23 setembro, 2012

O envelhecimento ilícito prejudica o enriquecimento ilícito. Qual combater?



A peste grisalha incomoda os parasitas? 
«Governo inventou um novo crime, o envelhecimento ilícito» (nos primeiros 2 minutos do video)
Ricardo Araújo Pereira sobre os cortes recentemente anunciados pelo Executivo que empobrecem os mais necessitados.
«De tanto ouvir falar do combate ao enriquecimento ilícito, o Governo decidiu fazer algo semelhante: combater o envelhecimento ilícito», lançou Ricardo Araújo Pereira, numa sala praticamente cheia no CCB, para o encerramento do primeiro dia do encontro «Presente no Futuro», organizado pela Fundação Manuel dos Santos.

«Tratam-se de pessoas que se atrevem a viver depois dos 65 anos, deixam de estar na vida ativa e acham-se no direito de viver à custa da reforma. É por causa disso que o Governo decidiu penalizar pensionistas e reformados retirando-lhes dois ou três salários por ano. Para aprenderem», disse o humorista, acompanhado no palco por Vasco Palmeirim, Nuno Markl e Pedro Ribeiro.
Vasco Palmeirim cantou uma ode ao ano 2030 (data escolhida pela organização), Nuno Markl e Pedro Ribeiro fizeram rir com as suas perspectivas para a rádio e televisão nesse ano, ao passo que Ricardo Araújo Pereira mostrou as suas «poucas expectativas» sobre o humor daqui a 18 anos.
Questionado já por uma senhora da plateia sobre a sua disponibilidade em candidatar-se, num futuro próximo, ao cargo de Presidente da República, Ricardo Araújo Pereira foi claro: «Nem que Jesus Cristo desça à terra, pela primeira vez, serei Presidente da República. Podem contar comigo para fazer piadas sobre o cargo, mas nunca para o exercer».
http://www.tvi24.iol.pt/aa---videos---sociedade/rap-ricardo-araujo-pereira-pr...

11 comentários :

  1. "Não ..Não ...Mas vamos acreditar!" O mestre a ironia

    Aconselho a todos a ouvirem o Governo Sombra na TSF.

    Saudações

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Quanto ao programa

      Para quê, não dizem nada de jeito!

      São umas aberrações!

      Eliminar
  2. Tal como hoje é evidente que, no futuro, as pensões pagas pelo estado serão mínimas, deveria ter sido óbvio há 20, 30 anos que, neste momento, os reformados iam perder 25% daquilo a que tinham direito, tal como o tiveram seus pais e avós.

    A dificuldade maior não estará em perder essa grossa fatia da pensão.
    Está em respoder aos compromissos feitos pensando em 100% dela e também na forma arrogante com que o poder arrasa uns, poupa outros e promove amigos e corregelionários, ao manter estruturas insuportáveis no estado e nas autarquias à custa, principalmente, de quem trabalhou e agora merecia mais respeito.

    "Governos" de corruptos e ladrões trouxeram-nos até aqui. PAREM-NOS!

    ResponderEliminar
  3. Reformas, ora deixa ver..
    Entao uns quantos tiveram uma data de anos a fazer descontos, os governos em vez de guardar gastaram o dinheiro amealhado, distribuiu-o. E o povinho que em parte tambem beneficiou nao disse nada. Agora que o mealheiro ta vazio e nao ha dinheiro que chegue para pagar as reformas é que reclamam?
    Um bocadinho tarde para reclamar.

    Queria saber onde é que vao buscar o dinheiro?A resposta é roubar o Futuro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A culpa é do povo? ...

      O problema do envelhecimento da população não é um exclusivo de Portugal. Tem a ver com a melhoria das condições de vida de camadas crescentes da população e a redução da pirâmide etária na base, entre outros factores.

      Cabe, em primeira instância, aos detentores do poder político acautelar o futuro das suas nações. São eles que detêm o poder de soberania (legitimado democraticamente ou não, no caso das ditaduras) para tomar decisões, e são eles que possuem acesso à informação necessária para tomar decisões informadas.

      Insinuar que a culpa é da população, é tão falacioso como atribuir a derrapagem das contas públicas a mim ou a si individualmente.

      Cumps.

      Eliminar
  4. Nao acho piada à personagem.
    Um ex-comuna que ganha a vida a fazer publicidade de produtos descartaveis, nao da muita vontade de rir.

    ResponderEliminar
  5. O problema não é a "alma mater" política do comediante...

    Porque se vamos por aí, o Passos Coelho veio da JCP (sim, sim a Juventude Comunista), o Crato da UDP, o Sócrates da JSD, o Durão Barroso e Maria de Lurdes Rodrigues do MRPP, e por aí fora...

    Cumps.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais... as pessoas focam-se mais em coisas sem importância do que na verdade. Se formos por aí deveríamos recordar tb que cavaco silva aspirou pertencer à PIDE, e há muitos outros que fazem da carreira politica isso mesmo, um percurso sem conteúdo, sem ética sem moral. Uma escalada sem escrúpulos até ao poleiro recheado de dinheiro e poder fácil. A mim preocupa-me mais os que realmente conseguiram alcançar o poder e roubar-nos ás custas disso.

      Eliminar
    2. Convém lembrar que Cavaco Silva apareceu há cerca de 30 anos a vociferar contra os que faziam da política um modo de vida. Foi Ministro das Finanças do VI Governo Constitucional.
      Volvidos todos estes anos, verifico que é mais um político de carreira!

      Parabéns à Zita pela isenção do seu blog e pelo excelente trabalho de recolha de informação dispersa.

      Cumps.,
      Falso Vate

      Eliminar
    3. Conclusao:
      este come-diante é indestingivel dos outros come-diantes (os politicos).Ambos dao enfoque ao prefixo 'come'.

      E o povo, olha para eles e diverte-se com o circo.Fica a espera que este senhores acautelem o seu futuro, do povo.Quando o unico futuro que eles acautelam e o deles, dos comediantes.

      Eliminar
    4. Não vejo em como pode comparar o Ricardo Araújo Pereira aos políticos.
      Acaso ele tem acesso aos nossos impostos e pode geri-los criminosamente, incompetentemente ou abusivamente?
      Acaso foi ele que despojou a CGA do descontos de 3 décadas?
      Acaso teve ele alguma influencia no estado ruinoso em que se encontra Portugal?
      Acaso tem ele algum tacho ou fundação parasitário do estado?
      Acaso está ele envolvido em casos de corrupção?
      Não percebo... o que pretende com esta comparação, ou desconhece a gravidade das acções dos políticos, ou sobrestima o valor politico do R.A.P.

      Ele retrata com humor o ridículo da corrupção politica, o ridículo da falta de vergonha dos políticos, o ridículo do abuso de poder deles. E o humor sempre foi uma boa forma de fazer passar ideias... principalmente tendo em conta que em Portugal temos milhões de visitas em sites pornográficos, ou sites de futebol e mesmo de humor, e os sites de politica, economia, ciência e cultura... morrem ás moscas.

      Por isso creio que o trabalho do R.A.P. é de louvar e de aproveitar.

      Eliminar