21 novembro, 2013

Voluntários contra a fome ajudam Belmiro de Azevedo e Soares dos Santos?


banco alimentar donativos corrupção
"Negócio da fome
Aparentes ações de grande solidariedade, as campanhas de recolha de alimentos para carenciados constituem, isso sim, agressivas operações comerciais.
Quem acaba por mais lucrar são supermercados e hipermercados, que veem as suas vendas aumentar.
A seguir vem o estado, pois este acréscimo de consumo representa também aumento na coleta de impostos. E os pobres dos pobres que justificam as campanhas são, afinal, os menos beneficiados.
Em dias de recolha de alimentos, as grandes superfícies aumentam consideravelmente as suas vendas, sem sequer necessitarem de promoções ou até de qualquer trabalho de marketing suplementar.
As administrações do Pingo Doce e do Continente, que no seu conjunto detêm cerca de 90% do mercado de distribuição, devem rejubilar com esta campanha comercial, disfarçada de ação solidária.
Ano após ano, os Bancos Alimentares contribuem para o acréscimo da sua faturação em dezenas de milhões de euros. Parte significativa deste montante engorda os lucros das empresas de distribuição.
E não só. Também o estado tira proveito deste acréscimo de consumo, pela via do IVA que é cobrado, em muitos dos produtos a 23%, o que representa também milhões de euros.
Assim, os voluntários da Cruz Vermelha que participam na ‘Operação Sorriso' cumprem a função (involuntária) de promotores de vendas do Continente.
Os milhares de jovens que colaboram com o Banco Alimentar julgam estar a ajudar as famílias portuguesas, mas as famílias que mais beneficiam das campanhas de recolha de alimentos são as de Belmiro de Azevedo e de Soares dos Santos.
A maior parte da ajuda fica pelo caminho, chegando às centenas de milhares de necessitados apenas uma reduzida percentagem do generoso esforço financeiro dos portugueses. 
E está mal aproveitado o trabalho abnegado de milhares de voluntários bem-intencionados que são usados, sem disso se aperceberem, como peças de uma máquina comercial. Para que as operações de oferta de alimentos aos mais carenciados sejam eficazes, há que encontrar esquemas alternativos de distribuição direta dos recursos.
A atividade solidária não necessita de ser taxada com IVA nem de intermediários que retêm a maioria do valor dos donativos, como é o caso dos hipermercados."
Paulo Morais

"Os portugueses doaram esta fim de semana 2800 toneladas de comida durante a campanha do Banco Alimentar, mais do que na última ação realizada há seis meses. O presidente da Cáritas Portuguesa diz que, com a campanha do Banco Alimentar, o Estado arrecadou vários milhões de euros em impostos. Eugénio Fonseca sugere ao Governo que dê o exemplo e abdique do IVA em campanhas de solidariedade deste género." fonte com video

Em Inglaterra, a cadeia de supermercados Waitrose, oferece uma moeda (uma chapa) a cada cliente que faz compras acima dum determinado valor.
O cliente, à saída, tem, normalmente, três caixas, cada uma em nome duma instituição social sediada no município, para receber as referidas moedas, de acordo com a opção do cliente.
Periodicamente, são contadas as moedas de cada caixa e a empresa entrega em dinheiro, à respectiva instituição, o valor correspondente, donativo esse que, diminui os seus lucros mas, também, tem o devido tratamento em termos de fiscalidade.

Em Portugal, as campanhas de solidariedade custam ao doador uma parte para a instituição, outra parte para o Estado e mais uma boa parte para a empresa que está a ?operacionalizar? (?!...) a acção.
Em Dezembro 2012 decorreu mais uma acção, louvável, do programa da luta contra a fome mas....façam o vosso juízo! A recolha em hipermercados, segundo os telejornais, foi cerca de 2.644 toneladas!
Se cada pessoa adquiriu no hipermercado 1 produto para doar e se esse produto custou, digamos, 0.50 ? (cinquenta cêntimos), repare que:
2.644.000 kg x 0,50 ? dá 1.322.000,00 ? (1 milhão, trezentos e vinte e dois mil euros), total pago nas caixas dos hipermercados.
- o Estado: (23% de iva)
- o Hipermercado: 396.600,00 ? (margem de lucro de cerca de 30%).
Devo dizer que não deixo de louvar a acção da recolha e o meu respeito pelos milhares de voluntários.

MAIS....
- Porque é que os madeirenses receberam 2 milhões de euros da solidariedade nacional, quando o que foi doado eram 2 milhões e 880 mil?
Querem saber para onde foi esta "pequena" parcela de 880.000,00 ??
A campanha a favor das vítimas do temporal na Madeira através de chamadas telefónicas é um insulto à boa-fé da gente generosa e um assalto à mão-armada.
Pelas televisões a promoção reza assim: Preço da chamada 0,60 ? + IVA. São 0,738 no total.
O que por má-fé não se diz é que o donativo que deverá chegar (?) ao beneficiário madeirense é de apenas 0,50 ?.
Assim oferecemos 0,50 ? a quem carece mas cobram-nos 0,738 ?, mais 0,238 ? cerca ou + de 32%.
Quem ficou com esta diferença?
1º - a PT com 0,10 ? (17%) isto é a diferença dos 50 para os 60.
2º - o Estado com 0,138 ? (23%) referente ao IVA sobre 0,60 ?.
A RTP anunciou com imensa satisfação que o montante doado atingiu os 2.000.000,00 ?.
Esqueceu-se de dizer que os generosos pagaram mais 44%, ou seja, mais 880.000,00 ? divididos entre a PT (400.000,00 ? para a ajuda dos salários dos administradores) e o Estado (480.000,00 ? para auxílio do reequilíbrio das contas públicas e aos trafulhas que por lá andam).
A PT cobra comissão de quase 20% num acto de solidariedade!!!
Pelo menos. DENUNCIE!
"O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons."
 (Email enviado ao blog)

15 comentários :

  1. desde o inicio q so nao ve quem nao quer ver.continuem a encher as contas destes srs numa de mto solidarios

    ResponderEliminar
  2. em viseu estão a usar os beneficiarios do RSI para trabalharem como "voluntarios" para a cruz vermelha.
    de salientar que os beneficiarios do RSI não têm escolha pois se não participarem é-lhes retirado o RSI!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho muito bem. quem recebe dinheiro e está bem de saúde devia trabalhar. Mesmo quem recebe subsídio de desemprego devia prestar trabalho para o estado.

      Eliminar
  3. Apesar da argumentação estar "correcta chamo a atenção que os bens doados -aquilo que quem precisa vai consumir é que conta e pouco interessa se custou 30 ou 60;lembro que se o doador for adquirir o arroz ou azeite ou farinha noutra mercearia já não paga o valor x mas paga x +y; no entanto está na mesma a doar o mesmo bem que é o que conta para quem precisa. Agora vamos falar do que realmente interessa para quem dá e recebe= ao dar dinheiro as org. Ong Institutos de solidariedade têm que tirar uma verba para os gastos e despesas. Alguém sabe quanto? Como nós sabemos que ONG em Londres pagam a voluntarios com curso 5000€/mes para irem deslocados para Africa ou Asia podemos imaginar que quando ouvimos dizer que o gov ingles/frances/alemao deram tantos milhoes ,uma grande parte desse dinheiro volta rapidamente a Londres para as contas dos ditos voluntarios/especialistas. isso sim é que é dinamismo e hipocrisia bacoca que extrapolando para outras zonas do mundo faz que com má gestão se possa gastar em viagens, almoços,conferencias, publicidade a maior fatia possivel das dávidas de pessoas boas. Se forem mais exigentes com o que devem saber saibam como é a gestão para as org a quem dão. No BAlimentar tem duas pessoas a receber salario, todos os outros sao voluntarios gratuitos; como o que se dá nos supers sanguessugas representam apenas menos de cinco por cento do que o BA distribui, o restante é oferecido por empresas diversas entre elas o PingoDoce e Continente e tudo gerido com dois salarios. Agora se querem ter opinião fundamentada aconselho a que vão ver outras (Caritas, Cruz Vermelha que não moviemtam um centesimo do BA e quantos salarios encontarm? Isso sim é que é ser transparente :dei cincoe chegou a boca do necessitado cinco menos X-(Interessa saber com transparencia para se decidir com criterio) :No exemplo que o post fala deu um kilo de arroz e chega ao precisado o kilo de arroz -porque o controle noBA é certificado e ninguem leva nem que seja um grama para uso pessoal. Sejam criteriosos a quemdãopara que os pulhas não roubemquem já tem muito pouco.

    ResponderEliminar
  4. ÚLTIMA HORA
    Forças policiais manifestam-se e pedem demissão do Governo
    http://sol.sapo.pt/inicio/Sociedade/Interior.aspx?content_id=93066

    ResponderEliminar
  5. Não colaboro nessa benevolencia hipócrita. Os ditos beneficiários devem ter trabalho com direirtos para viverem com dignidade.

    ResponderEliminar
  6. Não colaboro nessa benevolencia hipócrita. Os ditos beneficiários devem ter trabalho com direirtos para viverem com dignidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dizes essa merda porque não passas fome...é que a benevolência (em parte) hipocrita mata a fome a muita gente...fundamentalismos irracionais jamais!!!

      Eliminar
  7. Eu já disse aos do Banco Alimentar e da Cáritas para me trazerem os alimentos aqui ao Bairro. Eu estou muito gorda e não posso andar senão fico muito cansada das pernas. Só de escolher a pastelaria para lanchar já é uma trabalheira porque tenho de procurar uma com esplanada para as minhas cigarradas. Agradeço aos Portugueses que trabalham muito e pagam impostos e todo o tipo de taxas para que eu tenha RSI, abono máximo para os meus 4 filhos (os pais deles fugiram), habitação social, saúde sem taxas moderadoras e educação com livros à borla. E agora despeço-me porque ainda vou buscar umas roupitas ali à loja social para depois as vender no OLX! Continuação de bom trabalho para todos. Um grande beijo da Gina. Muuuá!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande Gina, espero que continue a ter essa assistencia toda e não se sinta como alguns meus conhecidos sem emprego e consequente depressao e com o drama de não poder comer todo as as refeiçoes.

      Eliminar
    2. e assim mês no Gina a vida e para os espertos os burros que se matem a dar para os bois dos politicos

      Eliminar
    3. A gina tem piada sim senhor mas está-se a cagar para quem passa fome!!!Voltamos à velha discussão "quais os limites do humor, se é que os tem"?

      Eliminar
  8. Estou de acordo com o que dizem...de facto o esforço solidário deveria reverter na integra para quem precisa, correctíssimo, sendo o actual status quo eticamente reprovável mas convenhamos que as actuais campanhas solidarias contribuem e muito para ajudar milhares de necessitados devendo quem as contesta jamais procurar boicotá-las (acto egoista e irresponsável) mas sim procurar melhorá-las de forma construtiva...Friso:AS ACTUAIS CAMPANHAS APESAR DE CONTRIBUIREM PARA O ENRIQUECIMENTO DO ESTADO E DOS PATRÕES MATAM A FOME A MILHARES DE PESSOAS...SEJAMOS SÉRIOS!!!C.Monteiro

    ResponderEliminar