11 julho, 2015

Só mesmo ao estado é que se cobram 5 mil euros por uma limpeza de vidros de um carro

E só mesmo em Portugal é que acontecem coisas destas. Este caso retrata o perigo a que todos estamos sujeitos, quando a justiça funciona mal e os direitos dos cidadãos, não são minimamente respeitados. Não se pode confiar em ninguém?
Um arguido, que acabou por ser inocentado, descobre que todos os bens que lhe tinham sido apreendidos, estavam desaparecidos. Esperou e esperou, mas desesperou. 
Ninguém encontrava os seus bens e para cumulo do abuso, quando finalmente descobriram o seu Mercedes, ficou a saber que este, tinha andado a ser usado por políticos, e desvalorizaram em muito o carro, pois fizeram 10 mil Km? E agora ainda o querem obrigar a pagar 4 mil euros, pois alegam que só assim lhe devolvem o carro???? 

"Ex-arguido recusa pagar despesas de carro apreendido e usado pelo Governo"
"Um homem absolvido em Tribunal e a quem foram apreendidos bens está há mais de um ano à espera da devolução. 
Rui Sousa ficou a saber que o seu Mercedes foi atribuído primeiro ao Governo Civil de Viseu e depois ao gabinete do ministro Miguel Relvas. Durante esse tempo, foram feitas despesas no automóvel que agora Rui Sousa foi notificado para pagar. Entre elas está uma fatura de cerca de cinco mil euros com limpeza de vidros."
“a notificação do tribunal diz que Rui Sousa tem de pagar quase 4.000 euros ao estado para que o Mercedes lhe seja devolvido”

“Uma limpeza de vidros com IVA que custou” 5.164,69€? Benfeitorias? Onde?
Porque será que em notícias destas aparece sempre o Miguel Relvas?!!! O homem está em todas!
Veja o vídeo para mais pormenores!

20 comentários :

  1. Thomas Jefferson era anti-democrata, ele mesmo dizia que só a Aristocracia é que tem a virtude e o talento para governar. Só no fim da sua vida, é que começou a entender que talvez a Democracia pudesse ser posta em prática a nível local, comunitário. Jefferson sempre defendeu a Aristocracia, os ricos, a minoria governante contra o povo, a maioria. Se fosse vivo, Thomas Jefferson não seria diferente dos Relvas, Coelhos, Sócrates e companhia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Citações do Thomas Jefferson

      "The will of the people is the only legitimate foundation of any government, and to protect its free expression should be our first object." Democracia?

      "My reading of history convinces me that most bad government results from too much government."

      "It is the trade of lawyers to question everything, yield nothing, and talk by the hour." O Relvas não é um advogado? Seria melhor acabar com esta profissão por completo.

      "The tree of liberty must be refreshed from time to time, with the blood of patriots and tyrants. It is its natural manure." Políticos, tiranos não há muita diferença hoje em dia.

      Comparar os canalhas Relvas, Coelho e Socrates com o Jefferson demonstra uma certa ingenuidade.

      "Information is the currency of democracy." Nos não vivemos numa democracia, vivemos numa plutocracia. Isto devido a ignorância do povo.

      "Banking establishments are more dangerous than standing armies." Até no século 18/19 já o Jefferson entendia que o maior dos nossos males são os "troca dinheiros".

      SF

      Eliminar
    2. Foi por isso que o Jefferson quando foi Presidente, tratou logo de instaurar a Democracia! Aliás, ele comparava a Republica á Democracia, manipulando assim o verdadeiro sentido do que é uma Democracia. Ele foi um dos contribuintes da redacção da Constituição Americana, a qual inspirou, tal e qual como a Francesa, o que se chama (enganosamente) de "Democracia" nos Países Ocidentais. Se remontarmos ás origens da verdadeira Democracia, ao tempo dos Gregos, a conclusão é flagrante : o que se chama hoje em dia de "democracia representativa" é exactamente o oposto do verdadeiro sentido da palavra "Democracia". Os Gregos chamavam ao "sistema de governo representativo" nada mais nada menos que: aristocracia. Jefferson só muit tardiamente, começa a reconhecer que se devia instaurar uma "Democracia Directa"..., quase no fim de sua vida, quando já estava inactivo politicamente, porque enquanto esteve lá no Poder, nunca se lembrou, aliás deturpou, tudo como os seus correligionários, o verdadeiro sentido e significado de "Democracia". Não esquecer outra coisa, nos princípios da revolução Americana e Francesa, todas as elites políticas tinham a palavra "democracia" como um termo muito pejorativo e de má reputação. Ao longo do tempo, as elites vão minuciosamente operar uma maliciosa inversão de valores e sentido da palavra "Democracia". É, e foi um golpe de mestre da propaganda política moderna. Todos os Presidentes Americanos foram e continuam a ser anti-democráticos, tal e qual como em qualquer dita "democracia representativa" até hoje.

      Eliminar
    3. Aliás, as correspondências entre John Adams (2º Presidente Americano) e Jefferson (3º) , demonstram e realçam o espírito anti-democrático de Jefferson, como de Adams.

      Eliminar
  2. Com dedicatória mas sem dedicação para Passo de Coelho !!!

    https://38.media.tumblr.com/2069c0204da2308a5dd93aa586314356/tumblr_nqahnq9ssN1qgevuso1_250.gif

    ELSA RAPOSO

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. SF, para reparares como se manipula uma palavra, olha para este exemplo. Eu não sei explicar quando começou, nem por quem. Não costumo comprar jornais, muito raro. Televisão só vejo as notícias e mesmo assim com muita desconfiança, 90% do que se diz nos noticiários, não tem ponta de verdade, ou mostra-se uma verdade tudo em ocultando as verdadeiras razões. Repara, um dia agarro num jornal, não me lembro qual, mas uma das notícias era sobre o fenómeno das pessoas que fogem á guerra e desembarcam nas costas Europeias. Algo me chamou a atenção, pois li "migrantes" em vez de "imigrantes". Achei estranho porque sempre se costuma designar alguém que vem de fora pelo nome de "imigrante", então porque agora se diz "migrante" ? Entrei em casa e fiz rapidamente uma pesquisa, e qual não é o meu espanto que o termo "migrante" parecia ter tomado a moda em todos os médias. Fiquei a pensar, como é que não tinha reparado antes nesta suave transformação. Como eu, centenas de outros devem ter reparado, mas de certeza que milhões de outros nem se deram conta desta manipulação de palavras. Contava fazer uma pequena investigação séria a expor no meu blog, mas nem sei por onde começar, sei que é coisa recente, mas minhas capacidades para analisar e investigar o começo desta mudança, são limitadas. Seria trabalho sim para um verdadeiro jornalista. Mas dá para notar que tenta-se crer á população, através do que eu chamo "lavagem cerebral", inculcar na maneira de pensar da sociedade, que tanto "imigrante" como "migrante" têm significado igual. Ora nada pode ser mais falso. Isto daria muito que falar...mas bom, não é trabalho para mim. Mas isto só para veres um pouco como se faz uma "ensaboadela cerebral" sem que praticamente ninguém se aperceba. Assim foi o mesmo com a palavra "democracia".

    ResponderEliminar
  5. @Gang2 Ervilha

    Olá, antes de mais nada queria dizer que gostei muito do seu comentário sobre democracia.

    Eu gosto de perceber o sentido original das palavras, para perceber porquê são utilizadas de certa forma.

    Democracia, apenas quer dizer "poder ao povo", é somente isto.
    A palavra Kratos é poder, e Demos é povo.

    A Democracia na antiga Grécia, foi criada no século VI A. C. em Atenas.
    Eram feitas assembleias [normalmente uma a cada semana], onde ASSUNTOS que fossem da coisa pública eram propostos e discutidos pelos cidadãos, não haviam partidos políticos, todos os cidadãos do sexo masculino podiam assistir e votar, tinham um voto apenas, o que era proposto se tivesse maioria era aprovado.

    Ou seja:
    a) Não existiam partidos políticos.
    b) O povo propunha e aprovava assuntos, não elegia pessoas.
    c) O poder estava nos cidadãos.
    Indepedentemente de acharmos que está bem ou mal. A democracia é isto.

    Claro que este sistema de governo foi sofrendo mudanças e mudanças, e foi variando, variando até chegarmos ao que existe agora, mas o nome foi-se mantendo o que é curioso.

    (Já agora, a palavra Aristocracia vem de "aristoi", aristoi que dizer "os melhores", era o nome que a classe rica nessa época, dava a si mesma.)

    A palavra democracia nos dias de hoje, já aparece muitas vezes na comunicação social, com estas duas divisões:
    a) Democracia directa
    b) Democracia representativa
    Para mim, isto é escusado, pois não acho que exista "democracia representativa", para mim a democracia directa é a democracia, e a democracia representativa, será outra coisa. A democracia não pode ser representativa, por definição, pois a representatividade retira o poder ao povo, e o dá a uma "elite", os eleitos. (é por isso que as palavras elite e eleitos são da mesma família). Simplesmente não é linguísticamente correcto, nem sequer vou discutir se é ideologicamente correcto. Se não o é, nem linguísticamente...

    Não sei que nomes vocês pensam em dar ao nosso sistema actual de governação, realmente acho que não há palavras... penso que seja por isso que ainda
    se usa a palavra Democracia. Mas será que o que nós temos é mesmo uma democracia ? eu acho que não. Eu acho que é outra "coisa".

    Eu pensei em alguns nomes que poderia dar à "coisa", que na minha ideia a descrevem de uma forma bem melhor que a palavra democracia, mas pensando bem não os vou escrever para não chocar ninguém, pois esses nomes são muito feios, mas mesmo muito feios.
    Acho que uma criança de 5 anos, sem muita dificuldade, observando a tecnologia que temos hoje, poderia propor um sistema muito melhor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, excelente explicação do termo "Democracia e "Aristocracia". Este sistema de governação, para mim só poderá ter dois nomes: seja o de Oligarquia, seja o de Aristocracia. Mas nunca e jamais o de "Democracia".

      James Otis (revolucionário americano) dizia mais ou menos o seguinte, tal e qual como os antigos gregos : "se o poder está nas mãos da maioria, tal e qual como a natureza o desejou, então é o governo pela Democracia. Mas se o poder está nas mãos de uns poucos, então é o governo pela Aristocracia e Oligarquia. Se o poder está na mão de um homem, então é uma Monarquia."

      Acho que não precisaremos de grande coisa para compreender, que somos governados por qualquer coisa completamente contrária á "Democracia".

      Eliminar
    2. A "coisa" tem nome mas não é um palavrão. Plutocracia uma forma de Oligarquia.

      "A plutocracia (do grego ploutos: riqueza; kratos: poder) é um sistema político no qual o poder é exercido pelo grupo mais rico. Do ponto de vista social, esta concentração de poder nas mãos de uma classe é acompanhada de uma grande desigualdade e de uma pequena mobilidade."

      É necessário atribuir as "coisas" com o nome para próprio, para melhor identificar a situação em que estamos. Assim como se o dinheiro público é utilizado para enriquecer privados, chamasse roubar e os que beneficiam são ladrões. Agora utilizar palavras como políticos e advogados para descrever ladrões não está correcto. Assim como utilizar Democracia para descrever Plutocracia/Oligarquia também não esta correcto.
      SF

      Eliminar
    3. Se repararem também, hoje em dia assistimos a um fenómeno de Partidos que nascem e têm em conta nos seus princípios, a dita "democracia participativa". Esse fenómeno recente, é a resposta ao descontentamento das populações com o sistema de governo actual. Vários políticos já perceberam isso. O problema é o seguinte, cantam ao povo o que o povo deseja ouvir, mas nunca e nunca abdicarão de ter o máximo poder nas suas mãos. Os cidadãos todos unidos, percebem muito bem e sabem muito bem o que querem, ou o que não querem. Sabem muito bem discernir o que será bom ou mau para o bem da Nação. Este espírito colectivo é incrível! É uma força da Nação inexplicável. Mas estes políticos todos, estão lá para tentar quebrar este sentimento colectivo que sabe discernir entre o que é bom e mau. Estes políticos mentem ao povo, aldrabam 30 por uma linha, e neste aspecto o povo é ingénuo, porque parte do principio que este político aqui e ali, fala verdade. Sim, fala a verdade, todos falam a verdade antes das eleições. O problema é depois das eleições...fazem exactamente todo o contrário do que prometeram. Vejam todos os borregos que votaram no Passos Coelho, então como é que caíram na ratoeira de votar no Coelho ? Sabendo de antemão que o PSD assinou o memorando da Troika, que esse memorando previa cortes drásticos nas pensões, privatizações em massa, e mesmo assim não se deram conta que as baixas de impostos que o Passos Coelho prometia antes das eleições nunca poderiam ser verdade ? Incrível! É incrível! Como explicar tamanha burrice ? Será que ninguém notou que o Passos Coelho, como presidente do PSD, assinou o memorando da Troika muito antes de começar as eleições ? Mas como é possível tanta burrice ? Estamos perante um aldrabão nato que não deixa nada a desejar ás aldrabices de um Sócrates.

      SF, o sentimento geral da população, é que todo político é percebido como corrupto, ou um potencial corrupto se ainda não chegou ao poder. Igualmente os advogados. Histórias não faltam em que advogados defendem o Estado e ao mesmo tempo defendem os interesses de seus clientes, tudo em negócios com o Estado. Agora, correcto, não se pode generalizar e dizer que tudo e todos que lá andam ou que querem andar são, ou serão corruptos.

      Vejamos o caso do Paulo Morais. Acho que tem ar de não pactuar com a corrupção. Certo, mas apesar de tudo, se o Paulo Morais ganhar, ele não conseguirá mudar nada. Acredito sim, que ele vai dificultar muito a vida aos inúmeros corruptos da política. Não vejo o Paulo Morais como um salvador ou alguém que venha mudar o panorama político, mas sim, e aqui está o seu ponto forte, acho que é o tema central que eu leio nas entrelinhas da candidatura do Paulo Morais, é que ele será, sem dúvida, um contra-peso ás decisões tomadas pelo Parlamento. Uma espécie de tentativa de equilibrar a balança. Unicamente por esta razão, pela primeira vez na minha vida, eu vou votar no Paulo Morais. A Srª Zita lá me conseguiu convencer.

      @Anónimo, a Eklésia também se chamava "Agora". Os políticos de hoje sofrem de "Agorafobia", não desejam que o povo tenha uma única palavra a dizer sobre os destinos da Nação. Sofrem do trauma da "Agorafobia" porque não suportam terem de se misturar com o povo no "Agora" para que se decida conjuntamente sobre o caminho que a Nação deve tomar sobre este ou outro ponto. Primeiro protegem interesses obscuros, em vez dos interesses da Nação. Os políticos, por consequência, fogem do "Agora" como o diabo foge da cruz.

      Eliminar
    4. O sentimento pode ser esse, de todo o político ser corrupto. Acredito que Paulo Morais esteja genuinamente interessado em "limpar a casa", mas é uma impossibilidade porque o próprio jogo está corrupto. Nunca conseguira chegar a uma posição onde possa "equilibrar a balança", e mesmo que chegue a essa posição será para obedecer a ordens. Os problemas em Portugal não vão mudar porque votamos num partido político novo. Partidos políticos são facilmente infiltrados, precisam de financiamento para ganhar eleições, onde vão adquirir o financiamento?

      Governar os cofres dum pais não e muito diferente do que governar uma empresa. As empresas, por norma, não troca de gerente de cinco em cinco anos. Todos os governos Portugueses tem um só objectivo aumentar a divida nacional para enriquecer os banqueiros, e eventualmente privatizar tudo que é Português. Votar em eleições e contribuir para esse objectivo. A minha opinião!
      SF

      Eliminar
    5. @SF
      Mas estou convencido que ele será um contra-peso. Um obstáculo ás decisões do Parlamento. Ele terá o poder de fazer passar uma lei ou bloqueá-la. Todas as leis do Parlamento terão de passar pelas suas mãos. Depois temos sempre a ameaça de uma dissolução do Parlamento como último recurso. Embora não acredite que chegue a esse ponto. Já são poderes bastante influentes. Não dá para mudar o rumo político do País, mas já é algo. Melhor que nada. Um dia teremos de depositar a nossa confiança em alguém. Acho que o Paulo Morais merece a nossa confiança. Não temos alternativa.

      Quanto aos Partidos políticos...aí é que não vejo nenhum em que possamos ter confiança...não existe nenhum que proponha uma alternativa credível ou passível de mudar o rumo.

      Eliminar
    6. Dissolve o parlamento com base em quê?

      Eliminar
    7. Se a ocasião for propicia a tal, ele dissolverá, tal e qual como tem o poder, a qualquer momento de demitir o Primeiro-Ministro se assim achar justificado.

      Eliminar
    8. E isso decorre de que normas constitucionais? Pode me indicar?

      Eliminar
    9. Artº 195 nº2 da Constituição Portuguesa « O Presidente da República só pode demitir o Governo quando tal se torne necessário para assegurar o regular funcionamento das instituições democráticas, ouvido o Conselho de Estado. »

      Estima-se que se um Primeiro-Ministro aldrabe tanto como aldrabaram todos os precedentes Primeiros-Ministros, não é e não será credível para defender os interesses da Nação. Em consequência de não poder assegurar suas promessas perante o povo que o elegeu, incorre no crime de "tacheiro" (homem que chafurda o focinho no tacho). Sendo assim, só a demissão de tal cobarde pelo Presidente da Republica poderá render a dignidade ao Povo e dar curso ao bom funcionamento das Instituições Democráticas, que se livram assim de um camelo corrupto cuja intenção era meter a mão na massa.

      Eliminar
    10. Seria óptimo se tudo fosse assim tão simples

      Eliminar
  6. @Anónimo das 13:56
    Gostei de ler o seu comentário, é um nome interessante para a "coisa".
    :D

    @Gang2 Ervilha

    Já agora deixo uma possível origem da nossa palavra "Problema" :)

    A assembleia onde o povo discutia os assuntos, era a "Eclésia".
    (Havia cerca de 40.000 cidadãos que poderiam participar, quando foi criada)

    Estas assembleias, as "Eclésias" eram preparadas por um grupo menor de cidadãos, esse grupo era chamado de "Bulé", o número de membros da Bulé era de 400, mas depois aumentaram para 500.

    O que a Bulé fazia era um sumário dos assuntos que os cidadãos queriam discutir, para depois serem votados na Eclésia.

    Cada um desses assuntos, era chamado de "probuleuma".
    (pro - bulé - uma), "pro", pode ser traduzido como "à frente", então seria "uma coisa posta à frente da bulé.", para ser resolvida.

    ResponderEliminar
  7. Querem protestar contra o regime, contra a democracia representativa, contra a corrupção, então votem nos partidos pequenos e mais recentes que não querem corrupção que querem democracia participativa e mudar o regime. Porque não haver 20 partidos com 5 %? Na Itália já foi assim na época pre-Berlusconi e a Itália funcionava.
    Se houver abstenção elevada, mais facilmente ofereceremos uma maioria absoluta ao PSD/CDS com cerca de 15-20% dos votos. Basta fazer as contas...Quanto menos votos válidos, mais facilmente os grandes partidos obterão grandes percentagens... Se votarem mil, serão precisos 501, se votarem 100 são precisos 51... É simples...
    Temos que tomar decisões conscientes das consequências, não votar não é não participar ou não colaborar com os corruptos, é precisamente colaborar com os corruptos. Basta pensarem. Se a abstenção for elevada quem vai ser eleito? O PS OU PSD. Todos sabemos a resposta, então porque nada fazemos para mudar isso? Se todos votassem contra os políticos e partidos identificados como corruptos, talvez após Outubro, quando perdessem as maiorias, muitos deles estariam presos. Porque as coligações e as maiorias garantem IMUNIDADE PARLAMENTAR.
    Ainda acha que não tem o dever de ir votar contra eles? Será que os portugueses não sentem vontade de deixar actuar a justiça, e obrigar os corruptos que nos tem assaltado durante anos, a ir fazer companhia ao 44?

    ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/05/partidos-portugueses-que-propoem.html#ixzz3g3FipJE1

    ResponderEliminar