES e os submarinos do Portas
  4. Lusófona e o BES
  5. BES e as grandes obras da Policia Judiciária
  6. Paulo Morais denuncia
  7. As SCUT´s e o BES
  8. O BES e Almerindo Marques
  9. O BES, o Mensalão e o Relvas
  10. BES e a privatização da EDP
  11. BES os juros e as PPP
  12. Manuel Pinho e o BES
  13. O BES e o desfalque nos CTT
  14. O BES na comissão que negoceia com a troika?
  15. O CDS e o depósito de 1 milhão no BES
  16. BES beneficia das PPP de Sócrates.
  17. O BES no Banco de Portugal
  18. As conquistas do BES.
  19. BES e o caso Portucale
  20. PS amigo das PPP´s e do BES
  21. O BES albergue de políticos 
  22. BES acusado de roubar empresa
  23. Gomes Ferreira explica como a Banca manda
  24. Os homens políticos do BES
  25. A vigarice do BES, por CFA
  26. Prender os que enganaram o estado nas PPP
  27. Fisco aliado do BES, contra o cidadão?
  28. Ricardo Salgado, o destemido, limpa o BES
  29. BES & CML uma parceria conveniente? Perguntem ao António Costa




8 comentários :

  1. Olá Zita!

    Tem calma Zita que o espectáculo do CIRCO BES ainda agora começou! Aquilo dos +- 5.000 milhões de euros foram apenas o aperitivo!

    TUGA adora pagar isto tudo...
    Não querem ser RESPONSÁVEIS e como tal... Continuam!

    Com MANADA assim não há pasto que resista!

    Bjs
    VOZ a 0 db

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Miguel Mattos Chaves
      o caso da PORTUGAL TELECOM - Breve comentário
      ...
      Meus amigos,
      1) uma decisão de empréstimo ao GES desse montante (900 milhões de euros - equivalente a 50% do Capital Social da PT) nunca podia ter sido tomada por uma só pessoa, mesmo que CEO ou Chairman, em nenhuma empresa do Mundo;
      ..
      2) em todas as empresas, minimamente bem geridas, uma decisão desse montante teria de ser tomada em Conselho de Administração com aprovação por maioria dos seus membros;
      ..
      3) daqui resulta a profunda mentira que tem a vindo a público procurando um “bode expiatório” (depois de devidamente “compensado”) para desviar as atenções da empresa;
      ..
      4) com esta encenação se pretendia: - tentar manter o “valor” em bolsa da empresa;
      - tentar evitar a tomada de posição grave por parte dos reguladores brasileiros;
      - tentar “absolver” o Zainal Bava e os outros administradores;
      ...
      5) Se não estivessem em causa as infra-estruturas de comunicações, pagas por TODOS nós, e construídas desde os anos de 1940 e sucessivamente melhoradas a partir daí;
      Seria para rir tudo isto, dado tratar-se de uma empresa privada.
      ...
      6) MAS … acontece que estão em causa as tais infra-estruturas abusivamente passadas para particulares, pois foram pagas por todos nós ao longo dos anos.
      ...
      7) Assim … não vejo a solução deste imbróglio, pois está na esfera da iniciativa privada e não havendo queixas judiciais de privados, tudo permanecerá por aí.
      ...
      É esta a minha reflexão sobre este caso, depois de todas as "cortinas de fumo" se terem dissipado.
      ..
      Melhores cumprimentos

      Eliminar
  2. O Admirável Banco Novo03 setembro, 2014 00:30

    Dinato: Que escreverei, companheiro?
    Belzebu: Que Ninguém busca consciência.
    e Todo o Mundo dinheiro.

    Auto da Lusitânia, de Gil Vicente

    https://www.youtube.com/watch?v=Vv_989iN83I&feature=youtu.be
    ( "O Banqueiro" poema de Craig-James Moncur, dito por Mike Daviot.)

    The Banker
    Craig-James Moncur

    My name is Montague William the III
    And what I will tell you may well sound absurd
    But the less who believe it, the better for me
    For you see ... I'm in banking and big industry

    For many a year we have controlled your lives
    While you all just struggle and suffer and strive
    We created the things that you don't really need
    Your, your sports cars, and fashions, and plasma TV's

    I remember it clearly how all this begun
    Family secrets from father to son
    Inherited knowledge that gives me the edge
    While you peasants people lie sleeping at night in your beds

    We control the money that controls your lives
    Whilst you worship false idols and wouldn't think twice
    About selling you souls for a place in the sun
    These things that won't matter when your time is done

    But as long as they're there to control the masses
    I just sit back and consider my assets
    Safe in the knowledge that I have it all
    While you common people are losing your jobs

    You see ... I just told you in utter contempt
    But the smile on my face well it makes me exempt
    For I have the weapon of global TV
    Which gives us connection and invites empathy

    You would really believe that we look out for you
    While we bankers and brokers are only a few
    But if you saw that you'd take back the power
    Hence, daily terrors to make you all cower

    The panics, the crashes, the wars, and the illness
    That keep you from finding your spiritual wholeness
    We rig the game, and we buy-out both sides
    To keep you enslaved in your pitiful lives

    So, go out and work as you body clock fades
    And when it's all over a few years from the grave
    You'll look back on all this and just then you'll see
    That your life was nothing ... a mere fantasy

    There are very few things that we don't now control
    To have lawyers and police force was always a goal
    Doing our bidding while you march on the street
    But, they never realized that they're only just sheep

    For real power resides in the hands of a few
    You voted for parties, what more could you do?
    But what you don't know is they're one and the same
    Old Gordon has passed good Ole David the reins

    And you'll follow the leader who was put there by you
    But your blood it runs red while our blood runs blue
    But you simply don't see it's all part of the game
    Another distraction like money and fame

    Get ready for wars in the name of the free
    Vaccinations for illness that will never be
    Assault on you children's impressionable minds
    And a micro-chipped world you'll put-up no fight

    Information suppression will keep you in toe
    Depopulation of peasants was always our goal
    But eugenics was not what we hoped it would be
    Oh yes, it was us that funded NAZI's

    But as long as we own all the media too
    What's really happening does not concern you
    So just go on watching your plasma TV
    And the world will be run by the one's you can't see

    No vídeo, o actor Mike Daviot está a ler o livro "brave new world revisited - o regresso ao admirável mundo novo" de Aldous Huxley

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. https://www.youtube.com/watch?v=Gix8m0xM_BY

      Eliminar
  3. "Quem sabe, sabe e o BES sabe"04 setembro, 2014 02:00

    «A família Espírito Santo foi a principal financiadora da campanha de Cavaco Silva à Presidência da República em 2006, tendo doado 152 mil euros. Só Ricardo Salgado contribuiu com 22.482 euros, o máximo que a lei permitia, indica o Diário de Notícias.

    Que Cavaco Silva e a família Espírito Santo mantinham uma relação próxima já se sabia. Pelo menos, desde que o Expresso deu conta de um jantar do Presidente da República na casa de Ricardo Salgado, em 2004. Mas só recentemente foram conhecidas as contas relativas às campanhas presidenciais de 2006, reforçando o vínculo entre o ainda chefe de Estado e o então responsável pelo BES.» [Notícias ao Minuto]

    "O caso do BES é o exemplo paradigmático da promiscuidade entre a política e os interesses especulativos e corruptos da dita finança/banca.
    Esta gentinha do BES começou no séc. XIX com o negócio do jogo ilegal, imaginem....depois ganhou capacidade financeira e comprou polícias e políticos para fecharem os olhos....com a legalização do jogo em exclusivo para a Santa Casa, exigiram um alvará para câmbios e empréstimos....Banca . Foi-lhes concedido, evidentemente, tinham o poder público nas mãos. A seguir, passaram pela I República, subornando , por meio século do fascismo, em conivência completa com o regime, sendo o paizinho do ainda actual corrupto representante do partido nazi em Portugal e não se inibindo de fazer a respectiva saudação mesmo na presença de Salazar, que não apreciava propriamente, mas os corruptos e corruptores estavam convencidos que sim.

    Na III República, com o 25A houve oportunidade de acabar com essa escumalha do BES, perdeu-se a oportunidade e aí estão eles a continuar a corromper o regime, agora dito democrático, chegando-se ao ponto de este regime elaborar leis para que a criatura não vá presa por fraude e branqueamento de capitais e fuga aos impostos....pois esqueceu-se....de declarar....
    Estamos na presença de autênticos gigolos e prostitutas do regime que convivem voluntariamente em recíproco e ilegítimo benefício....retirando dinheiro da economia e da redistribuição!
    Trata-se de uma autêntica praga infiltrada em todos os governos em Portugal, desde pelo menos há dois séculos." JV

    ResponderEliminar
  4. "Quem sabe, sabe e o BES sabe"04 setembro, 2014 02:01

    "Era uma vez um grande grupo financeiro português. Este grupo cresceu a bom ritmo ao longo dos anos 1990 e 2000 graças à livre circulação de capitais permitida pela UE e a uma moeda única que garantia taxas de juro baixas nos mercados financeiros internacionais. O modelo de negócio era simples, pedia-se emprestado no estrangeiro e emprestava-se em Portugal às famílias para comprarem casa e aos construtores para as construírem. O Estado, por seu lado, patrocinava este modelo de provisão de habitação com benefícios fiscais e juros bonificados. O grupo e o seu banco cresceram e dedicaram-se a investir em sectores protegidos da implacável concorrência internacional imposta pela moeda única: saúde, turismo, estradas, telecomunicações, etc. Mais uma vez, tal não seria possível sem o apoio do Estado, seja na forma de privatizações, seja nos pagamentos indirectos em sectores como o da saúde.

    Entretanto, com uma economia estagnada desde a adesão ao euro em 2001, o grupo parecia limitado na sua acumulação. Por outro lado, as oportunidades de financiamento barato tinham-se avolumado numa zona euro encharcada por liquidez. Foi irresistível. Endividarem-se para investir nas mais diversas áreas (do gado à pesquisa geofísica) um pouco por todo o mundo. Portugal convertia-se numa excelente plataforma de endividamento externo barato, através da qual o capital era canalizado para países como Moçambique ou o Paraguai. A engenharia financeira permitia que o endividamento fosse ficando por cá, enquanto os lucros passeavam mundo fora.

    Chegou a crise financeira internacional e os investimentos começaram a correr mal. Sabemos muito pouco do que se passou aqui. O que sabemos é que a situação económica em Portugal penalizava a jóia da coroa, o banco, agora com prejuízos. Sem lucros e com uma enorme dívida para refinanciar, as empresas do grupo começaram a pedir emprestado ao banco e a emitir títulos de dívida através dos balcões deste desde, pelo menos, 2011. Esta era dívida de curtíssimo prazo e a taxas de juro razoavelmente elevadas. Conclusão, o grupo foi conseguindo empurrar com a barriga os seus problemas financeiros sem que ninguém se desse conta ao mesmo tempo que a sua situação se agravava. O Banco de Portugal, mais preocupado com os elevados salários portugueses, e o BCE, que chegou a financiar o banco em mais de 10 mil milhões de Euros, fecharam os olhos ao risco acumulado.

    Finalmente, uma guerra familiar num outro grupo industrial do papel e do cimento contagiou este grupo financeiro. Zangaram-se as comadres e descobriram-se as verdades." - A

    ResponderEliminar
  5. Estas falências fraudulentas em cadeia são planeadas ao pormenor pela elite politica/financeira/empresarial. É a gestão vocacionada para o fiasco, onde se desviam milhões do erário publico para bolsos privados e soldi sporchi através de esquemas já empiricamente testados de engª financeira. É o que verifica em todos os países. Portt, o objectivo era fazer desaparecer biliões de euros de forma legal, foi realizado, depois é só acertar a data pública da bancarrota. Tudo se compra e tudo se vende...o dinheiro fala sempre mais alto em todo o planeta, um bom exemplo "il divo". Os esquemas de poder são idênticos em todo o mundo, a avidez humana é insaciável, o seu amor ao luxo, ao poder, a vaidade...Para mim a conjuntura económica, BCE, ETC...é a fachada pública para justificar o injustificável!, todas as entidades são criadas com um único fito: sacar e lavar o máximo de soldi ...

    ResponderEliminar
  6. Miguel Mattos Chaves
    o caso da PORTUGAL TELECOM - Breve comentário
    ...
    Meus amigos,
    1) uma decisão de empréstimo ao GES desse montante (900 milhões de euros - equivalente a 50% do Capital Social da PT) nunca podia ter sido tomada por uma só pessoa, mesmo que CEO ou Chairman, em nenhuma empresa do Mundo;
    ..
    2) em todas as empresas, minimamente bem geridas, uma decisão desse montante teria de ser tomada em Conselho de Administração com aprovação por maioria dos seus membros;
    ..
    3) daqui resulta a profunda mentira que tem a vindo a público procurando um “bode expiatório” (depois de devidamente “compensado”) para desviar as atenções da empresa;
    ..
    4) com esta encenação se pretendia: - tentar manter o “valor” em bolsa da empresa;
    - tentar evitar a tomada de posição grave por parte dos reguladores brasileiros;
    - tentar “absolver” o Zainal Bava e os outros administradores;
    ...
    5) Se não estivessem em causa as infra-estruturas de comunicações, pagas por TODOS nós, e construídas desde os anos de 1940 e sucessivamente melhoradas a partir daí;
    Seria para rir tudo isto, dado tratar-se de uma empresa privada.
    ...
    6) MAS … acontece que estão em causa as tais infra-estruturas abusivamente passadas para particulares, pois foram pagas por todos nós ao longo dos anos.
    ...
    7) Assim … não vejo a solução deste imbróglio, pois está na esfera da iniciativa privada e não havendo queixas judiciais de privados, tudo permanecerá por aí.
    ...
    É esta a minha reflexão sobre este caso, depois de todas as "cortinas de fumo" se terem dissipado.
    ..
    Melhores cumprimentos

    ResponderEliminar