14 dezembro, 2014

Vale tudo para que o poleiro não saia das mãos dos corruptos.


A CORRUPÇÃO EM ESPANHA VERSUS PORTUGAL
Novo programa de Paulo Morais e Marinho Pinto, na CMTV. Alguém acredita que o BES está falido? O BES fazia lavagem de dinheiro, um negócio que só dá lucro. 




Em Espanha já abriram os olhos e deram inicio à caça ao corrupto, para que a podridão do sistema seja varrida de raiz.
Paulo Morais e Marinho Pinto, neste video, sem papas na língua explicam porque em Portugal os políticos corruptos e outros criminosos de colarinho branco, ficam sempre impunes. A lei é feita por escritórios de advogados que dominam o parlamento. E todos se protegem porque todos têm telhados de vidro e sabem que se um for apanhado pela justiça irá arrastar com ele, muita gente importante. Denunciam ainda o caso BES e a mentira de que o BES está sem dinheiro.
Fogo contra fogo, analisa escândalo no Luxemburgo e bes
Marinho Pinto explica ainda porque é que os honestos e sérios se afastam da politica. Porque aqueles que querem combater e denunciar a corrupção são atacados pelos corruptos, pela comunicação social e até pelos cidadãos. Por isso se afastam os honestos da politica.
Tanto na justiça como na politica é difícil ser honesto e justo e fazer um bom trabalho, porque perde-se muito estar contra os corruptos, somos perseguidos atacados.
Existe em Portugal um défice elevadíssimo de cidadania, as pessoas em vez de punirem e censurarem os corruptos, elegem-nos e punem e censuram os honestos.

Em Espanha a justiça continua a prender centenas de políticos corruptos, em Portugal continuamos a ver processos atrás de processos a prescrever ou a serem inocentados.
Em Portugal tudo continua na mesma, o povinho adora o sistema podre, que há 40 anos saqueia o país. Um gang de partidos, unidos que se apoderaram do país, que se sustentam com os nossos impostos e que para manter tudo isso alimentam uma farsa onde fingem defender o povo e opor-se aos ladrões.
Mas tudo não passa de uma farsa bem montada, que em 40 anos mantém este sistema onde todos os partidos da velha guarda, saíram a ganhar e o país a perder.
Os partidos que ganham o poleiro usufruem do pote dos impostos e distribuem esses mesmos impostos para garantir a manutenção do sistema. Subsídios milionários de milhões de euros a partidos e sindicatos... que supostamente deveriam defender o povo mas têm que manter-se amigos e em paz com os governos... enfim, ainda há quem acredite que isto funciona.
Compram também a comunicação social, essa máquina impune de fazer eleitores cegos e acríticos, que facilmente fabricam cidadão que adoram o opressor e a odeiam quem os quer libertar.
Inventam qualquer coisa para derrubarem e desacreditar aqueles que lutam contra o sistema. E o zé povinho nem percebe que está a colaborar na farsa e no saque do seu próprio dinheiro e país.
Vale tudo para que o poleiro não saia das mãos daqueles que há décadas o parasitam. Incluindo empurrar os eleitores para a abstenção quando já existem alternativas de voto que oferecem a mudança.
Em Espanha "SI PODEMOS" em Portugal não poderemos, porque "si", continuaremos a cometer os mesmos erros de sempre e a esperar resultados diferentes. Os fanáticos e beneficiários dos partidos do sistema, continuarão a votar nos partidos do sistema, o que será suficiente para os legitimar, e esses mesmos partidos pagam a muita gente para convencerem os eleitores descontentes a continuarem a votar nulo, branco ou abster-se, e o país terá garantido os de sempre no poleiro.
A abstenção faria sentido se não tivéssemos alternativas, mas agora há. Si Podemos, votem diferente e em quem tem o cadastro limpo. O passado limpo. 

"Não sei, nunca saberemos, se a corrupção de facto em Portugal é maior ou menor do que em Espanha. Sabemos que por cá a percepção pública sobre o fenómeno é elevada, sustentada em indícios, suspeitas ou factos.
Sabemos também que quando se chega à actuação da Justiça essa montanha tem parido ratos. E raquíticos, ainda por cima.
Em Espanha já não é assim. E vale a pena repartir a atenção que dedicamos com afinco aos detalhes da nossa vida paroquiana para perceber o vendaval político que está em curso aqui ao lado.
Os casos multiplicam-se, liderados pela actuação judicial.
Da corrupta família Pujol - alegadamente, claro, que não estamos a falar de pilha-galinhas - ao escândalo dos cartões de crédito "fantasma" da Caja de Madrid, invisíveis ao fisco ou a qualquer registo contabilístico e que estavam distribuídos a mais de 80 conselheiros do banco com ligações políticas e empresariais para gastarem como bem entendessem.
Do esquema dos Expedientes de Regulação de Emprego, uma presumível rede de corrupção política ligada à Junta da Andaluzia, à mais recente "Operação Púnica", que envolve um ex-número dois do PP, vários autarcas e outros responsáveis políticos de primeira linha e empresários numa teia de tráfico de influências e cobrança de comissões em contratos públicos.

Em comum, o mesmo objectivo: o desvio de elevadas somas de dinheiro dos contribuintes para bolsos particulares que a ele não tinham direito.
Só em Outubro as autoridades espanholas constituiram por dia uma média de cinco arguidos por suspeitas de corrupção. E não pára.
Enquanto escrevo este artigo, na manhã de segunda-feira, os "Última Hora" dos sites dos jornais espanhóis dão conta de mais seis arguidos e uma detida.
Os magistrados e os agentes estão na rua e há 1700 investigações em curso que envolvem 500 políticos, sobretudo do PP e do PSOE.
Implicados estão também líderes sindicais e de confederações patronais, responsáveis autonómicos e autárquicos, membros da família e da Casa Real, quadros do Estado, gestores de empresas e de bancos. Aparentemente, sobra muito pouco da elite que tem governado o país e que se tem governado com ele.
Quando as coisas chegam a este ponto não há alicerces que segurem o regime pois são precisamente eles, podres de corruptos, que estão em ruína. Eles são todos iguais. E se não são, parecem.

Não espanta que o eleitorado parta à procura da diferença. 
As sondagens espanholas colocam agora à frente das intenções de voto o Podemos, partido sensação das eleições europeias - elegeu cinco deputados para o Parlamento Europeu -, constituído há apenas oito meses e que germinou nos protestos contra a austeridade. A acreditar na pesquisa publicada este fim-de-semana pelo "El País", o Podemos aparece à frente do PP e do PS OE na corrida para as eleições que vão realizar-se daqui a um ano.
Neste contexto não adianta fazer discursos graves que alertam para o "populismo", para os perigos da "utopia popular de esquerda", para o "irrealismo do programa". Tudo isto é verdade, estes riscos são reais. Mas a falta de legitimidade dos institucionais instalados é tão grande que o pacato cidadão começa a estar disponível para correr estes riscos e até mais alguns.
Se o exemplo espanhol e, num plano ideológico completamente diferente, a ascenção da extrema-direita na tolerante Europa - não nos ensinar nada, então caminhamos alegremente rumo à hecatombe.
Entre submarinos e faces ocultas, entre sobreiros e operações Monte Branco, entre o BPN e o milagre da multiplicação de meios em campanhas eleitorais, entre o futebol e os enriquecimentos súbitos de ex-governantes, entre o tráfico de influências e as estranhas contas partidárias, vamos fingindo que em Portugal a corrupção também é de brandos costumes. Não é.
Branda tem sido a Justiça. Brandos são os pilares do regime, sem vontade, força e tempo para se limparem e nascerem de novo.

Grécia condenado a perpétua por desvio de 53 milhões?
Grécia, Itália, Portugal e Espanha países "com sérios défices nos sistemas de integridade"

EM PORTUGAL NÃO HÁ CORRUPÇÃO





"Se és neutro perante situações de injustiça, apoiarás o lado do opressor" 
Ou seja, não votar é apoiar o opressor.

6 comentários :

  1. Olá Zita!

    Só um alerta para algo que o Marinho afirmou e que não é a realidade!
    Nos EUA as corporações compram as suas próprias acções... Até quase que afirmo que é operação de rotina!

    Bjs e Abr
    VOZ

    ResponderEliminar
  2. Boa entrada, como quase sempre. Apenas discordo do facto de Podemos poder constituir uma alternativa séria ao "Estado a que isto chegou". Pelo até agora exposto, e fazendo uma transposição para o espectro político nacional, nunca votaria num colectivo com as características do Podemos - continuaria a me abster. Propostas como uma renda mínima (com a qual não discordo completamente - mas sou contra a sua atribuição sem qualquer contrapartida do beneficiário) provocam a minha renitência. A declarada simpatia de Iglésias para com uma ditadura onde os bens essenciais escasseiam, apesar de ser um dos maiores produtores de "ouro negro" (e onde o "Sr. Podemos" esteve em actividades de "formação" política) fazem com que os meus "alarmes" soem com estridência.
    Compreendo a saturação das pessoas com um regime pouco democrático, onde a justiça decide com "olho de falcão" e se persegue quem não declara a venda de um parafuso e se perdoa quem não declara milhões. Percebo que os pseudorepresentantes populares têm pouca ou nenhuma representatividade em relação ao povo que os "elege". Mas desconfio muito de quem, dizendo o que quase todos querem ouvir, parece ter outros interesses camuflados. O descontentamento com os "democratas" da República de Weimar estendeu a passadeira vermelha a um dos maiores tiranos modernos, que dizia precisamente o que as pessoas queriam ouvir naquele momento. E o próprio "símbolo do partido" agrava esse sentimento, pois reaviva reminiscências do culto da personalidade, próprio de regimes mais "musculados".
    É necessário correr riscos? Certamente. Confiar em quem faz "benchmarking político"em quem utilizou o voto popular de forma instrumental para atingir o poder, perpetuando-o depois através de malabarismos constitucionais? Não me parece sensato, Zita. De qualquer modo, a sensatez é coisa ausente nas escolhas eleitorais - atente-se naquelas feitas durante os últimos 30 anos. Cumprimentos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os que dizem o que o povo quer ouvir são todos ao que parece, sejam os velhos ou sejam os novos... mas cabe a todos nós saber ver a diferença entre os que prometem um bem comum e sustentável e os que prometem o insustentável. https://www.youtube.com/watch?v=A6zuObK25Go

      O mais grave disto tudo é que a propaganda e manipulação estão também a desacreditar os que realmente querem mudar ao generalizar esta tese dos populistas, dos que dizem o que se quer ouvir, ou seja neste momento parece que o bom é apenas votar nos que dizem o que ninguém quer ouvir? Um contrasenso que qualquer pessoa alerta e inteligente deveria questionar.
      Há pessoa que dizem o que todos querem ouvir mas são sustentáveis e possuem um passado limpo e sem mácula de corrupção, suspeitas, nepotismo, etc... cabe a todos nós analisar isso e deixar de acreditar apenas no que eles dizem, mas enquadrar o que dizem num percurso e num passado dos autores e a sustentabilidade do dito enquadrado no presente.

      mas sim o problema principal reside na pessima capacidade de análise dos portugueses... e é disso mesmo que fala o meu artigo de hoje... http://apodrecetuga.blogspot.pt/2014/12/enquanto-nao-tivermos-um-povo-critico.html

      Eliminar
  3. Acho que o próximo passo é tentar que seja implementado um "Rendimento básico garantido" na Europa. Há um video muito interessante no youtube sobre isso, basta procurar por "rendimento básico legenda pt".

    ResponderEliminar
  4. Outro passo seria a implementação de uma Democracia directa. Porquê votar em partidos se temos neste momento meios informáticos que podem permitir uma democracia directa ?, usando meios informáticos poderiamos votar em assuntos e propor leis num parlamento virtual, por exemplo. Na minha opinião o actual sistema politico está obsoleto, está na altura de uma mudança.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É preciso é votar contra estes que há 40 anos já nos mostraram que não querem mudar nada só para pior... Não vote nos criminosos que há décadas nos desgovernam, afundam e saqueiam, vote contra eles. Basta de abstenção, basta de inércia, levantem-se e dêem luta a estes corruptos, não os deixem ganhar pela ausência de adversários. Só assim mudaremos Portugal.

      Eliminar