12 outubro, 2015

Paulo Morais: ‘A promiscuidade entre políticos e negócios está ao nível da Mongólia’


ENTREVISTA E VIDEOS DE PAULO MORAIS.
Queria ser astrónomo mas acabou candidato à Presidência da República para combater a corrupção.
Em entrevista ao SOL, Paulo Morais afirma que não pretende ser um D. Sebastião e que tem como alvo os políticos desonestos.

Quem é Paulo Morais?
É um cidadão empenhado e preocupado que nasceu em Viana do Castelo já lá vão 51 anos. Estudei Matemática na Universidade de Ciências do Porto, porque queria ser astrónomo. Fiz uma carreira académica, fui presidente da JSD em Viana, onde vivi até aos 17 anos, fui dirigente académico no Porto, estive na Câmara do Porto e na Associação Transparência e Integridade. O que senti em todas as posições que ocupei é que invariavelmente a corrupção minava o funcionamento das instituições. E quando vejo que há necessidade de intervir e não vejo ninguém a avançar, avanço eu.

Porque se decidiu candidatar?
Porque mais ninguém a quem reconheça credibilidade teve coragem e vontade para se lançar e é fundamental ter como primeira prioridade o combate à corrupção. A corrupção é o maior problema da política portuguesa e só pode ser combatida de forma transversal, no Parlamento, com uma maioria larga de deputados, mas isso neste momento não existe, ou ao nível da Presidência da República com alguém livre de qualquer tipo de compromissos.

Tem feito várias denúncias de corrupção. Alguma já levou a investigação com efeitos práticos?
Uma coisa são denúncias em tribunal que o Ministério Público tem de investigar, não sou eu. Sempre que detectei que havia indícios de tráfico de influências, casos de potencial corrupção, apresentei queixas no local próprio, os tribunais, nomeadamente crimes urbanísticos. Se me perguntar se houve alguma condenação? Até agora, infelizmente não. Muitos não estão concluídos e muitos foram arquivados, alguns com alguma frustração minha. Depois há uma denúncia de uma promiscuidade absoluta entre a política e os negócios. Em Portugal, política e negócios são quase sinónimos, infelizmente. Essa é uma análise política e portanto não há apresentação de queixas em tribunal.

Uma das críticas que lhe fazem é lançar suspeitas sem provas...
Não entendo. Quando digo que as pessoas que estiveram na governação na área das Obras Públicas foram todas trabalhar para empresas de PPP, as provas são públicas. Em Portugal, a corrupção é tão generalizada, tão impune que as provas são públicas. Para provar que o eng. Ferreira do Amaral, que mandou construir a Ponte Vasco da Gama e hoje trabalha na concessionária, que Jorge Coelho foi trabalhar para a Mota-Engil não é preciso procurar provas, basta fazer um google.


No caso BES, por exemplo, pediram-lhe provas e o que enviou aos deputados foram notícias e declarações suas. Isso descredibilizou-o?
Acho que não, mas de qualquer maneira a minha credibilidade é pouco relevante face à importância do assunto. Vou contar o que se passou. Disse que era conhecida, em Angola, a lista de beneficiários do BES Angola. Recebi do Dr. Fernando Negrão um pedido para fazer uma lista. Mandei essa lista, feita à custa de notícias de imprensa angolana, replicadas em Portugal, artigos que eu próprio tinha escrito e fontes que não revelo. Obviamente foi feita por mim, não percebo qual o problema. Agora é evidente que, para uma comissão parlamentar que não quer incomodar quem está na lista, é melhor virar-se para o mensageiro.

Penso que queriam provas…
As provas são as fontes. Uma confissão dos próprios a dizer que deviam dinheiro ao BES? Nem tentei. Isso é uma incumbência do Parlamento. Não trabalho para o Parlamento e nem sequer sou funcionário público. Compete ao Parlamento pedir os documentos. Enviei o que me pediram, se não querem usar a informação para a próxima não me incomodem.

É um candidato contra a política e contra os políticos?
Não. Sou um candidato a favor do funcionamento das instituições. Gostava de ver o Parlamento a fazer o que lhe compete, que é legislação e fiscalização da actividade governativa. Não me entendo como alguém que pode ser o D. Sebastião, um Presidente para salvar a pátria. Nem tenho esse perfil. Sou é contra a política completamente degradada. E a favor de um regime em que partidos, Parlamento, Governo e Presidente estejam a favor do povo e não ao serviço de um conjunto de grupos económicos.

Mas é anti-sistema?
Anti este sistema, sim. A democracia está moribunda. As leis que envolvem muito dinheiro são elaboradas nas grandes sociedades de advogados e não no Parlamento. Temos hoje um nível de promiscuidade entre políticos e negócios que só se encontra na Mongólia. Temos 50 e tal deputados que ao mesmo tempo são administradores, consultores, directores de empresas que têm grandes negócios com o Estado. São deputados para quê? Para terem acesso a informação privilegiada. Da mesma forma o Executivo o que faz? Negócios.

Que tipo de negócios?
As privatizações – a TAP é a última de um conjunto que passou pela REN, EDP, Fidelidade, CTT – não foram mais que uma transferência de recursos do povo para uma oligarquia, à semelhança do que aconteceu na queda da União Soviética. O Governo, numa verdadeira associação criminosa, entregou o património do Estado a uma oligarquia próxima do actual poder. E o poder judicial? Faz o pouco que pode porque tem meios ridículos. A Justiça vive com migalhas.

Quem o ouvir falar pensa que todos os políticos são corruptos...
Os políticos desonestos são a minoria. Há é um problema: os que são mais desonestos são os que mandam mais. Não tenho essa estimativa mas imagino que os políticos envolvidos em mecanismos de corrupção directamente serão 10%. Só que são eles que dominam todo o sistema.

Mas e os outros?
Os restantes – ainda por cima num país em que temos infelizmente muitos políticos verdadeiramente parolos – querem manter determinado tipo de privilégios. Um deputado que está na 4.ª fila, um vereador de uma câmara, têm um conjunto de mordomias de que não querem abdicar. Recebem uns bilhetes de borla para o futebol, querem fazer obras na casa da sogra falam com o presidente, querem um emprego para a sobrinha e conseguem. Para manter esses pequenos privilégios pactuam com o sistema. Há uma pequena minoria de corruptos e há uma larga maioria de cúmplices que permitem que isto aconteça.

E quem são os desonestos?
Os que dirigem as estruturas partidárias, os que fazem os grandes negócios, que recebem financiamento partidário sem controlo, os que pagam as campanhas.

Não quer mencionar nomes?
[silêncio] Nomes dos políticos? São os dirigentes partidários, as direcções dos partidos, em particular dos que estão no poder. São todos responsáveis. O esquema de corrupção e promiscuidade entre o Estado e os grandes grupos privados tem sido alimentado pelo actual primeiro-ministro, pelo anterior e assim sucessivamente.

A prisão de Sócrates surpreendeu-o?
O facto de Sócrates estar preso não me surpreende. Surpreende-me é estar só ele preso, isso é que me surpreende!

Quem mais devia estar preso?
Isso não posso dizer porque tem implicações jurídicas. É uma análise para os juízes, não para mim que faço uma análise política. SOL

VIDEOS DA LUTA DE PAULO MORAIS CONTRA A CORRUPÇÃO, ALERTANDO O PAÍS E A JUSTIÇA PARA O ABUSO E A CORRUPÇÃO
Deputados acusados de corrupção, cobardes, não aparecem na AR.

P. Morais convida os corruptos a terem vergonha. Mas não Têm?

As verdadeiras causas da crise! Abram os olhos.

OCDE: Portugal destruído pela corrupção de décadas.
Orçamento de estado serve padrinhos.Como cortar 7 mil milhões na despesa dos padrinhos.

 Quem representa o povo? Parlamento central de negócios.

85% da divida foi gerada pela corrupção de décadas. PS, PSD, CDS...

 Alguém acredita que o BES faliu, se fazia lavagem de dinheiro, que só dá lucro?

PORTUGAL, país mais corrompido do mundo, em 10 anos.

Os maiores responsáveis pela crise, são os mais protegidos da crise?

M. Luis Albuquerque, ex girl do PS, guardiã do BPN e SWAPs
BES, o banco do regime corrupto jamais pode estar falido.
A farsa da luta contra a corrupção e abuso politico
 Deficientes negociaram as PPP´s, afirma Caiado Guerreiro.
Paulo Morais: Os políticos que favoreceram as PPP, trabalham nas PPP.

Portugal não está a ser resgatado, mas sim explorado, Paulo Morais

Gatunos. O governo é a voz da banca, a banca é a voz do governo.

 Paulo Morais: corrupção entre Angola e Portugal. Eduardo dos Santos ameaça!
Compilação dos crimes das PPP e da impunidade descarada.

BES: Porque a troika quer salvar bancos e sacrificar o povo.

Administrador do BPN/SLN, recebe medalha em vez de algemas?

SWAP - os intermediários estão multimilionários!

A PPP de Sócrates e de amigos de Cavaco Silva -Campus da Justiça, cara mas intocável
Paulo Morais. Entidades branqueadoras que pagamos.

PPP´s das águas? Quanto pagas por água privada?

Quem fez as PPP é corrupto, nem precisa de buscas, basta ler o DR

 LuxLeaks: Marinho Pinto acusa Barroso e Junckers de traição

Partidos julgam-se donos da democracia e fascistas, atacam Marinho?

Os autarcas milionários, corruptos e parolos. Menezes e Rio!
Prisão de Sócrates, por Paulo M. e Marinho Pinto
Paulo Morais revela nomes dos devedores dos 3 mil milhões ao BES.

Sócrates ou é alucinado ou corrupto, e protector da máfia BPN.
OE de 2015 tem 400 milhões para o BES. Impunidade de Salgado.

Injustiça fiscal. Fisco ao serviço dos ricos. Paulo Morais

Sócrates fez as rendas das PPP de forma a subirem depois de ele sair do governo

Sócrates deu "gorjeta"de 900 milhões de € a donos das PPP´s

Justiça está a trabalhar porque o povo está a acordar (Paulo Morais)

 Como fazer autarcas e amigos milionários? Aprenda
Privatizações feitas em total promiscuidade, suspeitos oportunistas



5 comentários :

  1. A favor da minha ideia ,que não é com o monotema ,que se forma uma candidatura sustentável a presidencia, volto a desejar que no campo das autarquicas e nacionais, sujam forças coerentes, bem estruturadas e que falem e proponham assuntos correntes, que afligem os cidadãos. A corrupção é uma , mas a falta de emprego ou ocupação, os preços dos transportes e dos infantários... terá que ser um cabaz de assuntos. Falar só dum tema enfraquece a mensagem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O caro António, se não resolver o problema da corrupção esqueça lá o emprego e os preços dos transportes....já agora, porque é que acha que os preços são altos! Como grande parte da nação, você não tem noção do impacto que a corrupção, clientelismo e chico-espertismo tem, na vida real dum país! vá festejar agora mesmo pois se não se acabarmos com a corrupção, hoje vive melhor do que alguma vez viverá neste país...somos um país condenado pois os nossos recursos são depositados nos bolsos dos amigos e nos dos amigos dos amigos...percebe...

      Eliminar
  2. Este governo já morreu

    e o funeral já preparam

    roubaram tudo o que é meu

    nos quatro anos que passaram

    *******************************

    Passos e o Portas

    os dois mandantes neoliberais

    cortaram o País às postas

    e ainda queriam governar mais

    *********************************

    Cavaco era o timoneiro

    deste tudo começou

    dava ordens ao primeiro

    e o segundo concordou

    ***********************************

    Agora andam com azia

    aqueles que o ajudaram

    era tanta a simpatia

    e mesmo a esses enganaram

    *************************************

    Não sei porque razão

    andam sempre a enganar

    se tivessem coração

    não punham o povo a emigrar

    **************************************

    Agora vou acabar

    com esta opinião

    outro vai governar

    com o PAF na oposição
    ****************************************
    POR
    um poeta desconhecido

    ResponderEliminar
  3. O Choque Dogmático Cultural de Poder, Político/Religioso Tradicional, Engano, Mentira, Má-Fé, Bloqueio Tradicional, Um Atentado ao Estado Social. A Maioria Política Conservadora Dogmática do PSD, Em 1992, Extinguiu a Alta Autoridade Contra a Corrupção, São Cúmplices, Coniventes, Com a Atual Situação, Institucionalizou, Promoveu a Teia da Corrupção em Portugal: Fraude Nacional. Bancos, BPN, BPP, BES, Banif; Negligência, Incompetência, Conivência, Prejuízo de Criminalização Nacional.

    Falência Económica e Social, Dívida da Madeira de Prejuízo Nacional, Zona Franca, OF-Chores, Fiscais, Etc. Corrupção ao Mais Alto Nível, SUBMARINOS. Cultura de Mentira, Engano, Destruição Progressiva e Económica do Estado Social. Somos Vítimas Deste Sistema Dogmático de Bloqueio, Incompetência Cultural, Corrompido, Conservador Tradicional.

    Cultura Dogmática de Apatia, Negligência e Incompetência, Morte Lenta, Tem Conduzido ao Desprezo dos Mais Elementares Direitos Humanos e de Justiça dos Cidadãos. Vive-se ao Sabor da Sorte ou Pouca Sorte.



    Destruição da Economia Nacional e Social. Irresponsabilidade, Desastre Nacional. Milhares de Portugueses na Pobreza, Explorados, Roubados, Reformas de Miséria; Emigrantes, Roubados, Humilhados, Lesados, Defraudados, Enganados, Apelam em Paris, e em Portugal, ao Não Depósito e Retirada das Poupanças em Portugal, Com a Falência do País e dos Bancos, Falta de Humanismo, Solidariedade Social e Política.


    Crimes Sem Castigo, Tráfico de Influência, Enriquecimento Ilícito, Fraude, Bancos BPN, BES, Banif; Irresponsabilidades, Incompetência, Injustiça na Lei e Justiça. Denúncias Permanentes, nos Órgãos de Informação, nas Antenas Abertas. SIC - Informação, Sobre Ocultação de Prejuízos do BPN, Roubo, Fraude, Corrupção. A Tanga e o Pântano, Nacional, Histórico, Tradicional. Queremos Um Governo Responsável, Antidogmático, em Portugal.

    ResponderEliminar
  4. "Êh Pá!" Eu concordo que tudo isto é verdade e muito mais, sei que ao arrepio da constituição se fazem Leis/Decretos Lei/Acrescentam-se alíneas aos artigos e todas as artimanhas para benefício dos políticos/jurista/magistrados e afins... em 1985 criaram a subvenção mensal vitalícia, a que eu chamo de ALEITAÇÃO (bastava naquela altura só dois mandatos = 8 anos). E foi a partir desta data que "jamé" votaria seja em quem for. Não votar em corruptos é não votar em nenhum trafulhas e que são todos... e nunca descorar que os sindicatos jamais estão ao serviço dos trabalhadores (seus associados) mas sim dum partido, que recebe dos mesmos "uma fatia da quotização". Lembrando Eça:“ORDINARIAMENTE todos os ministros são inteligentes, escrevem bem, discursam com cortesia e pura dicção, vão a faustosas inaugurações e são excelentes convivas. Porém, são nulos a resolver crises. Não têm a austeridade, nem a concepção, nem o instinto político, nem a experiência que faz o ESTADISTA. É assim que há muito tempo em Portugal são regidos os destinos políticos. Política de acaso, política de compadrio, política de expediente. País governado ao acaso, governado por vaidades e por interesses, por especulação e corrupção, por privilégio e influência de camarilha, será possível conservar a sua independência?” (Eça de Queiroz, 1867 in “O distrito de Évora”)

    ResponderEliminar