29 maio, 2013

Porque será que Moreira Rato não teve resposta? Porque a resposta é vergonhosa?



NESTE VIDEO, Rato escondido ... com o rabo de fora. Mais uma vez as intenções do governo são expostas, mas nada temem, o povo é manso. 
Servir o interesse nacional não é a sua função. Visam, já à descarada, servir a banca e os esquemas que enriquecem as elites (políticos, amigos, grandes grupos económicos e banca)
Mesmo os que nos (des)governam, ganham com a divida e de forma exagerada.
IGCP recebeu comissão de 17,5 milhões pela gestão da dívida pública
Tribunal de Contas critica “peso muito significativo” da comissão aplicada pela agência liderada por João Moreira Rato por gerir a dívida pública. fonte

Porque é que os portugueses não podem comprar títulos de dívida ao Estado português? E Moreira Rato gagueja, e gagueja e promete estudar o assunto... é um assunto novo, nunca ninguém teve tempo para o estudar? Ridícula, a forma como nos julgam ignorantes e idiotas.
Gomes Ferreira insiste em deixar Moreira Rato sem palavras... e pergunta ;
Será para não prejudicar o negócio EXCLUSIVO da banca privada?
José Gomes Ferreira, pergunta a João de Almada Moreira Rato, Presidente do IGCP (Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública - IGCP, E.P.E.), porque motivo não é possível ao cidadão comum comprar directamente ao estado dívida pública, sem intermediários.
João Rato não responde, mas todos ficamos a saber porquê, os bancos, que de facto controlam o estado em Portugal, não querem perder essa fonte de rendimento e muito menos perder os depósitos dos portugueses. Os bancos não querem e por isso não se faz.



Segundo Paulo Morais..."O Governo poderia colocar dívida no mercado interno, através de títulos do Tesouro, desde que estes fossem remunerados de forma atractiva.
Mas não... opta por recorrer a empréstimos junto dos bancos, pagando-lhes juros de 6%, quando aqueles se financiam junto do Banco Central Europeu a 1%. A consequência imediata é a de que, por causa dos juros, o défice se agrava exponencialmente. E, além disso, escasseia o financiamento para as empresas. Seca-se assim o investimento privado, provocando uma recessão na economia.Os donos do regime, bancos e construtoras, exultam. Para garantir ao sector financeiro o negócio chorudo e sem risco que é o de financiar o Estado, aumenta-se o IVA e reduzem-se os salários a centenas de milhares de portugueses." fonte

"Banca rica, País pobre
Nunca como agora a banca portuguesa recorreu em tão larga escala ao Banco Central Europeu: os maiores bancos (portugueses) financiaram-se, em Março, (2012) com 56,3 mil milhões de euros a uma taxa de 1%. Isto até seria uma boa notícia. Mas este dinheiro não é aplicado no financiamento das empresas e das famílias – e em nada contribuiu para a criação de um posto de trabalho. A banca portuguesa prefere comprar dívida pública(igual a emprestar ao estado a 5% e 6%). É muito mais seguro. Os bilhetes do tesouro garantem uma remuneração à volta de 5%. Portugal, já sabíamos, é um País com algumas particularidades. Mais esta: os bancos enriquecem, enquanto a economia do País definha e o desemprego sobe". cmjornal

"João Moreira Rato, o homem escolhido por Vítor Gaspar para dirigir os destinos da emissão da dívida pública portuguesa e o regresso de Portugal aos mercados internacionais, era até agora editor executivo do Morgan Stanley. Quarta-feira foi um bom dia para os Moreira Rato. No dia em que João foi anunciado como presidente do IGCP, soube-se também que o seu irmão mais novo, Miguel – dono da consultora M Public Relations – tinha ganho a conta do Millennium bcp.
Doutorado pela Universidade de Chicago, o novo presidente do Instituto de Gestão do Crédito Público (IGCP), que em setembro completará 41 anos, passou pelo falido Lehman Brothers e pelo Goldman Sachs, o banco que coloca ex-funcionários nos lugares de topo que decidem o rumo da economia global - de tal forma que os concorrentes lhe dão a alcunha de Government Sachs." fonte

"Vítor Gaspar esconde salários milionários." Promiscuidade & secretismo... Presidente do IGCP ganha mais de 10 mil euros por mês.
"O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, tem recusado divulgar os vencimentos auferidos por altos cargos na Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP, que rondam os 300 mil euros anuais no caso do presidente do IGCP, João Moreira Rato.
Também a vogal Cristina Casalinho recebe um valor muito superior ao ordenado do primeiro-ministro.
João Moreira Rato, anteriormente no Morgan Stanley, e Cristina Casalinho, antiga economista-chefe do BPI, beneficiam de um regime de excepção no IGCP após este ter sido transformado em empresa pública.
Questionado Vítor Gaspar não respondeu.
Também o PS apresentou um requerimento ao primeiro-ministro sobre esta matéria, mas Passos Coelho recusou responder «dizendo que a responsabilidade não era dele, mas do ministro das Finanças», disse Carlos Zorrinho.
João Moreira Rato, de 41 anos, era director executivo do Morgan Stanley desde 2010 antes de assumir a presidência do IGCP. Anteriormente tinha passado pelo Goldman Sachs.
Ambos os gestores do IGCP não entregaram as declarações de rendimentos junto do Tribunal Constitucional, o que deviam ter efectuado até 18 de Agosto." diariodigital.
  1. A banca parasita dos portugueses, protegida pelo governo.
  2. Banca sempre a ser ajudada?
  3. Banca sorvedouro impostos?
  4. Paulo Morais convida corruptos a ter vergonha
  5. Empréstimo da troika, vai para a banca?
  6. Moreira Rato ganha 10 mil euros por mês, para representar quem?

17 comentários :

  1. Bandidos....ladrões e nós impávidos a assistir a tudo isto!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A assistir e a votar neles que é ainda pior...

      Eliminar
    2. A piada disto tudo é que eles nem precisam de omitir coisa alguma. pela simples razão que ninguém a vai ler.É a máfia a funcionar de forma legal e à vista de toda a gente
      Conselho de Ministros
      Resolução n.º 25/2012
      (Diário da República, 2.ª série — N.º 125 — 29 de junho de 2012)

      (...)
      Notas curriculares
      (síntese)
      Nota curricular de João de Almada Moreira Rato
      1 — Dados pessoais:
      Nome: João de Almada Moreira Rato.
      Data de nascimento: 29 de setembro de 1971.
      2 — Formação académica:
      1993 — licenciatura em Economia na Universidade Nova de Lisboa.
      2000 — doutoramento em Economia com especialização em Finanças
      pela University of Chicago.
      3 — Atividade profissional atual:
      Desde outubro de 2010 — diretor executivo da Morgan Stanley.
      4 — Funções anteriores
      2008 -2010 — CEO, sócio gerente da Nau Capital LLP;
      2006 -2008 — diretor executivo da Lehman Brothers;
      2003 -2006 — diretor da Lehman Brothers;
      2000 -2003 — associado da Goldman Sachs;
      2000 — estagiário de verão na Goldman Sachs;
      1997 — estagiário de verão no Banco Bozano Simonsen.
      5 — Outras atividades:
      Vice -presidente do Forum da Competitividade de 2008 a 2012;
      Relator da Plataforma para o Crescimento Sustentável de 2011 a 2012.
      e ainda, para quem não leu a anterior resolução:
      PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
      Resolução 42/2012
      DIARIO DA REPUBLICA - 2.ª SERIE, Nº 219, de 13.11.2012

      Eliminar
    3. Ok. Já percebi......outro "Borges", não é verdade?
      Este governo sabe escolher bem o seu pessoal!!!!

      Eliminar
  2. Parque não se faz neste País como na Islândia... A banca que pague a crise que eles próprios criaram!!! Não pode ser os trabalhadores, os reformados e pensionistas a pagar esta crise, para não falar dos combatentes do Ultramar que nunca foram reconhecidos devidamente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo consigo plenamente!!! Ando a dizer isso há 2 anos!!!
      Só k ninguem me liga ...

      Eliminar
    2. Porque ideias há ninguém sabe é como levar o povo a faze-las. Acham que se mandarem a banca pagar a crise ela obedece?
      É preciso saber como fazer as coisas, porque o que fazer todos sabemos.
      Só há uma forma à vista de os obrigar a obedecer e a largar o poleiro, pela força... mas para isso é uma opção de último recurso.

      Eliminar
  3. Muito lindo 1% para os bancos e o Estado paga 6% aos parasitas que são eles próprios que controlam os bancos e o Estado! Ainda há quem siga "políticos" que ajudaram a chegar onde estamos, no esgoto!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. F.D.P.NÀO ENCONTRO OUTRAS LALAVRAS!.....

      Eliminar
  4. Já aqui vi referido, os amigos dos bancos e das construtoras passam dos gabinetes de governo PSD para os do PS e vice-versa.
    Não entendo porque a lei não inibe tal escândalo. Ou talvez entenda...

    Os bancos, mesmo a nível internacional, corroeram o poder e aprisionaram as sociedades.

    O recente caso holandês, mostra a imensa capacidade dessa corja em aprisionar financeiramente, toda a população de um país e, em seguida, provocar a desvalorização dos bens que ela adquiriu, com o crédito fácil por eles impingido.

    A bola de neve que é o sistema capitalista só rola enquanto há alguém a lá colocar dinheiro.
    Quando já só rola se o dinheiro dos mais desfavorecidos lá entrar, vá de lhes dar crédito fácil.

    Imediatamente a seguir, cai a crise. Quem comprou a casa por 100 vê o seu preço cair para 80, mas ficando a dever os mesmos 100 aos esclavagistas da banca.

    As populações têm de formar organizações para-bancárias com estrutura cooperativa, decisões de investimento colegiais e transparentes, Este parece-me o caminho.

    Já ouviram falar do banco sueco que não cobra juros?

    Vejam em http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=zp_egQwwYw8

    Vale a pena!



    ResponderEliminar
  5. Tem um cheiro imundo a ratazanas
    Esta Republica de patanas
    Há que alimentar os mercados
    enquanto somos todos enrabados


    “O Ministro das Finanças está a esconder os salários dos gestores da nova Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública - IGCP, para a qual o Governo criou um regime remuneratório de excepção. Os salários de João Moreira Rato, presidente do IGCP - VEIO DO MORGAN STANLEY -, e de Cristina Casalinho, vogal do IGCP, - era economista-chefe do BPI - são muito superiores ao do primeiro-ministro, segundo apurou o CM, mas o ministério de Vítor Gaspar não esclarece a situação. Na última quinta-feira, um mês depois de terem sido enviadas as primeiras perguntas ao Ministério das Finanças, o CM voltou a confrontar o ministério COM A REMUNERAÇÃO ANUAL DE QUASE 300 MIL EUROS QUE JOÃO MOREIRA RATO RECEBERÁ COMO PRESIDENTE DO IGCP, MAS A TUTELA NÃO RESPONDEU. Os sinais de incómodo do Governo com os ordenados dos gestores do IGCP são visíveis na recusa de Passos Coelho em responder a um requerimento do PS sobre esse assunto. "Fizemos um requerimento ao primeiro-ministro sobre o regime remuneratório de excepção no IGCP. O primeiro-ministro devolveu-o à Assembleia da República, dizendo que a responsabilidade não era dele, mas do ministro das Finanças", explicou Carlos Zorrinho, líder parlamentar do PS. Na sequência da posição do primeiro-ministro, o PS fez um requerimento ao ministro das Finanças sobre o mesmo assunto. Vítor Gaspar não respondeu. NA BASE DO REGIME DE EXCEPÇÃO NO IGCP ESTÁ A SUA CONVERSÃO EM EMPRESA PÚBLICA. COM ESTA MUDANÇA, OS SEUS GESTORES PODEM OPTAR PELO SALÁRIO MÉDIO DOS ÚLTIMOS TRÊS ANOS. E o ordenado é fixado por despacho do ministro das Finanças” - Correio da Manhã

    João Moreira Rato( O Chicago Boy) presidente do IGCP
    Formação académica:
    - Licenciatura em Economia na Universidade Nova de Lisboa
    - Doutoramento em Economia com especialização em Finanças pela University of Chicago
    Funções anteriores:
    - Director Executivo da Morgan Stanley (Em 2009, o Morgan Stanley fez uma joint-venture com o Citigroup, formando o Morgan Stanley Smith Barney, o maior banco de investimentos do mundo)
    - CEO, sócio gerente da Nau Capital LLP (pelo que li, é um "hedge fund que tinha como objectivo chegar aos 500 milhões de euros em dois anos; a aventura terminou quatro anos depois, com a venda da totalidade do fundo ao Eurofin Capital")
    - Director Executivo da Lehman Brothers (lembram-se do banco norte-americano que faliu em 2008 por causa da «crise do subprime»? Era este!)

    Doutorado pela Universidade de Chicago, o novo presidente do Instituto de Gestão do Crédito Público (IGCP) passou pelo falido Lehman Brothers e pelo Goldman Sachs, o banco que coloca ex-funcionários nos lugares de topo que decidem o rumo da economia global - de tal forma que os concorrentes lhe dão a alcunha de GOVERNMENT SACHS.

    ResponderEliminar
  6. Grata, Zita, pela tua tão grande e lúcida consciência e pelo teu imenso trabalho a denunciar os crimes cometidos.

    Pois é, todos sabem dar bitaques, mas na hora da acção e de sair da sua zona de conforto, já não aparece tanta gente. E esse é o grande problema.

    "Não podemos resolver os nossos problemas com o mesmo tipo de pensamento que lhes deu origem" Ervin László

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo apoio. Por vezes é a única coisa que me dá força para continuar... O apoio dos leitores e dos portugueses que também gostavam de ver o país mudar, em vez de mudar de país.
      Para o país mudar tem que se mudar as mentalidades, questionar tudo o que nos impingiram desde há muitas décadas.
      - Ser politico não é sinónimo de competência ou de honestidade, como se pensava e ainda pensa nas terras mais remotas, onde os menos informados pensam que os srº doutores são dignos de todo o respeito e confiança.
      - Votar não é um direito se atenta contra o bem nacional e o povo.
      - votar não é um dever se nos obriga a colocar no poleiro pessoas impunes e impossíveis de responsabilizar pelo que fazem.
      - Democracia não é apenas votar. Democracia não o é apenas porque te dizem que é.
      - Usar gravata e falar na TV não é sinal de seriedade.
      - Não são os politicos que são patrões, o povo é que é patrão dos politicos.
      - o povo não pode desligar-se da politica. Políticos sem vigilantes, dá no que sabemos...
      etc etc etc são imensas a ideias enraizadas e distorcidas, que permitem que os portugueses continuem a auto destruir-se.

      Eliminar
    2. Aqui vai a minha contribuição, para mudanças no País
      Se aproveitável, estou disponível.
      Enquanto cidadão preocupa-me o estado actual do País.
      O compadrio, apadrinhamentos, afilhados e afins levaram e levarão o País ao fundo.
      Ninguém acredita em ninguém. De facto não basta dizer sou Honesto-tem de se provar.
      Assim , tem de ser baseado na desconfiança que reina actualmente,que se pode ainda propor algo, que as Pessoas, mesmo desconfiadas, possam ainda experimentar.
      Ao apresentar a proposta tendente à actuacção do PARTIDO POLÍTICO, faço-o porque pretendo de facto um Novo Partido e não mais um, semelhante aos existentes. Desde o sorteio por todos os militantes para integração dos ÓRGÃOS REPRESENTATIVOS, quer a nível regional quer a nível nacional para integração das listas concorrentes às eleições, passando pela adopção constante e permanente dos REFERENDOS, para resolução de todos os problemas e adoptando totalmente o respeito pela “DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DO HOMEM” e o princípio de “NÃO FAZER AOS OUTROS O QUE NÂO QUERES QUE TE FAÇAM A TI”, demonstra que efectivamente o Partido se propõe aparecer, com uma dinâmica de actuação NOVA..

      Recepção de propostas e as propostas vencedoras dos referendos serão lideradas pelos subscritores, pois só assim,terão credibilidade e êxito.


      Forma de actuacção:
      1-recepção de todas as propostas, para referendo
      2-apresentação para votação das mesmas e apuramento dos resultados.
      3-o subscritor da proposta mais votada, será o responsável pela área em questão, com funções de governação.
      SIM É POSSIVEL INTERVIR NA VIDA PÚBLICA RESPEITANDO OS OUTROS E PROVANDO-SE HONESTIDADE .

      Eliminar
  7. Quando a outra metade dos palhaços instrumentalizados se deixar de gandolavilamolenas talvez se veja uma luxxx ao fundo do túnel.

    Até porque esta estória de apelo à abstenção cheira um bocado mal porque nós sabemos que a escumalha vermelha, ao contrario da cinzenta, vai lá sempre por o papelinho com o x.

    Por mim continuo a dizer que - Votar é como mijar contra o vento.

    ResponderEliminar
  8. Aposto que o doutoramento obtido em Chicago, pelo Chicago boy, tem tudo de semelhante aos doutoramentos que a Lusófona vende aos africanos aqui em Lisboa...

    Pensam que enganam alguém com títulos académicos de compra fácil?
    Exactamente em quê o Rato se gradoou? Em excel nível 2?

    Merdosos, carreiristas e obviamente, incompetentes é o que vocês são.
    Com destaque para o Gnomo Gaspar, que beija o cu ao Schauble, para ir para comissário europeu.

    Nojentos!

    ResponderEliminar
  9. Este é mais um daqueles "artistas" que não percebem nada de nada e - como agora é moda - vão ocupar lugares de "responsabilidade". Têm cursos das universidades de Chicago, como se isso fosse uma grande coisa. Outra coisa: este vídeo perace que não é para entender, uma vez que tem uma música de tal forma alta, que não dá para ouvir os "fregueses" a falar. Será de propósito?

    ResponderEliminar