13 dezembro, 2013

De empresário a sem abrigo. Quando a justiça não funciona, as sociedades desabam.



Este é mais um exemplo, que deveria chocar-nos a todos, pois mostra-nos de forma bem real, que caminhamos a passos largos para um estilo de vida e sociedade 3º mundista. 
Conheço pessoas que vivem em Angola, e se queixam da corrupção e da fome, mortes e miséria que ela gera. A corrupção mina as sociedades de forma profunda. A corrupção é um crime hediondo, permitido e apoiado em Portugal. 
E este é apenas mais um exemplo que prova que onde cresce a corrupção, definha a justiça e morre a democracia. É a lei da selva, do mais forte, do mais desonesto...
É assim em Angola e cada vez mais será assim em Portugal, não há justiça, não há economia, não há democracia, não há estado social, só há ricos e pobres, ricos criminosos e pobres honestos.
As pessoas deixam de pagar dividas e a economia definha, vitima da falta de confiança e da ausência de justiça. Quem é mais desonesto, ou mais descarado, ou mais poderoso,
sai a ganhar.

Em Braga, 7 Dezembro 2013
Em Braga um empresário é agora um sem abrigo. Desalojado decidiu montar acampamento, em desespero de causa, à porta do outro empresário que lhe comprou a sua mercadoria, comprou mas não pagou. O comerciante mantém a porta aberta numa zona nobre do comércio bracarense, e deve, ao agora sem abrigo, mais de 100.000 euros. A quantas mais outras vitimas deverá este comerciante, dinheiro? 
Vicissitudes de uma cega economia onde quem deve muito, vive também muito e melhor.

Como diz o ditado: Se deves 100 euros tens um problema grave. Se deves um milhão, os outros têm um problema grave, mas tu vives em grande.

Paulo Morais, expõe a forma como Portugal, aproxima a nossa economia e sociedade, dos princípios Angolanos. Os pobres cada vez mais miseráveis os ricos cada vez mais ricos, o estado social, uma miragem. Serão estes os sonhos em breve realizados, das nossas elites? Actualmente os sinais estão bem visíveis, o sonho deles torna-se realidade, tomaram para seu deleite, o domínio de Portugal, para fazer dele o seu paraíso e o inferno do povo.
Se não acredita leia o artigo e perceba as semelhanças... perceba o estranho, tente perceber o porquê?

Uma amostra do futuro que espera os portugueses, alguns dados sobre Angola. 
Se não lutarmos contra quem nos rouba e escraviza, teremos que lutar contra a fome, a miséria, a injustiça, e o caos que se aproximam.


6 comentários :

  1. O Sr. Paulo Morais e outros nomes por aqui passam que avancem nas próximas eleições com um partido, esponham as suas ideias e as suas soluções para os problemas que aqui expõem. Se apenas se lava roupa suja, aqueles que nos vigarizam e nos sugam continuam alegremente a brincar com o povo e a aplicar o ditado "que enquanto os cães ladram a caravana passa".

    ResponderEliminar
  2. Acho engraçado esta gente que não sabe mesmo escrever português correctamente e põe-se a fazer comentários à toa, comentários esses que não têm nada a ver com o assunto em questão.
    "Esponham"? Deve ser do verbo "Espor"... És por quem?

    Quanto ao artigo é uma grande verdade que Portugal está a caminho e a passos largos da Angola. Portugal é o paraíso dos criminosos. Permitem-se de roubar milhões às pessoas e pior ainda, dão-se o privilégio de afundar pessoas e colocá-las na miséria, sem olhar às consequências.

    Portugal está na merda e toda a gente sabe. Mas alguém faz alguma coisa? NÃO! Simplesmente comentam, falam, mas ninguém faz nada, nem o povo que está em Portugal, nem os que saíram de Portugal à procura de um país melhor, um futuro melhor. Esses, os emigrantes, normalmente são os que até falam mais, criticam o país natal, mas o que é que eles fizeram pelo país quando aqui estiveram?

    Acho que está mais do que na altura de nos erguermos, todos, os emigrantes e os que cá estão, para revolucionarmos todos contra este Governo que só sabe é explorar-nos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois talvez que os angolanos tenham aprendido com os colonialistas portugueses.

      Eliminar
  3. E alguem tem ideia de como se pode mobilizar uma população na sua maioria ignorante e desinteressaada destes assuntos?

    ResponderEliminar
  4. Eu,filho de pobres trabalhadores do campo e um simples operário emigrante na Holanda onde resido desde 1964 e já velhote (89 anos)digo simplesmente mais uma vez que os trafulhas,os vigaristas,os velhacos,os pulhas,os traficantes,os cínicos,os hipócritas,os espertalhões,os burlões da Alta,da Média,da Pequena Burguesia com destaque para os Vigários de Cristo mas também gente da Plebe,que sabiam como tirar o melhor partido da Ditadura clerical-fascista do Estado Novo,agora em liberdade e «democracia» e com o liberalismo económico e financeiro em que cada qual se safa como pode,ÊLES,seus descendentes,seus comparsas e os «filhos da mesma escola»,muito melhor sabem como tirar o melhor partido desta Situação. Sòmente os bem intencionados ou os palermas como eu,é que foram.são e serão sempre as eternas vítimas.E não esquecer que ÊLES estão a vingar-se do 25 de Abril.

    ResponderEliminar