25 abril, 2012

25 de Abril, uma data que recorda a liberdade pretendida e nos faz perceber que a perdemos.

Ditadura Portugal

O meu manifesto do 25 de Abril

"Gradual e premeditadamente, o sistema financeiro com os aplausos do patronato mais cúpido e ignorante da Europa não conseguem mais do que acumular capital através da criminalização do povo e da sua condenação a um lento genocídio.
 O governo actual, numa senda já antiga mostra, mesmo a quem estiver distraído uma indigência cultural tão grande quanto o seu delírio destrutivo da economia, da democracia, dos valores.

Este governo e o seu presidente da república nada têm a ver com o 25 de Abril se não como seus empenhados coveiros. É caricato e ofensivo ver aquela gente a comemorar o 25 de Abril com o patente intuito de enganar o povo e ofenderem a democracia que resultou do 25 de Abril.

É para lamentar que a esquerda parlamentar se rebaixe ao ponto de participar na encenação, sem perceber que fica salpicada pelo lodo fedorento que em S. Bento vai dominar, sob a tutela de um tal Cavaco Silva, excelente símbolo da esclerose do sistema político. Ao participar, a esquerda parlamentar definirá as escolhas que faz para poder estar no banquete do orçamento; ficará claro que é uma esquerda “paralamentar”.

Os militares não vão fazer um novo 25 de Abril tal como D. Sebastião não regressou de Marrocos. O retorno à democracia, à construção de instituições públicas credíveis e que nos sirvam, bem como julgamento destes gangs de salteadores é tarefa nossa; não é fácil nem rápida mas é indispensável e urgente.
Deixem os sofás a arejar, o computador fechado e venham para a rua acabar com o regabofe deles. “Que se vayan todos” como se dizia anos atrás na Argentina em bancarrota.
Vamos fazer em Maio um novo Abril"
Grazia Tanta Vitor Lima

3 comentários :

  1. infelizmente o povo português só sabe queixar-se e reclamar, mas fazer alguma coisa,tá quieto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. caro Dados Lançados, o povo já percebeu que manifestações são marradinhas infrutíferas. A TV nem fala delas e passam ao lado.O governo faz questão de enfraquecer o povo nos seus mais ínfimos direitos. A comunicação social está ao serviço dos bildberg, o clube que pretende ser o dono do mundo e do qual Pinto Balsemão faz parte.
      Os portugueses já perceberam que as petiçoes só tem valor se os politicos estiverem para aí virados.
      Os portugueses já perceberam que perderam o poder, a força, os direitos.
      Certamente haverá milhares de portugueses dispostos a lutar por isso ... falta aparecer um visionário que lhes diga como.
      O que será possível fazer-se para penetrar no impenetrável, impune e corrompido castelo dos políticos. Exigir o que é nosso, escorraça-los e repor a justiça e a democracia.
      Aceitam-se sugestões... porque afirmar que ninguém faz nada ou criticar o pouco que se faz, é fácil e não resolve o dilema.

      Eliminar
  2. Perante os factos que pode fazer o POVO???... Fazer-se de "heróis do mar" e embarcar sem saber onde fica bombordo só para não ir para a forca? Marchar contra os canhões enquanto os oportunistas ficam em casa a ver no que dá? Provavelmente irá aguentar a canga até já não ter nada a perder... mas a "pieguice" vai perdurar enquanto aguentar, depois fará o que tiver que fazer num último esforço onde já a esperança morreu e aí os moderados virão criticar os extremismos... entretanto eu pergunto onde hoje estão os moderados?... a comer à mesa com os tiranos?
    Como é possível os operários portugueses serem reconhecidos no estrangeiro e na sua terra não terem nenhum valor? Como é possível um "governo" aconselhar os "indígenas" a emigrar? Como é possível a falta de valores e a pouca vergonha ter chegado aos altos cargos da NAÇÃO?
    Agora não temos um "império" só nos temos a nós... um POVO inculto por uma religião do favorzinho e da esmolinha... de aguentar tudo até à morte que no "outro mundo" terá de tudo se for cá na terra humilde e obediente... um POVO onde o culto do "respeitinho é muito bonito".
    Recordando Alexandre O'Neill: "... isto não é um país, é um sítio mal frequentado".

    ResponderEliminar