02 janeiro, 2014

A incrível história do administrador que se demitiu em confronto consigo próprio e duplicava salários


alter cid boy psdEstanislau Mata Costa deve ser um personagem muito confuso. Leia estes casos e fique a perceber quem são os carolas que gerem as nossas empresas públicas.
Um srº que entrou em conflito com ele próprio e com as suas normas. Mas também um srº que ficou a receber 2 salários durante 2 anos, ilegalmente... coisa pouca, era apenas um de 15 mil euros por mês mais um outro de 23 mil euros por mês.

Mas também um srº irresponsável que decide comprar empresas, por milhões, sem qualquer lucro e muito prejuízo.
Nada que o zé povinho possa recusar a pagar. Afinal ninguém sabe destas coisas, nem quer saber.

CASO 1
Em Junho de 2010, os CTT vivem uma situação caricata. O então presidente dos CTT, Estanislau Mata Costa, renuncia ao cargo que acumulava de presidente da Tourline Express - empresa do grupo CTT de correio expresso e estafetagem localizada em Espanha. 
Na carta de renúncia, a que o i teve acesso, Mata Costa justifica a saída com o facto de o conselho de administração da Tourline - por ele presidido - não ter posto em prática uma série de orientações definidas pelo conselho de administração dos CTT - único accionista da empresa -, do qual também é presidente. 
Estamos perante alguém a queixar-se a alguém (o próprio) de alguém (o próprio, que também é o primeiro) de não cumprir as deliberações que ele emitiu e que ele (o mesmo) não conseguiu cumprir. 
O caso pode fazer rir, mas também poderá ser revelador de uma série de situações pouco claras na empresa. Na origem da demissão estava o facto de o conselho de administração da Tourline, presidido por Mata Costa, não ter levado a cabo a redução do número de membros do conselho de administração e do conselho executivo da Tourline e a separação dos cargos de membros do conselho executivo dos cargos de directores regionais, como tinha sido definido pelo conselho de administração dos CTT, do qual Mata Costa também era presidente à altura. Recorde-se que Mata Costa abandonou os CTT no final do ano passado, pouco tempo antes de ser revelado um relatório da Inspecção Geral de Finanças (IGF) que denuncia a acumulação de reformas com salários deste administrador.

INVESTIMENTOS RUINOSOS
Mas o que é a Tourline? A Tourline Express foi adquirida a 100% pelos CTT em 2005 por 28,5 milhões de euros. O objectivo passava por criar uma plataforma ibérica de estafetagem. 
Seis anos depois, o investimento total dos CTT nesta empresa é superior a 37 milhões de euros, o grupo nunca recebeu dividendos da Torline e não é previsível que os CTT recuperem o valor investido. 
A informação consta de um relatório interno dos CTT, a que o i teve acesso, que faz uma análise de rentabilidade do investimento das diferentes empresas do grupo CTT. É concluído que "o investimento na Tourline apresenta uma taxa interna de rentabilidade (TIR) negativa e registou um retorno de capital (ROI) baixo, de 1%". O relatório refere ainda que, no caso de se manterem estes valores de rentabilidade, "a evolução futura será de manutenção da TIR em valores negativos e de não recuperação do capital investido".
Em 2008 e 2009, a empresa chegou a apresentar resultados negativos, o que fez que os CTT fizessem um empréstimo de 7,7 milhões de euros à Tourline.

Salários e indemnizações, prémio por vender a empresa fica seu CEO?
Apesar dos resultados da empresa, a Tourline tem mantido entre os seus administradores alguns dos ex-donos espanhóis. Os CTT compraram por 1,8 milhões de euros as posições de Miguel Bakero e Antonio Dias na empresa. Miguel Bakero, por exemplo, foi nomeado pelos CTT CEO da Tourline (empresa que acabara de vender), tendo um salário de cerca de 160 mil euros/ano a que acresciam remunerações acessórias. Também António Dias se manteve na empresa na qualidade de membro do conselho executivo nomeado pelos CTT, com um vencimento de cerca de 14 mil euros/mês acrescido de carro e cartão de crédito.
Tanto Miguel Bakero como Antonio Dias acabaram por abandonar a Touline o ano passado com indemnizações elevadas. Bakero recebeu cerca de 220 mil euros e está ainda a receber adicionalmente como contrapartida de não concorrência cerca de 9,2 mil euros/mês durante dois anos. Já Antonio Dias recebeu cerca de 150 mil euros para sair.
Só em indemnizações de saída na Tourline os CTT pagaram recentemente 634 mil euros, mais de metade para pagar rescisões de pessoas a quem a empresa pública tinha comprado a Tourline em 2005.
Há, ainda assim, um ex-dono da empresa espanhola que se mantém na Tourline: Albert Canals recebe actualmente 14 mil euros/mês.

Conflito de interesses
Chefias da Touriline devem dinheiro à Touriline e arrendam armazéns a Touriline e decidem o valor da renda?
Foram ainda reveladas ao i por fonte próxima deste processo diversas situações de alegado conflito de interesses. Antonio Dias, ex-dono da Tourline que se manteve na empresa como membro do conselho executivo, é um dos devedores da própria Tourline, em cerca de 200 mil euros, quantia que ainda está a pagar em prestações de cerca de mil euros por mês.
Outra situação menos transparente prende-se com o facto de a Tourline ser arrendatária de um armazém no País Basco cujo proprietário é Miguel Bakero, que acumulava a posição de senhorio com a de, até recentemente, CEO da empresa arrendatária.
Há relatos de que Bakero, na qualidade de CEO da Tourline e também de inquilino, tenha apresentado em reunião de comissão executiva uma proposta de actualização da renda feita por ele próprio enquanto senhorio. A proposta não chegou a ser aprovada.
Faz ainda parte da administração executiva da Tourline Cidália Morgado. Esta pré-reformada da Portugal Telecom acumula com a pensão da PT de (7583,40 euros/mês) o salário de 120 mil euros/ano que recebe na Tourline. Morgado tem ainda direito a 2 mil euros para renda de casa e a uma viagem mensal de ida e volta entre Lisboa e Barcelona. Esta acumulação do vencimento com a reforma da PT foi censurada num recente relatório da Inspecção-Geral de Finanças. fonte

CASO 2
O Presidente do Conselho de Administração dos CTT, Estanislau Mata da Costa (que se demitiu sem ter terminado o mandato) recebeu, durante cerca de dois anos, dois vencimentos em simultâneo: um pelo cargo nesta empresa, de cerca de 15 mil euros, e outro correspondente às suas anteriores funções na PT, de 23 mil euros. E isto apesar de ter suspendido o vínculo laboral com a PT.
Há cada vez mais no desemprego, e outros que recebem a dobrar. É assim a vida.
A descoberta foi feita pela Inspecção-Geral de Finanças (IGF), na sequência de uma auditoria realizada após denúncias da comissão de trabalhadores dos CTT sobre actos de alegada má gestão na empresa.
A IGF classifica esta acumulação de vencimentos por parte de Mata da Costa - num valor mensal de cerca de 40 mil euros (ao todo, um milhão e 575,6 mil euros recebidos entre Junho de 2005 e Agosto de 2007) - como «eticamente reprovável, ainda que possível do ponto de vista legal». Ainda assim, a IGF decidiu encaminhar o caso para a Procuradoria-Geral da República, por ter «dúvidas quanto à legalidade» da situação.
Segundo o relatório preliminar da IGF, a que o SOL teve acesso, Mata da Costa, que era quadro da PT, foi nomeado para presidir aos CTT em Junho de 2005. Mas, em vez de se desligar desta empresa, fez um acordo de «suspensão do contrato de trabalho, embora estranhamente sem perda de remuneração. fonte

COMPREENDE PORQUE PORTUGAL ESTÁ NAS LONAS, OU PRECISA DE MAIS EXPLICAÇÕES ?
Por favor dar conhecimento aos Portugueses porque os media andam distraídos.
Os portugueses precisam de conhecer a laia de quem nos gere e (des)governa.
Precisamos divulgar e informar. Só assim poderemos acabar com o abuso, quando o povo deixar de ser tolerante com estes lacaios.


ESTE COMPETENTE SRº, É MAIS UM «dos mais bem pagos da Europa»!!!
Este figurante de nome Estanislau Mata Costa declarou, ao Tribunal Constitucional, que os seus rendimentos em 2007 tinham sido:
Trabalho dependente – 475.889,40 €
Outros rendimentos – 18.523,00 €

morgado borboleta corrupção justiça
JUSTIÇA FRÁGIL, É CONVENIENTE!
Acções

PT - 28.913

EDP – 191

ZON – 4.212

REN – 490

GALP – 950

Títulos e contas a prazo Totta Banking - 607.000,00 €

BES Private – 359.000,00 €

Totta Investimento – 25.000,00 €

PPR Garantido – 5.913,00 €

PPR Império – 5.881,00 €

Fundo cliente COSE 10 PPR 5 estrelas – 65.000,00 €

FP Viva – 37.600,00 €

PPR Fidelidade Mundial – 2.990,00 €

Depósito a prazo CGD – 5.060,00 €

Certificados de aforro – 9.225

Unidades - Automóveis

Mercedes E-220 CDI

Porsche 911 Carrera 4S

BMW 530D

BMW 523i

Imobiliário

Dois prédios urbanos em S. Pedro de Penaferrim (Sintra)

Um prédio urbano em Colares (Sintra)


9 comentários :

  1. e assim estamos a pagar com lingua de palmo o dinheiro que foi pedido ao credores para sustentar estas beneces.. pois trb numa destas empresas e o meu salario de a dez anos para ca se mantem ou sofre baixas.
    alguem tem de pagar.

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente é o país que temos...e vamos continuar a pagar impostos para essas excelências poderem ter altos salários.

    ResponderEliminar
  3. como diz o povo...quem não sabe ser cacheiro fecha a loja....e nós aguentamos tudo

    ResponderEliminar
  4. Que vamos ter melhores eleitores não tenho dúvida, basta informar do que se passa para que sem mais teorias os eleitores mudem o modo como votam. O meu receio é que já esteja muito velhinho quando isso acontecer por isso passo a vida a reenviar estes post a todos os conhecidos para que tambem eles saibam do que se passa. Uns serviços de fiscalização independentes que só dependessem eles proprios e dos tribunais ajudava a que casos comoos do CTT em que já ocorrupto horta e costa e agora este stanislau, só pode acontecer porque ninguem quer saber. Ao pé de mim um espaço que veio a ser estação dos correios já estava apalavrado e o vendedor oferecu um indmenização choruda para o anular o acordado (tal não deve ter sido o "negocio" com os ditos dos CTT). E os donos que se cuidem que se não fizerem a devida limpeza a lepra deve lá continuar. São um alfobre as nacionalizadas "nossas". Arre satanás nossas uma ova.

    ResponderEliminar
  5. Infelizmente, estes casos proliferam, perante a impotência dos cidadãos, descredibilizando a justiça, os partidos e o regime. Um dia acabar-se-á com isto! Mas não é esta a razão do estado de pré-falência a que o pais chegou.

    ResponderEliminar
  6. Eu,filho de pobres trabalhadores do campo e um simples operário emigrante na Holanda onde resido desde 1964 e já velhote (89 anos),digo uma vez mais que os trafulhas,os velhacos,os pulhas,os cínicos,os hipócritas,os vigaristas,os espertalhões da Alta,da Média,da Pequena Burguesia com destaque para os Vigários de Cristo mas também gente da Plebe que sabiam como tirar o melhor partido da Ditadura clerical-fascista do Estado Novo,agora em liberdade e «democracia»e com o liberalismo económico e financeiro em que cada qual se safa como pode,ÊLES,seus descendentes,seus comparsas e os «filhos da mesma escola»muito melhor sabem como tirar o melhor partido desta SITUAÇÃO.Sómente os bem intencionados ou os palermas como eu,é que foram,são e serão sempre as eternas vítimas.E não esquecer que ÊLES estão a vingar-se do 25 de Abril.

    ResponderEliminar
  7. E no fim desta novela ? Estanislau Mata Costa , foi preso ? Foi obrigado pelo tribunal a devolver o dinheiro indevidamente recebido ? Os seus bens foram penhorados ?
    Já sei, não foi feito nada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esqueçam a justiça, o BPN, as PPP, os submarinos, a democracia e Portugal.

      http://www.youtube.com/watch?v=DjKyIpWy4ME&list=UUakSi4_ei0aVffdQ4GzdYuA&feature=c4-overview

      Eliminar
  8. O Problema, é que por mais se corte nos (na maioria) mal pagos funcionários publicos, os Estanislaus da vida e patos bravos da politica, continuam a crescer.. por isso nunca haverá cortes que cheguem.. é facil de ver que se extinguirá o estado para os privados terem vidas de luxo... de luxo não é com o seu trabalho!!! É a roubar aos impostos de todos nós, e curiosamente ainda por cima são os que mais fogem a esses impostos.. É o mundo ao contrário..!!

    ResponderEliminar