02 fevereiro, 2015

Sócrates, mesmo preso, continua a ostentar o seu poder. Por Paulo Morais

5 pecados das PPP, crimes à descarada, milhões à desgarrada 
NÃO É PRECISO PEDIR PROVAS PARA SABER QUE SÓCRATES É CORRUPTO (ASSIM COMO OS OUTROS GOVERNANTES QUE ASSINARAM CONTRATOS PPP) BASTA LER O DIÁRIO DA REPUBLICA, MAS PARECE QUE HÁ PESSOAS QUE NÃO SABEM LER EM PORTUGAL, CONVÉM APRENDER A LER, PORQUE O PAÍS NÃO AGUENTA MAIS SER VIGIADO POR GENTE CEGA E IGNORANTE... BASTA LER O DIÁRIO DA REPUBLICA, PARA SE SABER QUE SÓCRATES NÃO É INOCENTE. 

A teia de Sócrates
Não será de estranhar que todos aqueles que tenham beneficiado com a estrutura do poder de Sócrates respondam à sua chamada.
José Sócrates, mesmo preso, continua a ostentar o seu poder. E insiste em chamar à cadeia de Évora, em devota peregrinação, todos os que devem favores à sua governação e que estão na teia da sua influência política. Enquanto primeiro-ministro, Sócrates usou os poderes que lhe tinham sido delegados pelo povo para beneficiar alguns grupos particulares, nomeadamente na Banca, nas obras públicas e nas parcerias público-privadas (PPP).
De tal forma os beneficiou que, para provar a corrupção dos seus governos, as autoridades nem sequer teriam de proceder a buscas. 

No caso das PPP, bastará consultar o Diário da República. Lá estão as fórmulas matemáticas que garantem rentabilidades milionárias, superiores a 20% ao ano, num negócio de risco zero. Sócrates autorizou ainda pagamentos extraordinários de centenas de milhões sem qualquer justificação plausível.
E foi também o seu governo que nacionalizou os prejuízos no BPN, deixando o património aos seus antigos donos.
Não será pois de estranhar que todos aqueles que tenham beneficiado com a estrutura de poder de Sócrates venham agora a responder à sua chamada.
Por lá já passaram os concessionários das PPP: da era Sócrates, de Jorge Coelho, presidente da Mota-Engil nos tempos em que a empresa se tornou a maior concessionária rodoviária, até José Lello, então administrador da DST.
Também os grandes escritórios de advogados, que urdem a malha legal da corrupção, prestam vassalagem ao ex-chefe do governo, através das visitas de António Vitorino, da Sociedade "Cuatrecasas", ou Tiago Silveira, da "Morais Leitão".
Os construtores e promotores imobiliários estiveram representados na visita que Mário Lino fez à
prisão acompanhado de Edite Estrela, a autarca que mais favoreceu o imobiliário, quase destruindo Sintra.
Mas não só os representantes do capital peregrinam até Évora. A teia política que Sócrates montou está intacta. José Sócrates requisita a presença e o apoio do fundador do PS, Mário Soares, e do seu atual líder, António Costa. Deputados, autarcas, ex-governantes, todos rumam a Évora em peregrinação, mostrando assim que está nas mãos de Sócrates o destino dos socialistas. Ainda que este destino seja o suicídio do PS. CM

Gostaria ainda de partilhar este facto que é, para mim, chocante. Cada vez que se divulgam casos sobre Sócrates ou PS, chovem insultos e ataques pessoais aos que apenas transmitem a mensagem. Como se o que transmite a mensagem fosse o responsável pelos actos relatados. Os insultos demonstram o baixo nível de pessoas sem argumentos e que apenas sabem recorrer ao insulto gratuito como forme de silenciar quem denuncia o que eles não gostam que se saiba. Sempre achei curioso e estranho porque este fenómeno é mais evidente quando se trata de artigos sobre o PS e algumas vezes sobre o PCP, estranhamente provocam comentários infelizes e de baixo nível.
Ao fim de 3 anos a divulgar e compilar artigos de corrupção do PS, PSD, CDS, PCP, percebi que realmente as pessoas do PS e em redor do PS, estão unidas por algumas características comuns: a intolerância à verdade, e a falta de argumentos racionais e a falta de educação, como diz Paulo Morais, "convivem mal com a democracia".
Conhecia alguns casos pessoalmente, de pessoas que se perdiam em insultos cada vez que se falava dos casos de corrupção de Sócrates, mas como eram militares e de idade avançada, pensei que eram pessoas que defendiam o PS com a garra de um soldado empedernido, fanatismo de militares.
Mas parece que não... É uma postura generalizada, mesmo a forma como Mário Soares tem reagido à prisão de Sócrates, é um exemplo de como funciona o fanatismo irracional dos do PS. Mário Soares assume que não sabe de que acusam Sócrates, mas garante sempre que está inocente. Ele insulta os jornalistas e acusa toda a gente... menos o Sócrates. Já o advogado dele, João Araújo mostra a mesma postura arrogante, prepotente e insultuosa para com os jornalistas.
Mesmo Maria Barroso garantiu que Sócrates está inocente... gente sabedora, que certamente andou a investigar a vida de Sócrates e sabe mais que qualquer um... não é?

Paulo Morais já por duas vezes, pelo menos, se queixou do mesmo ataque dos defensores do PS. Este foi o comentário que ele deixou, após os insultos que recebeu, por escrever o artigo em cima.

Este foi relativo ao artigo "Beija a mão às grades"


Este foi o comentário de José Rodrigues dos Santos, perante o chorro de insultos que recebeu, por fazer perguntas "difíceis" ao Sócrates.

E este é o de Gomes Ferreira... 

Podemos ainda recordar o comentário que Sofia Fava deixou no facebook a insultar da forma mais gratuita, uma alta representante da justiça. É típico no PS.
Ou ainda o advogado de Sócrates que disse a uma repórter que cheirava mal e que fosse tomar banho, como sempre, argumentos muito válidos, sempre que alguém os contraria. 
Já em Abril de 2016, João Soares como Ministro da Cultura, provoca mais um escândalo exibindo o baixo nível cultural e a fraca democracia que domina as mentes dos representantes do PS.


Sócrates chorava e insultava jornalistas para não o denunciarem. 

Neste video reúnem-se várias situações que mostram como o PS, lida mal com a justiça e a informação... ATÉ A MÃE DE SÓCRATES EXIBE O SEU BAIXO NÍVEL, (no final do video chama os portugueses e os jornalistas de filhos da p**** )



Sócrates tenta intimidar e silenciar, quem o investigava.

Soares ameaçador à saída da cadeia de Sócrates

Sócrates chorava para não o denunciarem e recorria ao insulto.

VIDEOS SOBRE OS CRIMES NAS PPP








7 comentários :

  1. Alerto aos meus parceiros de leitura para a importancia da liberdade de expressão e discutir/debater argumentos e ideias com outras ideias. Como aqui é o mundo virtual só ganhamos se apresentarmos argumentos convincentes e não baboseiras pirosas e que podem mostrar a falta de caracter. Eu que sei do que gosto e prefiro ouvir ideias contrarias a minha; quando preciso de escutar argumentos com que concordo plenamente vou falar para o espelho; dois minutos depois sinto-me em pleno.
    Este esforço meritório e de grande alcance civico que a Zita aqui mantem, merece ser acarinhado por todos os trolls e familias, dado que assim sabem de factos que os blogs/jornais comprometidos com linha politica não publicam... e como por vezes me sinto com cara de boi quando venho a saber de algumas manigancias feitas nas nossas costas..pelo costa ou pelo frente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A liberdade de expressão é importante, mas também é importante falarmos do país real. Parece que só o poder eleito democraticamente é que é mau! Também vemos isso nos media e vemos muita censura. Não sei qual o poder de Sócrates, se ele realmente tivesse poder não estaria preso! Mas sei que existem poderes não eleitos com muito poder não controlado, o que pode levar a abusos, quase tudo censurado na imprensa. Vivemos no país da diversão e o povo fica contente pois assim anda alegre, alegre a ignorante.

      Eliminar
    2. O poder de socrates era grande e serviu para o livrar da justiça dezenas de vezes, mas desta vez correu-lhe mal

      Eliminar
    3. Quando Sócrates ligou a José Rodrigues dos Santos: leiam parte do diálogo!
      Foi em 24 de março de 2014.Na noite anterior, o ex-primeiro-ministro participara no seu programa semanal de comentário na RTP. Tinha ocorrido um pequeno desastre: José Rodrigues do Santos, que fora entretanto escolhido para alternar com a jornalista Cristina Esteves na condução da conversa, rompeu com o registo da sua colega: em vez de se limitar a lançar temas e escutar acriticamente o que Sócrates debitava, acompanhou os temas de perguntas e inquietações. Sócrates criticou amargamente a “austeridade cega” do governo Passos/Portas. Rodrigues dos Santos deixou-o falar. Quando Sócrates terminou, agarrou nas suas anotações e provou, com documentos e registos de intervenções públicas, que também José Sócrates fora, enquanto chefe do Governo, um defensor das políticas de austeridade. Surpreendido, José Sócrates foi ao tapete num estúdio de televisão pela primeira vez na vida.
      No dia seguinte, o socialista ligou a Rodrigues dos Santos. O diálogo foi violento. Acusou o jornalista de lhe ter montado uma cilada, uma “canalhice”. O pivot tentou pôr água na fervura: “Olhe, vou-lhe dizer o que as pessoas que o senhor conhece disseram sobre a entrevista: ‘o Zé Rodrigues dos Santos é um cabrão, fez isto e fez aquilo, e tu aguentaste-te muito bem, tiveste calma e deste grandes respostas. Tu é que ficaste a ganhar.’ Disseram-lhe ou não lhe disseram isso?”
      Sócrates não negou, mas já estava mais à frente. Queria saber se aquele registo era para manter em futuros programas. O pivot disse-lhe o óbvio: não estava disponível para fazer concessões. A dada altura, Sócrates recordou-lhe que com Cristina Esteves não era assim. Rodrigues dos Santos não se comoveu: “O senhor acha-me com cara de ter tempo a perder para ouvir políticos a aldrabarem as pessoas e a venderem a banha da cobra? Tenho coisas mais úteis para fazer com o meu tempo.”
      A tese do pivot da RTP era que Sócrates não era um comentador; era um político – e os políticos devem ser confrontados com o seu passado e as suas contradições. Entretanto, muito mudou: Sócrates foi preso e libertado, o governo é outro, os protagonistas também. Há, porém, pelo menos duas circunstâncias que permanecem inertes. 1) os políticos ainda não se livraram da tentação quase libidinosa de pressionar jornalistas – sobretudo os da RTP; 2) José Rodrigues dos Santos permanece implacável na defesa da sua independência, doa a quem doer.
      Por: Fernando Esteves

      Eliminar
  2. Bem-haja a autora do blog pelo seu trabalho e que não lhe falte o ânimo para continuar a denunciar a corrupção que há na política e que tem empobrecido este país.

    É também de enaltecer e louvar a frontalidade, a honorabilidade e coragem de pessoas como o Dr. Paulo Morais, que de forma tão lúcida e com tanta clareza e inteligência denuncia todos estes conluios entre políticos e negócios.

    Mas é de lamentar profundamente o povo amorfo que temos, que não se revolta com este estado de coisas e ainda é capaz de defender políticos como Sócrates, que negociou todas estas PPP's que levaram os cofres do Estado à falência.

    Trabalhei cerca de 30 anos nas Telecomunicações e assisti à ascensão da PT como empresa de referência. A partir dos anos 90, vi a ética e as relações entre pessoas degradar-se, a corrupção a emergir, porque a empresa começou a ficar dominada por gente do PS, e não augurei então nada de bom para o futuro da empresa. Viu-se no que deu este clima em que a empresa viveu nas últimas décadas: no descalabro e na humilhação de uma empresa de excelência!!!
    Tudo isto para concluir dizendo apenas que conheci muita gente do PS, mas que infelizmente não conheci ninguém que prestasse...


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo seu contributo e testemunho. Só mesmo num país de loucos, onde toda a gente sabe que as PPP são um crime, é que se continua a defender e a proteger o rei das PPP.

      Eliminar
  3. Deputados do PS protestam contra explicação da RTP para o aumento da dívida pública. “Uma vigarice extrema”

    A explicação de José Rodrigues dos Santos, na RTP, sobre a evolução da dívida pública portuguesa deixou os socialistas furiosos. O ex-deputado socialista José Magalhães classifica a explicação dada pelo jornalista como “uma vigarice extrema”.

    “Passá-la na RTP à hora de maior audiência é um enxovalho para o serviço público”, escreve, nas redes sociais, o deputado do PS, acrescentando que “a aberração Santos vomita o seu palavrório certo que não tem contradita”. José Magalhães aconselha o jornalista a trocar de lugar com o assessor do PSD.

    José Rodrigues dos Santos explica que o problema de Portugal foi não ter travado a dívida em 2005. “Portugal fez exatamente o contrário”, afirma o jornalista, referindo-se ao período em que os socialistas chegaram ao poder. Rodrigues dos Santos garante ainda que “para agravar as coisas o Eurostat descobriu que vários países, incluindo Portugal, estavam a esconder a dívida em empresas públicas”.

    Uma afirmação contestada pelo porta-voz do PS, João Galamba, que acusa o jornalista de ser “um especialista de desinformação”. O socialista explica que “o Eurostat não descobriu nenhuma dívida escondida, porque as contas das empresas eram conhecidas e, sobretudo, porque a razão pela qual a dívida de algumas empresas não era reconhecida como dívida pública era exatamente por causa do Eurostat e das regras contabilísticas definidas por esta instituição, que determinam o que conta e não conta como dívida pública. Ou seja, havia dívida de empresas que não era contabilizada como dívida pública porque o Eurostat não contabilizava essa dívida como dívida pública, não porque se andasse a esconder o que quer que fosse da autoridade estatística europeia”. Galamba diz ainda que “a única dívida escondida que houve em Portugal foi parte da dívida da Madeira. Nesse caso, sim, ocultou-se dívida: não havia registos de despesa”.

    http://www.ionline.pt/artigo/509491/deputados-do-ps-furiosos-com-jose-rodrigues-dos-santos?seccao=Portugal_i

    ResponderEliminar