30 janeiro, 2015

Deputados lutam por mais mordomias, exigiram assistente pessoal. Andavam estafados

Em 2007 deu-se mais um grande passo na nossa patética democracia.
Adivinhem quem vai pagar entre 4,6 e 7 milhões de euros por ano para amparar mais este golpe? O zé povinho... 

Os deputados... esses desgraçados sem regalias, trabalhadores exasperados sempre cheios de serviço, servis e fieis protectores do povo e da nação, sentem que já não conseguem ter mãos a medir com tanto trabalho.
Quase todos os deputados acumulam o cargo de deputado com outros cargos no sector privado. Por isso exigiram um assistente, para os ajudar, porque o tempo não dá para tantos tachos.
Os nossos governantes já nem sabem que mais inventar para albergar tantos parasitas, criam novas leis para duplicar ou triplicar tachos e cargos, na assembleia. E exibem como é que se abusa da democracia. Eles decidem sem consultar o povo, os seus próprios salários e mordomias.
  1. 2. "Cada Deputado tem direito a : 
  2. a) Gabinete próprio e individualizado na sede da Assembleia da República;  
  3. b) Assistente individual, a recrutar nos termos da lei;  (2007) "fonte
A aprovação na Assembleia da República de uma nova versão do estatuto dos deputados em que foi introduzida a novidade de cada deputado passar a dispor de assistente individual é uma ofensa pública.
Importa recordar, para que não se pense que os senhores deputados andam por lá a tirar as fotocópias que precisem, ou a meter no correio as cartas que decidam enviar pois existem à sua disposição, para aquilo que precisarem o secretariado, com os respectivos assessores e técnicos, e podem também recorrer aos serviços de apoio técnico da assembleia, constituídos por funcionários do quadro da Assembleia da República. Ou seja falta de pessoal assistente não tinham.
A inovação do " assistente individual ", representa portanto o abrir de uma porta para resolver os problemas de desemprego, de uma multidão de jovens apaniguados e parentes, que se acotovelam nas sedes partidárias, e andam insistentemente a moer a cabeça aos venerados parlamentares.
O que é assustador é antever as possíveis consequências da medida.
Lembramos que para além de honorários e prebendas próprias do exercício do cargo, esses " assistentes individuais" entram para o quadro da função pública.
O que vale por dizer que é previsível a cobiça que tal cargo vai despertar, e a alta rotatividade que o irá caracterizar. Vai funcionar em bola de neve... em poucos anos entrarão mais uns milhares de funcionários públicos, para um quadro que se dizia congelado, e em época de contenção e austeridade.
O que é difícil é calcular os milhões de euros que esse processo irá custar (para além do escândalo que será observar as identidades dos privilegiados com essa entrada, num tempo em que para os outros as portas estão todas fechadas). Eles escolheram a liberdade de legislar a seu favor e contra o povo.

"Para já serão só mais 230 empregos, mas outros hão-de vir. Iremos, pois, eleger 230 deputados e estes elegerão depois, entre cônjuges, familiares e amigos seus e do Partido, mais 230 para trabalharem (ou, se for o caso, dormirem na bancada) por eles. 
Nesta altura, o PS tem já 76 assessores a quem a AR paga 2,2 milhões de euros por ano; 
o PSD 53 (1,7 milhões); 
o PCP 24 (660 mil), 
o CDS 22 (660 mil), 
o BE 26 (524 mil), 
o que dá um total de 201 assessores e uma média de 0,87 assessores por deputado (quem não está com meias medidas é o BE 3,25 assessores por deputado). 
Feitas as contas, cada assessor ganha, em média, 2000 euros por mês, o que, nos tempos que correm, não lhes deve dar motivo de queixa. Vai ser preciso, claro, fechar mais urgências, maternidades, hospitais e escolas e despedir mais professores e funcionários públicos. Mas é por uma boa causa" (Manuel António Pina, JN 10.set.07)

E VEJAM TAMBÉM ESTA... Ora como eles sabem que quem ocupa estes cargos, são sempre amigos, primos e filhos, não se poupam na generosidade... com o nosso dinheiro claro.
Em Portugal, os funcionários, Não Deputados, que trabalham (???) na Assembleia têm um subsidio equivalente a 80% do seu vencimento? Isto é, se cá fora ganhassem 1000,00 EUR lá dentro ganhariam 1800,00EU. Porquê? Profissão de desgaste rápido?!!...
E porque é que os jornais não falam disto?!..


A vida dos deputados na Suécia exemplos de pessoas com moral ética e serviço público. Quanto mais rico é um país mais justa é a sociedade. Quanto mais corrupto um país é mais pobre e injusto é.
Nós, por cá, cada vez mais perto do 3º mundo.


Nos países pobres e corruptos, ser deputado é um jackpot.
Estado Português...
  1. 3 governos no continente e ilhas 
  2. 333 deputados no continente e ilhas 
  3. 308 câmaras 
  4. 4259 freguesias 
  5. 1770 vereadores 
  6. 30000 carros 
  7. 40000(?) fundações e associações 
  8. 500 assessores em Belém 
  9. 1284 serviços e institutos públicos 
  10. Carros e mais carros 
Para a Assembleia da República Portuguesa ter um número de deputados equivalentes à Alemanha, teria de reduzir mais de 50%.
A Assembleia da República conta actualmente com 230 deputados, um deputado por cada 43.478 habitantes.
Na Alemanha, o “Bundestag” tem 622 deputados para uma população de 82 milhões de habitantes (um deputado por cada 132 mil habitantes) enquanto que a Assembleia Nacional francesa é composta por 577 deputados. Para uma população de 65 milhões de habitantes, há um deputado francês por cada 113 mil habitantes.
Em Espanha, o Congresso dos Deputados é constituído por 350 deputados o que, tendo em conta a população de 47 milhões de habitantes, significa que há um deputado por cada 134 mil habitantes.
Será quem ainda têm assessor/assistente pessoal?

Marinho Pinto é a favor de que as mordomias dos políticos sejam decididas em debate nacional.
Como diz Paulo Morais, "o parlamento é uma central de negócios", onde a promiscuidade entre os interesses dos negócios privados, dos deputados, se sobrepõem aos interesses nacionais. Como tal um assistente pessoal, pago pelos contribuintes, nunca é demais.

Videos dos contrastes entre a verdadeira democracia e a nossa.
 
Imagine Portugal sem corrupção. Dinamarca um exemplo de democracia



14 comentários :

  1. os deputedos em todo o seu esplendor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O voto branco e nulo, tem poder?
      As mentiras são muitas, são estratégias sujas para manter as vitimas longe do tribunal onde os seus carrascos estão a ser julgados, e poderiam ser condenados: as urnas.
      "É de respeitar a posição de quem prefere não optar, mas o voto branco não funciona para quem quer tomar posição na luta social e política.
      Uma impressionante cadeia de emails anónimos tem divulgado uma mentira.
      Um apelo ao voto branco "contra estes políticos" garantia que, "se a maioria da votação for de votos em branco, são obrigados a anular as eleições e fazer novas, mas com outras pessoas diferentes nas listas".

      Tanto circulou a mentira, que a Comissão Nacional de Eleições teve de lançar um esclarecimento sobre a lei: "Os votos em branco e os votos nulos não têm influência no apuramento dos resultados - será sempre eleito, à primeira ou segunda volta, o candidato que tiver mais de metade dos votos expressos, qualquer que seja o número de votos brancos ou nulos." A abstenção nem é digna de referencia pois todos sabem que a esta tem diversas causas, e portanto não pode ser uniformizada. Não se pode apurar que o abstencionista quer isto ou aquilo, porque na realidade o abstencionista apenas não quis ou não pode votar, porquê? Apenas se pode especular.

      Os votos brancos e nulos já atingiram percentagens importantes. Somados, em eleições presidenciais anteriores, chegaram a 2% a 3%, ultrapassando mesmo alguns candidatos. Cabe perguntar: quem o recorda? Quem se incomodou? Quem vibrou e quem tremeu? Os votos brancos e nulos são uma má opção de protesto, desde logo porque podem não ser protesto nenhum. São apenas uma expressão vazia, onde cabe o apelo autoritário, a hesitação radical (que não se decide a tempo), a desilusão do momento. É de respeitar quem prefere não optar, mas o voto branco não funciona para quem quer tomar posição na luta social e política. Jorge Costa, Jornalista

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/11/o-poder-do-voto-voto-em-branco-e-nulo.html#ixzz4YE29VO6z

      Eliminar
    2. TEMOS OS POLITICOS QUE MERECEMOS SOMOS NÓS QUE OS MOLDAMOS
      UM POVO QUE NÃO VOTA NEM SABE USAR O VOTO JAMAIS SERÁ REPRESENTADO, TEMIDO OU SEQUER RESPEITADO E JAMAIS SABOREARÁ AS VANTAGENS DA DEMOCRACIA...
      Em Portugal vence sempre a abstenção e a ignorância e os corruptos.
      O povo não sabe que o voto não serve apenas para votar a favor dos que mais se apoiam, serve também para votar contra os que mais roubam e mentem.
      O critério decisivo da democracia é a possibilidade de votar contra os partidos que há 40 anos destroem o país
      Karl Popper, sobre democracia, responsabilidade e liberdade.
      (…)
      Inicialmente, em Atenas, a democracia foi uma tentativa de não deixar chegar ao poder déspotas, ditadores, tiranos. Esse aspecto é essencial. Não se tratava, pois, de poder popular, mas de controlo popular. O critério decisivo da democracia é – e já era assim em Atenas – a possibilidade de votar contra pessoas, e não a possibilidade de votar a favor de pessoas.
      Foi o que se fez em Atenas com o ostracismo. (…)
      Desde o início que o problema da democracia foi o de encontrar uma via que não permitisse a
      ninguém tornar-se demasiado poderoso. E esse continua a ser o problema da democracia. (…)

      ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2015/09/o-criterio-decisivo-da-democracia-e.html#ixzz3qcV7Aoi8

      Eliminar
  2. Perguntem ao então ministro Ferreira do Amaral (PSD !) como foi que tudo se passou e quem é a família dona dos terrenos que a aponte foi beneficiar no Montijo.
    O Povo nada sabe..., mas tem a força necessária para dar a volta a este estado de coisas, expulsando a cambada que criminosamente o explora, acabando a ignomínia ! Denuncie-se!
    Tal como as PPP têm nos contratos tenebrosas cláusulas ocultas, também a Ponte Vasco da Gama as tem. Obrigam os portugueses a pagar os crimes dos políticos.
    Agora obrigamam os trabalhadores e os aposentados a pagarem os crimes deles, mantendo a panela (a Asssembleia da República) intacta, onde se fazem os cozinhados todos, com a conivência de todos !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Existe no blog um artigo sobre a ponte também...

      Tudo começou com a descoberta de Vasco da Gama (ponte), descobriram que os impostos eram uma mina.
      A CONSTRUÇÃO DA PONTE VASCO DA GAMA, A PRIMEIRA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA, FOI UM NEGÓCIO RUINOSO PARA O ESTADO PORTUGUÊS.

      Acesse ao Artigo completo: http://apodrecetuga.blogspot.com/2012/03/participacao-privada-na-nova-travessia.html#ixzz279Iw5UA0

      JÁ ESGOTARAM OS NOSSOS IMPOSTOS, AS NOSSAS RESERVAS, OS NOSSOS SALÁRIOS, O NOSSO PATRIMÓNIO, EM BREVE SERÁ O ASSALTO À CGA E ÁS REFORMAS. Não duvido.

      Eliminar
  3. com Salazar e Tarrafal melhor Portugal
    sqssqst

    ResponderEliminar
  4. O grande problema é que se comparar o povo sueco ao povo português também vai encontrar diferenças cívicas e morais assinaláveis. Aliás, não sei se já foi à Suécia, mas caso tenha ido, certamente reparou nisso. A classe política é o espelho da sociedade que representa a verdade é essa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por isso mesmo devemos lutar para que os portugueses sejam também pessoas melhores, mais informadas e mais interessadas no bem comum

      Eliminar
    2. "A classe política é o espelho da sociedade que representa a verdade é essa". Concordo! Este é o grande problema e alguns insistem em "tapar o Sol com uma peneira". Sei que é mais fácil pôr a culpa em poucos que em muitos, mas temos de ser realistas e pôr a culpa em que a tem. Vejam o excelente vídeo "O povo não presta" (https://www.youtube.com/watch?v=ecjuGn85bCM).
      Vivemos numa sociedade atrasada baseada na diversão e na estupidez quando devia ser em valores humanos. "O povo unido jamais será vencido". Onde é que o povo se une? Onde haja circo.

      Temos vários problemas graves neste país, um deles é a diversão. Há poderes eleitos democraticamente e poderes não eleitos. Os poderes eleitos democraticamente são constantemente criticados, alguns dos poderes não eleitos têm mais poder que os eleitos e esses não são criticados, tudo o que lá acontece é normal! Há uma critica que de facto deve ser feita aos poderes eleitos democraticamente, é que eles permitem que numa democracia hajam poderes não eleitos democraticamente com mais poder que o poder eleito democraticamente. Mas este tipo de critica poucos a fazem o que é assustador. Como falei em bases não em dinheiro, espero que compreendam o que eu disse.

      Eliminar
  5. Os Suecos são " bons" para eles próprios, mas também são altamente criminosos e corruptos muitas vezes como "sopeiros" dos americanos. Não são gente sadia. Em África eles sabem bem quem são os " loirinhos".

    ResponderEliminar
  6. A Brigada das Colheres a volta do tacho público é bem maior do que os sanguessugas do costume e quem gosta de aprofundar os assuntos para além do que o seu umbigo alcança precisa pensar nisso com exigencia(mesmo que contra as suas convicçoes.
    O facto de a maioria dos doutorados estarem no estado(e por exemplo quando é preciso um estudo ou fazer a reforma do sistema de saude ou da justiça) tudo ter que ser encomendado fora deve alertar o contribuinte que muito tem que mudar para que haja verdadeiras mudanças e economias e rentabilização efectiva dos gastos do estado. A redução dos gastos podem ser obtidas de duas formas : aumentar o rendimento muito ou cortar na despesa. Qual é que vexas acham melhor? e que diz o seu deputado de eleição?

    ResponderEliminar
  7. O exemplo da Grécia (muito bom):
    http://www.zerohedge.com/news/2015-01-31/caught-tape-dijsselbloem-varoufakis-you-just-killed-troika

    ResponderEliminar
  8. http://www.zerohedge.com/news/2015-01-29/syrizas-original-40-point-manifesto
    Muito interessantes os 40 pontos, especialmente o 1, 18,19 e 24.

    A estes 40 juntaria mais 2 pontos:
    41. Rendimento básico para todos os cidadãos
    42. Democracia directa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Democracia directa já temos vários partidos portugueses a proporem basta informarem-se... rendimento básico.... mais?

      Eliminar