25 abril, 2014

Um calote com 40 anos, quando é possível pagar!



No dia 25 de Abril deste ano (2014) comemoram-se os 40 anos do fim da ditadura.
A descolonização que daí adveio foi tudo menos bem-organizada e/ou minimamente responsável.
Foi toda ela feita em cima do joelho. Se não tivesse sido assim, muitos portugueses não tinham perdido tudo o que tinham.
E nem falemos de Timor Leste...o próprio Ali Alatas chegou a falar contra Portugal.
Não houve a menor preocupação, o menor interesse, o menor zelo pelos cidadãos portugueses em países ultramarinos, ou pelas suas propriedades. Houve, pelo contrário, um total abandono, uma total desconsideração pelos mesmos, que ficaram entregues à sua própria sorte. Há até quem diga que só faltou às tropas (depois de passarem anos a defender os portugueses nas colónias) apontarem as armas contra as pessoas para as obrigar a sair de lá. Por as tropas estarem fartas daquilo.
Se quem tomou o poder pretendia que Portugal deixasse as colónias, podia levar a cabo tal objetivo de forma ordeira e planeada; se alguém fosse, devido à descolonização, obrigado a sair do sítio onde vivia e deixar o que era seu para trás, quem passara a estar no poder tinha o dever de indemnizar esse alguém. Mas achou-se que tal coisa era impossível, ou não tinha importância, então fez-se disso um problema menor (ou problema nenhum). E o mexilhão (todo o português que vivesse no continente africano) que se lixasse. E como o mexilhão até tinha fama de explorador, ninguém teve pena. O rótulo de retornado teve uma péssima conotação.
Lembro-me de associações de espoliados, formadas poucos anos depois da descolonização, fecharem, com o tempo, uma após outra. Lembro-me de há alguns anos atrás, Paulo Portas tentar defender a causa dos espoliados, trazendo ao de cima a questão da indemnização, e de ser aclamado à saída do Parlamento por causa disso. Lembro-me de haver um orador em pleno Parlamento, a dizer que não valia a pena voltar a abrir feridas que estavam saradas, numa pura manobra para terminar com a polémica: as feridas nunca foram saradas, as pessoas ainda hoje têm interesse na questão. Lembro-me de ter sido criado um comité para a resolução do problema da indemnização, e que depois foi extinto.
Em suma: Portugal deu o exemplo a nível mundial de como não fazer uma descolonização, e de como não tratar de dinheiro com as pessoas!
E há 40 anos que os espoliados do ultramar lutam por receber a sua devida e merecida indemnização!
Peço agora que se consulte este site: http://www.espoliadosultramar.com/.
Ao percorrer o índice, pode-se perceber no ponto 70 uma questão legítima: se há fundos vindos da Europa que são para nos ajudar a dar conta dos problemas por cá, então bem podiam servir para resolver este problema da indemnização que refiro, não é?
Sei que estamos em dívida, em défice, com a troika pelo pescoço, mas não pode ao menos ficar registado isto, ficar acordado que se devem usar fundos para indemnizar os espoliados, para quando se puder pagar? É que se o Estado tem atualmente de pagar aos seus credores, aqueles que têm esta indemnização para receber também são credores do Estado, e a sua espera é mais longa que a de muitos outros!
Já sei que a desculpa do Estado vai ser a de que não vai preocupar-se em resolver uma questão com 4 décadas, por já estar mais que posta uma pedra sobre o assunto. Pois a questão é que não está! E a intenção do Estado ao agir desta maneira durante estes anos todos, é fazer com que toda a gente que pode defender a causa dos espoliados se desinteresse, se esqueça, ou morra de velhice sem nada conseguir!
Podem verificar no ponto 72 do índice acima referido, que Itália, passados uns anos, pagou a quem foi obrigado a sair de lá, com o dinheiro valorizado pelo tempo, por causa da inflação. E Portugal, passados 40 anos, continua a fazer de conta que não se passou nada digno de repreensão!
Acho que é exatamente nos dias de hoje, em que se comemoram os 40 anos do 25 de Abril, em que a luta contra a corrupção está na ordem do dia, em que as pessoas vêem o seu dinheiro ser sugado para fora dos seus bolsos e o seu futuro posto em risco, e em que Paulo Portas que, relembro, defendeu antes esta causa é agora vice-primeiro-ministro, e portanto tem poder para a resolver, que o Estado deve dar o exemplo e pôr finalmente termo a este calote monumental e histórico de 4 décadas!
Agradeço desde já que quem puder dar o seu contributo para este desígnio, por favor o faça, e peço a quem ler isto que por favor divulgue.
Obrigado.
Escrito por um descendente de espoliados do ultramar.

Resta-me recordar ao autor deste texto que Paulo Portas é apenas um defensor de causas que o promovam, depois de promovido, as causas ficam esquecidas. O que ele busca é poder e dinheiro, jamais  se preocupou com a justiça, ou a honestidade e integridade moral.
Basta ver estes video, e conheceremos as incríveis mutações que o dinheiro e poder operam no ser humano. 




2 comentários :

  1. E o maluco sou eu?25 abril, 2014 16:20

    Diz um maluco pró outro: "Então vais votar a 25 de Maio?" ao que o outro responde: "Tás doido ou quê? Sou louco mas não tanto! Achas que tenho cara de palhaço para fazer parte desse circo a que chamam democracia? Já viste que o teu voto serve apenas para ratificar as listas deles? Como é que tu podes responsabilizar e escrutinar pessoalmente o trabalho dos deputados? Não podes, meu. E digo-te mais, os partidos não abrem mão desse poder. Senão como é que o aparelhismo sobrevivia? Isto é tudo uma fantochada, pá! Se eles reformassem isto e dessem a oportunidade de, pelo menos, na lista indicarmos o nosso preferido, eu ainda ia lá votar. Agora assim, só se eu fosse muito tolo!" E o 1º diz: "Não percebi patavina, mas enfim... eu sou choné!"

    ResponderEliminar
  2. 200 CAPITÃES

    Iniciaram um período de quase 40 anos, em que se formaram os Partidos que eles consentiram, com os seguintes resultados :

    • Portugal ficou reduzido a 1/29 do seu território
    • Em Angola, Moçambique e Timor iniciam-se guerras terríveis, com centenas de milhares de mortos entre aqueles que 1 ano antes eram Portugueses.
    • Por todas as ex províncias ultramarinas se implantaram ditaduras comunistas horríveis, que levaram à destruição completa do legado deixado.
    • De Potência Pluricontinental passamos a frágil zona ultraperiférica na europa
    • De crescimentos económicos acima de 13% ao ano, rapidamente passamos para largos períodos de tempo próximos da recessão
    • De uma Escudo que oscilava com o Marco Alemão entre a 3ª e a 4ª moeda mais forte do mundo passamos de desvalorização em desvalorização para ZERO no mercado cambial até definitivamente perdermos o poder soberano de emitir moeda própria – Entrando no Euro sem que ninguém perguntasse aos Portugueses se estava de acordo.
    • Entramos três vezes em bancarrota, perdendo sucessivamente soberania para os credores que nos resgataram a peso de oiro.
    • De um estado que estoicamente tinha recuperado dos desvarios da 1ª República, e sem dívida, passamos a ter um peso de dívida largamente acima dos 100% do PIB
    • Quando a Europa nos fecha a torneira da caridade Alemã, e deixamos de receber de fora o dinheiro que esta Democracia não produz, descobrimos que atingimos os níveis de pobreza maiores de sempre, com centenas de milhares de Portugueses a passar fome.
    • Os níveis de corrupção tornaram-se nos maiores de sempre, com uma promiscuidade entre poder económico e poder político como nunca se viu antes.
    • A Justiça tornou-se forte com os fracos e fraca com os fortes. Os Processos judiciais tornaram-se lentíssimos, e a Lei tornou-se inútil, porque a impunidade convidou à prevaricação.
    • PORTUGAL perdeu a Soberania e vive hoje de mão estendida à caridade Europeia, gastando o que não produz, e mordendo raivosamente na mão de quem o alimenta.

    VALEU A PENA ?

    ResponderEliminar