21 setembro, 2014

OS INTERESSES OBSCUROS QUE LEVAM A UE E O GOVERNO A SALVAR BANCOS E DESTRUIR O PAÍS?

PAULO MORAIS... E NÃO SÓ, RESPONDEM...


Neste video fique a perceber porque Portugal prossegue as operações suicidas de salvar bancos falidos e colocar o país a pagar os crimes e incompetências da banca.
Todos os nossos sacrifícios e a austeridade têm, afinal, como único objectivo salvar os bancos, porque a Merkel e os países mais fortes, têm interesse em que os bancos falidos dos países corruptos e incompetentes, não afectem e contagiem os seus países.
Mas nada como ver e ouvir o video e perceberá que andamos a sofrer para salvar milionários corruptos e incompetentes e assegurar a salvação da banca alemã e afins.

Ajudas a Portugal e Grécia foram resgates aos bancos alemães.
Philippe Legrain, foi conselheiro económico independente de Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia, o que lhe permitiu acompanhar por dentro o essencial da gestão da crise do euro. A sua opinião, muito crítica, do que foi feito pelos líderes do euro, está expressa no livro que acabou de publicar “European Spring: Why our Economies and Politics are in a mess”.
A tese do seu livro é que a gestão da crise da dívida, ou crise do euro, foi totalmente inepta, errada e irresponsável, e que todas as consequências económicas e sociais poderiam ter sido evitadas.

@-Porque é que as coisas se passaram assim? O que é que aconteceu?
Uma grande parte da explicação é que o sector bancário dominou os governos de todos os países e as instituições da zona euro. Foi por isso que, quando a crise financeira rebentou, foram todos a correr salvar os bancos, com consequências muito severas para as finanças públicas e sem resolver os problemas do sector bancário.
Já é mau demais ter-se um patrão imperial porque não tem base democrática, mas é pior ainda quando este patrão lhe impõe o caminho errado.

@ - Numa união europeia, numa união monetária, governos e instituições europeias puseram os interesses dos bancos à frente do bem estar das pessoas?
Essa é a questão essencial. Estou inteiramente de acordo. Na primeira fase da crise, já foi suficientemente mau que os contribuintes tenham tido de salvar os bancos dos seus próprios países. Mas quando o problema alastrou a toda a UE, o que aconteceu foi que a zona euro passou a ser gerida em função do interesse dos bancos do centro – ou seja, França e Alemanha – em vez de ser gerida no interesse dos cidadãos no seu conjunto. O que é profundamente injusto e insustentável.
@ - E destrutivo para a UE...
Exactamente. Essa é a tragédia. Em resultado dos erros cometidos, a Europa está a ser destruída, o apoio à Europa caiu a pique, velhos ressentimentos foram reavivados, outros nasceram, a par de tensões sociais no interior dos países.
@ - Quando diz que os Governos e instituições estavam dominados pelos bancos quer dizer o quê?
Quero dizer que os Governos puseram os interesses dos bancos à frente dos interesses dos cidadãos. ARTIGO COMPLETO

Mais sobre o embuste de que somos vitimas
  1. Video -Passo a Passo, como transformar a divida da banca em divida pública... 
  2. As dividas soberanas são impagáveis 
  3. A austeridade nunca resolveu dividas
  4. Escravos do BCE
  5. Juros usurários
  6. 12 mil milhões para a banca?
  7. Já conhecem o Ministério da Banca? 
  8. Os agiotas já o fazem em outros países
  9. No Canadá, até as crianças já perceberam
  10. Escravos para sempre
  11. Diário do pedido de resgate da Troika
  12. Comissão que negoceia com a Troika, suspeita?
  13. Portugal vive Há décadas a trabalhar para a banca
  14. Moreira Rato ajuda os agiotas... 
  15. Dinheiro do resgate vai para a banca
  16. O BANIF, roubado por eles, pago por nós
  17. O BPP, roubado por eles, pago por nós
  18. O BPN, roubado por eles pago por nós
  19. Proteger os ricos, permitir evasão fiscal 
  20. Vingar-se nos pobres, sem fuga possível.
  21. A austeridade de uns
  22. Paulo Morais, Portugal não está a ser resgatado

ARTIGO DO FINANCIAL TIMES COLOCOU PONTO FINAL NO BES
Na semana passada o artigo publicado pelo Financial Times, sobre o BES, colocou o ponto final no ex-BES. O gráfico do artigo, demonstra como o ex-BES financiava várias empresas do grupo. É a demonstração das ilegalidades ocorridas. É crime que em paises democráticos, deveria colocar muita gente na cadeia.
OUTRO FACTO IMPORTANTE: DECISÃO DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS.
A decisão que este grupo tomou também é a prova que já não acreditam no Novo Banco.
POSIÇÃO DO GOVERNO E PR
Governo de Portugal sobre a solução do BES, já não manda nada. Quem manda é o Banco Central Europeu. Governo português não quer que isso se saiba e que seja do conhecimento da opinião publica portuguesa.
Cavaco Silva também já nada pode fazer e está zangado por perder Vítor Bento como CEO do Novo Banco que queria lá ficar por 5 anos.




10 comentários :

  1. Excelente. E ainda bem que destaca que as decisões têm sido tomadas pelo BCE e UE e não pelo governo portugues; assunto que estranhamente nem os capangas que falam oficialmente nem os diversos comentadores/experts e papagaios partidarios se esquecem de mencionar como se fosse apenas um pormenor sem importancia para que os cidadãos estejam informados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As ordens vêm de cima mas quem as acata são os nossos corruptos e bananas do governo, por isso mesmo os vemos depois a ocupar altos cargos lado a lado com os donos.

      Eliminar
  2. É conhecida a tese de Lucy, um filme recente com Scarlett Johansson. Lucy é uma jovem que absorveu uma droga sintética e passa a ter o superpoder de usar a totalidade do seu cérebro, e não só o poucochinho habitual a que todos recorremos. O sucesso do filme bebe numa tese antiga. Um cientista de Harvard, William James, quantificou a coisa - só usamos 10% do cérebro e o resto está adormecido - e essa ideia tendo aparecido no prefácio do popular livro pioneiro de autoajuda Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas, de Dale Carnegie, em 1936, solidificou o mito dos 10%. Depois, melhores estudos fizeram que se suspeite que o mito dos 10% não passe disso, mito. E é aqui que se chega aos nossos noticiários. Havendo eleições para o ano, estamos em plena época da magistratura plantar notícias, os jornalistas debicarem as sementes e o povo empanturrar-se com escândalos. Uma figura jurídica pinga todos os dias nas manchetes: o crime da "participação económica em negócio". Vem no art. 377 do Código Penal e quer dizer um tipo com funções públicas receber por baixo da mesa. Deveria chamar-se simplesmente luvas, mas chama-se complicado e errado (todos os negócios têm participação económica) porque magistrados, jornalistas e povo são burros. E é assim que os portugueses estão em condições de arrumar, definitivamente, com o tal mito dos 10% do cérebro. Pelo menos nós, usamos só 2 ou 3%. http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=4137731&seccao=Ferreira+Fernandes&tag=Opini%E3o+-+Em+Foco

    ResponderEliminar
  3. Apesar do que este senhor disse é verdade sobre a exposição dos bancos do centro da Europa a certos bancos de outros países na altura da crise global. Ele esqueceu-se de referir que o problema que aconteceu em Portugal não foi esse..

    Porém este foi o problema que acabou por se suceder ao estado da Irlanda em que se endividou para cobrir as perdas da banca sendo consequentemente resgatado mais tarde pela troika.

    No caso Português foi o excesso de dívida publica que meteu o país em bancarrota e só consequentemente caíram os bancos que para além das imparidades que tinham perderam a receita do maior cliente deles, o estado português... ( foi completamente o oposto )

    Claro que foi do interesse do estado português e dos bancos centrais europeus no resgate ao estado português.

    Poderíamos deixar o estado português entrar em banca rota o que era mau para os funcionários públicos e para o mercado interno. Mas também isso iria prejudicar certos bancos no centro da europa que há muitos anos compram dívida publica portuguesa.

    Enfim podemos criticar os "demónios do centro da europa", mas o problema de Portugal antes de tudo é interno.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foram ambas as coisas claro que o nosso problema começa por ser interno
      85% da divida foi gerada pela corrupção de décadas. PAULO MORAIS

      https://www.youtube.com/watch?v=zzN4UZxbW_k&list=PLPAKyd_5x-2ugKFyexk8BHmYidbeAXTiu&index=12

      Eliminar
    2. https://www.youtube.com/watch?v=990XEEIw_1c&index=3&list=PLPAKyd_5x-2sHYA2y83e6d_YFpJbySsm5

      CORRUPÇÃO FALIU PORTUGAL, NÃO FOI A CRISE GLOBAL.Apenas 3 países, estão falidos como Portugal . Medina Carreira

      Eliminar
  4. Peço desculpa, mas poderiam remover o comentário anterior? O meu comentário foi sobre outro vídeo no seguimento do apresentado neste artigo!

    Obrigado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O comentário parece-me adequado... quer que o remova ? mesmo?

      Eliminar
  5. Porque continua a dar exemplos com pessoas que não são exemplo para ninguém (Marinho e Pinto, Medina Carreira...)? Há mais gente a dizer o mesmo que eles mas que não estão associados aos partidos corruptos, o que não é o caso dos dois citados anteriormente (um ligado ao PSD e outro aso PS ... Então os últimos desenvolvimentos do caso marinho pinto é de bradar aos céus de tanta incoerência... e populismo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. os corruptos e os que protegem os corruptos tb acham que o Marinho pinto é muito incomodo... vale dizer todas as mentiras para derrubar quem luta realmente contra a corrupção. Só para começar nem um nem outro é do ps ou psd e tenho vários videos de um e do outro a criticarem a corrupção e a incompetência do ps e do psd... só por aí se vê quem é o ingénuo que acredita em mentiras

      Eliminar