05 julho, 2013

Mais um estranho caso da promiscuidade entre a politica e os negócios?

cdu corrupção camara constancia
"O presidente da Câmara de Constância, Máximo Ferreira (CDU), e o anterior líder da autarquia e actual presidente da assembleia municipal, António Mendes (CDU), foram acusados pelo Ministério Público da prática de crime de prevaricação num processo relacionado com o Centro Ciência Viva (CCV) de Constância. Um equipamento que passou a ser gerido, após concurso realizado em 2007, por uma empresa de que o astrónomo Máximo Ferreira era sócio.

O Ministério Público deduziu ainda acusação de crime de falsas declarações a Máximo Ferreira, por este, em 2009, enquanto candidato a presidente da câmara, ter declarado que tinha condições legais para concorrer ao cargo autárquico. O que não se verificava, já que era sócio-gerente da empresa que tinha contrato com a Câmara de Constância para prestar serviços no CCV. O autarca afirma a O MIRANTE que desconhecia que o vínculo à empresa o impedia de ser candidato, garantindo que assim que soube deixou de ser sócio da firma. Isto ainda antes das eleições autárquicas de 2009.

As informações sobre a acusação do Ministério Público foram divulgadas pelo PS de Constância em comunicado e os visados confirmaram a O MIRANTE a existência desse processo e das acusações mencionadas, manifestando-se tranquilos e de consciência tranquila. Máximo Ferreira garantiu mesmo que a sua decisão de não se recandidatar a presidente nada tem a ver com este processo, sendo motivada por razões pessoais. Se assim não fosse, garante, este processo até lhe daria motivação acrescida para continuar o trabalho desenvolvido na câmara.

Já António Mendes critica a “política de esgoto” feita por alguns elementos do PS de Constância e lamenta que pessoas do concelho tentem denegrir o trabalho que tem sido feito por Máximo Ferreira, sobretudo enquanto astrónomo e responsável pelo Centro Ciência Viva da vila. “Tudo o que eu e o Máximo Ferreira temos feito pelo concelho, designadamente no domínio da astronomia, é visível, palpável e reconhecido não só no concelho como no país”.
No comunicado emitido, o PS de Constância diz: “(...) o que agora se conclui é que os factos expostos pelo PS Constância em Outubro de 2009 não consistiam em inverdades, insinuações e calúnias (como acusava a CDU), mas sim em matéria de facto que levou o Ministério Público a deduzir as acusações dos crimes mencionados”.
* Notícia mais detalhada  O MIRANTE.

Mais um caso semelhante, aqui. Já ninguém tem mão no dinheiro público?

8 comentários :

  1. Não conhecendo mais dados: foi caro?havia mais candidatos?o trabalho não era necessário?
    podemos realmente estar em noticias de esgoto, em que as hostes partidárias tentam ganhar votos. Claro que o ministerio publico na sua sublime eficiencia se detecta uma irregularidade só pode aponta-la seja ou não por "desconhecimento".
    Os eleitores devem nas urnas mostrar que sabem distinguir o trabalho dos "chicos esperos" das noticias manobradas. e é facil basta ver o trabalho feito e os custos que imputaram.

    ResponderEliminar
  2. Em 1832, Mouzinho da Silveira, dividiu o país em 300 e tal municípios e 4500 freguesias.

    O limite do concelho era definido como "o espaço possível de percorrer, a trote de cavalo, entre o nascer do sol e o meio dia".
    Não existiam então, estradas alcatroadas, muito menos, três mil km auto-estrada, camiões TIR, automóveis, telefones, telex, fax ou e-mail.

    181 anos depois, essa divisão administrativa do país mantem-se, sendo actualmente, essas autarquias responsáveis por 48% da dívida pública (cerca de 101 mil milhões de euros).

    PSD, PS, CDS, PCP, BE nada dizem sobre o tema.
    Será que estão distraídos ou são cúmplices de mais uma vergonha para a lógica e apoiam mais um inútil saque às finanças?





    ResponderEliminar
  3. Há censura neste blog?

    ResponderEliminar
  4. Concordo com -António Cristóvão- há que ver bem os dados para perceber melhor a culpa/reonsabilidade de cada um dos envolvidos.

    Já na CML os crimes e roubos, promiscuidades e conivências são tão gritantes e perigosos que fico espantado como é que o medo ou o desconhecimento/apatia é tão grande que pouca coisa se vê como reacção. Desde as negociatas perigosas da EDP (PP Boavista) e fundação inculta da EDP que pretende destruir a envolvente do Museu da electricidade, (curiosamente este foi o único blog que denunciou e escreveu sobre isso, a lisboa cidadania foi pouco eficaz e muito soft não bateu no cerne da questão), às mais recentes denunciadas pela Visão, a negociata da CML com a Pt, para mais uma torre de 27pisos e destruição não só do local, do mercado 31 de Janeiro, mas de milhões de euros para o lixo e bolso dos amigos...onde está a revolta, onde está a percepção da aberracção de isto tudo, será que não vêem ou é como a história do "Rei vai nú"...nessa história bastou uma criança, agora parece que mrsmo se uma multidão considerável gritar a outra parte ainda maior da população continuará zombie e amorfa chateada por os alertarem, isto até ao dia em que lhes tocar de uma forma ainda mais pessoal.

    ResponderEliminar
  5. Para que continuem a votar como sempre fizeram, aqui vos deixo a dedicatória à maioria dos candidatos (independentemente da formação política por detrás de cada um):
    http://www.youtube.com/watch?v=culpzIzvbgU

    ResponderEliminar
  6. Para que continuem a votar como sempre fizeram, aqui vos deixo a dedicatória à maioria dos candidatos (independentemente da formação política por detrás de cada um):
    http://www.youtube.com/watch?v=culpzIzvbgU

    ResponderEliminar
  7. Num país com tanta corrupção, como Marinho Pinto muito bem tem denunciado, este parece-me um caso menor nem compreendo qual a intenção de o trazer para esta página. Eu até nunca tinha ouvido falar dele, o que para já é muito estranho que não fosse de imediato aproveitado pelos partidos do "arco do poder" para dar uma "machadada" no CDU que muito os incomoda. Mas vejamos: então o Sr. Máximo Ferreira foi acusado de falsas declarações por não ter declarado que era sócio-gerente de uma empresa que tinha um contrato com a Câmara de Constância para prestar serviços no CCV, cargo de que imediatamente se terá demitido ainda antes das eleições autárquicas de 2009.
    Não existem na política portuguesa casos muito mais graves? Marinho Pinto tem apontado casos horríveis de pessoas que MANTÊM interesses no público e privado em simultâneo e não se passa nada! Como é. então este é o tempo da caça às bruxas à CDU e encontraram este caso que nem o chegou a ser?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que existem mas aqui denunciam-se todos eles, basta ver a coluna ao lado e poderá encontrar muitos mais

      Eliminar