31 outubro, 2014

A sociedade europeia está em vias de se auto-destruir.


O QUE NÃO TE CONTAM SOBRE A DIVIDA

Um olhar chinês sobre a Europa
A China é hoje a fábrica do mundo. Quase tudo o que se consome, com excepção da alimentação e bebidas, é hoje 'made in China'.
Pensou-se, em tempos, que a Europa e o mundo ocidental teriam uma saída sólida face à progressão chinesa nos mercados mundiais. Essa saída consistiria em produzir cada vez mais produtos de maior valor acrescentado e maior sofisticação tecnológica. A China apropriar-se-ia dos têxteis, do calçado, dos brinquedos, dos plásticos…  A Europa continuaria a exportar electrónica, tecnologias de informação e comunicação, aeronáutica espacial, serviços avançados...
Esse era o modelo dos economistas da minha geração. Hoje sabemos que pensámos de forma excessivamente linear e simplificada. A China avançou para todos os sectores sem excepção e concorre com o mundo ocidental. Os desequilíbrios instalaram-se e são preocupantes... para não dizer intransponíveis.
Insucesso para o paradigma em que pensaram os economistas e políticos ocidentais. Sucesso para a China.
Face às dificuldades estruturais desta globalização desequilibrada, vale a pena transcrever aqui excertos de uma entrevista de um professor chinês de economia (que corre no Youtube). Sobre a Europa, o Prof. Kuing Yaman - que viveu em França - faz as seguintes asserções:

1. A sociedade europeia está em vias de se auto-destruir. O seu modelo social é muito exigente em meios financeiros. Mas, ao mesmo tempo, os europeus não querem trabalhar. Só três coisas lhes interessam: lazer/entretenimento, ecologia e futebol na TV! Vivem, portanto, bem acima dos seus meios. Porque é preciso pagar estes sonhos de miúdos...

2. Os seus industriais deslocalizam-se porque não estão disponíveis para suportar o custo de trabalho na Europa, os seus impostos e taxas para financiar a sua assistência generalizada.


3. Portanto endividam-se, vivem a crédito. Mas os seus filhos não poderão pagar 'a conta'.

4. Os europeus destruíram, assim, a sua qualidade de vida empobrecendo. Votam orçamentos sempre deficitários. Estão asfixiados pela dívida e não poderão honrá-la.

5. Mas, para além de se endividar, têm outro vício: os seus governos 'sangram' os contribuintes. A Europa detém o recorde mundial da pressão fiscal. É um verdadeiro 'inferno fiscal' para aqueles que criam riqueza.

6. Não compreenderam que não se produz riqueza dividindo e partilhando mas sim trabalhando. Porque quanto mais se reparte esta riqueza limitada menos há para cada um. Aqueles que produzem e criam empregos são punidos por impostos e taxas e aqueles que não trabalham são encorajados por ajudas. É uma inversão de valores.

7. Portanto o seu sistema é perverso e vai implodir por esgotamento e sufocação.  A deslocalização da sua capacidade produtiva provoca o abaixamento do seu nível de vida e o aumento do... da China!

8. Dentro de uma ou duas gerações 'nós' (os chineses) iremos ultrapassá-los. Eles tornar-se-ão os nossos pobres. Dar-lhes-emos sacas de arroz...

9. Existe um outro cancro na Europa: existem funcionários a mais, um emprego em cada cinco. Estes funcionários são sedentos de dinheiro público, são de uma grande ineficácia, querem trabalhar o menos possível e apesar das inúmeras vantagens e direitos sociais, estão muitas vezes em greve. Mas os decisores acham que vale mais um funcionário ineficaz do que um desempregado...

10. Vão (os europeus) direitos a um muro e a alta velocidade...

É um ponto de vista. Controverso. Provocador. E pouco importa se subscrevo ou não, integral ou parcialmente, as teses expostas. O leitor que tire as suas próprias conclusões. E valide ou não o que pensa "o venerável professor chinês". DN

A divida é uma fábrica de escravos e pobres
Veja ainda este artigo onde se percebe como a China está disposta a tudo para chegar ao topo. A China não respeita as regras do jogo, mas pode continuar a competir? 

A FARSA DA UE DESMASCARADA





24 comentários :

  1. Esta e a primeira vez que ouço um politico da nossa era a falar de "Fractional Reserve Banking" para aqueles que ainda não sabem o que é sugiro que aprendem e depressa para poderem perceber de onde a roubalheira vem. É tão importante como aprender 1+1=2. Será que os nossos políticos sabem este sistema? Claro que o conhecem não só são ladroes como também mentirosos.

    O sistema monetário esta tão afundado que hoje já não e preciso o deposito de mil euros para os bancos poderem criar dos mil e emprestarem 100 mil. Hoje basta os idiotas - nós, pedirmos um credito ao banco de mil, o banco não tem esse dinheiro nem transfere de outra conta simplesmente cria os mil euros do ar para emprestar ao idiota que terá que pagar com dinheiro verdadeiro, ganho com esforço de seu trabalho, MAIS OS JUROS!! Quando não podemos pagar vêem buscar a nossa casa, carro etc. Banqueiros é raça mais perigosa para humanidade, os políticos são as putas dos banqueiros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. https://www.youtube.com/watch?v=kxpSn03WQFs

      Eliminar
  2. O problema desta União Europeia, que tem políticos da pior especie comecando na gorda da Merkel, o passitos coelho, o hollande, como o durão barroso como este Martin Schulz ou o mario draghi tudo gentinha da pior especie. Vejam o Inside Job vão ver a realidade da origem da crise. Mas algum Pais consegue competir com estes chineses, trabalham 14 a 15 horas por uma tigela de arroz, ou levam 40 a 50€ e já são bem pagos. Este União Europeia andou a dormir os produtos chineses deviam pagar altíssimas taxas alfandegarias. Portugal tem o salário mínimo de 515€ e quem ganha isso, não consegue pagar as despesas mensais. E tivemos este iluminado Pinho o ex-ministro da economia que foi para a china a falar que Portugal tinha baixos salários, como é possível este atrasado ir falar em baixos salários quando na china ainda tem mais baixo. Isto só demonstra que os políticos portugueses são mal preparados, burros, ignorantes, e corruptos por isso chegam a altos cargos não pela competência mas pelo tráfico de influências.

    Esta Europa, tem de repensar no que anda a fazer, vejam o parlamento europeu quantos parasitas que lá estão quanto ganham e acima de tudo pouco ou nada produzem, apenas são tachos bem pagos para os cidadãos europeus estarem cheios de impostos para financiar aquela parlamento europeu cheio de parasitas.

    E a China não é exemplo para ninguém, estes patifes dos governantes venderam a Edp aos chinocas mas esta gentinha deixa muitas dúvidas.

    Qualquer empresário enriquece na china com tostões que pagam aos chineses.

    A Europa que abra a pestana, mas quem está lixado é mesmo o mexilhão.

    Fernando

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim tanto me faz que esperneie, grite ou fale mal. É me indiferente.
      O que diz não pode ser considerado mais que um desabafo, inconsequente. Tão inconsequente como a sua percepção do mundo real.

      Revejamos o que diz:

      "Mas algum Pais consegue competir com estes chineses, trabalham 14 a 15 horas por uma tigela de arroz, ou levam 40 a 50€ e já são bem pagos."

      R: A resposta é um SIM ou um NÃO, tudo depende das nossas escolhas.
      Se continuarmos a comportar-mo-nos como crianças é um NÃO. Se continuarmos a pensar que não temos de nos adaptar e que o Mundo é um local estático em que desde que nascemos nada muda, é um NÃO.
      Se continuarmos a precisar de 5 pessoas para apertar um parafuso (uma segura a chave e os outros rodam-no), é NÃO.
      Se continuarmos a inventar desculpas para nos poder sentir superiores, é um NÃO.

      "... os produtos chineses deviam pagar altíssimas taxas alfandegarias."

      Estado Novo - orgulhosamente sós.

      A China tal como o Estado Novo deveriam ser exemplos para todos nós. Pelo menos levar-nos a pensar como se deve usar um regime totalitário em beneficio do colectivo.

      É fácil lembrar o que ganham os empresários, mas fácil esquecer qual a essência da empresa.

      Como bem diz quem paga é o mexilhão. E como tem 2 Europas, a do mexilhão e a dos outros, os outros (Europa) não estão preocupados, pois com dinheiro até o Sócrates vive em qualquer parte do Mundo.

      O mexilhão que não abra os olhos, será a frase correcta, pois os outros já os têm abertos há muito.

      Eliminar
  3. O post tem tanta filosofia barata que seria presciso um tratado para desmontar ; mas sugiro uma reflexão pessoal a cada um : perguntem a vos proprios qual é a zona do mundo em que existe mais segurança, melhor proecçáo social e para onde todos os povos do mundo apresentam como modelo e desejam vir viver ou viver como aqui?
    A Alemanha que tem salario minimo superior ao dum emgenheiro em Portugal, tem uma economia e finanças bem governada, vende para todo o mundo e um desemprego inferior ao nosso.Sim e a moeda é o "terrivel euro, que os "empresarios" portugueses acusam de ser o culpado de grandes desgraças... ou será que é o número de ferraries por km que é maior na zona industrial portuguesa do que na Alemanha?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. boa pergunta!!! sempre questionei esse facto!

      Eliminar
    2. Por falar em filosofia barata:

      O problema não é do euro, nunca foi nem será, o euro é moeda, um ser inanimado, não pensa nem sente, nem ri nem chora, nem compra Ferraris.

      Que tem a ver a compra de automóveis mais caros em Portugal com a economia alemã? Qual a relação? Se o Sr. ganhar 500 mil euros mês, não pode comprar um Ferrari? Que raio de argumentação tão tacanha... será que promove a pobreza generalizada entre os portugueses? Se eu não sou rico os outros também não podem ser!

      Gostaria também que me ensinasse como chegou à conclusão de que na Europa existe mais segurança e melhor protecção social, onde todos os restantes povos gostariam de viver?
      E mais ainda, que ensinasse porque razão os portugueses são um povo tradicionalmente imigrante.

      Eliminar
  4. Estaremos nós condenados a vivermos como os chineses?! Antes a MORTE!!

    Não somos máquinas, somos seres humanos.
    Que raio de maquiavélico sistema nos obriga a esta (permitida) escravidão?
    E.....ninguém o combate?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acho que somo seres humanos, no entanto este povo só vê dinheiro à frente. Se falarmos em violação de direitos humanos pelos poderes, isso não interessa. Se falarmos que alguns ganham muito dinheiro, ficam indignados, ficam com inveja. O facto de uns poucos ganharem muito dinheiro, não significa que as pessoas em geral sejam duramente penalizadas por estarem a pagar isso, perceberam? Se são milhares ou milhões a pagar, calha pouco a cada um, é tipo Euromilhões!

      Eliminar
    2. Se tiver dinheiro não!
      Fala de ânimo leve quando diz "Antes a MORTE!!", pois nem imagina o que o ser humano é capaz para sobreviver e a falta de coragem que tem para se matar.

      O sistema que nos força a ser escravos é o sistema monetário com a actual conjuntura.
      Lembra-se do Sá Carneiro ou do Adelino Amaro da Costa? Foi o dinheiro!
      Lembra-se do Kennedy e Lincoln? Foi o dinheiro!
      Lembra-se do pseudónimo CEE agora conhecida como FE? Foi o dinheiro!
      Lembra-se de Israel? E do assassinato do Presidente do Chile? E do 9/11? E do 25 de Abril?
      Lembra-se????

      Já sei..., já sei...!

      Eliminar
    3. "O sistema que nos força a ser escravos é o sistema monetário com a actual conjuntura."

      Como fazer entender 99% da população que é exactamente o dinheiro que nos escraviza, escravidão que começa com o nosso certificado de nascimento. Ainda estou na esperança que o síndroma dos 100 macacos aconteça na minha geração.

      Eliminar
  5. Este análise chinesa sobre a europa é uma das mais controversas e incongruentes que até hoje ouvi.
    É deveras lamentável e triste saber que alguém, proveniente de uma das mais antigas civilizações, se pronuncie tão ambiguemente.
    Não fala da escravatura de trabalho, nos direitos humanos, na liberdade de pensamento.....somente na produção, no capital!!! Só isso, hoje em dia, parece interessar aos chineses!!
    Exemplo a seguir? Acho que não!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não compreendo as suas afirmações, com excepção para a controversa.
      Não entendo onde está a ou as incongruência(s).
      Também não entendo a que ambiguidade se refere.

      Qual o ponto de falar na escravatura no trabalho? Para comparar a nossa escravatura com a deles? Tipo: A minha é menor que a tua. Ou porque pensa que os europeus não têm escravidão no trabalho (para não falar das outras variantes)?

      Direitos humanos, o ou a Sr(a) fala. Quais direitos humanos, o direito ao despedimento colectivo, precariedade, ordenado mínimo, reformados sem dinheiro para medicamentos, direito a pagar o BPN, BES?

      Depois engana-se, penso eu, e fala da liberdade de pensamento, quando quereria dizer liberdade de expressão.
      Sugiro-lhe tentar dar asas à sua liberdade de expressão em alguns lugares deste paraíso, para que consiga entender qual é a verdadeira extensão da sua liberdade de expressão. E mais uma vez a deles é pior que a nossa. E é verdade em tudo que acima disse.
      A única diferença é que ao sacrificar algumas gerações, eles vão passar a comer em restaurantes de luxo, enquanto os portugueses e outros vão estar no trabalho a comer uma malga de arroz.
      A única diferença é que eles já começaram a exportar engenheiros e nós exportamos engelhados.
      A única diferença é eles são nossos donos e nós seus escravos.
      Lembro-me de mais algumas diferenças, mas tenho a certeza que vão ser num futuro próximo amplamente dissecadas, e acerrimamente defendidas consoante os interesses, mas que em nada se tornam mais úteis ao actual debate.

      Então quem é que é ambíguo, incongruente?

      Eliminar
  6. Excelente!
    "Só três coisas lhes interessam: lazer/entretenimento, ecologia e futebol na TV!
    Porque é preciso pagar estes sonhos de miúdos..."
    E Portugal ainda parece pior que os outros, o país da diversão e das crianças grandes. O principal problema deste país é o povo! Alguns protestam porque não querem trabalhar 40 horas, só 35! Este é o seu grande problema!
    Vejam também o livro "A civilização do espetáculo"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E vou tentar contribuir para reforçar o seu texto.

      Abre-se uma empresa, ou um comércio e não nos contentamos em ganhar uma pequena margem, não... temos de ter uma margem de lucro que nos possibilite sustentar o nosso padrão insustentável de vida, almoços e jantares, Tv, internet, telemoveis, telefone, café, alcool, droga, viagens, férias, roupa de marca, carro, casa.

      E quando a concorrência aparece, e nos começa a limitar os ganhos, explodimos numa nuvem de raiva e angústia, pois sabemos imediatamente que não há solução para sustentar o nosso estilo de vida burguês, pois afinal só temos um negócio pequeno e que consoante a quantidade do investimento assim é a quantidade do retorno.
      Heis-nos defraudados nas nossas mais sinceras pretensões de levar uma vida airada, à custa dos otários. E pior, sabendo que agora somos nós os próximos otários.
      Foi bom enquanto durou e agora?

      Bem..., e agora? Prostitui-mo-nos

      Eliminar
  7. O trabalho é saudável....mas não a qualquer preço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem é que lhe vendeu essa ideia? Pior, porque a comprou?

      Já pensou que essa sua afirmação é uma piada com barbas que em determinado período a burguesia usou?

      Eliminar
  8. A FIRMEZA DO CONTRIBUINTE ALEMÃO (não cedendo à pressão vinda da imprensa - marioneta da superclasse) É FUNDAMENTAL PARA SALVAR A EUROPA
    .
    -> Depois de andar a 'cavar-buracos' um pouco por todo o lado (nas finanças públicas, na banca)... a superclasse (alta finança - capital global) quer pôr o contribuinte a tapar os buracos por si cavados!
    -> Ora, de facto, depois de 'cozinhar' o caos..., a superclasse aparece com um discurso, de certa forma, já esperado!... Um exemplo: veja-se a conversa do mega-financeiro George Soros: «é preciso um Ministério das Finanças europeu, com poder para decretar impostos e para emitir dívida».
    .
    -> O discurso anti-austeridade que circula por aí... pressupõe a existência de alguém que vai pagar/suportar o deficit... e já existe um alvo escolhido: o contribuinte alemão!
    .
    .
    .
    P.S.
    A superclasse pretende 'cozinhar' as condições que são do seu interesse:
    - privatização de bens estratégicos: combustíveis... electricidade... água...
    - caos financeiro...
    - implosão de identidades autóctones...
    - forças militares e militarizadas mercenárias...
    resumindo: estão a ser criadas as condições para uma Nova Ordem a seguir ao caos - uma Ordem Mercenária: um Neofeudalismo.
    {uma nota: anda por aí muito político/(marioneta) cujo trabalhinho é 'cozinhar' as condições que são do interesse da superclasse: emissão de dívida e mais dívida, implosão das soberanias, etc...}
    .
    P.S.2.
    Para 'cortar' com as regras da superclasse (alta finança - capital global), há que:
    1-> retirar poderes aos políticos (um sistema menos permeável a lobbys), e implementar uma maior supervisão feita pelo contribuinte... ver blog: "FIM-DA-CIDADANIA-INFANTIL" ;
    2-> garantir o Direito à Sobrevivência das Identidades Autóctones... ou seja: há que mobilizar aqueles nativos que possuem disponibilidade emocional para abraçar um projecto de Luta pela Sobrevivência!... [nota 1: os 'parvinhos-à-Sérvia' (vide Kosovo) que fiquem na sua...; nota 2: os 'globalization-lovers' que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa]... ver blog "SEPARATISMO-50-50!".

    ResponderEliminar
  9. ultima hora

    https://fbcdn-sphotos-c-a.akamaihd.net/hphotos-ak-prn2/t1.0-9/10389659_289436891223619_6884869044810016413_n.jpg

    ResponderEliminar
  10. Apesar de todos os seus problemas, a europa ainda é o sonho e a esperança de muita gente. É um facto notório, não carece de prova. Basta observar o drama daqueles que todos os dias se arriscam no mediterrâneo pela remota esperança de chegar à Europa.

    Este discurso do chinês é típico de estado totalitário, a demonstrar a sua força e a apregoar a decadência do oponente, mas este discurso já tem barbas, os últimos a emprega lo, em defesa da pretensa superioridade do seu modelo, foram os soviéticos e a coisa acabou mal.

    Sinceramente, não acho um discurso deste tipo minimamente digno de menção. A Europa tem defeitos visíveis a todos mas a solução não é tomar o modelo chinês como exemplo, na medida em que não passa de um sistema neofeudalista com problemas de corrupção tão graves ou superiores aos nossos, em que uma pequena porção da população é estupidamente rica e a grande maioria passa dia e noite a trabalhar por uma taça de arroz e uma barraca de zinco de um metro quadrado e isto nunca vai mudar, pois a competitividade deles assenta na exploração total do ser humano.

    Quanto à Europa, terá de enfrentar este adversário com base na qualidade dos seus produtos e serviços e aí temos ainda uma hipótese muito forte de sustentabilidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito bem dito "ainda é o sonho".
      Quanto aos que se arriscam, com certeza não são os chineses, nem americanos. O que vemos é o espólio ou espelho da produtiva colonização europeia que nos vem de África, em barcos que revelam a grandeza do legado europeu por essas bandas, na eterna e fútil desculpa de superioridade com o falso orgulho que vendemos por esse Planeta fora, atraídos pela publicidade grátis e enganosa que infantilmente mantemos sem pensar no monstro que éramos e no Deus em que sempre procurámos ser.
      E é com este pano de fundo divino que a maioria de nós desconhece, que uma pequena percentagem de semelhantes burgueses mais ou menos idiotas fazem fortunas, como estivessem a brincar com uma playstation.
      Sim..., porque nada mais são que crianças ocas e sem maneiras, a brincar ao jogo da civilização, e obviamente, incapazes de ler o manual.

      É caso para dizer, que a saga dos podres da Europa que se tentam ocultar até à presente data e dos quais só uma ínfima parte é fugazmente falada, aqui e ali, sem nexo e principalmente sem convicção útil à tão importante mudança no paradigma europeu, vezes e vezes sem conta é adiada a possível cura do paciente e a sua total recuperação, manietando assim o desenvolvimento de uma Europa com a morte anunciada.
      No entanto orgulhosamente superiores em terem criado uma Guerra Fria, um assassino profissional e em resumo pintado um quadro com as mais horrendas atrocidades com as quais o coitado do Diabo teve de se esforçar para estar a par.

      Gosto imenso das virgens ofendidas, só ainda não entendi qual o meu fetiche, mas creio que alguém me possa dar uma ajuda.

      Eliminar
  11. Claro que não, aliás o que falta na Europa e nos EUA são chineses e todos com visto gold. Não existem cidadãos dessa potência de primeiro mundo a tentar fugir de lá pagando o que tem e o que não têm às tríades locais, nem gente que vive a vida toda dentro de uma fábrica, para os senhores do capital continuarem a criar cidades fantasma em nome da especulação imobiliária.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E como pode observar tanto lá como cá vivem todos em felicidade permanente, cada um à sua maneira.
      Não vivemos num Mundo feliz?
      Que mais poderemos querer?

      Eliminar