01 abril, 2012

Comissão Europeia mostra cegueira ou incompetência? Caso BPN provoca estranhos casos de cegueira!

BPN aprovado comissão europeia

A Comissão Europeia aprovou o "silenciar" de todo o saque BPN!? Devo realçar que é deveras interessante que a preocupação principal do processo, tenha sido assegurar a estabilidade financeira... resta saber, a estabilidade de quem? Do banco? Dos que o saquearam? Dos que o compraram? Ou do país?

Na realidade a estabilidade do país sofreu um abalo do qual ainda não recuperou e levará anos a recuperar. Se tudo correr bem... Já a estabilidade financeira dos que o saquearam deve estar ao rubro com saldo bem positivo, em offshores, assim como a estabilidade financeira dos que o compraram.
Foi também salvaguardado que "os auxílios públicos envolvidos não distorcem a concorrência no sector." Lá está, voltamos ao mesmo... não distorcem a concorrência no sector mas distorceram as contas públicas... E essas não contaram para a avaliação?
No  meio de todo este processo, torcido e sujo desde o inicio, Joaquin Almunia acaba por mostrar que também ele deveria comparecer em tribunal na companhia de Teixeira dos Santos.
Considerar normal que depois dos contribuintes serem obrigados a tapar um buraco no BPN de cerca de 6 mil milhões de euros, o Estado Português entregue esse banco a uma empresa privada a custo negativo (oferecem 40 milhões contra a entrega de 300 milhões à cabeça a essa empresa). Isso é uma enorme falta de consideração, um abuso descarado ao povo português.
Joaquin Almunia considera correcto este roubo enorme feito pelos barões fraudulentos do PSD, os quais nem sequer foram julgados! Assistimos, assim, ao escândalo de Joaquin Almunia se aliar a Teixeira dos Santos no branqueamento desse crime financeiro colossal. Já Vítor Constâncio mostrara pouco interesse em defender os interesses dos portugueses, neste video. No entanto e aparentemente essa postura valeu-lhe um bom cargo na UE.
Como é possível a UE enlamear-se com este incrível roubo ao povo português?

Mas Passos Coelho mostra-se tranquilo; "Fico muito satisfeito porque foi possível salvar o BPN dentro de um custo para os portugueses que não é superior ao da sua liquidação, senão mais valia a liquidação do banco", disse o primeiro-ministro em Sines. 
O custo para os portugueses foi totalmente distorcido e jamais será desvendado. Este "salvar o BPN" significou SALVAR meninos mal comportados e isenta-los na justiça, pagar as suas asneiras, "salvar o BPN" sacrificando a economia nacional e o povo. Isto nada tem de salvador, pois encerra em si muita injustiça e sacrifícios de inocentes. E, a passo e passo, o assunto vai ficando resolvido, arrumado e esquecido...
Comissões nomeadas por eles e compostas por representantes dos interesses deles... como Paulo Morais denunciou já em relação à comissão parlamentar que negoceia com a TROIKA.
Na Islândia, perante um caso semelhante ao BPN, o povo teve voz activa no assunto, e hoje estão banqueiros na prisão e políticos em julgamento. 

NOTICIA NA FONTE;
"Comissão Europeia aprovou plano de reestruturação do banco nacionalizado durante a crise financeira. Diz que estão cumpridas as regras da concorrência e os princípios da estabilidade financeira. Novo plano prevê um aumento da remuneração paga pelas medidas de auxílio de que a empresa beneficiou.
"Regozijo-me com os compromissos assumidos por Portugal, que tornam a reestruturação conforme com as regras em matéria de auxílios estatais da UE e preservam a estabilidade financeira"afirma Joaquin Almunia, comissário europeu da Concorrência, em comunicado.
Com esta decisão, Bruxelas põe termo a um processo de investigação aberto há um ano e meio, durante o qual questionou a possibilidade de a venda do BPN ao BIC poder beneficiar indevidamente o novo comprador do banco, e de se revelar mais ruinosa para o Estado do que mera liquidação. Na sequência das suas dúvidas, forçou Lisboa a apresentar um novo plano em Janeiro.
Portugal comprometeu-se igualmente, diz a Comissão, com três outras condições: "Estabelecer um limite aplicável ao capital de base de nível 1 do BPN; adaptar o prazo e a remuneração das linhas de tesouraria solicitadas pelo Banco BIC Portugal, que devem ser concedidas pela Caixa Geral de Depósitos; e respeitar a proibição de proceder a aquisições e de pagar dividendos, bem como a proibição de exercer os direitos de opção de resgate em relação aos titulares de obrigações subordinadas até 31 de dezembro de 2016".
O primeiro-ministro Passos Coelho já afirmou que tenciona seguir as recomendações de Bruxelas."fonte

Constança Cunha e Sá, comentadora na TVI...
«Resta saber se um negócio em que uma empresa é vendida por 40 milhões, depois do que foi lá enfiado - ou seja, depois de 600 milhões para a recapitalização, de 300 milhões de linha de crédito e de mais de 5,5 mil milhões de euros - se isto, mesmo assim, se justifica. A Comissão Europeia não explica isto. A ver vamos», disse.
Mas Constança Cunha e Sá questiona também em que pé está o processo judicial do BPN, «ainda por cima, numa altura em que a justiça está tão ativa em relação a outros processos». «Porque a verdade é que o processo do BPN parece ter-se enfiado por um buraco negro. Nunca mais ninguém soube nada sobre isso. Nem sobre o Oliveira Costa, nem sobre os seus eventuais cúmplices, nem sobre os arguidos do processo... desapareceu», alertou a comentadora.
«Penso que a Comissão de Inquérito que hoje tomou posse no Parlamento tem pano para mangas. Desde a nacionalização, à reestruturação, à reprivatização, o caso BPN é um caso exemplar da forma como o Estado e como os sucessivos Governos conseguem esbanjar dinheiros públicos e o dinheiro dos contribuintes», rematou.


1 comentário :

  1. sempre ouvi dizer que pior cego é aquele que não quer ver... e em terra de cegos quem tem olho é rei...

    ResponderEliminar