15 julho, 2015

Tachos em Estremoz levam o presidente da Câmara e seu adjunto a extremos. As cunhas descaradas

Os nossos impostos e o cargos na função pública continuam a servir os interesses pessoais de quem nos deveria representar e não o interesse dos contribuintes. Dois representantes públicos de Estremoz decidem arranjar tacho para as suas esposas. Tentam abrir concurso interno mas não conseguem, devido à ilegalidade. Abrem concurso externo mas ao ver que houve muitos candidatos e com boas notas, e que existe o perigo das esposas não serem seleccionadas, anulam o concurso. Finalmente conseguem contornar a ilegalidade do concurso interno e abrem o concurso muito bem direccionado para as respectivas esposas que extraordinariamente só não tiveram nota 20 nos exames, por um triz. 
Andamos todos a dormir... e eles bem despertos fazem de nós parvos.
Não permitas que a politica seja um antro de corrupção, vota e pune os partidos corruptos. Cumpre o teu dever, protege o país, sê um vigilante activo dos teus impostos e da democracia. 
tachos esposa luis mourinha

MULHERES DO PRESIDENTE E DO ADJUNTO GANHAM CONCURSOS NA CÂMARA DE ESTREMOZ
A mulher do Presidente da Câmara, Luís Mourinha e do seu adjunto, António Serrano foram as candidatas melhor classificadas nas Provas de Conhecimentos e de Entrevista Profissional de Seleção nos Procedimentos Concursais abertos pela autarquia estremocense para Técnicos Superiores da área de Ciências da Informação e Documentação e na área de Turismo, respectivamente, segundo se pode constatar no site da Câmara Municipal de Estremoz (www.cm-estremoz.pt).
Segundo os elementos divulgados no site oficial da autarquia, a candidata Maria Helena Galego Borges Mourinha, mulher do Presidente da Câmara, obteve classificações de 19 e 17,90 valores naquelas provas e a candidata Marisa Isabel Varela Serrano, mulher do adjunto do Presidente da Câmara obteve classificações de 19,20 e 13,30.

O resultado dos concursos para estes Técnicos Superiores já tinha sido previsto pelo Ecos online em Janeiro de 2011 quando em artigo intitulado “ESTREMOZ: CÂMARA ABRE CONCURSOS PÚBLICOS DIRECIONADOS?”escrevíamos que “a simples análise dos requisitos exigidos pela autarquia, nomeadamente no que se refere à nomenclatura das licenciaturas exigidas para os quadros superiores, comprova a informação recolhida pelo Ecos online e aponta mesmo para que os lugares em aberto venham a ser ocupados por pessoas com ligações familiares a quadros dirigentes do actual executivo ou a quadros que exercem funções de apoio político ao executivo camarário.” e acrescentávamos que “os resultados destes concursos comprovarão se a informação recolhida pelo Ecos online tem ou não fundamento”.

O historial dos concursos abertos pela Câmara Municipal de Estremoz para a as áreas de Informação e Documentação e para a Área de Turismo não deixa quaisquer dúvidas sobre o seu previsto resultado. Em Setembro de 2010, o executivo de Luís Mourinha tentou que a Câmara aprovasse a abertura de concursos internos para aquelas áreas mas perante o risco de ilegalidade de tal procedimento voltou atrás e em 23 de Novembro do mesmo ano a Câmara abriu Concursos Públicos para técnicos superiores daquelas áreas através da sua publicação no Diário da República, II Série.
Depois de decorridos os prazos concursais e de ter inclusivamente marcado as datas das provas de seleção para os candidatos que se apresentaram a concurso, o executivo de Luís Mourinha viria a anular estes concursos na reunião pública da Câmara de 15 de Fevereiro de 2012 tendo apresentado como justificação que a Lei do Orçamento de Estado para 2012 – Lei n.º64-B/2011 proibia a sua realização, facto que foi contestado por vereadores da oposição que argumentaram que este tipo de concursos não eram proibidos por aquela Lei.

Como a Ecos online denunciou na altura e leitor atento não deixou de reparar, o elevado número e a qualificação dos candidatos designadamente para a Área de Turismo terá sido alegadamente a razão desta anulação, uma vez que punha em perigo a candidata Marisa Isabel Varela Serrano, mulher do adjunto do Presidente da Câmara.
Anulados estes Concursos Públicos, a Câmara voltou a abrir novos concursos, mas agora internos, o que, de modo conveniente, veio reduzir o número de candidatos, uma vez que para a Área de Turismo apenas a candidata Marisa Serrano prestou as duas provas concursais e para a Área de Informação e Documentação, a candidata Maria Helena Mourinha apenas contou com dois oponentes.

Entretanto o Jornal local Ecos, que denunciou esta situação, foi encerrado...
O presidente da Câmara de Estremoz, Luís Mourinha, foi condenado por difamação e calúnia contra Eduardo Basso, ex-director do jornal local Ecos, já extinto, e presidente de uma associação que era subsidiada pelo município. Em causa estão afirmações feitas pelo autarca, que insinuou que Basso utilizaria a verba atribuída pela câmara para pagar dívidas pessoais. Mourinha suspendeu o apoio à instituição e terá, por isso, de voltar a julgamento, acusado de prevaricação.
Mourinha foi eleito presidente da câmara pela CDU durante 12 anos e optou por não se recandidatar em 2005. Voltou à corrida como independente em 2009, ano em que conquistou a autarquia ao socialista José Alberto Fateixa. Voltou a vencer nas eleições autárquicas de Setembro passado. Público

A noticia dos tachos, no jornal I
Mulheres de autarcas ganham concursos para a câmara
Desde 2010 que os dois concursos têm levantado polémica em Estremoz. O executivo de Luís Mourinha quis ver aprovado, na altura, a abertura de procedimentos concursais internos, mas acabou por ter de abrir concursos públicos – como determina a lei. Assim, o recrutamento acabou publicado em Diário da República. Só que entretanto, contou ao i uma fonte camarária, os concursos foram subitamente anulados. “Foram cancelados numa altura em que as provas de selecção até já estavam marcadas.” A decisão foi tomada pelo executivo numa reunião de câmara e Luís Mourinha justificou-se com a Lei do Orçamento do Estado, que proibiria a realização de procedimentos concursais. Os vereadores da oposição contestaram a decisão e chegaram a argumentar que os concursos não eram proibidos por lei. Mas por detrás da anulação, garante a mesma fonte, terá estado o facto de terem concorrido “muitas pessoas e altamente qualificadas, o que poderia pôr em risco a selecção” de Maria Helena Mourinha.
O que é certo é que depois de anular os dois concursos públicos, a autarquia decidiu abrir novos procedimentos concursais para recrutar os dois técnicos superiores, mas internos – o que reduziu drasticamente o número de candidatos. A título de exemplo, para a área de Turismo a mulher do chefe de gabinete concorreu sozinha à entrevista de selecção. E a mulher do presidente da câmara defrontou apenas dois adversários nas provas. “No plano abstracto, as senhoras não podem ver diminuídos os seus direitos de concorrer, mas no plano concreto, e tendo em conta que foi anulado, do nada, um concurso, todo o processo parece estranho”, critica a fonte ouvida pelo i, que acrescenta: “Isto vem na linha da política seguida pelo actual executivo de Estremoz e, infelizmente, de outras câmaras espalhadas pelo país.”
A mulher do presidente entrou para a câmara em 1992 como auxiliar técnica. Depois de fazer uma formação na área do arquivismo, e já com o marido à frente da autarquia, foi reclassificada para técnica profissional. Entretanto, foi tirar um curso à Universidade Aberta, tendo concluído a licenciatura em 2010. Já a mulher do chefe de gabinete, António Serrano, começou por trabalhar na Junta de Evoramonte, numa altura em que o marido também era membro. O i tentou falar com o presidente da câmara, mas não obteve resposta até ao fecho da edição.



6 comentários :

  1. Veja por que partido foi eleito o Presidente da Câmara de Extremoz
    http://www.cm-estremoz.pt/index.php?pa=67&lang=1

    É bom que não o liguem agora à CDU...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito interessante essa, a prova como os ditos novos partidos só desejam ter acesso a um tacho. São tal e qual como os grandes partidos. Só tacho. Querem todos comer da mesma gamela.

      Eliminar
    2. Novos partidos não são as máscaras dos velhos partidos, há realmente novos partidos com ideias inovadoras que certamente não são estes agarrados ao comunismo do passado... basta pesquisar sobre os partidos e estar informado.

      Eliminar
  2. Não percebi uma coisa. No âmbito do concurso anulado chegaram a decorrer provas ou não? É que em cima diz que sim é que havia outros candidatos com boas notas e em baixo diz que foi anulado antes de decorrerem as provas.

    ResponderEliminar
  3. Portugal tem um NOBEL

    https://www.youtube.com/watch?v=G99Xyj-EVvo

    ResponderEliminar
  4. isto é em Estremoz, o que será pelo nosso Portugal, então agora com a criação das empresas Municipais , já não temos só tachos mas sim panelas e bem grandes , entregues aos partidos e familiares e seus respectivos lambe-botas

    ResponderEliminar