02 março, 2012

Corrupção:não é crível que o autor do veneno consiga sintetizar o antídoto.

BIC BPN angola Passos Coelho crimes
- Oh Eduardo, quanto queres para ficar com o BPN? 
Jamais pode fazer sentido partir do governo a vontade de querer combater a corrupção. Aquela que ele tanto preza e lhe permite tantos benefícios? 
Como diz Marinho Pinto, os corruptos nunca são apanhados... Só se forem muito burros. 

Paulo Morais
"A luta contra a corrupção deveria ser a tarefa prioritária das entidades públicas. Mas na ausência de medicação preventiva e de uma adequada profilaxia, os sucessivos organismos que se destinam ao pseudocombate à corrupção apenas servem para a branquear. 
A primeira das tarefas desta luta é a detecção das áreas mais vulneráveis. E estas estão bem identificadas. São os sectores do urbanismo e do ordenamento do território, onde campeia a corrupção mais rentável, com valorizações de terrenos obscenas, da ordem dos dois mil por cento. Mas também as obras públicas ou a contratação no sector empresarial do Estado. 
Desde logo, simplificando a legislação. Há que revogar os diplomas que, com muitas regras e inúmeras excepções, têm na corrupção o seu corolário inevitável.

Em simultâneo, há que conferir transparência à vida pública, garantindo que os actos da administração com relevância económica possam ser escrutinados pelos cidadãos. 

Só que, em vez de gerar soluções, a política apenas amplia os problemas. Depois do fracassado Conselho de Prevenção da Corrupção, a última das experiências é a recém-criada Comissão Eventual para a Corrupção, do Parlamento. Mas a esperança é escassa, pois não é crível que o autor do veneno consiga sintetizar o antídoto." (Paulo Morais in JN)



2 comentários :

  1. Só há uma maneira de correr com essa corja e enquanto não tivermos a coragem de a assumir não vamos a lado nenhum!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este blog serve esse mesmo propósito criar vontade e coragem, desmascarando aquilo que nos querem ocultado, compilando e tornando acessível muitos dados revoltantes.

      Eliminar