03 outubro, 2015

Marinho Pinto denuncia a farsa e manipulação das campanhas que escondem a corrupção.

Campanhas eleitorais de farsantes que nem falam da corrupção. Tabu? 



Neste video, MARINHO PINTO critica o PS, PSD, CDS, PCP E BE, pela farsa das campanhas silenciosas, em determinados temas, que para eles continuam a ser tabu: a corrupção!
Todos eles e todos nós, sabemos que o maior problema de Portugal é a corrupção, mas as campanhas nem tocam nos assuntos sobre o combate à corrupção, nem sobre os corruptos que estão presos ou a ser investigados por corrupção politica, em exercício de cargos públicos. “Nenhum partido quer falar de corrupção porque todos têm culpas no cartório"
Encobrem-se uns aos outros e ninguém fala dos maiores escândalos de corrupção que abalaram Portugal, nem dos crimes que estão na justiça.
Critica ainda a comunicação social que ajuda na farsa, pois limita-se a colocar o microfone à frente dos políticos sem sentido critico nenhum, repetindo apenas o que eles dizem mesmo que sejam mentiras e nunca questionando o que é pertinente.
Os principais partidos políticos não querem debater, na campanha eleitoral para as próximas legislativas, o tema da corrupção, porque esse tema é a sua vergonha e eles querem que os eleitores os esqueçam... e infelizmente os eleitores de memória curta, esquecem mesmo.
"Não querem falar da corrupção, porque isso prejudica-os. Os grandes corruptos de Portugal estão dentro do PS, do PSD e do CDS", afirmou à agência Lusa, Marinho e Pinto.
Acusou o"PS, PSD/CDS-PP, CDU e Bloco de Esquerda, os partidos que estão no sistema", de fazerem uma "encenação grotesca" e "palhaçada eleitoral" para "distrair" os portugueses "dos problemas fundamentais".

"Esses partidos políticos não discutem a corrupção, nem o tráfico de influências, nem a
promiscuidade entre política e negócios", disse, observando que o tema esteve ausente dos debates entre Passos Coelho e António Costa.
Não querem também tocar no assunto da corrupção porque nenhum deles quer apresentar ou apresenta um programa onde se inclua o combate à corrupção. Apesar de ser um dos maiores flagelos da nação.

"Vão debater o quê? O José Sócrates? Então, e o Miguel Macedo? Vão debater o Armando Vara? Então, e o Dias Loureiro e Oliveira e Costa? Não querem debater isso, querem fingir que tudo isso não existe", insistiu.
O candidato do PDR referiu que, em contrapartida, andam a discutir "quem é que chamou a 'troika'", considerando que se trata de "tentativas, absolutamente primárias, de chamar estúpidos aos eleitores".

Para completar o quadro de desinformação, a comunicação social não dá tempo de antena aos pequenos partidos, os tais fora do sistema, que ainda denunciam a corrupção.
Lista de vídeos onde Marinho ataca e denuncia, feroz e invariavelmente, a corrupção.

Numa entrevista Marinho Pinto avisa:
--E se não houver uma maioria absoluta do PS ou da coligação?
Se isso acontecer é uma boa decisão dos portugueses. Nenhum dos dois partidos merece uma maioria, muito menos absoluta. Em todos os governos democráticos as maiorias são feitas de entendimentos entre vários partidos. O que nós dizemos é: não votem em nenhum dos dois para o país poder mudar.

---Está a fazer o apelo contrário ao de Cavaco Silva...
O professor Cavaco Silva é a expressão visível da degenerescência moral das instituições democráticas. Basta ver o que ele fez acerca do BES quinze dias antes de ruir, em que aconselhou os portugueses a comprarem acções. Se tivesse um pingo de decência demitia-se e desaparecia deste país.

----É mau, então, a maioria absoluta?
Nem sequer a maioria relativa é boa, o melhor seria banir esses dois partidos. Eu sei que isto parece utópico mas as utopias começam assim, provocam o riso até se realizarem. Mas mais: se há voto inútil é o voto na CDU, que anda há décadas a dizer a mesma coisa. O PCP está a perder memória histórica e vive agarrado a ‘clichés' e ao disco riscado.

-----Porquê? Por causa de Sócrates?
Nenhum [partido] quer falar da corrupção porque todos têm culpas no cartório, desde Sócrates a Vara, passando por Duarte Lima, quadrilha BPN, Miguel Macedo ou Paulo Portas... e o primeiro é o senhor António Costa. A corrupção devia ser o primeiro tema da campanha, temos um ex-primeiro-ministro preso e ninguém fala nisto? Ele não está preso por ter assassinado a sogra ou traficado droga, o líder do PS trata Sócrates como se fosse um preso de delito comum, ele é um preso político no sentido em que está preso por indícios de crimes praticados enquanto político. (Por isso devia ser um assunto do debate politico)

É essencial manter os portugueses (des)informados, limpando a imagem dos políticos em geral e de alguns em especial. Há para todos os gostos.
O importante é garantir que sejam os políticos ou seus serviçais, os que ofereçam as respostas mais convenientes, que expliquem ao povo que não há corruptos, que desviem as atenções para para assuntos convenientes, que finjam que levantam o véu, finjam que elucidam e tranquilizam as vitimas dos políticos.
A palavra corrupção é tabu para os comentadores, serventes do sistema corrupto. Por outro lado temos aqueles que veementemente abominam e denunciam sem pudores os corruptos e a corrupção; Paulo Morais, Marinho Pinto, Medina Carreira; Gomes Ferreira e Caiado Guerreiro, demonstrando que não servem os corruptos. ARTIGO COMPLETO: 

Consulte ainda este artigo sobre como a comunicação trabalha para camuflar os corruptos.....


1 comentário :

  1. A abstenção afinal obtém um resultado contrário, ao que pretendem os abstencionistas
    Por isso, o que me chateia na vossa abstenção é a falta de colaboração num trabalho importante. Não é uma questão de direitos ou deveres cívicos em abstracto. O problema é concreto. Temos uma tarefa difícil, da qual depende o nosso futuro, e vocês ficam encostados sem fazer nada.
    Isto tem consequências graves para a democracia. Quando a maioria não quer saber das propostas dos partidos, está-se nas tintas para o desempenho dos candidatos e nem se importa se cumprem os programas ou não, o melhor que os partidos podem fazer para conquistar votos é dar espectáculo. Insultarem-se para aparecerem mais tempo na televisão ou porem o Marinho Pinto como cabeça de lista, por exemplo. Vocês dizem que se abstêm porque a política é uma palhaçada mas a política é uma palhaçada porque vocês não votam.
    A culpa é vossa porque não é preciso muita gente votar em palhaços para os palhaços ganharem. Basta que a maioria não vote. Também é por vossa culpa que os extremistas estão a ganhar terreno, e pela mesma razão. É fácil pôr os fanáticos a votar. Basta abanar o pano da cor certa e, se mais ninguém vota, eles ficam na maioria. Mas se vocês colaborassem e se dessem ao trabalho de avaliar as propostas dos partidos, se os responsabilizassem pelas promessas que fazem e votassem de acordo com o que acham ser a melhor solução, deixava de haver palhaços, interesseiros e imbecis na política.

    Quando opta por não votar pode estar a atingir o resultado contrário daquilo em que acredita.
    Esclareça-se e compreenda porque é importante votar em consciência contra os partidos corruptos.
    Faça uma escolha, opte por votar com quem mais se identifica, e quem menos o lesou, o poder é seu! Use-o para ajudar todos nós.
    http://apodrecetuga.blogspot.pt/2015/10/percebam-que-abstencao-afinal-obtem-um.html#more

    ResponderEliminar