07 março, 2012

TAP sem cortes. Governo continua a espalhar injustiça pelo país e a proteger as classes mais ricas.

Impostos esxcesso
Aguenta, não vês que há cada vez mais a
baldarem-se ao sacrifício? Mais um esforço... 
Desta vez chegou a hora de privilegiar a TAP... já tinha sido a vez do Banco de Portugal, seguiram-se os privilégios aos juizes, e agora junta-se ao grupo das elites protegidas, a TAP.
As classes laborais, abrangidas no proteccionismo, fazem parte das mais bem pagas em Portugal, mas o nosso governo teima em mostrar-nos que se deve proteger os ricos e castigar os pobres.


Mais revoltante ainda é assistir ao apelo desesperado do governo que se dirige a todos os cidadãos para que sejam corajosos e aguentem os sacrifícios que lhes são impostos, pois é urgente fazer entrar dinheiro nos cofres do estado... Mas cai em ridícula contradição quando nos presenteia com a descarada dispensa dos sacrifícios, de várias classes!!!

"O Executivo autorizou a TAP a manter os salários intactos por se tratar de uma empresa em concorrência e em fase de privatização.
"Foi permitida alguma flexibilização relativamente aos salários", afirmou a mesma fonte, justificando a decisão com o facto de se tratar de "uma empresa em concorrência e que está em fase de privatização". A manutenção dos salários sem os cortes de 3,5% a 10% impostos ao restante setor empresarial do Estado" fonte
Quanto ganha um piloto da TAP? Pilotos da TAP têm salário médio mensal bruto de 8.600 euros. 26/09/2009

"Segundo o jornal económico, os pilotos da TAP ganham em média 8600 euro por mês. Segundo outras fontes o salário médio de uma hospedeira ronda os 4500 euro.Um piloto entra para a Lufthansa com um salário aproximado de 3000 eur e no topo de carreira chega aos 8000. Aqui importa recordar que na TAP o salário médio é superior ao topo de carreira na maior companhia do mundo. Fora outras regalias como o prémio de reforma (20000 eur), etc."
Será por mérito que se conquistam privilégios??
"A TAP voltou a registar perdas na primeira metade do ano (2011), acumulando em seis meses prejuízos de 137 milhões de euros, mais 58 milhões de euros do que em igual período do ano passado." fonte

O Banco de Portugal ficou muito aquém das suas competências, pois não soube agir atempadamente e com a justiça que lhe cabe impor, nos caso BPN, no caso BPP, na regulamentação do regabofe dos empréstimos bancários, e outras áreas de sua intervenção. (Neste video as acusações de negligência no caso BPN, ao BdP)
Portanto calcula-se que este prémio, que o isenta de sacrifícios, seja uma forma de agradecer o seu bom desempenho na fiscalização das finanças nacionais.!!!!!?
"Compete especialmente ao Banco de Portugal "velar pela estabilidade do sistema financeiro nacional,(...) Assim, o Banco exerce a supervisão prudencial das instituições de crédito, das sociedades financeiras e das instituições de pagamento." Fonte

A justiça, também merece um prémio por bom desempenho. Quase ía prendendo o Isaltino Morais, está cada vez mais perto de conseguir anular todo o processo "Face Oculta", deixa prescrever regularmente, processos de crimes contra o estado, está em vias de prender o indigente que roubou o champô, enfim um rol infindável de casos resolvidos e justiça feita, que nos deixa tranquilos e cientes que merecem realmente ser isentados dos sacrifícios...

Certamente há algo aqui que nos falha...
1º - Os reformados da justiça vão ser poupados aos cortes exigidos aos reformados de Portugal?
2º - Isto é estranho e mais estranho fica quando por detrás desta aprovação, esteve uma proposta do PCP!?
3º - Estranha-se ainda que mudem a lei para contrariar outra que sai, pouco antes?!
4º - E ainda mais estranho a lei ser feita à medida de uma classe profissional?!
5º - Não teria sido melhor terem feito uma lei explicita onde claramente se referia que quem ia sofrer os cortes nos subsídios eram apenas os miseráveis de Portugal!? Era mais fácil do que andar a inventar desculpas para isentar a justiça, o Banco de Portugal, e as que se seguirão...
Ainda recentemente Portugal ficou abismado com a lei que protegeu TAMBÉM o Banco de Portugal dos cortes no subsídios de férias e de Natal, o qual inclusive já lhes foi pago. O Banco de Portugal, bem precisava de ser protegido, pois trata-se de uma classe castigada pelas pela austeridade e miséria que se vive no seu local de trabalho.
Mas os luxos da justiça também são ofensivos e desmedidos. Reformas de sonho e outras regalias que ofendem um país pobre e em grave crise. No entanto têm que ser poupados aos cortes!?
E a TAP também regada de regalias...

O rol de excepções salariais concedidas pelo actual Governo este ano começou pela TAP e pela CGD, isentadas da manutenção dos cortes impostos em 2011. Desde então, têm-se avolumado os casos de empresas e institutos que escaparam às regras de contenção de despesas, anunciadas como uma verdadeira revolução.
O executivo foi-lhes atribuindo os mais diversos nomes: adaptações, regimes especiais, caminhos alternativos. Mas a consequência é uma única: um aumento considerável dos custos com remunerações, num momento em que são pedidos duros sacrifícios ao país.
Há uma outra característica transversal a todas estas decisões: a forma com que têm vindo a público. No caso da TAP e da CGD, o Governo e as próprias empresas tentaram ao máximo conter a informação, pedindo inclusivamente aos sindicatos que não falassem sobre o assunto. Mas, em Março, quando o PÚBLICO avançou que a transportadora aérea estatal iria, tal como tinha acontecido em 2011, manter os salários dos trabalhadores intactos, o Ministério das Finanças viu-se obrigado a confirmar que lhe tinha concedido esse benefício.
Chamou-lhe uma "adaptação", justificando-o com o facto de, no acordo firmado com a tutela, a TAP ter sido obrigada a compensar a excepção aos cortes (que deveriam variar entre 3,5% e 10%) com um emagrecimento de outras despesas com pessoal. Na altura, o Governo disse que essa compensação teria de ser de 73,2 milhões de euros, mas este valor incluía a eliminação dos subsídios de férias e de Natal (54 milhões), que já estava prevista no Orçamento do Estado para 2012. 

1 comentário :

  1. Os previlégios são sempre das mesmas classes, elites. Mas o mais grave não são os prevlégios, benefícios, são eles não serem igualitários ou equitativamente distribuidos, A diferença, a forma de aplicação existe entre actividades e sectores idênticos, alterados em categoris profissionais, estatutos próprios: Carris, Refer, Metro, Ana, Tap e muitas outras.

    ResponderEliminar