27 junho, 2013

Novo chefe da Maçonaria era presidente da SLN e agora da Galilei.


A Maçonaria está cada vez mais activa em Portugal, e respeitada?
"Fernando Lima eleito grão-mestre do GOL na ‘maior votação de sempre’ O novo grão-mestre vai fazer «um bom lugar» e introduzir «um sopro de renovação», disse António Reis sobre a eleição de Fernando Lima para a liderança da Maçonaria portuguesa.
«Estou muito satisfeito pelos resultados, ganhou com grande vantagem o candidato que apoiei, o Dr. Fernando Lima, com 57 por cento dos votos. Uma vitória à primeira volta e uma grande participação dos mestres maçons. Votaram mais de mil, foi talvez a maior participação de sempre», sublinhou António Reis em declarações por telefone à Lusa.
O historiador e militante socialista, responsável máximo do GOL nos últimos seis anos, afirmou estar convencido das capacidades do candidato que apoiou.
(...)«A Maçonaria é hoje mais conhecida, venceram-se muitos preconceitos que ainda existiam em muitos sectores da opinião pública em relação à Maçonaria. Creio que hoje há uma imagem muito positiva da Maçonaria e do GOL, em especial no nosso país."  Lusa / SOL

As últimas frases só podem ser uma piada? A maçonaria tem uma imagem muito positiva? Deve ser a gozar com os portugueses, a lata deles é suficiente para tanto. 
Não esquecer que Fernando Lima, foi presidente da Sociedade Lusa de Negócios e é actual presidente da nova SLN, com cara lavadaa Galilei.
Apesar das dividas desta empresa, ao estado português e aos portugueses.
Apesar de se denunciar a Galilei como sendo a empresa que era a antiga SLN, para onde foram desviados os muitos mil milhões de euros do BPN...
Apesar de todos os crimes que são imputados à SLN e ao BPN, todos os envolvidos e as suas empresas continuam a beneficiar da bondade do estado e dos governos, sendo bafejados com negócios de milhões, alguns deles pagos pelo estado.

"A Galilei é agora presidida pelo advogado Fernando Lima, que já esteve à frente da Mota & Engil e da Abrantina, e que é Grão-Mestre da Maçonaria desde 2011, tendo sucedido ao socialista António Reis.
Galilei é uma empresa que, apesar de ter uma dívida milionária com a Parvalorem – a empresa estatal criada pelo Ministério das Finanças depois da nacionalização do BPN para gerir os ativos tóxicos do bancoestá a fazer prósperos negócios em diversas áreas, principalmente empreendimentos imobiliários e saúde.
Dívida de 1.321 milhões
De acordo com o que apuraram os jornalistas Pedro Coelho e Luís Pinto, na famosa série de reportagens da SIC sobre o caso BPN, a Galilei tem uma dívida com a Parvalorem de 1.321.107.782,26 euros. (...)
Ou seja: em vez de tentar recuperar uma parte do que foi roubado, o Estado, através da Parvalorem, fez uma reestruturação aparentemente muito benéfica para os acionistas da Galilei. Por que não confiscou as fortunas dos seus acionistas? Por que não expropriou ativos da Galilei?
A verdade é que entre os acionistas da Galilei estão boa parte das figuras da SLN. Oliveira e Costa, que era o presidente do Conselho de Administração, agora é o 2º maior acionista; Almiro Silva, que era membro do Conselho Superior da SLN, é o 3º maior acionista da Galilei, Joaquim Coimbra era também do Conselho Superior da SLN, e agora é o 8º maior acionista da Galilei. Na lista figuram também António Cavaco e Manuel Eugénio Neves dos Santos, Fernando Lima.
Negócios lucrativos
Mas que negócios tem a empresa?
A Galilei Imobiliária prepara o lançamento de um condomínio de luxo em Alcântara, Lisboa, com projeto do arquiteto Souto Moura, 32 apartamentos construídos com materiais de luxo; construiu o Boavista Prime Office, no Porto, junto à Casa da Música, com 25 espaços para serviços e oito comerciais, que já foi totalmente vendido; também no Porto, outro condomínio de luxo com 12 apartamentos; e a joia da coroa, o Monte da Quinta Resort, a ser lançado no Algarve, Quinta do Lago, com 132 suites e 178 moradias.
A Galilei Saúde tem o British Hospital, a IMI – Imagens Médicas Integradas, a Microcular.
A Galilei Capital, que detém uma fábrica de castanha em Bragança, uma empresa de software em Lisboa, a Datacomp, outra de cenografia virtual, a VANTeC, e dois hotéis. E a Galilei Internacional, com negócios de petróleo em Angola e construção no mesmo país – dois condomínios, um no Lobito e outro em Luanda, e uma fábrica de cimento.
O universo de negócios, para uma empresa que nasceu na holding falida SLN, é impressionante. Quanto ao BPN, foi o causador de um buraco de pelo menos 4 mil milhões e que pode chegar nos próximos anos a 7 mil milhões e será pago pelo dinheiro dos contribuintes. O BPN foi vendido por 30 milhões de euros". fonte

Maçonaria no blog 

  1. Património ultrapassa os 30 milhões!!
  2. Confissões de tráfico de influências 
  3. Vantagens da maçonaria, elites superiores?
  4. Nova loja
  5. Emidio Rangel 
  6. O governo e a maçonaria   
  7. Decorações maçonicas
  8. Universidade maçónica Lusófona 
  9. Relvas

7 comentários :

  1. Todos temos família.
    Todos entendemos que, por vezes, quando os nossos familiares mais próximos trilham caminhos que reprovamos mas, não sentimos estar na nossa mão (entenda-se na nossa cultura) coarctar, denunciar e, muito menos, punir, limitamo-nos a argumentar em sentido diverso e afastarmo-nos desses familiares, ainda que seja a chefia da família o alvo principal da nossa crítica.

    A Maçonaria tem, ao longo de 4.000 anos, juntado nomes extraordinários da História da Humanidade
    (alguns em http://www.solbrilhando.com.br/Sociedade/Maconaria/Macons_Famosos_por_Categoria.htm)

    Porém, actualmente e nomeadamente em Portugal, são demasiados os maçons que terão perdido a sua dimensão histórica, os seus deveres de pessoas de bons costumes e o seu comprometimento com os ideais de igualdade e fraternidade aos quais devem solidariedade.

    Tal como nos partidos políticos, os grandes interesses colocam os seus peões, financeiramente bem apoiados, no interior dessas organizações (ou compram quem já lá se encontra bem posicionado) e conquistam facilmente as suas lideranças, a candidatos que, por serem honestos são invariavelmente mais pobres, matando o sentido histórico dessas organizações.

    Depois, são fáceis os negócios entre esses interesses e o estado, com pleno ataque aos impostos dos cidadãos, como acontece neste momento.

    Tal tem conduzido ao abandono regular dessas instituições, de quem sente os seus ideais manietados, os seus desejos de um mundo melhor traídos, a sua esperança na luta pelos grandes ideais secundarizada e muitas vezes, contestada com argumentos ocos, porém sonantes à ignorância de quem vive afastado da política.

    Recordo, como triste exemplo, quando Guterres - que não é maçon - tentou, pela primeira vez, levantar o criminoso sigilo bancário quem, chefiando a bancada do PSD, vociferava contra tal? Domingos Duarte Lima !!!

    Homens como Medina Carreira, Marinho Pinto ou Paulo Morais, representam núcleos (movimentos) de futuras células (partidos) que um dia possibilitarão a nós, que nos sentimos roubados, um voto de verdadeira mudança ao oligopólio CDS-PSD-PS que, há quase 40 anos, conduz este país no caminho do caos.

    Mas a História ensina que este processo é moroso e tem fronteiras violentas...




    ResponderEliminar
  2. Tendo em conta os mal intencionados poderes que atualmente estas organizações albergam, temo que estes 3 integros e corajosos homens possam num futuro próximo estar em perigo. Mas, se assim fôr, outros surgirão para continuar essa batalha.O mundo está saturado!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os inqualificáveis seres humanos que gozam as prebendas do poder à custa do sacrifício de elementares direitos dos seus compatriotas, estão longe de serem burros.
      Eles sabem que se um só deles, sofrer qualquer beliscadura, origina-se um movimento de solidariedade nacional com grande expressão na rua, na Europa e onde mais temem: no voto do eleitorado.
      Por isto, estou convencido que até, discretamente, os protegerão.

      Eliminar
  3. Deixemo-nos de comentários balofos. Esta situação de assalto aos dinheiros públicos tem uma resolução simples, pois na simplicidade é que está a beleza: Sou filho de agricultor e como tal sei como o antigo e pobre agricultor português combatia as pragas que assolava as suas culturas. As ervas daninhas eram erradicadas com simplicidade,sem necessidades de grandes e dispendiosas químicas: Eram arrancadas...secas ao sol e, após, queimadas...!!!... Simples. não?...!!!... E as ervas daninhas nunca mais voltavam...!!!...!!!

    ResponderEliminar
  4. NÃO VOTEM ! Que incompetentes corruptos são todos! E, enquanto votarem alimentam a maquina que NÃO-FUNCIONA !

    ResponderEliminar
  5. Ao não votar dão-se votos ao q ganha e mesmo q alguns n votem outros idiotas o farão e os vampiros q é o q são estão-se nas tintas se você vota ou não. Mas é o eixo cds-psd-ps q tem governado mal e porcamente há décadas portanto há q dividir p reinar. Votem nos outros de esquerda e dispersem os votos. O ideal seria trazer políticos de países nórdicos p cá e tb os tribunais deles, mas como INFELIZMENTE não é possível fico-me pelos de esquerda q n digo q são uns anjos mas n acredito q se fossem eles a ganhar tivessem lambido o cú e tudo à M como este faz, e q fossem por este caminho q esta criatura tem levado e tb o presidente da nação tem muitíssima culpa no cartório mas houve burros q têm memória curta e foram logo votar em alguém q já tinha dado provas de total incompetência e corrupção, e laxismo portanto houve muitos burros q votaram em 2 q nunca deveriam sequer ser presidentes de junta quanto mais o q são. Tb concordo com a erradicação das ervas daninhas de uma vez por todas. Estaca no peito aos vampiros e ainda vão com sorte. Revolução no país p pormos os parasitas fora e debaixo de terra.

    ResponderEliminar
  6. Dado que só votos em partidos entram nas contagens, o que penaliza um partido, não é a abstenção ou votos brancos/nulos, é votar noutro partido - porque se não votarmos, não estamos a negar o voto a ninguém. Estamos apenas a deixar que as decisões se concentrem num conjunto mais restrito do eleitorado, uma minoria - que inclui sempre as clientelas dos partidos e os clubistas acríticos.
    Temos também de esquecer o hábito da idolatria onde os maiores partidos são instituições que muitos acreditam que se devem preservar ao longo do tempo, independentemente do seu desempenho: com as regras actuais, temos sim de mostrar aos partidos que são descartáveis e têm de se esforçar para obter o apoio do eleitorado, caso contrário serão descartados.
    Convém compreender que, quanto mais fraca é a influência/vigilância do eleitorado sobre os deputados e governantes, mais forte é a influência de outras "forças" . Nunca há vazios de poder. O escrutínio dos portugueses foi sendo neutralizado devido ao aumento constante da abstenção, ao que temos que somar os votos brancos e nulos, é uma falha muito grave dos eleitores, na vigilância dos partidos que culmina no aumento da corrupção. Como os partidos não temem a critica nem a censura da maioria dos eleitores, porque esses não usam o voto válido, são os grupos de interesse que estão representados no parlamento, não os eleitores.

    Não me convencem as vossas desculpas de que se abstiveram para protestar caladinhos em casa ou que vos é realmente indiferente quem são os legisladores que vos representam. Se não encontraram diferenças é porque não se deram ao trabalho de as procurar. Mas também não vou invocar deveres abstractos de civismo e democracia para censurar a vossa preguiça. O meu problema convosco é mais concreto.
    No entanto, a democracia só funciona se cada um tentar perceber os problemas, estudar as propostas, pensar nas consequências, escolher as opções que prefere e der o seu parecer.
    Dá trabalho, demora tempo e é uma chatice, mas tem de ser assim porque não há alternativas aceitáveis. Esperamos por um ditador? Atiramos a moeda ao ar? Damos tudo aos interesseiros e fanáticos?
    Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
    Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão ou porem o Marinho Pinto como cabeça de lista, por exemplo. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam.
    A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote. Também é por vossa culpa que os extremistas estão a ganhar terreno, e pela mesma razão. É fácil pôr os fanáticos a votar. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas dos partidos, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem de acordo com o que acham ser a melhor solução, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.

    Na opinião de muitas pessoas, existe uma grande diferença entre a abstenção e o voto em branco. Imaginam que a abstenção é sinónimo de revolta, quando efectivamente é apenas considerado como desinteresse, alheamento e indiferença para com o futuro do nosso país.

    ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/09/so-votos-em-partidos-entram-nas.html#ixzz4e7VbKyHT

    ResponderEliminar