15 janeiro, 2013

O descaramento atinge-nos de todas as formas. Promiscuidades óbvias

Para os corruptos não há sacrifícios

A promiscuidade em todo o seu esplendor. Citação da passagem do livro “Os Donos de Portugal”:
Como lesar o estado em perto de 10 milhões de euros e ainda saírem todos a ganhar, dinheiro e cargos??? Se não acredita que o descaramento chega a tanto, leia o texto, que se segue, e repare nas misturas, na inter-ajuda, na ligeireza com que se decide passar milhões dos teus impostos, para a mão dos privados. Depois dizem que Portugal está falido? Ou estará saqueado? O dinheiro anda aí está é nos locais errados, e não nos cofres do dono,-  o estado português - 
10 milhões naquela época,( anos 90) era muito dinheiro!!! Caramba!!!

“A indemnização a António Champalimaud pelas nacionalizações começa por ser objecto de uma comissão arbitral.
O Ministério das Finanças designa um grupo de acompanhamento integrado pelo subinspector-geral de Finanças, Assunção Dias, na altura também presidente do conselho fiscal da Mundial Confiança estatal. De um valor inicial de 200 mil contos, o grupo de acompanhamento chega à proposta de 1,6 milhões. Assunção Dias apresenta depois uma avaliação particular, da qual exclui os outros dois membros do grupo de acompanhamento, em que propõe 5,5 milhões. Por fim, usando o parecer de Assunção Dias, o Secretário de Estado das Finanças, Elias da Costa (mais tarde administrador do Santander), propõe ao ministro Braga de Macedo uma indemnização de 10 milhões, a pagar pelo BPSM e pela Cimpor estatais. Além disso, a Cimpor renunciava a uma dívida de 7 milhões e o BPSM desistia de três processos judiciais em que exigia 8,6 milhões (DN, 18.03.1995).
Onze dias depois de receber este dinheiro, Champalimaud compra 51% da Mundial Confiança, mantendo Assunção Dias no conselho fiscal da seguradora agora privada. Assunção Dias acumulará esse cargo com o de chefe de gabinete do novo ministro das finanças, Eduardo Catroga, e depois com o de inspector-geral de Finanças. A seguradora é vendida a um preço de favor, equivalente ao volume anual dos prémios que realiza (o valor de uma seguradora era então calculado, em média, no dobro do valor anual dos seus prémios).O ex-chefe de gabinete de Catroga, Assunção Dias é hoje presidente do Conselho fiscal dos Seguros Santander.” Fonte

Para eles... 
É delicioso ser corrupto num país onde se dão medalhas a criminosos, e o povo aceita sereno.
É tranquilizante saber que a corrupção é impune, e o povo silencioso pactua  e vota.
É interessante saber quanto nos custa a corrupção, e o povo desconhece a verdade.
para nós.. .
É aterrorizante saber que um grupo de desavergonhados possui a capacidade de destruir um país, e o povo continua a acreditar neles, e a dar-lhe o poder de nos governar.
É triste saber que o país jamais terá solução porque esses desavergonhados jamais irão parar pois colocaram ao seu serviço a constituição.
É assustador saber que a justiça os protege e apoia no saque, abandonando os cidadãos à sua triste sorte de indefeso.
É desesperante saber que não existe justiça que nos valha...

Ainda há quem diga que os governos não têm defendido os interesses do estado, quando se trata de negociar??? Afinal temos uns verdadeiros artistas no governo, especialistas, na arte de bem negociar???

"Quem acompanhe minimamente, ainda que só pela comunicação social, o que se tem vindo a passar nos inquéritos parlamentares em curso sobre as relações entre os Governos PS e PSD e alguns grupos económicos, há-de reparar que todas as grandes figuras da alta finança portuguesa, quando ouvidas pelas comissões de inquérito, se queixam amargamente dos péssimos negócios que têm feito com o Estado.
Queixa-se Belmiro de Azevedo de ter de aguentar o Estado como parceiro em negócios no Brasil, queixa-se Jardim Gonçalves de ter adquirido o BPA com um buraco financeiro de 70 milhões de contos, queixa-se Abel Pinheiro de ter ficado a perder no negócio entre o Estado e o grupo Grão-Pará, queixa-se Luís Champalimaud de um prejuízo de - imagine-se - 500 milhões de contos que as nacionalizações teriam causado ao seu pai. Ficar-se-ia a saber, dando crédito a tais queixumes, que os mais ricos patrões de Portugal, que não se tornaram conhecidos propriamente por fazerem maus negócios, teriam sido ludibriados por hábeis negociadores governamentais apostados em defender os interesses do Estado.
Vendo as coisas porém como elas são e não apenas em função de tais versões, ficam a descoberto realidades bem diferentes. É certo que, em ambos os inquéritos parlamentares, ainda há muito que investigar. Mas bastou a procissão ter saído do adro, para se verificarem situações como estas:
O grupo SONAE, do eng. Belmiro de Azevedo, adquiriu ao actual Governo PS o controlo da Torralta, através da compra dos créditos do Estado sobre esta empresa. Comprometeu-se a investir 10 milhões de contos em 7 anos na península de Tróia (beneficiando de diversos incentivos públicos para esses investimentos) e em contrapartida adquiriu créditos públicos, cujo valor nominal ultrapassa os 32 milhões de contos, por 5,9 milhões, tendo pago até à data apenas um milhão de contos e só tendo de pagar os 4,9 milhões de contos que faltam, entre 2007 e 2022. E ainda ficou com a concessão da Zona de Jogo de Tróia em condições especialmente favoráveis.
Quanto a António Champalimaud, conseguiu um acordo sui generis com o Governo PSD. O Estado português desistiu de uma acção que havia intentado no Brasil contra António Champalimaud (onde reclamava uma indemnização superior a 6 milhões de contos), desistiu de uma providência cautelar que havia instaurado e que se traduzia no arrolamento de todos os bens deste empresário no território nacional (permitindo-lhe assim concorrer à aquisição de empresas a privatizar) e ainda lhe pagou uma indemnização de 10 milhões de contos cujo fundamento ninguém sabe explicar, mas que foram muito úteis a António Champalimaud para deitar a mão ao Banco Pinto e Sottomayor. Não contente com isto, Champalimaud mantém processos contra o Estado reclamando indemnizações de valor astronómico.
E ainda se queixam do Estado..."
«O Militante» Nº 239 - Março / Abril - 1999


13 comentários :

  1. Depois do chefe da tribo, do rei, do imperador, do ditador, tudo evoluções nominais para um controlo centralizado das populações, alguém recuperou a grega ideia, da democracia.

    Com ela foi dada a ilusão que todos têm uma palavra a dizer na decisão política.
    E, quem consegue mais votos, manda, por um período limitado de tempo...

    NADA MAIS ERRADO: Hoje é evidente que a democracia é mais uma prostituta, do eterno poder do dinheiro.

    Os governantes em democracia são matronas que entregam ao capital, as mais apetecidas "meninas" (empresas públicas) recebendo eles próprios tão chorudas, quanto ocultas, comissões.

    Li, algures, que uma alfândega bem organizada poderá detectar um máximo de 15% do contrabando que por lá passa...
    Agora pensem o que acontece numa alfândega onde os fiscais ajudam os traficantes...

    E NELA, NÓS SOMOS APENAS, A MERCADORIA TRAFICADA!

    A democracia tem de garantir a lealdade de quem governa a quem o elegeu, num processo célere e com um mecanismo de elevado grau de certeza.


    ResponderEliminar
  2. EHEHEHEH!!!!
    E o burro sou eu? e o burro sou eu? enh?

    Vota ótàrio!
    Esta é a melhor forma de governo que o dinheiro inventou.
    E diz o palhaçom do Bloco de Esterco grego, que é preciso ter cuidado com o renascer do fascismo. O mesmo palhaço que já estava assustado quando quase era eleito, e como tal se isso acontecesse estava fuudido porque lhe iria cair a máscara.
    E biba o boto carago!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Bloco de Esterco grego ou o Tuga não querem governar por isso. Nem o PCP. Esses partidecos tem outro papel mais sinistro. O da ilusão democrática. São ancoras de protesto que servem para afagar as mágoas de alguns descontentes e acreditam ver ali uma alternativa.

      Eliminar
    2. Tudo dito, Pedro Lopes.

      Eliminar

  3. PS = Partidos dos Sacanas
    PSD = Partido Social Destruidor
    CDS/PP = Canalhas Demagogos Sobinas/Paulo Portas
    BE = Barrete de Esquerda
    PCP = Partido Comunista Parasitário

    PR = Presidência da Roubalheira

    PGR = Protector do Gamanço e Rebaldaria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa Definição Sr. Pedro

      Se calhar a definição real dos partidecos ordinários que temos neste País das bananas e grande parte de pessoas sem formação e pouco inteligentes. Quando em 38 anos se vota sempre nos mesmos. É caso para dizer quanto mais me bates mais gosto de ti...

      Fernando

      Eliminar
    2. Correção: BE já não é Bloco de Esterco ou Barrete de Esquerda. Agora passou a ser... Bicéfalos de Esquerda!

      Eliminar
    3. "Bicéfalos de Esquerda!"

      Excelente.

      Eu na realidade fiquei intrigado com a tal liderança "bicéfala". Para ser mais coerente com os ideais do Bloco devia ser uma liderança bicéfalo mas do mesmo sexo.
      Não faz muito sentido. Não sei se me fiz entender.....

      Eliminar
  4. Não deixa de ser insultuoso aqueles opinadores do costume virem para as televisões do alto das suas reformas milionárias falar em austeridade como se esta os afetasse. Falam muito em Nós isto, Nós aquilo quando na prática a austeridade deles se resume quando muito a optar por marcas menos caras de Scotch ou de Charutos. Têm cá uma lata e então quando dizem que temos de deixar de comer bifes e lavar os dentes com o copinho...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A pirâmide de ladroagem que ocupa o poder tem, na sua base, advogados bem pagos - directamente pela RTP1 e 2 e indirectamente (através da compra de publicidade "institucional")na SIC e na TVI - que, para apoiarem o essencial do roubo, fingem criticar o poder aqui e ali.

      O teatro continua no parlamento, onde perante as câmaras os deputados se gritam e esganam mas, ao almoço - perante o faisão e a reserva do esporão, por nós pagos - contam anedotas, trocam inconfidências, combinam jantaradas e potenciam saborosos favores à sobremesa.

      Mas a obra-prima da fantochada democrática continua a estar nas MENTIRAS ELEITORAIS IMPUNES.

      Se não os obrigarmos a considerar CRIME a falsa promessa eleitoral, punível com prisão, continuaremos a assistir ao despurado déjà vu, mas bem mais cínico e criminoso onde, de novo, se misturarão os aplausos de cordeiros e de lobos.

      Eliminar
  5. "EU JÁ NÃO SEI O QUE FAÇA
    P´RA JUNTAR ALGUM DINHEIRO;
    SE SE VENDESSE A DESGRAÇA
    JÁ HOJE EU ERA BANQUEIRO.

    TU NÃO ME EMPRESTAS DINHEIRO
    PORQUE NÃO TENHO VINTÉM;
    MAS SE TO PEDE UM BANQUEIRO
    QUER VINTE, OFERECES-LHE CEM."
    (António Aleixo)

    ResponderEliminar
  6. A ENTIDADE ESTADO PORTUGUES NAO EXISTE,

    OU MELHOR É UM NOME QUES E DÁ A UNS MILHARES DE PREVILIGIADOS QUE VIVEM Á CONTA DOS OUTROS QUE TRABALHAM.

    O ESTADO PORTUGUES É NO SEU COMPTU GERAL UMA PESSOA DESLEAL, UMA ENTIDADE DE MÁ FÉ, E A PROVA É QUE,

    NUNCA NINGUEM VAI PRESO!!!!

    NAO VOTEM EM CORRUPTOS.

    NAO VOTEM EM CORRUPTOS.

    NAO VOTEM EM CORRUPTOS.

    NAO VOTEM EM CORRUPTOS.

    NAO VOTEM EM CORRUPTOS.

    NAO VOTEM EM CORRUPTOS.

    ResponderEliminar