27 maio, 2013

MARIA LUIS ALBUQUERQUE OS SWAPS, O BPN, O PS E OS TACHOS




OS GOVERNOS, RODAM, MAS MANTÊM OS MESMOS BOYS E GIRLS, (PS, E PSD E CDS), PARA ASSIM GARANTIREM QUE OS DOSSIERS ANDAM SEMPRE EM "BOAS MÃOS" !
A menina BPNgate e Swapgate, que "cuida" muito bem dos dossiers do BPN e do dossier dos swaps...

Maria Luís Albuquerque é, segundo o video de Paulo Morais em cima, daquelas aves raras que permanecem eternamente, a pairar de tacho em tacho, pelos governos, zelando para encobrir determinadas coisas, escapando ilesa, protegida por uma mão de Deus ou de Nossa Srª de Fátima (como diria o nosso saudoso, PR Cavaco Silva). Já tem um bom cadastro..., perdão, currículo, que vem desde o governo Sócrates, onde era a responsável por decidir os contornos ruinosos, para o estado, da nacionalização do BPN. Por isso não larga o poleiro, para manter longe de todos, aquilo que não faz bem a ninguém, saber-se.

Maria Luís Albuquerque e a sua girl.
Neste video, Paulo Morais denuncia mais um caso de promiscuidade e nepotismo, protagonizado pela protagonista do Swatgate, MARIA LUIS ALBUQUERQUE... 
Antes de ser a actual secretária de estado do Tesouro do Governo de Passos Coelho, Maria Luís Albuquerque, trabalhava para o governo do Sócrates, com um secretário de estado socialista, e curiosamente quando chegou agora ao governo PSD, fez questão de  levar com ela, para sua chefe de gabinete, a esposa desse secretario de estado socialista.
Favores com favores se pagam. Têm que se ajudar uns aos outros. Provavelmente a srª esposa do tal secretário de estado socialista, que Maria Luís ajudou, quando for promovida para secretária de estado, talvez leve consigo, um familiar de Maria Luís Albuquerque, que precise de ser chefe de gabinete.
Paulo Morais garante que esta é mais uma das conhecidas formas de evitar que se divulguem ou revelem as partes indesejadas dos conteúdos dos dossiers. Mantendo nos cargos os que ajudaram a realizar as tais partes indesejadas, ou contratando, apenas amigos e familiares da sua confiança.
Perita em oferecer buracos aos portugueses. Fez parte do gang que decidiu oferecer o buraco do BPN aos portugueses, e agora a quem irá oferecer o buraco das swap?

Maria Luis Albuquerque e o seu boy e marido
"António Albuquerque, jornalista da área económica dispensado pelo Diário Económico há cerca de dois meses, começou recentemente a prestar serviços de consultoria nos projetos fora de Portugal do grupo EDP, segundo apurou a VISÃO. Albuquerque é casado com Maria Luís, a nova ministra das Finanças que, no último dia de 2011, enquanto secretária de Estado do Tesouro, concluiu a venda de uma participação de 21,35% na elétrica aos chineses da Three Gorges, por 2 700 milhões de euros. visão

Maria Luis Albuquerque a professora e girl de Passos Coelho. 
Maria Luís Albuquerque chegou a este Governo em 2011, aos 44 anos, para liderar a secretaria de Estado do Tesouro e Finanças. Isto no mesmo ano em que a amizade a Passos Coelho, de quem foi professora, a leva a aceitar ser cabeça-de-lista do PSD em Setúbal, nas legislativas, o que considerou um "batismo de fogo" para quem se estava a iniciar na política ativa.
De perfil discreto, esteve envolvida na venda do BPN ao BIC e nas privatizações de empresas como EDP e REN. fonte

Nas swaps, escapa ilesa e ainda será a avaliadora? 
1 - Ana Drago, neste video, acusa o governo de manter em funções a Secretária de estado também envolvida no processo das SWAP, Maria Luís Albuquerque, que estranhamente para além de não ser demitida ainda lhe foram atribuídos os poderes para avaliar e classificar os processos, decidindo quais são ou não são tóxicos??!! 
2 - Catarina Martins "Em Junho de 2011, um 'dossier' que falava dos problemas dos swaps foi entregue no Ministério das Finanças, o que quer dizer que nestes dois anos de Vítor Gaspar e Maria Luís Albuquerque [secretária de Estado do Tesouro] já conheciam precisamente o problema dos swaps", disse a dirigente bloquista. (...)quando o ministro das Finanças teve conhecimento desta situação, o problema dos contratos swap ia em 1.400 milhões de euros. "Passados dois anos, o problema já vai em 3 mil milhões de euros", declarou a também deputada do BE, adiantando que Vítor Gaspar "é culpado por estes 1.700 milhões que se perderam enquanto ele estava com o dossier na gaveta". fonte, Público
3 - "'Swaps': Gaspar reitera confiança na atuação de Maria Luís Albuquerque na Refer" fonte
4 - "A secretária de Estado afirmou ainda que estes contratos de alto risco correspondem a operações acordadas durante o anterior Governo, do Partido Socialista, e que "não há qualquer operação desta natureza desde julho de 2011". Lusa 
5 - “Verificou-se que muitos dos contratos permitiram às empresas públicas apresentar resultados positivos no curto prazo”, disse o ministro das Finanças numa audição no Parlamento, acrescentando que essa estratégia “reflecte um padrão de comportamento do Governo anterior”. Gaspar responsabiliza PS por “buraco” dos swaps. Ministro das Finanças afirmou, que o PS tem uma “incapacidade patológica em assumir as responsabilidades”. fonte
6 - SWAPs -"Braga Lino e Silva Peneda saem do Governo devido a «buraco» no Metro"  fonte
7 - " Maria Luís Albuquerque foi directora financeira da Refer, entre 2001 e 2007. No caso desta operadora, a aposta nestes instrumentos começou em 2003 e os impactos potenciais estão estimados em cerca de 40 milhões. A decisão de manter a secretária de Estado do Tesouro em funções prendeu-se com o facto de a situação da Refer ser uma das menos explosivas." Fonte
8 - Fiscal que falhou swaps promovido

Maria Luís Albuquerque nomeou para o Conselho Fiscal da Refer ex-dirigente da Egrep que não terá alertado para as perdas dos contratos tóxicos. fonte

MARIA LUIS ALBUQUERQUE E O CRIME BPN
Rejeitaram proposta de compra do BPN, por 121 milhões. Venderam por 40 Milhões....
Jaime Pereira dos Santos esteve a ser ouvido na Comissão de Inquérito ao BPN.
O porta-voz do Núcleo Estratégico de Investidores (NEI), grupo que se propôs a adquirir o BPN ao Estado, afirmou hoje no Parlamento que a entidade chegou a oferecer 100 milhões de euros a pronto pagamento para comprar o banco.
"Primeiro apresentámos uma proposta formal de 106 milhões de euros e depois melhorámos, numa segunda proposta, para 121 milhões de euros. Na única reunião que tivemos com a senhora secretária de Estado do Tesouro e das Finanças [Maria Luís Albuquerque],(...)
Depois de já ter escolhido o BIC para encetar as negociações finais da compra do BPN, Maria Luís Albuquerque explicou no Parlamento que a proposta do NEI não era credível, algo que deixou Pereira dos Santos perplexo.
Pereira dos Santos queixou-se de uma atitude de diferente comportamento entre o NEI e os outros concorrentes à compra do BPN (BIC e Montepio)."Mira Amaral tinha uma atitude imperial. Entrava e saía das Finanças quando queria", lançou, dizendo que recebeu ameaças para deixar o NEI. -Ponto nr 41 deste artigo

BIC terá comprado BPN com dinheiro do BPN. Pouco depois de ter adquirido o BPN por 40 milhões de euros, a administração do BIC procedeu a uma distribuição de dividendos no valor de 40 milhões de euros (uma operação proibida no acordo que celebrou com o Estado). No fundo, os investidores angolanos e Mira Amaral adquiriram o BPN com dinheiro do próprio BPN. Bloco quer ouvir Maria Luís Albuquerque no Parlamento. fonte

MAS HÁ MAIS.... Mais uma vez a exemplar Ministra das Finanças a negociar contra os portugueses e a proteger os larápios? 
BIC exige 100 milhões de euros ao Estado por causa do BPN. O Estado já deve ao BIC mais do dobro do que recebeu. Exige a Portugal cerca de 100 milhões de euros de reembolsos relacionados com o acordo de privatização do BPN celebrado com a atual ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque.

A compra do BPN custou 40 milhões de euros ao BIC e vai ficar cara ao Estado português tudo porque este se comprometeu a restituir ao grupo luso-angolano todas as verbas que pagar no contexto de processos judiciais. Mais um que se demitiu por tentar defender o interesse nacional - Lourenço Soares demitiu-se, por discordar completamente deste contrato que considerou ruinoso para os interesses do estado.  fonte  (Esta situação está bem denunciada no video em cima ao minuto 4, quando Paulo Morais explica porque os governos insistem em manter certas pessoas em determinados cargos, como é o caso desta figura, Maria Luis, que já vem do tempo do Sócrates  mas mantém-se, para garantir o secretismo das negociações ruinosas que realizou, como explica Paulo Morais. Assim garantem que ninguém tem acesso a determinados processos)

ESTADO LIMPOU O BPN, FICOU COM AS DIVIDAS, COM OS DESPEDIMENTOS, COM AS REFORMAS, E AINDA OFERECEU 1000 MILHÕES DE EUROS A QUEM O COMPRASSE POR 40 MILHÕES?
Antes de ser privatizado, o Banco Português de Negócios (BPN) foi "expurgado de activos indesejáveis e de passivos avultados, foi libertado de responsabilidades com pensões, viu reduzido em 640 o número dos seus trabalhadores e recebeu mais de mil milhões de euros em dinheiro".
Este é o balanço que o Tribunal de Contas (TC) faz do processo de venda do BPN ao BIC Portugal, realizado em 2012, e do impacto que a operação, liderada pela então secretária de Estado Maria Luís Albuquerque, teve nas contas daquele ano. FONTE

"Maria Luís Albuquerque chega ao topo das Finanças em plena polémica em torno dos contratos de cobertura de risco nas empresas públicas, que lhe valeu a classificação de senhora swap”.
Isto, depois de já ter sido a “senhora BPN” e a cara das privatizações. (O currículo perfeito para gerir o dinheiro dos portugueses!!??) 
(...)No centro das críticas a que tem sido sujeita, está a sua passagem pela Refer, entre 2001 e 2007. Na qualidade de director do departamento de gestão financeira da empresa pública, contratou vários produtos de cobertura de risco, para proteger a dívida da empresa das oscilações das taxas de juro. Dois dos produtos que contratou foram classificados pelo IGCP e pela consultora StormHarbour – entidades que assumiram a análise deste tipo de contratos após instrução da própria secretária de Estado – como complexos e arriscados. No entanto, Maria Luís Albuquerque tem mantido, em várias ocasiões, que estes produtos não foram classificados como “tóxicos”, de acordo com os critérios usados pelo IGCP, que resultaram na saída de vários gestores públicos, numa queixa para a Procuradoria-Geral da República e na negociação “forçada” com vários bancos com o objectivo de anular o máximo de perdas potenciais que estes produtos apresentavam (perto de três mil milhões de euros, no final do ano passado).

Antes de surgir o “caso dos swaps” na agenda pública da secretária de Estado, Maria Luís Albuquerque já tinha gerido vários dossiês chave para o período de ajustamento que Portugal atravessa. Entre os quais, a privatização da TAP, cujo fracasso foi anunciado pela secretária de Estado do Tesouro, ao lado do secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro. Nessa ocasião, disse que “o Governo não gosta de investidores. Gosta de investimentos e de estratégias. A razão pela qual as garantias que não foram adequadamente prestadas é algo que só a própria entidade proponente poderá esclarecer”

Apesar deste desfecho, uns dias depois, Germán Efromovich, o candidato “chumbado” pelo Governo, classificaria o trabalho de Maria Luís Albuquerque, na condução de todo o processo de “muito impressionante”.
No caso da privatização dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo – suspensa devido a investigações de Bruxelas relacionadas com eventuais ajudas públicas durante o Governo de José Sócrates- a secretária de Estado anunciou, no final de 2012, que esperava anunciar um desfecho “dentro das próximas semanas”. Um processo que culminou, entretanto, com um contrato de concessão a privados, abandonando-se assim o objectivo da privatização.

Em sentido contrário, Maria Luís Albuquerque deu também a cara pela venda da ANA aos franceses da Vinci, por 3.080 milhões de euros. Um processo que, segundo a própria governante resumiu, em jeito de balanço da actuação da sua secretaria de Estado, permitiu ao Estado ultrapassar a meta de encaixe com privatizações em 2012, num total de 6,37 mil milhões (EDP e REN representaram 3,3 mil milhões). Várias operações que levaram-na mesmo a dizer que “Não é por acaso que o povo diz 'vão-se os anéis e fiquem os dedos”, numa tentativa de sublinhar que o Governo estava a realizar estas vendas para ”salvar os cuidados de saúde, a protecção social dos mais desfavorecidos, o acesso à educação de qualidade para todos”. No que diz respeito aos processos da CP Carga e dos CTT, o seu arranque foi sendo adiado e está agora a ser preparado para ocorrerem até ao final deste ano.

Uma “vitória” do seu mandato foi também a primeira emissão de dívida no processo de regresso ao mercado, pela qual deu a cara no início deste ano. Classificando-a de “enorme responsabilidade” explicou em entrevista ao Negócios que se iniciara “um caminho e um caminho longo”. Na mesma ocasião definia que “o próximo passo é fazer a operação de troca da dívida de 2014 e 2015”. E insistia que o país não podia “abrandar o esforço” da austeridade.

Mas foi a venda do BPN que marcou o início do seu mandato, com a passagem do banco nacionalizado para o Banco BIC, liderado por Mira Amaral. (...) E foi, de facto, durante vários meses a cara do Executivo no polémico dossiê que, para além de ter retirado o banco da órbita do Estado, transferiu os activos tóxicos associados ao banco para três veículos públicos.

As “Par” – Parups, Parparticipadas e Parvalorem – assumiram os activos imobiliários, participações e créditos do BPN e foram entregues a uma equipa dentro da secretaria de Estado que acabaria, alguns meses depois, por sair devido aos fracos resultados. Entretanto, está em curso a nomeação de uma empresa privada para assumir a gestão destes passivos, que ascendem a perto de 2,4 mil milhões de euros. O objectivo é a recuperação dos veículos para diminuir o potencial impacto negativo do “caso BPN”. Entretanto, o Tesouro injectou pouco mais de mil milhões de euros nestes veículos, para serem pagos os empréstimos concedidos pela Caixa Geral de Depósitos, durante o processo de nacionalização do banco liderado por Oliveira Costa.

Ainda na banca, a liquidação do Banco Privado Português também está na gaveta de Maria Luís Albuquerque, estando o processo em fase de recuperação da garantia de 450 milhões de euros dada pelo Estado, durante o Governo de José Sócrates.
Pelo caminho, Maria Luís Albuquerque, foi dando a cara pela austeridade, geriu e assumiu as decisões em torno da equipa de gestão da Caixa Geral de Depósitos, nomeadamente os cortes salariais, e também a venda da participação da Caixa na Cimpor, que “entregou” a cimenteira aos brasileiros da Camargo Correa e Votorantim. Isto para além de ter justificado, episodicamente, a actuação do Estado nas renegociações para diminuir os encargos com as parcerias público-privadas (PPP), bem como os objectivos do Estado na recapitalização da banca privada.

No seu currículo profissional constam os cargos de  técnica superior na Direcção-Geral do Tesouro e Finanças entre 1996 e 1999, técnica superior do Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica do Ministério da Economia entre 1999 e 2001, para além das funções de assessora do Secretário de Estado do Tesouro e das Finanças em 2001. Depois da passagem pela Refer, coordenou o Núcleo de Emissões e Mercados do Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público entre 2007 e 2011.
Foi ainda docente na Universidade Lusíada de Lisboa, no Instituto Superior de Economia e Gestão e no polo de Setúbal da Universidade Moderna entre 1991 e 2006."" fonte


13 comentários :

  1. A Maria Luís responde à máxima exigência da nossa sociedade actual para com os seus eleitos: uma acentuada telegenia.

    Pouco importa ela que seja uma toupeira, que se abra ao PS hoje ao PSD amanhã, que faça contrabando político com amigos para quais o poder é apenas fonte de dinheiro e não de serviço público, como deveria ser.

    Nesta onda, onde a promoção da individualidade pela imagem impera, lembro casos ridículos, mas preocupantes como o Reagan, o Schwarzenegger e, no campo local a Leonor Beleza (começou na tv com um programa sobre s "condição feminina"), a Edite Estrela com "bem falar, bem escrever" ... o Sócrates que esteve anos com o Santana, como comentadores na tv.

    Pouco importa se são inúteis como profissionais, limitados como académicos ou ainda, como pessoas, violentas ao ponto de roçarem a bipolaridade ou a esquizofrenia,

    Enfim, a manipulação dos eleitores pelos media, é uma realidade, conveniente para as máfias, não protegida pela lei, que pode "empurrar" qualquer bandido para o poder, desde que seja telegénico...

    Neste quadro, ainda hoje me interrogo como o Palhaço ou a sua amiga Manuela foram, um dia, eleitos... Mistérios.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com o mesmo critério de sempre ,muita crença e pouca inteligencia.Muita ignorância e pouco conhecimento. Muito cegueira partidária e nenhuma cidadania.

      Eliminar
    2. Gostei do seu comentário...perspicaz!!

      Somos uma sociedade do entretenimento e do espectáculo que tem como preocupação uma mão-cheia de futilidades materialistas( o ter em detrimento do Ser), sujeita 24 horas a propaganda publicitária difundida pela televisão, que hipervaloriza a aparência e sem qualquer consciência cívica e social: Os políticos são mais um produto de marketing impingido pelos serviços das tele-vendas...é tudo um gigantesco reality-show -... até a guerra. È a sociedade do “TITTYTAINMENT” - desenhada por Zbigniew Brzezinski, geo-estratega, e fundador da Comissão Trilateral - termo que tem origem nas palavras “tits” e ”entertainment” Uma mistura de entretenimento estúpido e intenso para manter de bom humor as pessoas frustradas no planeta – uma letargia física e psicológica que permita controlar as massas e as suas frustrações e protestos previsíveis, onde os média têm um papel fundamental.

      ...mas, talvez não falte muito tempo para que a telegenia se transforme em eugenia social . Filmado como um grotesco Big Brother para aliviar o profundo tédio dos “bons” e “honestos” cidadãos.

      Aldous Huxley – Proper Studies 1927
      “Os demagogos não são os únicos nem mesmo os mais eficientes exploradores da sugestionabilidade humana. Os proprietários dos jornais levaram a arte dos cavalheiros de indústria a um grau ainda mais alto. O alargamento da educação elementar foi acompanhado por um grande aumento na influência da imprensa. Quem lê pode correr na mesma direcção em que corre o seu jornal. Isto é um facto do qual os ricos não foram lentos em tirar vantagem. Praticamente falando, toda a imprensa inglesa está agora nas mãos de quatro ou cinco homens ricos. Oligarcas plutocráticos, aspiram a governar, sob a capa das instituições democráticas, impessoalmente e sem responsabilidade. EXPLORAR A DEMOCRACIA, VIRAM ELES, É MAIS FÁCIL E MAIS RENDOSO DO QUE OPOR-SE A ELA. DEIXEM QUE OS MUITOS VOTEM, MAS CONFORME LHE DISSERAM OS POUCOS OPULENTOS QUE SÃO DONOS DOS JORNAIS. Os muitos obedecem – geralmente, mas nem sempre. Os proprietários dos jornais não governarão indisputavelmente enquanto não descobrirem em que circunstâncias os homens concordam, e em que outras correspondem ao alvitre por contradição deliberada. ELES JÁ SE APERCEBERAM ( O QUE OS MESTRES-ESCOLAS JÁ DESCOBRIRAM HÁ MUITO) DE QUE A SUGESTÃO INDIRECTA ESTÁ MENOS SUJEITA A LEVANTAR CONTRADIÇÃO DO QUE A DIRECTA.
      As notícias deturpadas convencem muito mais efectivamente do que muitos artigos de fundo dogmático. Mas a ciência do cavalheirismo de indústria jornalístico está ainda na sua infância. Chegará sem dúvida o tempo em que os métodos de propaganda dos proprietários dos jornais contemporâneos parecerão barbaramente verdes e ineptos.”

      Sugestão de leitura : A armadilha da globalização - Hans-Peter Martin e Harald Schumann

      Eliminar
  2. Paulo Morais no Programa 5 para a meia noite a 07-05-2013

    "A corrupção só acaba quando os governantes se aperceberem que é melhor incomodar 3 pessoas, do que 3 milhões de pessoas!
    Para isso é preciso haver 3 milhões de pessoas a mostrarem-se incomodadas.
    Ainda não vi 3 milhões de pessoas na rua a protestar, por isso temos o que merecemos."

    ResponderEliminar

  3. Afinal que força oculta pressiona para manter esta gaja, e outros, sempre no poleiro?

    Porque será que quando mudam os governos, não mudam todos os nomes dos gabinetes mas, mantêm-se sempre os nomes dos amigos dos bancos e construtoras?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como diz Paulo Morais, estão a zelar para que não lhes descubram as falcatruas.

      Eliminar
  4. afinal o que este Governo mostra é que estão todos presos pelo rabo..é uma vergonha e só espero que os portugueses tenham isso em atenção nas próximas eleições.....com tanta porcaria é preferível nem votar

    ResponderEliminar
  5. Como podemos acreditar no governo que temos???Com uma ministra das finanças, com todas estas conduta do seu passado politico?
    Afinal quem é que nos esta a governar?????? Diria desgovernar..... Ca esta o Zé povinho para pagar.

    ResponderEliminar
  6. Em quem votar????? Nas próximas eleições? nem pensar...... Estou farte de todos os políticos.
    Porque não formar um governo só com mulheres!!!!.
    Se elas são melhores a governar as suas casas, acredito também seriam melhores a governar o país, porque não fazer a experiencia????? Vamos pensar nisso senhores cavalheiros. Acredito que no fim de quatro anos~a despesa era muito menor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Voltamos entao ao mesmo. Mulheres?? La teriamos entao a "credivel" albuquerque no poleiro... ou a edite? Porque nao a beleza? Era uma beleza nao era? A distancia entso entre seriedade e competdncis do inverso esta na existencia ou nao de uma "rata"? Ora bolas ja entendo o porque da moda dos anonimos, semelhsntes aos ratos dos buracos. Para dizer patacoadas assim realmente e bem melhor dize-las sem q ninguem saiba quem foi o "doutor autor" dessa e outras barbaridsdes. Porque nao vai trabalhar em vez de perder tempo a armar ao cagalhao?

      Eliminar
  7. O jogo corrupto é ainda maior , se formos à Lei-das Rendas e verificar-mos que o Governo alterou (só para a Lei do arrendamento) a Lei que protege o Povo sobre os seus Dados Pessoais, obrigando a quem pede uma certidão do Rendimento Anual Bruto Corrigido. a assinar uma declaração de autorização,( para eles porem o rabinho de fora) caso contrário essa declaração será passada sem ser valida,tudo isto para garantir aos boys , garantias que aquela Lei obsoleta vai proteger os colarinhos brancos, e vai enfiar o Povo num túnel directamente ao cemitério. Isto só é comparável com os PIDES quando estes obrigavam os presos políticos a assinarem confissões falsas.É uma vergonha o Tribunal Constitucional , não ter em conta a situação alarmante em que os cidadão estão perdidos. Hoje mais uma situação corrupta vai entrar em vigor. Os Parquímetros em algumas zonas de Lisboa vão começar a serem cobrados também à noite.

    ResponderEliminar
  8. nao se deve votar. Os portugueses estao a ser perseguidos em tribunal e ministerio publico. O caso de Jorge Botelho, do conservador e criminoso PS da atual Camara de Tavira, que tem o Concelho às moscas, como cronico imbecil e incompetente e persegue pessoas em tribunal só porque lhe enviaRAM UM E.MAIL DIFAMATDOR. OS CRIMeS ECOLOGICOS SAO MUITO GRAVES, ISSO SIM , a RESPONSABILIdade continua que fala nos cartazes publicitarios para mais uma vez enganar os tavirenses, naos e aplica em nada. Retirado o mandato mediante rigorosa e imparcial investigaçao. ! Investigue-se a area de tavira onde as construçoes continuam a proliferar em plena area ecologica

    ResponderEliminar
  9. Paulo de Morais
    O governo vai alienar 11% do capital da REN, 58 740 000 acções.
    11 748 000 acções no âmbito duma oferta pública de venda (OPV)
    46 992 000 acções por venda direta institucional, ou seja,tráfico de influências.
    (Tráfico de influências - 4 ; Transparência - 1)

    ResponderEliminar