02 setembro, 2011

Governo gasta €2.720,7 milhões em formação... sem qualquer estudo sobre o resultado


Formação fraude e depesismo
Clique na imagem para ampliar
Formação e apoio ao emprego: Governo gasta €2.720,7 milhões, mas não avalia essa formação e nem o seu impacto no emprego.
Mais um buraco do erário público que o governo podia e devia evitar, fazendo as coisas com cabeça e sensatez e acima de tudo, respeito pelo povo. 
Num estudo realizado conclui-se que, no que toca à formação em Portugal, o governo apenas se preocupa em gastar o dinheiro predestinado para o efeito, sem qualquer estudo que o valide... ou que mostre aos portugueses que valeu a pena roubar dos seus impostos tantos milhões.
Exemplo, foi a formação entre 2000 e 2006/2009.
1 - Era para ser realizado entre 2000 e 2006 e prolongou-se até 2009 por "incapacidade" do governo!!??
2 - Tratou-se de uma despesa de impacto e que por isso mesmo deveria ter sido realizada com estudos sobre os resultados reais e sobre a sua utilidade, e não foi.  "E isto porque 35 anos após se ter iniciado em Portugal a formação profissional co-financiada pela UE continuam a não ser disponibilizados os dados essenciais para se poder fazer isso."
3 - No caso das  "Novas Oportunidades", em que se gastaram 669,9 milhões de euros, não existem quaisquer dados sobre horas de formação realizadas (não se sabe se cada acção de formação teve a duração de 20 horas, 50, 100 , 500 ou 1000 horas); nem áreas de formação (se foram acções de informática ou de qualquer outra matéria); nem sobre os resultados obtidos pelos formandos (quantos tiveram aproveitamento e quantos nem terminaram as acções, quantos conseguiram obter o diploma do 9º ano e do 12º ano"); nem sobre a empregabilidade (se depois de terminarem a formação conseguiram arranjar emprego, ou se continuaram no desemprego)."
4 - No destinado à formação de trabalhadores empregados, gastaram-se 656,2 milhões de euros,  ficaram também por apurar dados fundamentais para avaliar a formação realizada.

Tudo isto continua perante a passividade da Comissão Europeia e do Governo Português, que só estão interessados em saber se o dinheiro foi gasto de acordo com os regulamentos e se conseguiram chegar aos padrões exigidos pelas UE, não se importando nem de avaliar as acções realizadas com esses fundos nem de saber o seu impacto a nível dos trabalhadores e da sociedade. E isto apesar de o País ocupar os últimos lugares a nível escolarização e qualificação da sua população na União Europeia. 
CONSULTE AQUI O ESTUDO E A FONTE QUE DEU ORIGEM A ESTE TEMA.

ACTUALIZAÇÃO:
Finalmente entende-se, nesta actualização da noticia, o porquê de fazer as coisas sem grandes preocupações que as validem... tudo se prendia com o interesse de atingir uma meta... os meios não importaram.



1 comentário :

  1. FDXXX o que vale é que continuamos quase todos no desemprego... senão não se conseguia explicar para onde foi tanto dinheiro... hipocritas..
    POTUGUESE NÃO ACORDEM NÃO... ELES ANDAM TODOS A VIVER Á GRANDE E AS NOSSAS CUSTAS... MUITO LINDO

    ResponderEliminar