25 novembro, 2012

Graça Moura, o descaramento e o abuso exemplar.

graça moura maestro corrupção fraude crédito
O descaramento dos abusadores em todo o seu esplendor.
Figuras respeitáveis das artes e cultura, que deveriam primar pela ética e integridade. Representantes de instituições com bom nome... rastejam na lama da vergonha, praticando as mais cobardes e abomináveis formas de crime... Abusando do poder e dinheiro dedicam-se a enganar os fracos, rapinar os desprevenidos, abusar dos que lhe dão a mão e o pão, explorar o estado/cidadãos, iludir os colegas, trair o estado.
Abusam do dinheiro do povo, acumulam cargos em tachos dourados, não dispondo de tempo real para nenhum deles.
Já percebemos que este é o modus operandi mais comum daqueles que são pagos para servir o estado. Culmina quase sempre no efeito perverso e inverso - eles a servirem-se do estado.

"Maestro Graça Moura gastou dinheiros públicos em jóias, viagens e lingerie.
Acusado de uso indevido de dinheiros públicos e falsificação de documentos enquanto presidente da Associação Música, Educação e Cultura (AMEC), entre 1996 e 2000.
Os mais de 700 mil euros gastos serviram para despesas com viagens, refeições, lingerie, jóias, charutos e até uma revista Playboy.
Nas alegações finais do julgamento por peculato e falsificação, a acusação ficou chocada com os gastos que o maestro Miguel Graça Moura quando foi presidente da AMEC, entidade sem fins lucrativos que gere a Orquestra Metropolitana de Lisboa (OML) e três escolas de música de nível básico, secundário e superior.
Viagens à Tailândia, Quénia, ilhas Maurícias, compras de jóias, roupas, bebidas, livros, lingerie feminina e masculina, charutos, almoços e jantares, passeios de lazer, são alguns dos gastos que constam da lista de milhares de registos de despesas analisados pelo Tribunal Criminal de Lisboa.
Pelo lado da defesa, o advogado do maestro, Rui Veiga Pinto, refutou a acusação de mau uso de dinheiros públicos, alegando que Miguel Graça Moura "não era um funcionário público” e que “era dever do conselho fiscal questionar as verbas gastas”, algo que “nunca fez”.

O JN sublinha que, a acusação recordou ainda que durante o mesmo período o maestro acumulou salários mensais dos vários cargos que ocupava, nomeadamente como presidente da AMEC, cerca de 7.800 euros, e de director artístico, de 6.600 euros, trabalhando ainda como maestro titular da OML e responsável pelas escolas de música.
O maestro Graça Moura vai conhecer a sentença a 14 de Dezembro." noticiasaominuto

Quantos Graças Mouras temos espalhados por Portugal? Com cartões de crédito que desaguam nos nossos impostos. Com cartões de crédito que nos debitam todos os dias?
Aqui a lista de subsídios para os artistas... 
Aqui a lista de subsídios para a agricultura
Aqui a lista de subsídios para as touradas
Tanto parasitismo, tanta má gestão... 
Tantos a roubar...  Portugal jamais pode aguentar.

12 comentários :

  1. Sou uma besta! Das piores!
    Daquelas que SEMPRE acharam que a dita cultura é uma ratoeira para apanhar o dinheiro dos parvos, como eu.

    Sofro do complexo do "rei vai nu"!
    Sempre que chamam de cultura a uma coisa que não entendo ou não gosto, fico a pensar que estão a gozar comigo... Enfim, complexos.

    Sobre o Graça Moura e outros ex-PCs que entretanto se venderam ao PS, ainda por cima sem escrúpulos face aos estúpidos gastos burgueses contra os quais, no passado, tanto se afirmou é apenas mais um criminoso, a juntar à longa lista de bandidos que nos trouxeram até aqui.

    Mas tenho de dizer se eu mandasse, resolvia a crise do país em três tempos:
    Acabava com os dinheiros para a chamada cultura, para a dita defesa nacional e aplicava uma reforma administrativa que reduzia o número de câmaras de 308 para 60.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Michael Ellner “Olhem para nós. Está tudo ao contrário. Tudo está virado do avesso. Médicos destroem a saúde, advogados destroem a justiça, as universidades destroem o conhecimento, governos destroem a liberdade, as agências noticiosas destroem a informação e a religião destrói a espiritualidade.
      Não estás farto disto, bom cidadão? ”

      E eu acrescento: Os governos destroem as nações e os povos.
      Os que supostamente deveriam ajudar são os que mais lesam.

      Eliminar
    2. A cultura é vital para o desenvolvimento das sociedades.
      O que está em causa não são os custos da cultura mas sim o abuso dos agentes que a deveriam honrar e desenvolver.
      Depois há que distinguir o que é cultura. Nem tudo o que nos é apresentado tem qualidade suficiente para ser denominado - cultura.

      Eliminar
    3. Zita: nem sabe o quanto estou de acordo consigo!

      O modelo democrático americano, que contaminou muitos dos europeus, apadrinhou os lobbies.

      O lobby nunca quer o melhor para a sociedade: Quer o melhor para si. Ainda que sejam todos os outros cidadãos a suportá-lo. O lobby da banca, das construtoras, dos advogados, das farmácias, das comunicações...
      Enfim, um abocanhar infindo dos nossos impostos...

      Só uma cultura - como a entendo, desde pequeninos - de intensa boa gestão de tudo o que é público, pode destruir no futuro estes lobbies.

      Anónimo das 12:42h

      Vital, a cultura?
      Então onde coloca a alimentação e a saúde?


      Eliminar
    4. Cultura, para mim, é a alma de uma sociedade. Sem ela ''vegetamos'' com ou sem saúde e alimentação. A saúde e a alimentação são as mais indispensáveis sem dúvida alguma para poder viver e sobreviver mas não podemos ficar por aí!! O nossa alma precisa também de alimento e esse não necessita de ter altos custos. Não me refiro, obviamente, a qualquer coisa do tipo '' cultura religiosa''.

      Eliminar
    5. não existe cultura, mas CULTURAS.
      o estado centralista e socialista gosta de cultura, o individuo aprecia diversidade e culturas, no plural nunca financiadas e vindas de dentro para fora, a que se chama expressão e sentir
      Cultura é propaganda
      expressão é Direito

      Eliminar
    6. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    7. Augusto ramos07 Março, 2014 07:06
      Cultura de estado é propaganda de regime, HITLER E ESTALINE financiavam a cultura que não era mais do que propaganda
      Nos EUA gasta-se metade do orçamento em armamento mas o Estado não financia Woody Allen nem Alex Jones porque estes não deixam que o estado os financie.
      Portugal é um socialistão pobre e mal educado, precisa de bandeira policia e folclore para dizer que existe



      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/11/graca-moura-o-descaramento-e-o-abuso.html#ixzz2vG4qom3K

      Eliminar
  2. Leiam esta biografia, particularmente, Born and the OTC Derivatives Market, e vejam o que Alan Greenspan, e os ministros do Tesouro americano Robert Rubin and Lawrence Summers fizeram (provavelmente por incompetência e desconhecimento histórico).

    http://en.wikipedia.org/wiki/Brooksley_E._Born

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. os derivativos foi o que arruinou por design a economia ocidental
      e vai ser muito pior do que se pensa porque os bancos e os multibancos vão pela crise nos derivativos FECHAR.

      Eliminar
  3. É muito difícil mentalizar o POVO especialmente a PLEBE ignara e crente na Vigarice dos Vigários de Cristo para ver nos Políticos que Governam,uns simples funcionários administradores da RES PÚBLICA,pois mesmo de entre a PLEBE se um ou outro trabalhador por ser mais esperto no negócio,na vigarice,na falcatrua ou como emigrante, consegue grangear mais uns tostões e subir uns degraus na classe social,dum modo geral,já se julga burguês e até olha de lado para a classe donde brotou e até alinha com a classe dos exploradores.

    ResponderEliminar