10 agosto, 2011

Ser politico é ter rendimentos antes de o ser, durante e depois.


É antidemocrático ou mesmo ilegal, o estado gastar dinheiro do erário público para financiar todo o teatro hipócrita das campanhas politicas. Desprovidas de verdade e de honestidade. Desprovidas de valor legal, inclusive, podem considerar-se publicidade enganosa. 
Feitas de promessas ocas, sem valor jurídico, politico ou mesmo ético, que podem ser proferidas mas não cumpridas.
Ideologias que em nada se aplicam na realidade.

É para isto que pagamos impostos? Para ser enganados e levados a crer num processo que devia ser de confiança e nunca o é?
Estamos a financiar a luta por um lugar ao Sol dos militantes políticos, e em mais nenhuma circunstancia, o estado financia portugueses que todos os dias lutam por lugar ao Sol.
Isto não é igualdade... 
POLITICO É ESTAR SEMPRE AO SOL ANTES DEPOIS E DURANTE??? Que tipo de justiça é esta? 
Nas citações abaixo resumem-se algumas noticias e entrevistas que mostram os gastos, com os políticos e as campanhas ... mas depois dizem que não sabem onde cortar.


VEJA O QUE O ESTADO GASTA SÓ PARA MANIPULAR O POVO. 
1- " Lei prevê verbas específicas para eleições. A campanha eleitoral das legislativas no próximo dia 5 de Junho(2011) vai ser financiada com fundos públicos, em mais de 7,6 milhões de euros."
2 - "Estado dá 70,5 milhões para financiar as três campanhas
partidos parasitas impostos3 - Das três campanhas que se realizam no próximo ano (europeias primeiro, depois legislativas e autárquicas), a campanha para as eleições autárquicas é a mais cara.
4 - para subsidiar os custos com as eleições para as câmaras, assembleias e freguesias municipais, o Orçamento do Estado destinou 57 797 550 euros.
5 - Para ajudar à eleição dos deputados à Assembleia da República, o Orçamento do Estado programou 8 520 000 euros.
6 - Em último lugar, no que toca a gastos do Orçamento de Estado com as campanhas eleitorais, ficam as eleições europeias, o Estado destina-lhe 4 260 000 euros.
7 - O Orçamento do Estado prevê ainda que os sete partidos com representação parlamentar ( PS, PSD, CDS, PCP, Verdes e Bloco de Esquerda) venham a receber, no total, 17,2 milhões de euros de subvenção anual." fonte
8 - "Paralelamente, as despesas correntes da AR sobem também de 75,6 milhões de euros para cerca de 81 milhões de euros, com acréscimos em despesas como "combustíveis e lubrificantes" (mais 20 mil euros), "limpeza e higiene" (mais 75 mil euros) A aquisição de serviços, por seu turno, sobe quase 1,4 milhões de euros, com derrapagens em rubricas como "comunicações" (mais 98,5 mil euros), "deslocações e estadas" (mais 64,5 mil euros), "estudos, pareceres, projectos e consultadoria" (cerca 157 mil euros adicionais) ou "outros trabalhos especializados" (592 mil euros a mais)" fonte
9 - "Entre 1999 e 2009: Tempos de antena custaram ao Estado 21 milhões de euros, em campanhas eleitorais. E, feitas as contas, o orçamento gasto juntando os dois bolos, nos últimos dez anos, chega aos 50 milhões de euros...
J.A. - Chega aos 50 milhões de euros apenas na parte que estudei! Falta contabilizar o seguinte:
compensações pagas às estações de rádios no mesmo conjunto de eleições; compensações às rádios nas eleições municipais; compensações às rádios e televisões nas eleições regionais; subvenções estatais nas eleições regionais e locais; compensações pagas às rádios e televisões para a transmissão dos tempos de antenas relativos aos referendos. Não arrisco um montante para a soma de todos estes valores…

J.A. - A questão é essa: gasta-se mais dinheiro do que há 10 anos, mas as campanhas não mudaram significativamente; gasta-se mais do que há 10 anos, mas a participação eleitoral não aumentou e não houve ganhos na qualidade da democracia… é sobre isto que é preciso reflectir. fonte
Dá para ficar desanimado ao constatar o dinheiro que se gasta só em campanhas e partidos, financiando uma fantochada desprovida de rigor e verdade.
É só somar parcelas.

SER POLITICO TEM QUE TRAZER MUITAS VANTAGENS, QUE NÃO SÃO, CERTAMENTE,  O SALÁRIO
- Pires de Lima perde 750 mil euros por ano no Governo. 04 Setembro 2013
O ex-presidente executivo da Unicer ganhou mais de 826 mil euros em 2012, sendo que actualmente como ministro da Economia, António Pires de Lima, vai perder, pelo menos, 750 mil euros por ano, face aos rendimentos que apresentou no ano passado. Receberá cerca de 5 mil euros por mês. fonte


Sem comentários :

Enviar um comentário