13 abril, 2015

Em democracia quem decide os salários e mordomias dos políticos, são os contribuintes.

Marinho Pinto expõe o despesismo no Parlamento Europeu. E defende que em democracia, as mordomias dos eleitos devem ser decididas por quem as paga e não por quem beneficia delas. É assim nas verdadeiras democracias.



SUBSÍDIOS E SUBVENÇÕES. Quanto recebe um deputado europeu
Subsídio mensal: o vencimento bruto de um eurodeputado são €7 956,87; após imposto comunitário e contribuição para seguro, desce para €6 200,72, sobre os quais os Estados-membros podem aplicar impostos nacionais;
Subsídio "de estadia": são €304 para cobrir despesas (de alojamento e despesas conexas) por cada dia que os deputados compareçam em reuniões oficiais, desde que assinem um registo de presença. Pela comparência em reuniões fora da UE, recebem €152 (mais reembolso das despesas de alojamento).
Despesas de viagem: os deputados têm direito ao reembolso do custo das viagens para participar nas reuniões plenárias (em Bruxelas ou Estrasburgo) ou outras, decorrentes do exercício do cargo, mediante apresentação dos recibos ou a €0,50 por km (a que acrescem outras despesas de viagem), se a viagem for efetuada em automóvel privado.
Subsídios para despesas gerais: são €4 299 mensais, para "cobrir despesas no Estado-membro de eleição", como, por exemplo, os custos de gestão de um gabinete, telefone,  correio ou material informático;
Despesas com pessoal: os deputados podem escolher o seu staff e, para tal, têm disponível um máximo de €21 209 mensais, pagos diretamente aos colaboradores. Um quarto deste orçamento (no máximo) pode ser usado para pagar serviços, como a realização de estudos técnicos.
Escola Europeia: os filhos dos deputados têm acesso à Escola Europeia, que podem frequentar gratuitamente, com total equivalência ao sistema de ensino português.
Pensão: os antigos deputados têm direito a uma pensão de aposentação, ao atingirem 63 anos. A pensão ascende a 3,5% do subsídio por cada ano de mandato, até ao limite máximo de 70% do vencimento.

Marinho Pinto critica também os abusos em Portugal, onde tudo se decide sem consultar o contribuinte, e muitas vezes ás escondidas. O aumento das subvenções e dos subsídios políticos está indexada ao salário mínimo, ou seja sempre que aumenta o salário mínimo aumentam os milhões que os políticos recebem, e a maior parte das pessoas não sabe, nem pode criticar pois como é automático, passa sempre despercebido. Por isso Marinho afirma que todos os subsídios, salários e mordomias dos políticos devem der decididos em debate nacional e não pelos políticos e ás escondidas.



Este é outro exemplo da forma suja como se faz politica em Portugal, à margem da lei, porque para eles a lei de todos, não lhes serve, e ás escondidas decidem que os ex governantes que se podem reformar precocemente, ainda têm direito a que as suas reformas de luxo, dupliquem quando completam 60 anos...
Inacreditável... como eles abusam e detestam quem os denuncia.
E para mostrar bem que podem querem e mandam, decidiram tornar secretas essas mesmas reformas.



Poderíamos ficar aqui dias a ver vídeos de abusos anti democráticos, e a perceber que este país chegou a este ponto porque não possui um povo capaz de punir os abusadores nas urnas.
Um povo incapaz de avaliar e separar os bons dos maus, premiar os bons e punir os maus nas urnas. Um povo que nem sequer comparece ás urnas, onde deveria mostrar que sabe quem abusa e rouba e
que possui o poder de derrubar ou eliminar esses partidos.
A democracia só funciona se no dia do julgamento (as eleições) comparecerem os que vão ser julgados portanto os réus (políticos) e os juízes (o eleitor). Ora em Portugal a democracia não funciona, porque os juízes se recusam a comparecer e a punir os abusadores e prevaricadores e assim higienizar a classe politica. Os únicos que comparecem no dia do julgamento são os militantes, os boys, amigos e familiares dos réus... o resultado está à vista. A impunidade incentiva-os a continuar e a agravar o abuso.
Como qualquer criança sem freios e sem entraves, de dia para dia, essa criança percebe que pode abusar mais e mais, pisar mais, e roubar mais... e este quadro resume na perfeição a história de
Portugal.
Uma país devastado pela corrupção crescente que cada dia se torna mais abrangente, mais descarada e mais devastadora.
Por isso muitos saudosistas vêm dizer que antes não era assim... pois não, antes ainda os partidos eram uma criança, a tentar descobrir até onde podia ir, ao perceberem que não havia limites nem castigo, cresceram e tornaram-se num adolescente delinquente e arrogante, fizeram-se adultos e aperfeiçoam-se e são agora verdadeiros profissionais experientes e mafiosos, que conhecem bem o meio, os métodos e o povo inofensivo e inerte que os avalia.
Nos países menos corruptos as leis são semelhantes ás nossas, mas a abstenção não. Por exemplo na Suécia 90% dos eleitores votam, e os políticos sabem que se cometerem um deslize, terão muitos eleitores a mostrar que estão contra. Em Portugal os que estão contra seja o que for decidiram que a abstenção o voto branco e nulo é que é punição. Vá a gente imaginar quem será que anda a difundir essa ideia? Que afasta os indignados e os revoltados do poder de votar contra os corruptos e os maus políticos?
AS PESSOAS ESTÃO À ESPERA DO POLITICO VIRGEM E PERFEITO PARA VOTAR?
Esquecem que é precisamente ao contrário. Só quando o povo votar e começar a saber usar os votos, a punir os maus e a eleger os bons, é que os políticos começarão a esforçar-se por ser honestos e competentes, tementes ao poder do povo. E aos poucos e poucos os criminosos não sentirão que o seu futuro é na politica e que a impunidade é o seu trunfo, e já nem se atrevem a candidatar-se. Este é o processo que em Portugal precisa de ser iniciado, mas os manipuladores serviçais dos corruptos, continuam a fazer crer ao povo que votar nulo, branco ou abstenção é que é revolução, protesto e etc... e eles acreditam. Video que explica como a abstenção é inofensiva para os partidos que criticamos mais.
Neste link mais um video onde Marinho explica como deveria ser em democracia

Aqui ficam exemplos de abusos que eles foram criando mandato após mandato,  para seu beneficio, ou para beneficio de algumas elites, mas em prejuízo do todo.
Em baixo as listas de reprodução onde organizo os vídeos que desmascaram a corrupção em Portugal, são centenas de video, poderíamos estar dias para tomarmos conhecimento apenas de uma ínfima parte do que se passa de errado com o país... Os exemplos são aos milhares, mas ficamos apenas com alguns...
Clique nos links para ir para os vídeos.

Henrique Neto na luta por um país e um povo melhor

Henrique Neto alerta para o papel da sociedade civil, que deveria lutar pelo país. Um cidadão que sempre criticou Sócrates e as suas politicas, em prole do interesse nacional. Henrique Neto, do PS, afirma que "Sócrates está no topo da pirâmide, dos que dão cabo disto" http://goo.gl/8ecr0l "Sócrates representava uma bomba relógio para a qualidade da democracia portuguesa." http://goo.gl/NbtZdK Henrique Neto - Os eleitores exercem a cidadania como se a politica fosse "clubismo", agarram-se a um partido para a vida, de forma acrítica, façam eles os erros que fizerem, os fieis elegem sempre o "seu" partido.

14 

Países sem crise e sem corrupção
Há pessoas que acreditam que a corrupção é inevitável. Veja uma compilação de vídeos, para perceber como poderia ser Portugal, se os portugueses fossem menos tolerantes com os corruptos. Existem países com muito pouca corrupção, quase sem desemprego onde as pessoas detestam receber subsídios e pagam impostos com agrado. Parece incrível mas é a verdade. Países onde os politicos são honestos patriotas e se preocupam com o bem comum. Andam de transportes públicos e não possuem luxos nem tiques típicas de ditadores frustrados.

19 
Gestão danosa ou criminosa?
Os politicos portugueses são impunes e imunes. Não podem ser responsabilizados pelos seus actos de gestão criminosa ou danosa, pois podem sempre refugiar-se na desculpa de que foi erro ou incompetência. E ao abrigo desta impunidade, muitas saques grosseiros se fazem ao país, sem consequência para o criminoso e com graves consequências para as vitimas.

11 

Caiado Guerreiro o fiscalista que toca nas feridas.
Caiado Guerreiro é um guerreiro que denuncia sem papas na língua, as tramas dos politicos. As PPP são as que mais lhe merecem a ferocidade.

SNS - PRIVATIZAR E ABATER?
O SNS tem sido vitima de fraudes e mais fraudes, cortes de serviços, de fundos, pessoal. O caos instala-se e o crime compensa. Conheça os videos que mostram como se tem destruído o SNS, vitima dos políticos, dos médicos, das farmácias e até de utentes.

22 
Portas o vira casacas
Compilação de videos que deixam bem à vista um Paulo Portas muito inconstante que muda de posição, de opinião e de camisola, como quem muda de camisa. Um malabarista na politica onde as escutas vêm mais uma vez provar que é especialista em luvas.

39 
Sócrates, toda a verdade? O mais aperfeiçoado
Corrupção no poder público é eles ganharem 20 milhões para lesarem o país e os contribuintes, em 70 mil milhões. Sem qualquer perda para eles porque vendem o país e os impostos de todos os portugueses. Nunca se esqueçam disso. Até podem perder milhões para ganhar tostões, o dinheiro não é deles, não lhes custa oferece-lo.
A corrupção das barragens
Nesta lista veja os video que revelam o esbanjamento, os interesses o cinismo as mentiras e a destruição que se esconde por trás do plano de loucos que querem mais 12 barragens em Portugal. Divulgue, não deixe de ver.



Desbaratar património Nacional
Videos de casos aberrantes e chocantes das vendas de património nacional levada a cabo por aqueles que deveriam defender o interesse nacional. É um negócio milionário onde os governantes vendem o que é nosso a amigos e muito abaixo do preço, perdendo os nossos milhões. E compram aos amigos muito acima do preço, esbanjado os nossos impostos.

23 

Reportagens sobre a corrupção
Lista que reúne vídeos onde resumo grandes reportagens sobre escândalos de corrupção.

26 
Partidos políticos curiosidades
Alguns videos com coisas caricatas que todos deveriam saber sobre a politica

19 
Medina Carreira, os avisos sensatos
Medina Carreira expõe de forma muito própria os males que corroem a democracia e o estado social. No entanto em Portugal poucos sabem ouvir a verdade, é habitual odiar o mensageiro, que traz as tristes noticias.

44 

Paulo Morais não desiste.
Uma das vozes mais activas a denunciar a corrupção

10 
Submarinos continuam submersos na vergonha
Quem continua impune? Quem já foi condenando? quanto custaram ao país? As consequências para os estaleiros de Viana. A corrupção é uma festa multipartidária- PS? PSD? CDS?

38 

Marinho Pinto. Denúncias e verdades.
Lista de videos com intervenções de Marinho Pinto, que ao contrário do que muitos querem fazer crer, ele nunca defendeu pessoas, defendeu sempre a verdade com isenção e justiça. Mesmo quando a verdade estava do lado de pessoas ou causas de que ele não gostava. Em Portugal é difícil perceber isto e acreditar nisso, porque é difícil haver pessoas integras e só essas compreendem a integridade.

14 

Reformados e pensionistas
Videos sobre as reformas e os reformados em Portugal

17 
Gomes Ferreira, denuncia corrupção
Gomes Ferreira está do lado de Portugal e dos portugueses, mas não está obcecado contra tudo o que se faz no governo. Como qualquer economista coerente ele critica o que está errado e apoia o que acha correcto. Infelizmente os portugueses ainda estranham o sentido da palavra isenção e coerência e chamam a isso dar uma no cravo e outra na ferradura. Porque para os portugueses para se estar certo e ser isento, tem que se estar sempre sempre e cegamente contra o governo e afins?

26 
PPP- O crime legalizado e descarado.
Lista que reune videos sobre os contratos criminosos das parcerias público privadas. PPP - quem as fez, como as fizeram, porque as fizeram, quem lucra milhões, quem perde milhões e como se legalizam os crimes dos ricos, em Portugal.

27 
BPN e BES - O SAQUE
BPN QUEM O SAQUEOU QUEM OFERECEU O SAQUE AOS PORTUGUESES QUEM FECHOU OS OLHOS AO SAQUE QUEM CONTINUA LIVRE E NO PODER QUEM CONTINUA COM O NOSSO DINHEIRO

27 
A COMÉDIA DA POLITICA PORTUGUESA
Há momentos para rir, no meio da desgraça. Momentos anedóticos para recordar os personagens que se elegem em Portugal.

18 

43 comentários :

  1. Lol o marinho pinto é o maior. Quando foi eleito para o PE, na sua declaração após conhecimento dos resultados eleitorais, um jornalista da SIC perguntou lhe como é que ele reagia ou respondia àqueles que lhe chamavam populista. O marinho e pinto respondeu muito convictamente que populistas são aqueles que fazem campanha baseando se em críticas nas quantias auferidas pelos deputados. Passado uns tempos vem dizer que os deputados em Portugal eram mal pagos e que com aquele valor não dava para sobreviver em Lisboa (não discordo que os deputados sejam mal remunerados para as funções que desempenham, mas dai a mal dar para sobreviver vai uma distância abissal e proferir declarações destas no momento que o pais atravessa é um sacrilégio ). Agora, de repente, as remunerações dos eurodeputados já são um escândalo ." Opa, nos temos um classe política medonha mas também não é com alguém como o marinho pinto que lá vamos... Não tem coerência e cheira me que é lobo em pele de cordeiro.
    Mais escandaloso ainda é o Paulo Morais, um tangas completo absolutamente populista, não tem uma única proposta com o mínimo de pés e cabeça para ser concretizável e ainda apresenta um programa de candidatura a Pr. Que mais parecem as linhas gerais de um programa de governo. Visto que o mesmo, caso venha a ser eleito Pr, não terá competências para por em prática aquilo que apregoa parece que terá de se incluir na sua máxima usurpada ao grande Humberto delgado e obviamente demitir se.

    Triste este o ponto a que chegamos. Não há um único partido digno da nossa confiança e aqueles que se tentam apresentar como solução vistos a lupa são feitos da mesma massa dos nossos actuais políticos. A solução terá mesmo de passar pelos votos nulos e brancos de protesto pode ser que aí a classe política comece a perceber que os portugueses já encheram o saco do degradação moral e democrática daqueles que nos governam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. AS MENTIRAS QUE O SR INVENTA PARA OS CORRUPTOS PARASITAS NÃO PERDEREM VOTOS, HEiN? Claro que toda a gente sabe que os corruptos em Portugal são o paulo morais o marinho pinto e o henrique neto, por isso é que eles são constantemente atacados pelos corruptos, pelos capangas dos corruptos e pela imprensa paga pelos corruptos. E o sr faz parte de qual destes?

      Tudo o que afirma sobre as pessoas que tenta difamar são as mentiras manipuladas e distorcidas pelos corruptos. Por isso tenha vergonha de andar a colaborar com eles, aprenda a divulgar as verdades.
      "E enquanto a consciência das pessoas não despertar isto continuará igual. Porque muito do que se faz, faz-se para nos manter a todos na abulia, na carência de vontade, para diminuir a nossa capacidade de intervenção cívica." José Saramago

      Eliminar
    2. Só uma pessoa que defende os corruptos pode mentir descaradamente como mente, para a todo custo proteger quem lhe deve dar tacho. AS PESSOAS ESTÃO À ESPERA DO POLITICO VIRGEM E PERFEITO PARA VOTAR?
      Esquecem que é precisamente ao contrário. Só quando o povo votar e começar a saber usar os votos, a punir os maus e a eleger os bons, é que os políticos começarão a esforçar-se por ser honestos e competentes, tementes ao poder do povo. E aos poucos e poucos os criminosos não sentirão que o seu futuro é na politica e que a impunidade é o seu trunfo, e já nem se atrevem a candidatar-se. Este é o processo que em Portugal precisa de ser iniciado, mas os manipuladores serviçais dos corruptos, continuam a fazer crer ao povo que votar nulo, branco ou abstenção é que é revolução, protesto e etc... e eles acreditam. Video que explica como a abstenção é inofensiva para os partidos que criticamos mais.

      Qualquer pessoa sabe que não votar ou votar branco e nulo em nada lesa ou assusta os corruptos, pois é graças a isso que são eleitos há 40 anos sem ninguém os derrubar, porque os que os criticam não votam.

      Só uma pessoa mentirosa e de má fé diz que a abstenção é que os pode lesar , se os portugueses querem mostrar que encheram o saco, basta votarem contra os partidos que há 30 anos na AR lhe andam a encher o saco, só assim eles saem de lá.

      E a sua mentira é mais uma vez desmacarada quando todas as pessoas informadas sabem que o governo teme tanto a abstenção que são eles ps e psd que mantem mais de 1 milhão de abstencionistas ??? O sr não engana ninguém, pelo menos ninguém com o mínimo de lógica e de coerência. Em Portugal há mais de 1 milhão de eleitores fantasma entre mortos e emigrantes – números que podem distorcer os resultados das eleições, porque influenciam a distribuição de deputados por círculos eleitorais nas legislativas.
      As contas não são difíceis. Em 2011, segundo o censo, Portugal tinha 8 421 457 pessoas com direito a votar. No entanto, nas eleições de 5 de Junho desse ano estavam registados nos mapas oficias da Direcção-Geral da Administração Interna (DGAI) 9 425 894 eleitores. Há então um excedente de 1 004 437 eleitores em Portugal, que representam cerca de 10,66% dos votantes inscritos. Muitos emigraram mas não mudaram a residência, outros já morreram mas continuam nos cadernos. São os eleitores fantasma.

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/03/mais-de-1-milhao-de-abstencionistas.html#ixzz3XCQ7rBwP

      Eliminar
    3. O generalizar de que políticos são todos iguais e corruptos, feito por "experts" pagos pelos corruptos, é o toldar das águas para esconder os verdadeiros e induzir o povo à abstenção. Pois se são todos iguais, não voto em nenhum... e assim não existirá oposição aos verdadeiros corruptos.
      Os desinformados e desinformadores ainda acreditam que o voto branco, nulo e abstenção são formas de protesto, não percebendo que não passam de uma ilusão e inutilidade, pois com esses protestos vivem bem os corruptos.

      Eliminar
  2. Eu tenho direito a ter uma opinião própria ? Ou só por a ter, suportada por argumentos ainda por cima, vou ser chamado de mentiroso? É que se não admite uma opinião diferente tudo bem, eu abstenho me de comentar. Ah e outra coisa pode dar me a sua opinião sobre o que o Paulo Morais diz da dívida pública? Acha que são comentários que demonstram a sua seriedade?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto não são opiniões, o sr acusou Marinho de factos falsos e distorcidos.
      Quanto ao paulo morais, são opiniões... só pessoas que sabem do que falam deviam falar desse assunto, porque andar a dizer que não se deve pagar ou que se deve pagar, sem saber as vantagens e desvantagens, não é conversa para aqui... a não ser que perceba de economia, finanças, direito internacional, etc etc ... opiniões todos temos, factos poucos têm.

      Eliminar
    2. Perdão? Eu fiz o quê? A Sra. É que está a fazer uma condenação sumária e, portanto, falsa e distorcida das minhas palavras. Eu não acusei o marinho e pinto de nada. Eu ouvi o numa declaração de resultados eleitorais dizer que não era populista porque não fazia guerrilha política com base em X. Passadas umas semanas começa a fazer uma campanha despudorada com base em X . Isto não é uma incoerência da parte dele? Isto não é um sinal de alerta de quem o douto ex bastonário pode ter um carácter duvidoso sendo lobo em pele de cordeiro? E como estas há outras. E uma coisa lhe garanto, eu não como com as manipulações da imprensa porque, tal como aliás o Dr. Marinho tão pedagogicamente apregoa, eu só tomo em consideração para análise declarações proferidas na primeira pessoa e devidamente contextualizadas. Não retiro credibilidade ao m pinto pelo que os média dizem dele, retiro lhe credibilidade pelo que o oiço dizer e porque acho que muito do que ele faz e diz revela algo tenebrosamente diferente daquilo que ele afirma ser. Eu podia explicar isso detalhadamente, mas para isso teria de falar de coisas tão complexas como o seu percurso profissional e o mercado da advocacia. Não vale a pena, saia um comentário muito longo.
      Quanto ao Morais, o zita, por amor de deus, são essas questões que importam discutir! É sobre esses assuntos que urge dar a entender ao portugueses para que eles percebam quando estão a ouvir algo credível ou quando estão a ser manipulados e tratados como ignorantes! Em terra de de cegos quem tem olho é rei e Portugal, infelizmente, na sua maioria é pais de cegos. Isto não vai mudar por vinda de um D. Sebastião qualquer. Esse vai ser muito possivelmente um charlatão. Isto não vai mudar por nos revoltArmos com os políticos e fazer um berreiro. Embora seja um óptimo princípio, nem vai mudar por se denunciar como funciona a corrupção ( sim, denunciar como funciona, não denunciar casos concretos, porque honestamente o Morais explica muito como funcionam as negociatas mas não denuncia casos que alega conhecer, logo por si, muita conversa, muita conversa mas passar a materializar isso em algo esta quieto). Isto só vai mudar quando as pessoas passarem a dominar os conceitos basilares dessas áreas do saber que referiu. Aliás, é essa a diferença entre, por exemplo, o dinamarquês e um português, o primeiro domina os o segundo não e, por consequência, o primeiro tem uma classe política em condições e o segundo tem a escandaleira que se vê. A correlação é simples, quanto mais esclarecido é um povo menor é a sua susceptibilidade de ser manipulado.

      Para finalizar, tenho de salientar novamente que tocou na mouche ao referir que para avaliar essas questões como a dívida pública é necessário ter conhecimentos nessas áreas do saber que mencionou. Ora, humildade à parte, creio ter o mínimo de conhecimento nessas áreas para saber o que é minimamente adequado e exequível e o que, pura e simplesmente, é pouco sério e de uma irresponsabilidade quase criminosa em ser afirmado. Infelizmente, parece me que o Paulo Morais tem posições que se enquadram nesta segunda categoria. Um bom exemplo disso é o que ele diz da dívida pública.

      Eliminar
    3. PS/PSD/CDS-PP os vigaristas do costume14 abril, 2015 00:50

      O Sr. Anónimo fala da pouca seriedade do Dr. Paulo Morais em relação à questão da dívida pública...a opinião da Zita já todos nós sabemos!
      Agora a sua é que eu fiquei com alguma curiosidade...espero que o Sr. a concretize, desenvolva e esclareça-me sobre o assunto em questão.

      E por falar em Paulo Morais:

      (TVI24 - 10 de Dezembro de 2012)
      Paulo Morais, vice-presidente da Associação Transparência e Integridade, afirma que há políticos cuja única função é desviar dinheiros públicos para projectos privados.

      Para Paulo Morais, há vinte anos que os políticos andam a roubar o Estado. «A dívida pública foi criada ao longo de 20 anos porque sucessivamente houve muita gente que andou a roubar dinheiro do orçamento do Estado».

      (DN Economia - 02 maio 2013)
      "Há duas mentiras que têm sido repetidas na sociedade portuguesa: que os portugueses andaram a gastar acima das suas possibilidades e que não há alternativa à austeridade para expiarem os pecados (que não cometeram)", disse.

      (Jornal Q)
      A corrupção tem vindo a crescer em Portugal nos últimos anos, com os maiores crimes neste âmbito, como o BES, o BPN, o BPP e as PPP a representarem 70% da dívida pública nacional. Pelo que Paulo Morais urge o Parlamento português a aprovar uma nova versão da Lei do Enriquecimento Ilícito.

      O docente( Paulo Morais) já tinha declarado antes que “a promiscuidade entre a política e os negócios é o principal catalisador da corrupção em Portugal”. Não há “sequer distinção entre o que é política e o que são os negócios, uma vez que a atividade política está ao serviço e foi capturada por alguns grupos económicos”. Numa entrevista, dá o exemplo da influência do setor financeiro no Estado, obtendo “todo o tipo de apoios”, transferindo “muitos riscos para o Estado” e que “ainda consegue rentabilidades enormes à custa da dívida soberana portuguesa”. Aponta também a questão do urbanismo, “onde é possível transformar terrenos agrícolas em urbanizáveis, gerando mais-valias em negócios na ordem dos 600 a 700%, só comparável em rentabilidade à atividade do tráfico de droga”. Enquanto nas parcerias público-privadas “são garantidas rentabilidades enormes aos privados a troco de risco zero”.

      Eliminar
    4. Não disse mentiras? Mas não foi o sr que fez este comentário logo no inicio?
      Passado uns tempos vem dizer que os deputados em Portugal eram mal pagos e que com aquele valor não dava para sobreviver em Lisboa (não discordo que os deputados sejam mal remunerados para as funções que desempenham, mas dai a mal dar para sobreviver vai uma distância abissal e proferir declarações destas no momento que o pais atravessa é um sacrilégio ). Agora, de repente, as remunerações dos eurodeputados já são um escândalo ." Opa, nos temos um classe política medonha mas também não é com alguém como o marinho pinto que lá vamos... Não tem coerência e cheira me que é lobo em pele de cordeiro.

      Eliminar
    5. Meu caro... Essas afirmações da autoria do Paulo Morais que coloca aí vão de encontro ao que eu digo... Muita explicação como funciona e muita insinuação... Fica bem, de facto, mas é muito muito muito inconsequente. Dados concretos, sujeitos concretos - zero. É a chamada conversa de café quase.

      Quanto à questão da dívida pública e da posição adoptada pelo P Morais... Eu vou tocar apenas num ponto para já para ver se me entende e se não me entender eu depois clarifico. Ora o sr. Defende que a dívida contraída com juros usurários não deve ser paga assim como não deve ser paga a dívida que não foi contraída na prossecução do interesse público.

      Ora, isto é tudo muito bonito e parece muito sério e tal... Mas utilizemos apenas o bom senso para dissecar esta ideia. Primeiro, eu confesso que não percebo bem o sentido que ele dá à primeira parte da afirmação. Se se refere apenas aos juros usurários, concordo. Não temos de pagar os juros usurários. Porque lá está, se de facto existir usura temos direito à modificação dos termos do empréstimo em causa, nomeadamente reduzindo o valor dos juros em respeito por um juízo de equidade ou, em ultima análise, exigindo a anulabilidade do empréstimo. No entanto, importa ter em conta que a anulabilidade visa colocar-nos na situação em que estaríamos caso a dívida não tivesse sido contraída. Ou seja, não pagaríamos juros usurários mas teríamos a obrigação de restituir a quantia que nos foi emprestada.

      Quanto à segunda parte e à questão de terem sido ou não contraídas na prossecução do interesse público... Primeiro, é preciso ver que o interesse público é verbo de encher e tudo depende do contexto em que é preenchido. Vou lhe colocar uma situação hipotética. Temos umas localidades no interior a morrer e a ficar desertificadas e desindustrializadas. Pensamos, vamos construir uma boa infra estrutura de auto estradAs que melhorem o acesso a estas localidades para que estas pessoas tenham melhores meios para se deslocar e para que a terra seja mais atrativa. Para a construção da auto estrada faz se uma ppp. Como as probabilidades de retorno advenientes da concessão são baixas e demorarão muito muito tempo a cobrir o investimento, quanto mais dar verdadeiro retorno, os privados exigem umas que o estado assuma o "risco de negócio" garantido ao concessionário uma renda mensal algo escandalosa. Agora, imaginemos que entretanto tínhamos descoberto petróleo. As receitas do estado aumentavam exponencialmente e nunca tinha rebentado todo este escândalo que rebentou (porque tínhamos dinheiro para fazer face a essas obrigações negociadas em termos duvidosos sem recorrer a austeridade). Acha que numa situação destas alguém questionava o interesse público? Diga me, com a construção desta infra-estruturas a vida daquelas populações não melhorou? Não há melhores vias acesso, factor importante para combater a desertificacao do interior? É claro que há. Ou seja, numa análise contextualizada no propósito da ppp o conceito de interesse público é tão lato que permite meter quase tudo lá dentro, logo só por isto é muito difícil de dizer com clareza o que é a dívida contraída na prossecução do interesse público.

      Eliminar

    6. Por fim, eu. Coloco lhe ainda uma questão de senso comum. Um amigo chega ao pé si e diz lhe epa empresta me ainda 10 000 euros para remodelar o meu café, daqui a um ano devolvo te o dinheiro e ainda te pago X por cento de juro. Você acede. passado um ano vem o seu amigo, epa... A minha mulher apanhou me a carteira e rebentou me o dinheiro todo em compras, epa... Desculpa lá, mas o dinheiro não foi utilizado no meu interesse e por isso não te vou pagar.

      Como é que você reage? Acha justo? Volta a emprestar lhe dinheiro? Aconselha outros amigos seus a emprestarem lhe dinheiro e a fazerem negócios com ele? Provavelmente não... Os estados funcionam assim também. Ser soberano implica algo semelhante àquilo que implica a maioridade numa pessoa que esteja na posse plena das suas faculdades mentais. Implica que essa pessoa seja responsável pelas suas acções. Implica que o seu amigo tenha que honrar os seus compromissos e implica que o nosso estado também tenha de o fazer.

      Certamente concorda que uma posição contrária a está é um bocado palerma num mundo em que precisamos dos outros. Se argumentos como este servissem para que o seu amigo e outras pessoas não lhe pagassem acha que havia confiança ou segurança para existir trocas comerciais, empréstimos etc? Pois, provavelmente não.

      Depois, o que o seu amigo pode fazer é responsabilizar a esposa por abuso de confiança ou algo do gênero e exigir dela a restituição do montante que ela ilicitamente lhe extorquiu. Trocado por miúdos, pode o nosso estado procurar mover acções contra os contratos ppp de modo a corrigir eventuais ilicitudes existentes na sua celebração. Mas isto é outro plano.

      No entanto, pelo que afirmei, a ideia de arranjar argumentos da treta para dizer que não temos de pagar a dívida, embora soe bem, é extremamente perigosa, as consequências que resultariam daí seriam terríveis. Não perceber isso é não ter a mínima noção da forma como os estados se financiam nos dias de hoje e como dependemos das relações com o estrangeiro. São os males da globalização, em particular da globalização económica.

      Eliminar
    7. Isso é verdade zita. Pode atesta lo com uma breve pesquisa. Aliás, acho que ele até abordou essa questão numa das suas crônicas no cm.

      Eliminar
    8. http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=27&did=170598

      Eliminar
    9. PS/PSD/CDS-PP os corruptos do costume14 abril, 2015 02:52

      Estou a ver...o Sr. é um verdadeiro expert, sim senhor.

      Tanta lengalenga que mais parece conversa de café quase, com o patrocínio dos políticos mafiosos que roubam este País.

      Enfim, muita conversa fiada e manipulação da treta...há muitas putas por aí e algumas bem fodidas!!...as piores são aquelas com a mania que são finas.

      Eliminar
    10. Está aí. Com áudio e tudo, acho eu. Mais fiável, afasta ideias de descontextualizacao. Para a próxima agradeço que não me chame mentiroso.

      Eliminar
    11. Eu ao menos utilizo argumentos. Digo porque não concordo e para sua informação nunca votei num partido do arco da governação. Se também quiser utilizar argumentos continuamos o debate. Agora para comentários jocosos mais vale terminar por aqui.

      Eliminar
    12. https://www.youtube.com/watch?v=3u4H6NnyQEM&list=PLPAKyd_5x-2vbg-TbFmDB_QuqcZyVwDSz&index=21

      Está aqui a explicação da distorção-

      Eliminar
    13. Marinho nunca disse que 4800 não dava para sobreviver, disse que não dava para grandes coisas, ou seja comprar iates etc, e isso é alguma mentira? Ou crime? E há que atentar em que contexto o disse e ainda há que atentar ao facto de que há milhares de pessoas e experts que tb acham que a nossa classe politica ganha mal.Portanto isso são opiniões, mas claro há que contextualizar que ele nunca disse que os restantes portugueses ganham bem e isso foi uma das causas de maior alvoroço, pq as pessoas repetiram que ele era um sacana ao dizer isso num país onde se ganham 500 euros, mas ele nunca disse que ganhar 500 euros estava correcto. >Ou seja Marinho está a ser atacado por distorções que lhe fazem e só é pena o povo não perceber que quem luta contra os corruptos vai ser sempre atacado pelos corruptos que detem o poder para o fazer pois são eles os donos de quase toda a comunicação social

      Eliminar
    14. Quanto a Paulo Morais https://www.youtube.com/watch?v=TgYG3IZRa04&index=7&list=PLPAKyd_5x-2ugKFyexk8BHmYidbeAXTiu

      Eliminar
    15. https://www.youtube.com/watch?v=ja_P5Kk7yW4&index=3&list=PLPAKyd_5x-2uio1LHcjlD6oLQVvVEoYtx

      Eliminar
    16. Ok, agora achei piada. Então o salário do deputado em Portugal não da para comprar iates. Concordo e já percebi que tem uma grande ambição para caracterizar o que é uma grande vida.

      Eu acho que num pais em que o salário médio é de 800 e tal euros e onde uma família de 4 pessoas muitas vezes não tem por mês em conjunto nem metade daquele que é o vencimento base de um deputado para viver e, mesmo assim, conseguem sobreviver, o salário de deputado da para já ter uma vida muito grande. Da para ter uma boa casa, bom carro, meter os filhos em colégios, ir de férias, jantar fora etc, de forma relativamente desafogada. Quantos portugueses podem dizer que podem fazer isto?

      Agora, se quisermos ter iates e por aí fora fica mais complicado mas isso é muito megalômano. No entanto dou lhe um conselho... De se algum dia for para eurodeputada não se ponha a comprar iates nem a viver uma grande vida desse gênero. É capaz de correr mal e passado uns anos ter que vender esse tipo de bens de luxo ou abrir insolvência.

      Opa o zita não me leve a mal. É assim você pode perfeitamente dizer me que, apesar das suas incoerências, acha que o marinho pinto continua a ser digno de confiança e uma alternativa credível. Agora, dizer que ele não tem incoerências, desculpe mas é defendê-lo ao nível do clubismo.

      E mais uma vez digo. As incoerências que encontro nele não resultam do que dizem dele mas sim do que o oiço dizer e escrever.

      Eliminar
    17. Já vi que o sr nem quis ver os videos nem quer saber da verdade, e só quer é desconversar. Não percebeu o que eu quis dizer com o exemplo dos iates ou faz de propósito para se manter na sua, mas eu explico de novo, a ideia dos iates foi apenas para explicar que o que Marinho disse é um facto, ele apenas disse que salário de deputado não dá para fazer grandes vidas. NÃO VEJO ONDE É QUE ISSO É MENTIRA? E eu apenas dei o exemplo porque certamente é um assunto relativo, mas não é relativo que uma pessoa que ganha salário de deputado não pode certamente fazer grandes vidas. E repito não vejo onde está o problema dessa afirmação, ou a incoerência, ou o crime??? Mas o sr vê claro. Porque nem quer ver o video sobre essa afirmação, apenas quer fazer um grande filme em volta de uma ninharia. Como se estivesse ao nivel do BPN ou das PPP. As incoerencias não são de Marinho, são sim de pessoas que não sabem o significado de integridade, o significado do que ele diz, e desconhecem a diferença entre o que ele diz, e o que os manipuladores dizem que ele disse. É daí que vêm as incoerencias do Marinho, do Paulo Morais, do Gomes Ferreira, do Medina Carreira e outros que denunciam a corrupção... "Um povo inculto é fácil de enganar."

      Eliminar
    18. PS/PSD/CDS-PP os aldrabões do costume15 abril, 2015 01:12

      Estive a reler as opiniões do nosso expert em finanças públicas e dei por mim a pensar de onde é que eu conheço este estilo de gabazolas, a conversa fiada, a falta coerência intelectual, a retórica gongórica, manipulação dos factos e muito disparate à mistura...Ora fui vasculhar o histórico do APODRECETUGA e no dia 19/05/2014 num post sobre o SIRESP e a jornalista Ana Leal lá estava o comentador Sr. Nuno Pinto com a mesma “desconversa” sobre os vídeos, a incoerência da jornalista (acusado-a de mentir) e do autor do estudo Dr. Almiro de Oliveira etc etc...uma verdadeira novela mexicana.

      É só comparar. O estilo é similar e inconfundível : descredibilizar a Zita e os intervinientes nos videos...é assim, de tempos em tempos aparece um chico-esperto armado em palhaço.

      http://apodrecetuga.blogspot.pt/2014/05/os-corruptos-prosseguem-luta-cerrada.html#.VS2hROlFDIU

      A propósito dos comentários jocosos, lembrei duns versos do Bocage, cada vez mais actuais após 40 anos de proxenetismo político, que lhe assentam que nem uma luva :


      Não lamentes, oh Nise, o teu estado;


      Não lamentes, oh Nise, o teu estado;
      Puta tem sido muita gente boa;
      Putíssimas fidalgas tem Lisboa,
      Milhões de vezes putas têm reinado:

      Dido foi puta, e puta dum soldado;
      Cleópatra por puta alcança a c'roa;
      Tu, Lucrécia, com toda a tua proa,
      O teu cono não passa por honrado:

      Essa da Rússia imperatriz famosa,
      Que inda há pouco morreu (diz a Gazeta)
      Entre mil porras expirou vaidosa:

      Todas no mundo dão a sua greta:
      Não fiques, pois, oh Nise, duvidosa
      Que isto de virgo e honra é tudo peta.

      Eliminar
    19. PS/PSD/CDS-PP os ladrões do costume15 abril, 2015 01:33

      (entrevista de Paulo Morais ao Jornal VIVA!)
      a corrupção foi um dos agentes ativos na crise nacional, atirando os portugueses para “uma ditadura fiscal”. “Há dois fatores que podem identificar a crise: a dívida pública e a privada”, começou por explicar, referindo que a dívida pública “resulta, em mais de 30%, de fenómenos sucessivos de corrupção que saíram caros: na Expo 98, no Euro 2004, no BPN, nos submarinos, nas Parcerias Público-Privadas (PPP), no BES...”. “Só no caso do BPN, os portugueses pagaram (e estão a pagar) cerca de 7 mil milhões de euros, massa financeira que dá quase para pagar a toda a Função Pública durante um ano”, notou. Por outro lado, acrescentou, no início da crise, em 2008, “68% da dívida privada portuguesa era dívida imobiliária, decorrente de fenómenos de especulação imobiliária, alicerçados em corrupção nas câmaras municipais”. E prossegue com a análise do fenómeno: “os promotores imobiliários compram terrenos baratos, em reserva agrícola, e depois, de uma forma criminosa, conseguem, com a influência que têm nas autarquias locais, transformá-los em terrenos urbanizáveis através da obtenção de uma licença de construção ou de um alvará de loteamento. Com esse alvará, transformam um terreno que vale quatro milhões de euros em 20 milhões”.

      Roleta lusa – Professor Paulo Morais

      A forma como o governo lida com a dívida pública está a destruir a economia. Ter o pagamento de empréstimos como primeira das prioridades apenas beneficia o setor financeiro. Em Portugal (ou na Grécia!), é certo que a dívida pública deve ser paga. Mas de forma justa e sustentada. O que significa honrar apenas os créditos contraídos com juros decentes e que geraram investimentos socialmente úteis. E com limites anuais bem definidos.

      O que não faz qualquer sentido é manter a situação atual. Hoje, o serviço da dívida é uma das maiores despesas do Estado português, sendo talvez esta rubrica a grande responsável pelo aumento de impostos, pela falência de empresas e pelas dificuldades sentidas pelas famílias. Portugal gasta mais em juros do que em Educação, mais do que no sistema público de Saúde.

      É claro que a dívida do Estado deve ser assumida. Mas com muitas reservas. Em primeiro lugar, os contratos celebrados a juros verdadeiramente agiotas, da ordem dos 7%, devem ser reavaliados. Descontados os ganhos ilegítimos, pague-se apenas o remanescente. Por outro lado, empréstimos obtidos de forma equitativa, cujo capital foi aplicado em benefício coletivo, deverão ser pagos.

      Mas o esforço de pagamento deve ser limitado a 3% do PIB, à semelhança do que sucede na maioria dos países cumpridores. O que não é admissível é que os portugueses vejam cativa mais de 5% da riqueza criada no país com o serviço de dívida. Aliás, desviar uma fatia exagerada do orçamento para o pagamento de dívidas do passado é profundamente antidemocrático, pois inibe os governos de cumprirem os seus próprios programas, legitimados em eleições. Deverá existir pois uma cláusula que imponha um limite.

      Não é admissível que se castigue todo um povo com uma carga fiscal excessiva, pobreza e fome, apenas para pagar dívidas resultantes de governações irresponsáveis. Da mesma forma que não é aceitável que uma família deixe de comer, e seja abandonada à sua má sorte, apenas porque os avós se endividaram a jogar na roleta num qualquer casino.

      Eliminar
    20. Pois... Essa teoria é óptima. Só tem um problema. Não era eu. Aliás, nem conhecia o blogue nessa altura. Obviamente que, com o seu intelecto superior, não se deixará manipular aqui pela puta ou mentiroso ou lá o que sou e, portanto, não acreditará que não era eu, mas ok, não há problema. Acho imensa piada a arautos defensores do estado de direito que depois são incapazes de aceitar uma opinião contrária à sua e limitam se a partir para a agressão. Mas enfim, são os irônicos paradoxos desta vida. Por fim, muito obrigado por ter achado os meus disparates incoerentes, desonestos e errados dignos de uma segunda leitura, sinto me lisonjeado. É pena que, por mais uma vez, os argumentos para explicar porque os caracteriza assim e que, sem dúvida alguma, rebateriam o que disse tenham ficado na gaveta.

      Passe bem e se faz favor não me volte a insultar porque eu não insultei ninguém e aposto que se isto fosse uma conversa cara a cara não teria esse grau de fanfarronice tão alto.

      Eliminar
    21. Uau! Já vi que o senhor(?) e a sua família, em particular a sua mãe, inspiraram muita e boa poesia. Agora tenha calma e respire fundo que isto de ir buscar poesia à Wikipédia para a vir colocar aqui é um exercício complicado para alguém da sua craveira intelectual. Ainda apanha algum esgotamento nervoso. Confesso que me sinto derrotado em toda a linha perante os seus poderosos argumentos. É graças a pessoas tão inteligentes esclarecidas como o meu amigo (que não sei bem porque teimam em andar a puxar uma carroça com duas palas nos olhos) é que o nosso pais está como está. Agora adeus e até um dia destes. Não se discute com idiotas. Eles levam a discussão para o nível deles e vencem nos por experiência. Aprendi isso consigo. Parabéns pela vitória;)

      Eliminar
    22. "outros, como eu, limitados intelectualmente, somos tão cegos e incultos que por falta de argumentos temos que nos socorrer da Wikipédia... cada galo no seu poleiro. "

      Agora surpreendeu-me... contextualizou o termo "argumentos" correctamente numa frase o que me leva a pensar que até é capaz de saber o que significa essa palavra (e isso sim é uma grande novidade!).

      Bom para si... Sabe o que significa a palavra argumento... O seu tratador vai ficar orgulhoso, pode ser que até lhe ofereça uma banana como recompensa.

      Eliminar
    23. PS/PSD/CDS-PP as putas politicas do costume18 abril, 2015 00:25

      Ex.mo Sr. Nuno Pinto

      Aqui vai mais um da Wikipédia...o meu tratador vai ficar tão contente. Se conseguir uma banana prometo-lhe que é toda sua...está mesmo necessitado de entretenimento pela noite adentro.

      «Estimados Compatriotas:

      Acerca do filho-da-puta, como acerca de muitas outras coisas, correm neste país as mais variadas lendas. Há até quem seja de opinião de que o filho-da-puta a bem-dizer nunca existiu, dado que ele é apenas um modo de mal-dizer. Nada, porém, mais falso. É certo que o filho-da-puta às vezes não passa de um modo de dizer, mas não bastará a simples existência, particular e pública, de tão variados retratos seus, para arrumar com as dúvidas acerca da sua existência real? Pois quem teria imaginação suficiente para inventar tantas e tais variedades de filho-da-puta, caso ele não existisse? Não! O filho-da-puta existe. Em todos os lugares, excepto no dicionário. No dicionário existem variados filhos, entre eles o filho-família, o filhastro e o filhote, mas não existe o filho-da-puta. Em compensação, o filho-da-puta existe em todos os outros lugares. Claro que há lugares que ele de preferência ocupa e onde por conseguinte é mais frequente encontrá-lo; no entanto, exceptuando, como ficou dito, o dicionário, não há lugar onde, procurando bem, não se encontre pelo menos um filho-da-puta.

      Porque o filho-da-puta existe e está praticamente em toda a parte: na escola e nas repartições, na indústria e no comércio, na cidade e nas serras, na rua e nas casas, e até nos cemitérios. Deste (exceptuando casos antigos ainda hoje falados, ou então muito recentes que deram que falar) pouco se sabe, como é natural. Desgraçadamente, porém, o mesmo sucede com muitos dos outros filhos-da-puta, e é isso mesmo que eu considero uma triste lacuna no nosso saber. Em grande parte dos casos, não se sabe deles mais que o que se sabe dos anjos, ou seja: que são seres de eleição que estão em toda a parte, mas que só por obras revelam a sua existência, a seres igualmente de eleição.

      É certo e sabido que filhos-da-puta menos sabidos não desgostam de se revelar; ainda neste caso, porém, não é fácil reconhecê-los, pois o filho-da-puta nem sempre usa sinais distintivos e de resto, há filhos-da-puta que vestem bem e outros que vestem mal, filhos-da-puta garridos e filhos-da-puta soturnos, de uniforme e à paisana, de saias e de calças, de barba e sem barba, de bata branca e de bota preta. Nem sequer é fácil saber com segurança se o filho-da-puta tem predilecção por este ou por aquele traje: é certo que ele se mostra mais nuns que noutros, mas usa sempre o seu traje como a arquitectura de uma tragédia; para ele o nu é o ultraje, e por isso é que o filho-da-puta faz o o traje, embora o traje não faça o filho-da-puta.»
      (…)

      Eliminar
    24. PS/PSD/CDS-PP a canalha do costume18 abril, 2015 02:07

      Sabe como é que é...eu sou um debochado. Bananas ao poder!!! Fora com os macacos.

      E vá lá, não se faça difícil...eu prometo que a desinfecto e o especialista Pinto de aviário sempre pode meter um preservativo. Aproveite que é de boa-vontade.

      Bom, muito bom...é só uma leve semelhança...mais logo teremos a confissão completa. Foi ler por curiosidade...risos. É mesmo um triste...coitadito.

      A pólvora foi inventada no seu IX na China...as coisas que uma pessoa aprende na Wikipédia...ufa! fiquei estafado, hoje já nem vou brincar com a banana.

      Eliminar
    25. Segundo o seu comentário alguém é um triste citadino. Ups! Escreveu essa parte do comentário a olhar para um espelho e a pensar em si:'( mas va, não desista! Conseguir o 4 ano a estudar pelo novas oportunidades não é mau! Tem razões para viver, garanto lhe:)

      Eliminar
  3. Deixo aqui uns links interessantes:
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Programa_de_Contrainteligência
    http://www.cointelprocontinuestoday.com

    ResponderEliminar
  4. @Zita Paiva
    Sobre o "não votar", desculpe, mas não concordo.
    Não voltarei a votar em partidos, ou em pessoas. Não concordo com actual sistema e não vou participar. Só quero votar em assuntos não em partidos ou pessoas, estou a espera que tudo isto mude e apareça uma democracia directa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E a democracia directa aparece por magia? Há partidos que querem democracia directa e o sr não vota para ganhar o ps psd cds, que são os que não deixam implementar a democracia directa? Parece-lhe coerente claro.
      Se quer que o ps ganhe como está previsto mantenha a sua atitude, se quer democracia directa vote nela. È assim que funciona a democracia. As mudanças surgem quando o povo toma na mão o seu poder. O voto é o poder de derrubar a ditadura ps psd cds, e mudar para quem sabe, uma democracia melhor.

      Eliminar
  5. https://www.youtube.com/watch?v=p-Whzw-RA7M

    ResponderEliminar
  6. "E a democracia directa aparece por magia ?"
    Na minha opinião, não vai aparecer se as pessoas continuarem a votar no sistema. Não voto em partidos, não há chance. Parece-me coerente sim, recusar a participar no sistema para que ele acabe. Havendo uma recusa maciça, veremos como ela aparece, se calhar até pode acontecer magia. "È assim que funciona a democracia". Eu acho que a democracia é votar em assuntos e não em pessoas e partidos. Diga-me uma coisa Zita, se um partido prometer uma coisa na campanha eleitoral e não cumprir quando é eleito, o que acontece ? "ps ganhe como está previsto" Não quero que nenhum partido ganhe as eleições, não sou responsável por isso, quem é responsável é quem foi votar neles. Eu nem vou sair de casa nesse dia.

    Gostei do último link, aqui fica mais um:
    https://www.youtube.com/watch?v=5kS8cLd8KYg

    [Não leve a mal eu discordar de si, gosto muito de ler os seus comentários e do blog]

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não levo a mal, mas sou um pouco rispida não por natureza mas por ter que responder a tantos comentários e não ter tempo.
      Mas onde é que decidiu que ao não participar no sistema ele acaba? Sabe que o sr pode não participar mas há milhões sempre que participarão. Acho que sabe disso e sabe que a lei diz que não existe um mínimo de votos expressos para que sejam convertidos em um mandato legitimo.
      O problema é esse é que as pessoas fantasiam sobre a abstenção e confundem fantasia com realidade.
      Aquilo que o sr acha da democracia não interessa, porque o sr abdicou dela, de a mudar ou de a melhorar. Quem decide por si são os que votam e esses votam sempre ps psd cds, são eles os boys, os corruptos, os ricos favorecidos pelos corruptos, familia e amigos de todos eles e os militantes. Portanto o sr quer mudar o sistema mas permite que se elejam há 40 anos os que não deixam mudar o sistema? Porque acha que não votar faz cair o sistema? COmo?
      Como deve calcular isso é uma mentira e das grandes, o que faz cair o sistema é votar contra ele. O que faz surgir a democracia directa é votar nos partidos que a querem implementar. É assim que funciona a democracia.
      Não votar é o vazio, a nulidade a ingenuidade... foram anos de manipulação a afastar os revoltados e os indignados das urnas, a convencerem o povo que a abstenção é revolta (de sofá) muito comoda e eficaz, há 40 anos a eleger o ps psd. Que a abstenção é protesto e faz cair sistemas... tudo manipulação e tem dado resultado, o povo não vota e os corruptos estão tranquilos há 40 anos imbativeis, sem gente que lhes faça frente nas urnas, um povo cobarde que não lhe oferece resistencia nem oposição. Fica em casa a revoltar-se.https://www.youtube.com/watch?v=a7lxEMDrw_Y

      Eliminar
    2. A legislação não é fácil de encontrar, mas existe e não deixa dúvidas, não existe um número de votos mínimos para que estes se convertam em mandatos.
      Artigo 152.º
      Representação política
      1. A lei não pode estabelecer limites à conversão dos votos em mandatos por exigência de uma percentagem de votos nacional mínima.
      2. Os Deputados representam todo o país e não os círculos por que são eleitos.
      Portanto abstenham-se à vontade que ganha sempre o partido que tem mais militantes, mais boys, e amigos ricos que favorecem com os nossos impostos, e esses não deixam de votar. São votos garantidos.
      Claro que é ultrajante perceber que eles criaram esta lei para se protegerem e eternizarem no poder. É pena é que os eleitores não percebam isso e façam o que convém ao arco da governação, não votam.
      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/11/o-poder-do-voto-voto-em-branco-e-nulo.html#ixzz3XExR0AG4

      Eliminar
    3. Pode ainda perceber que a abstenção nunca foi ou será um perigo para o sistema, pois é o sistema que a alimenta e a prova está aqui::: Em Portugal há mais de 1 milhão de eleitores fantasma entre mortos e emigrantes – números que podem distorcer os resultados das eleições, porque influenciam a distribuição de deputados por círculos eleitorais nas legislativas.
      As contas não são difíceis. Em 2011, segundo o censo, Portugal tinha 8 421 457 pessoas com direito a votar. No entanto, nas eleições de 5 de Junho desse ano estavam registados nos mapas oficias da Direcção-Geral da Administração Interna (DGAI) 9 425 894 eleitores. Há então um excedente de 1 004 437 eleitores em Portugal, que representam cerca de 10,66% dos votantes inscritos. Muitos emigraram mas não mudaram a residência, outros já morreram mas continuam nos cadernos. São os eleitores fantasma.
      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/03/mais-de-1-milhao-de-abstencionistas.html#ixzz3XCQ7rBwP

      Eliminar
  7. Olá Zita, obrigado pela resposta.

    "não existe um número de votos mínimos para que estes se convertam em mandatos." Posso garantir-lhe que não votei em ninguém que tenha implementado essa lei ou regra da não existência de votos mínimos para que ajam mandatos. Não concordo com isso. Conheço é algumas pessoas que depois de terem votado em partidos, queriam retirar o voto... seria interessante uma lei que permitisse retirar o voto. Sobre os "eleitores fantasma", não há muito a dizer, já disse tudo.

    "Mas onde é que decidiu que ao não participar no sistema ele acaba?"
    Não é uma decisão, é uma observação racional, se um número suficiente de pessoas decidirem não participar no sistema, ele deixa de ser sustentável. Eu muito raramente "decido" alguma coisa, geralmente deixo que as informações que consigo obter me levem a uma decisão.

    " pode não participar mas há milhões sempre que participarão."
    Muitos participam no sistema, a Zita participa não é ?, no meu ponto de vista é uma pena que isso aconteça, mas tenho esperança que as coisas mudem e que sejam cada vez menos até que o número de pessoas que recusam o sistema seja tão grande que a coisa colapse. Se calhar muitos dos antigos romanos também nunca pensaram que o seu império ia desaparecer e depois aconteceram as condições que levaram ao seu desaparecimento. A abstenção, mesmo com "eleitores fantasma !?", está a aumentar não é ? então cada vez menos pessoas participam no sistema. É esperar que continue.

    "O que faz cair o sistema é votar contra ele."
    Não concordo. Na minha opinião é o oposto. Eu acho que o que faz cair um sistema é a recusar de participar nele. Temos os dois convicções fortes sobre isto. Vamos acordar em discordar. Não vale a pena argumentar quando há convicções fortes.

    " O que faz surgir a democracia directa é votar nos partidos que a querem implementar. É assim que funciona a democracia."
    Não concordo. Nunca votaria num partido, nem que este fosse a favor da democracia directa. Não voto em partidos, quero votar em assuntos. Apoio movimentos a favor da democracia directa.

    "Aquilo que o sr acha da democracia não interessa, porque o sr abdicou dela, de a mudar ou de a melhorar."
    Bem, se não interessa o que eu acho, peço desculpa por ter feito comentários e prontos não farei mais, será este o último, o blog é da Zita, e sinceramente não quero escrever coisas que sejam consideradas não interessantes, escrever para alguém que acha não interessante a sua opinião, é perder tempo, como deve concordar.

    Mas não acontece o que diz, eu não abdico de participar na sociedade, apenas me recuso a fazê-lo pelos meios que me são colocados à disposição, e penso que essa recusa causará mudanças que vão melhorar a sociedade. Fiquei a pensar que queremos o mesmo, só que não concordamos com o caminho para lá chegar.

    Boa noite.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. """Não é uma decisão, é uma observação racional, se um número suficiente de pessoas decidirem não participar no sistema, ele deixa de ser sustentável. Eu muito raramente "decido" alguma coisa, geralmente deixo que as informações que consigo obter me levem a uma decisão."""

      E onde é que chegou a essa verdade? Racional? Foi quando cavaco ganhou com 54% da abstenção? Ou agora na Madeira onde a abstenção votos brancos e nulos também venceram em grande? Não sei onde é que a sua observação se baseia, mas não deve ser da realidade... nem conheço nenhum caso que comprove a sua teoria. lol

      """Não concordo. Na minha opinião é o oposto. Eu acho que o que faz cair um sistema é a recusar de participar nele. Temos os dois convicções fortes sobre isto. Vamos acordar em discordar. Não vale a pena argumentar quando há convicções fortes. """"
      Portanto o sr acha que é uma questão de concordar? Os factos a realidade que o rodeia, arrasadora não conta para nada? Mais de 30 anos com valores de abstenção brancos e nulos elevados, e outros paises ainda mais que Portugal e nada caiu mas o sr sabe que vai acontecer? Lol
      Com o próprio governo a oferecer 10% de abstenção.. isso tb não lhe diz nada? Claro... o governo afinal quer derrubar o sistema? LOL

      """""Nunca votaria num partido, nem que este fosse a favor da democracia directa. Não voto em partidos, quero votar em assuntos. Apoio movimentos a favor da democracia directa."
      E quer conquistar esse direito que se CHAMA DEMOCRACIA DIRECTA" SENTADINHO NO SOFÁ? ok lol

      "Aquilo que o sr acha da democracia não interessa, porque o sr abdicou dela, de a mudar ou de a melhorar."
      Bem, se não interessa o que eu acho, peço desculpa por ter feito comentários e prontos não farei mais, será este o último, o blog é da Zita, e sinceramente não quero escrever coisas que sejam consideradas não interessantes, escrever para alguém que acha não interessante a sua opinião, é perder tempo, como deve concordar.
      NÃO QUEIRA DISTORCER O QUE EU DISSE NO CONTEXTO QUE EU DISSE, NÃO INTERESSA O QUE O SR PENSA, PARA OS CORRUPTOS, ESPERO ESTAR A DEBATER ISTO COM UMA PESSOA INTELIGENTE, ESPERAVA. JOGUINHOS DE VITIMIZAÇÃO PARA TENTAR DESACREDITAR-ME NÃO SÃO RECOMENDÁVEIS EM DEBATES ENTRE PESSOAS QUE JOGAM LIMPO.

      São os únicos meios que temos para selecionar o melhor e o pior na politica, é o voto. Todos os outros são inúteis. Se não quer, não se preocupe, alguém escolherá por si, quem o vai governar. o ps ou o psd serão os próximos eleitos pelos amigos deles onde se incluem os abstencionistas. Porque eles ganham não apenas por votos, mas por ausência de oposição de votos.
      Depois admiram-se que são sempre os mesmos. Este povo é mesmo burro vota sempre nos mesmos... não meu caro quem vota sempre nos mesmos não é o povo, são os militantes os ricos e os corruptos, o povo fica em casa no sofá a fazer birra à espera que a casa caia por mais uns 40 anos.

      Eliminar
    2. Sem dúvida que os abstencionistas fanáticos que tentam efectuar lavagens ao cérebro das pessoas com publicações e republicações falaciosas, recorrendo a técnicas de marketing à boa maneira das grandes agências de publicidade, estão a ser pagos pelas mesmas entidades que patrocinam PSD, PS e CDS!
      Se a abstenção sempre favoreceu o ps psd cds, que se espera de pessoas que apelam à abstenção? E não é por fingirem que acreditam que a abstenção é revolução, que enganam as pessoas informadas, apenas os incautos ainda não perceberam isso.
      Claro que os abstencionistas descrentes, porque não têm tempo para se debruçarem sobre a política, a quem faz muita confusão toda a terminologia usada nos debates políticos, acabam por ser "enrolados" por esses fanáticos e, assim, nada muda! Como convém... ao sistema

      Eliminar
  8. Os partidos dão a cara mas na realidade não são eles que decidem, nem o povo. As leis que são aprovadas por "qualquer partido" vão ser sempre favoráveis ao grande capital porque é ele que lhe paga. O sistema económico monetário é fraudulento por natureza. E contra isso ninguém se vai opor, nem mesmo o povo, a não ser que um dia percebam que enquanto não tirarem a comida por detrás do frigorífico as formigas vão continuar aparecer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. por causa dessa análise incorrecta é que somos governados por corruptos, como é óbvio isso que o sr diz SÓ ACONTECE EM PAÍSES CORRUPTOS QUE ELEGEM CORRUPTOS, OS PAÍSES MENOS CORRUPTOS DO MUNDO NÃO DEIXAM OS QUE ESTÃO ATRÁS DAS CORTINAS MANDAR NELES PORQUE NESSES PAÍSES AS PESSOAS VOTAM CONTRA OS QUE OBEDECEM AOS QUE ESTÃO ATRÁS DAS CORTINAS. Em países de gente que acredita em tudo e tudo inventa para não votar contra os corruptos, temos o país à mercê de quem quiser subornar os corruptos do governo e a culpa é das pessoas que não votam contra a corrupção .

      Eliminar